Litoral norte SP: nossa geração será cobrada

21
9314
views

Litoral norte SP: nossa geração será cobrada, não duvide

Antes de mais nada, este post tem objetivo de aproveitar o choque provocado pela tragédia do litoral norte SP para sugerir uma reflexão sobre o modelo de ocupação da costa. Infelizmente, não tenho cartas na manga para oferecer um padrão melhor. Contudo, de uma coisa estou certo: o que escolhemos é abjeto. Não trouxe melhorias para a região bem como seus guardiões. Deteriorou ambos. Muito menos é auspicioso para o futuro. Persistem os mesmos problemas desde a proclamação da República, concentração de renda, destruição de ativos ambientais, e gritante acirramento da desigualdade. A propósito do título, o ‘nossa’ é porque obviamente me incluo entre os que serão julgados. Por último, este possessivo inclui igualmente a mídia e o poder público. E assim completa-se o todo.

litoral norte SP.
Litoral brasileiro, é preciso dar uma chance para ele. Acervo MSF.

1967, o litoral ainda prístino

Navego pela zona costeira desde 1967. Portanto, pouco mais de 50 anos. Um átimo para um planeta com 4,5 bilhões de anos. Assim, tive o privilégio de conhecer o litoral prístino. Uma linda orla cercada por mata atlântica, com uma variedade superlativa de paisagens e praias. E, para trás delas, escondidas depois da primeira linha de árvores, pequenas, pitorescas, e pobres casas de caiçaras. Você passava de barco em frente e mal percebia a ocupação. Contudo, com a especulação imobiliária que se alastra feito uma pandemia para a qual não há vacina, hoje se parece a uma caricatura. Todos perdemos. Não há vencedores neste jogo.

Costão à venda, Ilhabela, litoral norte SP
O suprassumo da sacanagem, um costão à venda em Ilhabela. Foi o único lugar do litoral brasileiro em que vi um costão à venda. Acervo MSF.

Caiçaras no Sudeste, e nativos da costa nas outras regiões do País

Um pouco de história não faz mal a ninguém, concorda? Acostumados ao clima e habituados, naturalmente, a se protegerem das intempéries os caiçaras (ou os nativos) sabiam que construir na praia era por demais precário, sem falar no excesso de sol e consequente calor. Então, em geral suas casas ficavam debaixo de frondosas árvores. Vamos lembrar que os caiçaras do Sudeste ou os nativos da costa de outras regiões, são descendentes dos primeiros colonizadores europeus que chegaram no século 16. Logo depois, se misturaram à população indígena; e aos escravos, em seguida. E ali permaneceram esquecidos pelo poder público até hoje. Para os indígenas existem políticas públicas, para os negros, menos mas há; para os nativos da costa, nada. Por isso tantos índios e quilombolas no litoral, assim como bolsões de pobreza. Os nativos que hoje ocupam este espaço são descendentes desta primeira leva que chegou ao País.

Praia das Toninhas, Ubatuba.
Praia das Toninhas, Ubatuba, tem o condomínio mais horrendo da costa brasileira. Além do mais, em encosta de morro. Como pode ser aprovado? Acervo MSF.

A ocupação dos nativos preservou a beleza cênica por 400 anos

Em primeiro lugar, a ocupação dessa gente preservou a beleza cênica do litoral por quatro séculos e, em consequência sua biodiversidade, até à chegada dos caras-pálidas ali pelos anos 50. Então, em apenas meio século nós a destruímos impiedosamente no litoral norte de São Paulo (e no sul da mesma forma, lembremos Ilha Comprida), e seguimos arruinando no Sul e Nordeste.

Caiçara raiz
Caiçara raiz levando o almoço pra casa. Acervo MSF.

O litoral da região Norte escapou à sina por um intransponível, imenso, e intrincado manguezal. Seja como for, ele igualmente tem graves problemas pela omissão do poder público.

Costa Norte invadida pelo tráfico de crack

Se na costa Norte a especulação não é o maior entrave, existe outro gravíssimo que descobri e denunciei quando fazia a série sobre as unidades de conservação federais do bioma marinho. Para meu horror, o tráfico de crack acontece à luz do dia e, obviamente, impunemente.

PUBLICIDADE

mapa de Tracuateua
Tracuateua, uma vila perdida na costa do Pará. Mas o crack chegou até lá.

O tráfico rola dentro das UCs federais em praticamente todas do Estado do Pará! São locais de dificílimo acesso, verdadeiros sertões, tais como o município de Tracuateua. O wikipedia explica o motivo do nome: ‘O nome foi dado pelos trabalhadores que abriam caminho para a futura ferrovia (1888) Belém – Bragança. Esses chegaram a margens de um rio para merendar, e foram surpreendidos por uma infinidade de formigas grandes e pretas, conhecidas como Tracuás. Desde então, denominaram de Rio Tracuateua, que mais tarde deu nome ao povoado’.

A unidade ocupa 30% do território do município

A unidade ocupa 30% do território do município. Curiosamente, 30% da população de Tracuateua, estimada em cerca de 30 mil pessoas (IBGE), depende da Resex para sobreviver. Sua economia é fraca, basicamente agricultura familiar e extrativismo. Dentro da área  existem 130 famílias de usuários, no entorno, outras 2.200. A atividade mais forte é a catação de caranguejos.

Casa de nativo em Tracuateua, PA
Esta foto ilustra tragédia que aconteceu em Tracuateua depois da chegada da energia elétrica em 2011. Note a pobreza. Mas, ao fundo, a novidade: o computador. Quando os filhos deste nativo, com o saco de caranguejos, descobriram como meninos da idade deles vivem nas grandes cidades, ficaram revoltados. Querem tênis de marca e todas as outras comodidades. Ao não verem futuro para si mesmos, abriram as portas para os traficantes que agem impunemente.

Como em todas as UCs do Pará, peixes são raros. Os cardumes foram superexplorados. Sim, pescadores artesanais também fazem besteiras. Sobra a catação de crustáceos. Entrevistei o presidente da associação dos usuários, de 2008 até 2014, de nome Donda. Ele é uma das lideranças mais respeitadas da Resex Tracuateua.

Diário de bordo do Mar Sem Fim em 2016

Recorro ao diário de bordo daquela expedição. ‘Fiquei estarrecido com o que ouvi. Donda mora na comunidade de Nanã, distante 21 quilômetros de Tracuateua. Neste trajeto, diz ele, “há oito pontos de venda de crack”.

E a polícia, perguntei, não age, não dá em cima?’ ‘Eles  passam lá pra pedir propina‘, respondeu. Custei para recuperar o fôlego. Essa gente simples, honesta e generosa, características dos nativos da costa, não merece mais este desplante.’

Donda, nativo líder em Tracuateua.
Donda, um dos mais respeitados líderes dos nativos conta resignado: “A polícia só vem aqui se a gente pagar (os custos do deslocamento).”

Polícia cobra dos moradores

‘Mas  a desfaçatez não fica nisso. Donda contou que quando acontecem furtos ou desentendimentos, ‘a polícia só aparece  se for paga pelos moradores’. Essa é a triste sina destes credores da sociedade.’

O chefe da UC à época, o funcionário do ICMBio Paulo Henrique Oliveira, me levou para conversar com Donda justamente porque sabia que ele contaria sobre o tráfico. Paulo estava cansado de denunciar às autoridades e nada acontecer. Infelizmente, no litoral o pouco caso é generalizado. Se você quiser, pode assistir ao documentário clicando neste link.

As belezas cênicas de um país: um bem da coletividade

PUBLICIDADE

A beleza cênica de um País é um bem coletivo, bem como a biodiversidade e as florestas. E o litoral pode e deve ser ocupado sem, necessariamente, arrasar seu maior encanto. O que nos falta é espírito público e uma dose de bom senso. Ou duas. A Lei Maior confirma: os artigos 5.º, inciso XXIII, número 182, § 2.º, 186 e 225 da Constituição de 1988 dizem que: “O direito de propriedade deve ser exercido em consonância com as suas finalidades econômicas e sociais e de modo que sejam preservados, de conformidade com o estabelecido em lei especial, a flora, a fauna, as belezas naturais, o equilíbrio ecológico e evitada a poluição do ar e das águas.”

Ilhabela, litoral norte SP , cortiço de ricos
Ilhabela aos poucos se torna um cortiço de ricos. Acervo MSF.

Preservar o cenário que encontramos é obrigação ética em relação as gerações futuras em qualquer país civilizado. Como já explicamos, os Parques Nacionais norte-americanos, os primeiros e depois modelos para o  mundo, nasceram para isso.

Meados do século 19, pioneiros chegam à Califórnia

Vamos relembrar. Em meados do século 19, quando os pioneiros chegaram ao Oeste, na Califórnia, e se depararam com a formosura de Serra Nevada, seus incríveis penhascos de granito, rios, quedas d’água, além de florestas de sequoias; foram rápidos, aquela maravilha merecia ser mantida.

Desse modo, começou o que hoje se chama ‘ativismo ambiental’, primazia do iluminado John Muir, um hippie do século 19. Não demorou para Muir sensibilizar uma penca de seguidores. Assim, seus ecos chegaram à Abraham Lincoln. Em 1864 o presidente dos EUA criou o Yosemite Grant Act,  um parque estadual. A Lei de Yosemite estabeleceu o precedente para a criação dos parques nacionais. Foi a primeira vez que o governo norte-americano reservou terras para preservação e uso público. E o fez sobretudo para conservar a beleza cênica.

Erosão em Florianópolis.
Erosão em Florianópolis. A ocupação desordenada e a mania de casas pé na areai acirra a erosão natural no litoral. Imagem, Carlos Bortolotti/Divulgação/ND.

Infelizmente, por um misto de ignorância, egoísmo e arrogância – especialmente das elites onde muitos vivem numa bolha – grande parte dos brasileiros que frequentam o litoral ignoram que a paisagem é um bem coletivo. Egoístas, quando compram um terreno ‘acham que podem tudo’. Todavia, como se vê pela Constituição, não poderiam.

Litoral do Brasil, uma de nossas belezas naturais

Pessoalmente, não conheço muitos dos litorais mundo afora. Em compensação, duvi-deo-dó que alguém domine o do Brasil como eu. Este site prova. Em seu conteúdo exclusivo há nada menos que 70 horas de documentários mostrando cada palmo do litoral, desde o Chuí ao Oiapoque.

Não me gabo. Considero um dever. Sou um jornalista privilegiado e apaixonado pelo mar, onde passei os mais lindos anos e momentos de minha vida. Percorri a zona costeira de cabo a rabo mais de duas vezes. De barco, helicóptero em muitos dos 17 Estados costeiros, e ainda de automóvel pela malfadada BR 101, desta vez por todos os Estados litorâneos.

PUBLICIDADE

Resort na praia do Forte.
Resort em estilo neoclássico na praia do Forte, BA, uma praia tropical, em 2006. Com o estilo, o empreendedor banalizou a paisagem. Desde o ano 2000 o litoral do Nordeste passou a receber investimentos europeus no turismo. Os governos de Estado davam todo tipo de vantagem para os reter. Menos impostos, terrenos financiados, etc. Virou febre especialmente entre portugueses, espanhóis e italianos. E o Estado não se importava se a obra desrespeitasse a legislação ambiental. A farra durou até 2008. Acervo MSF.

Aprendendo com a academia

Aprendi. Durante as viagens entrevistei mais de 50 professores da academia, e ainda o faço até hoje. Especialistas em geomorforlogia costeira, erosão, políticas públicas, poluição, função de cada ecossistema, biologia marinha, oceanografia, ecologia e biodiversidade, leis de ocupação e uso do solo, etc.

Em resposta, senti a obrigação de disseminar a informação confiável que recebi de graça. Este é o ‘norte’ do site. Meu desespero vem do fato de que atualmente muita gente já aprendeu que não se pode destruir ecossistemas. Mas não a paisagem.

Ilhabela, litoral norte SP
Ilhabela, tudo que não se deve fazer, está feito. Casas em encostas de morros, costeira cimentada para ter o barco próximo. Mais uma vez, casas da classe média alta, e alta. Acervo MSF.

A nova economia

A questão ambiental veio à tona, definitivamente, durante a pandemia da Covid. Nasceu o conceito ESG. Empresas passaram a dar importância ao problema. Em outras palavras, as mais comprometidas decidiram medir suas emissões e, desse modo, procurar diminuí-las. Fundos do exterior surgiram com o mesmo objetivo: financiar a inescapável transição. Segundo o escritor Jorge Caldeira, estes fundos têm hoje US$ 40 trilhões de dólares, mais de 25 vezes o PIB do Brasil, para investir! Ainda assim, só o fazem em projetos ecologicamente corretos. A diretriz é gerar menos impactos ambientais ao mesmo tempo em que procuram ser socialmente justos. Ou, seja, como fiz Caldeira, ‘a nova lógica desta economia’.

Ato contínuo, aumentou o prestígio e a preocupação mundial com os povos originários, indígenas, quilombolas, e outros. Mas  no Brasil, nem sempre são levados a sério. Lembremos o genocídio dos Yanomami durante o governo passado sem que a sociedade sequer percebesse ou reagisse.

casa pé na areia, litoral leste do Ceará
Fotografei esta casa pé na areia, no litoral leste do Ceará, em 2005. Tenho certeza que a esta altura o mar já deu o troco. É preciso ser mais que egoísta, é preciso ser burro para construir a esta distância do mar. E note que é casa de alto padrão. Acervo MSF.

Jorge Caldeira no Roda Viva

Caldeira explicou a ‘nova economia’ em seu livro Brasil: Paraíso restaurável; e na belíssima entrevista que deu ao Roda Viva que você pode assistir neste link. É uma aula imperdível. Jorge mostra que o Brasil, por seus ativos que incluem o litoral, é a grande potência mundial. Se soubermos explorar a riqueza que Deus nos deu, podemos alcançar, e superar, os líderes mundiais da economia.

Falta, contudo, a regulamentação do mercado de carbono. O Projeto de Lei 528/21 está pronto para ser votado. Mas o novo governo que entra no terceiro mês, e prometeu devolver a proeminência do País nas questões ambientais, ainda não se manifestou. Não podemos perder mais tempo.

E ainda é preciso investir na educação. Quando as escolas públicas tiverem nível similar às privadas acabará não só a pobreza, bem como a depredação da natureza e, especialmente, o apartheid que nos envergonha.

PUBLICIDADE

Casebres escalam o morro na orla da Cidade Maravilhosa. Acervo MSF.
Casebres escalam o morro na orla da ‘Cidade Maravilhosa’. Acervo MSF.

Agora, voltemos ao tema, o modelo de ocupação que adotamos para a zona costeira e o tratamento que dispensamos aos ‘povos originários’, ou seja, os caiçaras no Sudeste e nativos das outras regiões. Antes, porém, um…

Breve histórico da legislação de proteção à paisagem brasileira

Em 1992 a Unesco, preocupada com a acelerada transformação mundial, adotou o conceito de paisagem cultural como uma nova tipologia de reconhecimento dos bens de um país. Imediatamente, o IPHAN tomou providências. Em consonância com a Unesco, regulamentou a paisagem cultural como instrumento de preservação do patrimônio brasileiro em 2009, por meio da Portaria nº 127. A chancela de Paisagem Cultural Brasileira para uma porção peculiar do território nacional, representa o processo de interação do homem com o meio natural, à qual a vida e a ciência humana imprimiram marcas ou atribuíram valores, assim define o órgão.

Nativo da costa baiana
Nativo da costa baiana. Tão pequeno e já dominando as artes da marinharia. Mas, como será a escola deste menino?

Vale repetir: ‘uma porção peculiar do território nacional, representativa do processo de interação do homem com o meio natural.’ Em outras palavras, o litoral antes de 1970, era quase todo enquadrado graças sobretudo aos povos originários que nele se fixaram.

Casa em costão, Baía da Babitonga.
A ‘privatização’ de costões na baía da Babitonga, SC. Acervo MSF.

Muito antes, nos anos 1930, a paisagem já era considerada Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, passível de tombamento enquanto monumento natural ou construído. O Decreto-Lei nº 25/1937, ainda em vigor, determina a organização e a proteção do patrimônio histórico e artístico nacional.

O que dizia a Constituição de 1937?

Artigo 134: “Os monumentos históricos, artísticos ou naturais, assim como as paisagens ou locais particularmente dotados pela natureza, gozam da proteção e dos cuidados especiais da Nação, dos Estados e dos Municípios. Os atentados contra eles cometidos serão equiparados aos cometidos contra o patrimônio nacional.”

Garopaba, SC.
Garopaba, SC, é descrita nos sites de turismo como ‘paraíso’. Alguém explica? Acervo MSF.

Constituição de 1946

Saltamos agora à Constituição de 1946, artigo 175: “As obras, monumentos e documentos de valor histórico e artístico, bem como os monumentos naturais, as paisagens e os locais dotados de particular beleza, ficam sob a proteção do poder público.”

Canoas do Bonete
As lindas canoas do Bonete, reduto caiçara ameaçado em Ilhabela. Estas joias da arte da construção naval tradicional foram reconhecidas e tombadas como Patrimônio Nacional pelo IPHAN.

Como se vê, tanto na lei ordinária, como nas Constituições de 37, 46, e finalmente 1988, a proteção da paisagem foi contemplada. Em vão. Do mesmo modo, os nativos foram totalmente esquecidos. Pior que isso, foram tapeados pelos caras-pálidas modernos de forma idêntica àquelas utilizadas pelos nautas que arribaram em Porto Seguro. Como se sabe, trocavam trabalho pesado por espelhos e outras quinquilharias, explorando os indígenas até os sufocarem e dizimarem.

PUBLICIDADE

Tratamento indigno aos povos originários

Os caras-pálidas modernos imitaram os europeus. E trocaram posses seculares por um rádio à válvula, em São Sebastião, quando ainda não havia energia elétrica, como registrei de seu neto. Na Ilha do Mel, PR, como contei inúmeras vezes, foi pior. Um caiçara alcoólatra, em crise de abstinência, foi tentado por um ‘esperto’ a trocar sua posse por uma garrafa de cachaça. E aceitou!

Superadensamento em Guaibu, PE.
Outra mania pervertida no litoral é o superadesamento em locais sem infraestrutura, como a praia de Guaibu, PE. Acervo MSF.

E assim, aos poucos, nestes últimos 50 anos nos estabelecemos na orla. Nem sempre prevaleceu o rádio ou a cachaça nos escambos. Mas o preço em moeda corrente foi sempre o que hoje se chama ‘uma merreca’. E muitas vezes, quando os nativos não aceitavam o preço vil, eram retirados à força bruta. Suas casas eram destruídas com tratores, enquanto seguranças armados de empresas sem caráter os obrigavam a sair na base da porrada. Este foi o modelo, por exemplo, adotado nas lindíssimas praias Caixa d’aço, Cepilho, e  Trindade, distrito de Paraty, nos anos 60/70.

Capangas da empresa Trindade Desenvolvimento Territorial S/A (Brascan-Adela), assassinaram nativo em 2016

Antes de mais nada, saiba que o problema persiste. Em 2016, Jaison Caique Sampaio de 23 anos,  foi cruelmente assassinado em sua própria residência por um policial militar de folga a serviço da T.D.T (Brascan-Adela), Trindade Desenvolvimento Territorial, segundo o racismoambiental.net. 

Jaison Caique Sampaio
Jaison Caique Sampaio.

Pesquisando descobri que a empresa tem 127 processos no site Jusbrasil. De maneira idêntica, um de seus diretores, Alberto Bonfiglioli Neto, tem 58 processos segundo a mesma fonte, alguns por Crimes Contra o Patrimônio/ Estelionato; e outros por ‘Crimes Previstos na Legislação Extravagante / Crimes contra a Ordem Tributária.’

Alguém, por acaso, soube deste assassinato pela grande mídia? Procurei na internet e só achei uma matéria  publicada pelo g1. Mas o crime teve ampla repercussão em sites pequenos e desconhecidos. Em contrapartida, em julho de 2016 o jornal espanhol El País publicou a matéria Movimentos sociais protestam na Flip contra descaso com moradores da região, onde dizia que ‘OcupaFlip acontece neste sábado e lembra assassinato de morador em disputa de terras no mês passado’.

‘Adela’, holding de 280 multinacionais

O jornal informa que a empresa ‘Trindade Desenvolvimento Territorial (Brascan-Adela), é parte de um holding de 280 multinacionais chamada Adela, que atua em Trindade e Laranjeiras construindo condomínios de luxo.’ O El País ouviu Davi Paiva, jornalista e integrante da Associação de Moradores de Trindade (Amot): “Mas nessa área específica (onde Jaison foi assassinado), que estava cercada até o mês passado, a empresa (Trindade Desenvolvimento Territorial) nunca pôde construir nada, provavelmente por conta de legislação ambiental. Jaison tinha a casinha lá e foi covardemente assassinado por policiais que fazem bico como seguranças.”

Superadensamento em Arraial do Cabo, RJ
O superadensamento é insustentável num País onde metade da população não tem saneamento básico. Este horror é Arrail do Cabo, RJ. Acervo MSF.

Em tempo, procurei outras matérias sobre este protesto  na grande mídia nacional que sempre cobre a FLIP, mas não encontrei. Zero. Só o El País, um jornal estrangeiro. Isso, mais uma vez, demonstra o descaso da mídia em relação a tudo que ocorre no litoral. Antes de encerrar, saiba que toda a vila de Trindade está inserida na APA Cairuçu, mais uma unidade de conservação federal!

PUBLICIDADE

A especulação imobiliária em Paraty e tentativa de assassinar o prefeito em 2016

Por falar em Paraty, o ex-prefeito (2016) ligado à especulação e outras mutretas, Carlos José Gama Miranda, Casé (MDB), teve seu carro metralhado numa vendeta. Casé sobreviveu, mas foi cassado no mesmo ano pelo TSE por ‘usar o programa, que dá direito ao uso de terras públicas a cidadãos dos municípios, para se promover’, conforme o g1.

Indaiaúba, litoral norte SP
Esta beleza é a única praia bem ocupada de Ilhabela. Chama-se Indaiaúba, onde o empresário Marcos de Morais tem três casas. Você passa na frente e não vê. Porque ele fez como os caiçaras faziam. E das casas dele você ainda tem uma linda vista para o mar! Tive o privilégio de me hospedar uma vez. Além disso, Marcos construiu excelentes casas para as famílias de caiçaras que lá moram, com várias salas de aula para seus filhos equipadas com computador! É mais uma prova que pode-se ocupar sem degenerar. Acervo MSF.

Paraty é um paraíso de mansões irregulares de algumas das mais ricas famílias cariocas e paulistas.  E cuide-se quem mexer com elas. Em 2014,  um novo chefe  assumiu a APA de Cairuçu a mesma em que o boçal ex-presidente foi pego pescando.

Cumprindo sua obrigação, de forma idêntica ao fiscal demitido por Bolsonaro ao multá-lo, o incauto resolveu se meter com os grandalhões que faziam malfeitos. O troco não demorou. Uma série de atentados aconteceu em seguida. Casas de gestores foram bombardeadas e seus carros queimados. O que fez o ICMBio? Mudou a equipe que cuidava da APA de Cairuçu.

Assim é o País onde só negros e pobres pegam cana.

Ubatuba, litoral norte SP
É uma casa de alguém muito rico. Precisava ser tão agressiva à paisagem? E note que foi  inserida em local de mata atlântica. Acervo MSF.

Converse com os caiçaras e aprenda como foi a transição

Se você é dos que frequentam o litoral, não ouse alegar ignorância. Bastaria algumas doses de humildade para conversar com os jardineiros, talvez algum sortudo caseiro ou motorista, ou com os últimos caiçaras raiz que, paupérrimos, ainda navegam suas canoas de pau em toda a região; ou os caiçaras que navegam as maravilhosas canoas de voga, ou ainda as canoas boneteiras, lindíssimas com suas proas elevadas em toda a região de Ubatuba e Ilhabela.

Caiçara raiz.
Caiçara raiz no Saco de Mamanguá, Paraty. Este rapaz deve ser da quinta ou sexta geração. Eles ainda existem.

Se antigamente eles ainda sobreviviam com dignidade ao poderem ao menos alimentar a família com o fruto de seu trabalho, ou seja, a pesca artesanal, hoje mal conseguem se alimentar. Porque nossa ocupação desordenada está extirpando os ecossistemas mais importantes como manguezais, berçários fundamentais; e a poluição tremenda que provocamos, aliada ao lixo que largamos nas praias, quase deu fim à vida marinha.

Preste atenção ao descalabro no Nordeste

Preste atenção, se a sacanagem não acontece mais no Sudeste porque a ocupação já se consolidou, a prática persiste no Nordeste neste exato momento. Ainda recentemente mostramos o descalabro praticado por forasteiros na praia do Preá, Ceará, num post de grande repercussão.

PUBLICIDADE

Nativo do Ceará
Os nativos de Ceará desde cedo têm contato com as lides do mar. Possivelmente, este menino será um jangadeiro dando prosseguimento a uma tradição centenária. Acervo MSF.

Para míopes que chegaram recentemente, Preá é um ‘paraíso’. Para os nativos, o começo do fim. No meio deles, grandes projetos de desenvolvimento imobiliários liderados por empresários estrangeiros e brasileiros apaixonados por kitesurf.

Falésias ocupadas no Ceará
Falésias, por sua beleza, são Áreas de Preservação Permanente, não podem ser ocupadas. Mas, no Nordeste alguns prefeitos autorizam o que não poderiam para arrecadar mais, via IPTU. A construção faz parte de um hotel que ainda colocou um açude encravado numa falésia para entreter seus hóspedes. Acervo MSF.

Entre eles um dos fundadores da XP Investimentos que, aliás, espalha sua marca pela orla com bandeiras que dizem “There is no bad wind.” Veja como se preocupam com os nativos…

Experimente conversar com os caiçaras

Ainda há tempo para formar opinião. Se você nunca conversou com os nativos, experimente. Parte deles  é representada por netos ou bisnetos dos pioneiros. Eles têm centenas de ‘causos’ como os aqui relatados para lhe contar.

Praia de Itaguaré, SP.
Praia de Itaguaré, SP. Uma das últimas ainda não ocupadas (as outras que restam ficam no sul do Estado). Para se localizar, vindo pela estrada litorânea, Bertioga – São Sebastião, ela fica ao lado sul da Riviera de São Lourenço, e teve a sorte de não ser ocupada. Isto demonstra o brutal estrago feito na Riviera. Provavelmente, ela era assim antes da Sobloco construir aquele horror. Por que arrasar a paisagem para ocupar praias? Elas podem ser ocupadas sem o estrago de hoje. Pense sobre isso. Acervo MSF.

Porém, enquanto acontecia a ‘nossa’ ocupação o poder público simplesmente esqueceu-se dos nativos. Só um exemplo: a energia elétrica chegou na comunidade de Castelhanos, lado de fora de Ilhabela, apenas ali pelos anos 60. Em outras palavras, enquanto o homem pousava na lua caiçaras comemoravam a chegada da luz elétrica! Nas UCs do Pará, como Tracuateua, a luz elétrica chegou ainda mais tarde, 2011.

Placa na praia de Itaguaré, SP.
Veja o tanto que se perde para sempre depois da chegada do cara-pálida. O corredor que começa no mar, avança pela praia, depois a restinga, chega finalmente na Serra do Mar coberta pela mata atlântica. Este é o único ponto no litoral norte paulista que se manteve intato desde que Cabral arribou na Bahia. Acervo MSF.

Escolas miseravelmente precárias no litoral

Escola, saúde, e outras benfeitorias, só muito depois. E até hoje, no terceiro milênio, escolas são miseravelmente precárias no litoral.

Com isto volto ao tema da ocupação. Valeu a pena, pra quem? E, mesmo para aqueles que hoje têm casas na orla compradas de segundos ou terceiros, não necessariamente tapeando nativos, a pergunta que fica é: como justificar a transformação, ou melhor, obliteração em apenas 50 anos?

Como justificar os atentados cometidos recentemente?

Como justificar as barbaridades cometidas pela construção civil inconsequente, e as classes média alta, e alta, em suas propriedades no litoral norte de São Paulo e no resto do País?

PUBLICIDADE

Costeira no Guarujá
Então, chegam os cara-pálidas e ocupam uma costeira no Guarujá! Isto é proibido pela legislação ambiental. Costeiras não devem ser ocupadas. Mas quem se importa? Acervo MSF.

Não há como. Pode-se, sim, aceitar o paredão de concreto de Pitangueiras no Guarujá, erguido nos anos 60 e 70 do século passado. Na época, começávamos a ocupação  e não existiam as urgências atuais. Contudo, Guarujá, a ex-Pérola do Atlântico, poderia funcionar como referência do que NÃO se deve fazer.

O mesmo vale para capitais como o Rio de Janeiro. Lá, as muralhas começaram ainda mais cedo. Mas, como defender o disparate cometido contra a Riviera de São Lourenço cujo paredão da vergonha foi levantado nos anos 1980?

Riviera de São Lourenço, litoral norte SP.
Riviera de São Lourenço e o paredão da vergonha. Devemos ‘agradecer’ a empresa “Sobloco Construções” por esta monstruosidade. Acervo MSF.

Ok, a economia de Bertioga é dependente da Riviera, maior contribuinte do município. Mas não é este o tema. Por que destruir a paisagem, não seria possível uma ocupação menos predatória?

Balneário Camboriú SC .
Balneário Camboriú SC, uma elegia ao concreto armado e à especulação. Acervo MSF.

Balneário Camboriú, SC

E o que dizer de Balneário Camboriú, SC? Esta absurda concentração dos mais altos prédios do País, a ‘Dubai brasileira’, traz como bagagem imensa frota de automóveis expelindo gases de efeito estufa e derramando óleo no chão. Num primeiro momento os gases sobem para a atmosfera, mas quando chove voltam para o mar em forma de óleo.

Acima de tudo, saiba que a maior fonte de óleo no mar não são os dramáticos vazamentos provocados por acidentes de petroleiras. Mas, nossos carros. Em 2022 a Revista Forbes confirmou: Top Source Of Ocean Oil Pollution Isn’t The Leaky Tanker, Pipeline Or Offshore Rig—It’s Your Car (A principal fonte de poluição por óleo no oceano não são vazamentos de oleodutos ou plataformas offshore – é o seu carro), vale a leitura.

Especulação na praia do Futuro, Ceará.
A especulação detonou a praia do Futuro, Ceará. Ali ela foi comandada por um dos maiores empresários do País, o bilionário Francisco Ivens Dias Branco, do grupo M. Dias Branco, morto em 2016. O mesmo bilionário ( a Forbes estimou sua fortuna em R$ 4,2 bilhões em 2015) detonou várias outras praias do Estado entre elas Aquiraz.

Sem falar no trânsito infernal de Camboriú durante a temporada, pior que o de São Paulo em dias de chuva.  E o que dizer do calor, já que a circulação do vento é impedida? No verão, aquilo torna-se uma sucursal do inferno.

A participação dos prefeitos do litoral norte de São Paulo

É preciso aprender com os erros do passado para não repetí-los no futuro. E há tempo. Felizmente, ainda existem praias não detonadas. Foi pensando nelas que nos decidimos a contar esta história.

PUBLICIDADE

praia de Pernambuco, Guarujá.
A praia de Pernambuco, no Guarujá era uma beleza até recentemente. E tinha o charmoso hotel Jequitimar, uma construção atrás da linha de árvores, e baixa. Então chegou Silvio Santos que demoliu o charmoso hotel e levantou estas imensidões de concreto armado. No passado, Guarujá foi uma das maiores belezas da costa brasileira com sua enorme variedade de praias. Mas nós destruímos a Pérola do Atlântico.

A maioria dos prefeitos de municípios costeiros, porém, não está à altura do desafio de gerenciar o crescimento de uma cidade no litoral. Falta-lhes conhecimento, estudo, compreensão da realidade que vivemos. A cruel verdade do aquecimento global. Assim, a tragédia do litoral norte no Carnaval entrou para nossa memória coletiva para não mais sair.

A corrupção no litoral

Pior, muitos dos alcaides, como mostramos no post da tragédia, comandam a especulação aliados à empresários inconsequentes da construção civil e do turismo que financiam suas campanhas em troca de ‘favores’.

Este fato, aliado ao equivocado sonho das casas pé na areia, está matando a galinha dos ovos de ouro, em outras palavras, a vocação natural do litoral para o turismo não predatório, planejado, e lucrativo para todos.

Ilha Comprida, casa pé na areia.
Ilha Comprida, litoral sul, e a casa pé na areia. A vingança contra o desacato. Imagem, Luiz Carlos Murauskas/Folhapress.

Quando não são corruptos, os prefeitos, litoral afora, no afã de aumentaram a arrecadação via IPTU ‘aprovam’ obras que não são de sua alçada como hotéis ou resorts em cima de falésias e dunas no Nordeste; ou em mangues e restingas no Sudeste,  detonando o que ainda resta dos ecossistemas marinhos.

Tudo isto, em conjunto, está acabando com o que o litoral tem de melhor: a paisagem espetacular e sua biodiversidade.

Pescador da praia do Preá, CE
Para os pescadores do Ceará a melhoria de vida ainda é uma incógnita. Acervo MSF.

Quando estive pela primeira vez no litoral norte corria o ano de 1967. Não havia uma casa sequer aparecendo na orla continental. Umas poucas em Ilhabela, e um porto ainda incipiente em São Sebastião.

Cortiços das classes média alta, e alta, no litoral

Hoje, muitas partes lembram-me cortiços. Casas umas em cima das outras, mansões em topos de morros ou mesmo costões, hotéis e condomínios em áreas de mangue ou restingas. Não à toa, houve uma tragédia. O mesmo modelo é replicado em toda a região de Ilhabela até a Baía de Guanabara.

PUBLICIDADE

Praia da baleia, litoral norte SP
Praia da Baleia, a banalização dos condomínios pé na areia e, contrariando a legislação, em cima de restinga. Acervo MSF.

Como nada acontece, apesar da legislação, há ricaços que têm a cara de pau de privatizarem até mesmo o espelho d’água defronte a suas irregulares mansões!

Ocupação irregular de ilhas da União

Outros, tomam conta de ilhas da União e as detonam contra todas as leis em vigência. Foi o caso do ex-senador corrupto, Gilberto Miranda (PMDB), que tomou para si a ilha das Cabras; ou ainda o Sr. Antônio Carlos Brandão Resende, um dos fundadores da Localiza,  que se achou ‘dono’ da Ilha da Cavala em Angra dos Reis.

O milionário detonou a porção interior da vegetação formada por Mata Atlântica de modo que sua mansão de 1.700 mil metros quadrados não fosse vista do mar.  Vergonha? Antônio Carlos foi acusado de usar documentos falsos para conseguir permissão para construir o imóvel. E indiciado por fraude e crime ambiental. Há anos luta para que não derrubem seu ‘paraíso’ particular. By the way, algum leitor viu a grande mídia denunciar ?

Saco do Mamanguá, privatização do espelho d'água
Saco do Mamanguá, Paraty. Todas as mansões foram erguidas em contrariedade com a lei. Mas esta, de Xandy Negrão, um milionário dono de um laboratório, extrapolou. Ele desviou um rio, para encher sua piscina: proibido. Decepou o topo do morro para um heliponto: proibido. Para finalizar, privatizou o espelho d’água igualmente proibido. Como é podre de rico, jamais pagou uma multa sequer.

‘Privatização’ de praias

Amigos se unem, e privatizam praias inteiras debochando da Constituição onde foram definidas como ‘pertencentes à União e, portanto,  locais públicos, e da  Lei 7.661, de 1988, que determina que ‘as praias são bens públicos e que deve ser assegurado o livre e franco acesso a elas’.

Há dezenas de praias privatizadas em todas as regiões. E nada acontece. Elencamos apenas alguns exemplos: Iporanga e São Pedro e São Paulo, no Guarujá; Laranjeiras (condomínio construído pela mesma empresa cujo capanga matou Jaison em 2016), em Paraty, feudo dos maiores empresários de São Paulo e Rio de Janeiro; Maria Farinha, em Pernambuco, etc. Há até mesmo uma PEC – proposta de emenda à Constituição – de autoria do deputado Alceu Moreira (MDB-RS) visado privatizar todas as praias brasileiras para abrir as portas aos cassinos. Um crime de lesa-pátria se acontecer.

Construção em cima de dunas
As dunas não são poupadas no Ceará apesar de serem APPs. O resultado é a perda do investimento e a degradação da praia. Acervo MSF.

Diga, leitor, quando foi que você leu sobre estes problemas na  mídia? Ganha um doce quem responder. A ‘avareza’ em abrir espaço ao litoral  é mais um problema que contribui para a decadência da zona costeira.

No verão, quando a população às vezes decuplica, o lixo e o esgoto não tratados aumentam exponencialmente. E  tudo vai pro mar.

PUBLICIDADE

Praia do Pipa, RN
Pipa era uma pitoresca vila de pescadores no Rio Grande do Norte. De repente entrou na moda. O turismo desordenado, e as construções próximas ao mar são seus carrascos hoje. Acervo MSF.

Nesta temporada, por exemplo, Santa Catarina sofreu novo surto de diarreia sem precedentes. Segundo a gauchazh.clicrbs.com.br o caso mais grave é verificado em Florianópolis, onde a prefeitura classificou a situação como uma epidemia.’  E, neste caso, estamos falando de uma capital!

O mesmo expediente existe no Sul

No Sul, Santa Catarina é o maior expoente da especulação imobiliária no litoral. A famosa, e quiçá para alguns aloprados, ‘paradisíaca’ como batizam os sites de turismo  Jurerê Internacional, é o local onde a especulação deu a mão para a ostentação; em seguida o Nordeste, notadamente Bahia, especialmente em Trancoso, Ceará, e Rio Grande do Norte, mas não apenas. A única e honrosa exceção é a Paraíba e sua maravilhosa Constituição que proíbe espigões na orla.

E de quem seria a maioria destas ‘obras’ que destroem a paisagem se não das classes média alta, e rica? É só ver o tamanho delas nas imagens que ilustram a matéria.

Casas em topos de morros, Ubatuba, litoral norte SP
Casas de alto padrão em topos de morros, Ubatuba. Proibido. Assim como decepar a mata atlântica para construí-las. Mas como só negros e pobres vão pra cadeia…Que se dane a paisagem. Acervo MSF.

É por este motivo que seremos cobrados pelas futuras gerações. Quando nossos netos, e os filhos deles, começarem a frequentar o litoral e verem o bagaço que legamos não seremos poupados.

São Sebastião, litoral norte SP e a destruição da paisagem.
São Sebastião e a destruição da paisagem.Um constrói para ter visão do mar. Os outros vão atrás. Acervo MSF.

Legislação vilipendiada

Ao observar o litoral de  barco, com a perspectiva do mar para a terra, fica ainda mais grotesca a mudança dramática da paisagem em tão pouco tempo. Me recuso a aceitar que a nossa geração tenha feito isto em apenas 50 anos. Temos que repensar este modelo, e mudar nosso comportamento predatório em relação ao litoral, e já. Não dá mais pra continuar assim.

E, apesar dos absurdos escancarados, que além do mais infringem a legislação ambiental em vigor desde o Código Florestal dos anos 60, quase nenhum rico que cometeu atentados contra ele foi de fato equiparado aos cometidos contra o patrimônio nacional, como preconizava a Constituição de 1937!

Muito menos as paisagens e os locais dotados de particular beleza ficaram sob a proteção do poder público, como exigia a de 47.

É mais que hora do Ministério Público, que tem agido com mais rigor ultimamente, entrar neste jogo sujo e minimizar o estrago.

Fazendas de algas marinhas, úteis e sustentáveis

Comentários

21 COMENTÁRIOS

  1. O Brazil, com Z mesmo, sempre foi e sempre será o parque de diversões dos grandalhões, sejam daqui, da Europa (como vc menciona corretamente), EUA e recentemente Asiáticos…Problemas iguais vem sofrendo diversos países com economia fraca….intocado? infelizmente não existe isso mais…e que tal não tirar nossa culpa? Tiro férias 90% das vezes entre São Sebastião e Paraty….olha a porcalhada deixada nas praias por usuários “comuns”….todos temos culpa nesse cartório, uns mais, outros menos….caiçaras venderam seus terrenos e receberam dinheiro, fizeram e vem fazendo isso, tem culpa….Dito isso, o futuro é simplesmente diferente do passado, litoral mudou, Brasil mudou….eu tb gostaria que fosse como nos anos 70/80, mas a população ficou enorme e localizada, litoral se desenvolveu, as estradas passaram a ser necessárias e a cadeia de serviços veio junto….desculpem, é um desabafo, pq igualmente ao senhor que escreveu o artigo, precisamente no começo desse, eu não tenho soluções pra entregar….

  2. Excelente artigo, dolorido e triste de ler. Me lembrou Yuval Harari: onde o homo sapiens pisou, dizimou e destruiu tudo o que havia. Não é a “nossa” geração. É a raça humana. E vai continuar.

  3. Perfeito!! É uma vergonha o que acontece com nosso liitoral.. mas o dinheiro fala mais alto! afinal de contas, muitas vezes quem faz a lei é quem esta ocupando estas areas.. parabens pela reportagem!! Faz tempo que nao volto para o litoral norte sp.. a ultima vez fui para boissucanga.. mas o rio fedia esgoto.. nunca mais voltei!!!

  4. A leitura desta brilhante e completíssima reportagem e fatos e fotos extremamente significativos me deixou estarrecido , triste e envergonhado com o que vem ocorrendo no nosso litoral brasileiro . Realmente, passei minha infância e juventude no Guarujá e litoral norte e presenciei tudo isso . Entristecido lhe dou os parabéns por esse relato e que tivesse 10000000 de comentários aqui !!!

  5. O Brazil desconhece o Brasil. Quando os ” ecochatos ” de 1980 falavam, foram desprezados. Como biólogo, prefiro não me revoltar e fazer o que está ao meu alcance. Não domino a arte da navegação. Apenas coleto lixo nas praias. Mas podemos comprovar habitando o litoral, tudo que você diz no seu dossiê . Creio que poucos poderiam escrevê-lo com sua competência e coragem. O Brasil se acostumou ao jeitinho, e tudo tornou-se um modo de agir, pensar e viver. Todos querem a riqueza. Não importa se é a partir da destruição. Porque tem que ser imediata. Essa preguiça existencial, perversidade moral , egoísmo ético, ou qualquer outro adjetivo nefasto, já foi descrito na carta do chefe Sioux ao presidente dos Estados Unidos anteriormente.
    ” Como podemos vender ou comprar a nossa mãe que nos abriga e nos alimenta ? ” . Para não sucumbir a nossa pobre humanidade, deveríamos ter esperança numa ocupação de outro modelo, com análise de impacto ambiental verdadeira, onde o parecer técnico realmente fizesse parte de uma aprovação prévia, e a instituição responsável fosse soberana sobre os conchavos políticos. Existem outros modelos, que não aplicamos adequadamente porque não respondemos a simples pergunta :
    ” existe uma forma de fazer isso melhor ? ” . Não aprendemos ainda que os políticos e seus interesses vão e vem, mas a instituição é a que sobrevive ao tempo. Por força de lei, ou mobilização pública, ou simplesmente por necessidade de sobrevivência deveríamos fazer algo. Você acabou de fazê-lo, espalhando conscientização. Obrigado por ter escrito. A sua expressão sobre o litoral brasileiro, extende-se a todos os biomas desse maravilhoso planeta, que recebemos como dádiva de vida e amor cósmico. No modelo utópico ou não, rotulado por tudo que é necessário mas não temos organização suficiente para aplicá-lo, a ocupação respeitaria autossuficiência energética, compromisso e respeito com a comunidade pré existente, ocupação de espaço com mínimo impacto ( incluindo a essencial atitude de tratar esgotos e não drenar mangues ), valorização da economia regional (mantendo raizes culturais ). Definitivamente entender que o mundo é o quintal de sua casa. Não jogue lixo no seu quintal. Não destrua o que te atraiu para aquele lugar … mantenha aquele lugar …

  6. O raça humana é um animal insano. Ela ama um deus invisível e mata o deus visível, que é a natureza, que lhe dá água, comida, oxigênio… E quando a natureza se revolta com furacões, chuvas torrenciais, secas prolongadas, pandemias e outras catástrofes, ele reza para o deus invisível para salva-lo do deus visível.
    Impressionante.

  7. Olá João.
    Assisti a muitos Mar sem fim, até o dia em que você mostrou o barco no fundo do mar gelado.
    Muito boas suas reportagens.
    Em momentos belas e também tristes e revoltantes, principalmente porque na adolescência as férias eram em Paraty,descobrindo seu maravilhoso litoral em 1969,e antes da Rio-Santos até 1979 morando em Ubatuba,um paraíso,podendo escolher que bela praia iríamos.Vimos o que começou a acontecer com os caiçaras e com os que amavam e preservavam o modo local de viver.
    Ainda bem que fui embora antes de ver o pior.
    Ainda amo este litoral maravilhoso,mas, até dói ver o que foi feito de Ubatuba.A beleza ainda está nas fotos.Paraty ainda dá pra apreciar de barco, não chegando muito perto pra ver a degradação,os esgôtos,como em Trindade,Pouso da Cajaíba, você sabe,Mar sem fim passou por lá.
    Temos neste país as melhores leis ambientais,mas,estão nos papéis e poucos querem um equilíbrio entre o homem e a natureza .

    • Muito obrigado pelo comentário, e suas amáveis palavras,Ingrid. É realmente uma pena o que acontece no litoral do País. Quem manda é a especulação imobiliária. A braços e volte sempre.

  8. Lamentável e irreversível talvez. Meu esposo é filho de caiçara nativo. Quando os avós morreram eles deixaram suas residências e hoje tem uma marina e cerca de propriedade particular …

  9. É no minimo polemico citar os Parques Nacionais norte-americanos como modelo. Houve o massacre dos indígenas antes da criação destes parques, os quais “harmonizam” os territórios arrancados dos povos originais. Recomendo a leitura de “Ethnic Cleansing and America’s Creation of National Parks”, de Isaac Kantor da Universidade de Montana. Não ha previsão legal no Brasil para legalizar estes territórios ocupados irregularmente nas orlas, muitos em áreas de competência da União. Os governos municipais não possuem alçada para legislar sobre áreas marinhas, incluindo manguezais e lagunas, biomas essenciais para a vida marinha. Mais uma “brecha jurídica” que advogados espertos conhecem bem, com a anuência do poder publico federal. Essas propriedades a beira-mar deveriam ser desapropriadas, sem direito a ressarcimento, e os titulares dos imoveis deveriam restituir a União os terrenos nas condições originais, sem ônus para o poder publico. Simples assim. Quem vai bancar essa querela?

    • Mathias, apesar de discordar totalmente sobre os parques norte-americanos, quero deixar claro que os prefeitos têm sim obrigação legal de zelar pelos manguezais, restingas, dunas, falésias, e etc. Todas as áreas consideradas APP são de responsabilidade das três esferas. É um equívoco seu dizer que “Os governos municipais não possuem alçada para legislar sobre áreas marinhas, incluindo manguezais e lagunas, biomas essenciais para a vida marinha.” Apesar dos Terrenos de Marinha estarem em poder da União, todos têm que zelar pela integridade do meio ambiente conforme determina a Constituição. Por favor, não dissemine desinformação, pelo menos não neste site. Eu estudo a questão há mais de 20 anos para lograr um site respeitado. Faça o mesmo vc antes de deitar falação equivocada.

  10. A cultura do povo brasileiro vai de mal a pior. E o problema nunca foi o capitalismo, ao contrário, a única forma de haver um futuro sustentável é a correta utilização desse capital, afinal por mais que tenha seus defeitos o capitalismo é o único modelo capaz de gerar e distribuir riqueza. Todos os demais concentram capital, concentram o poder, o povo morre de fome e é escravizado e a natureza, então, essa vira mero instrumento de dominação sempre servindo aos interesses dos poderosos. Enquanto o socialismo não for transformado em crime e enquanto o nacionalismo não existir dentro de coração de cada criança qualquer ação será paliativa ou mesmo vazia. Pedir ajuda ao MP, nos moldes do que temos aí hoje? Desculpe mas é pior que entregar o galinheiro aos lobos.

  11. Parabéns pela matéria, pena que nossos governantes não tomam as providências necessárias.
    É que muitas das vezes eles são proprietários de casas ou terrenos em áreas irregulares, ou são beneficiados de alguma forma, aí, como que vai fiscalizar e até mesmo proibir…
    Mas se um pobre for construir em uma pequena área que seja de preservação Ambiental, esse será multado e sua obra será demolida.
    Como vc mesmo disse, pagaremos o preço no futuro…

  12. Na verdade não acho que seremos cobrados, estamos sendo cobrados porque contra as forças da natureza somos como formigas que são e serão esmagadas independentemente de nossa vontade. Tragédias como essa que aconteceu agora é mais uma da série. Como aquela que ocorreu em caragua em 1967, ou em Angra ou Petrópolis . O que dá dó é que o rico que sobrevive aluga um helicóptero e volta ao reduto do seu lar quente e confortável podendo reconstruir o que sobrou ou comprar outra propriedade nos mesmos parâmetros ou melhor. Enquanto as pessoas sobreviventes que moram nas comunidades da região tem que ralar e muito pra reaver o pouco que tinham. Realidade: outras tragédias desse naipe vão ocorrer queira ou não. É inevitável. Daqui a pouco outra notícia mais impactante ocorre e isso tudo cai no esquecimento até porque brasileiro, não todos, tem memória curta. Sabe quando o litoral se viu livre? Durante a pandemia, quando a biodiversidade teve sossego do vírus humano.

  13. Excelente e verdadeiro – como sempre – o seu relato. Triste, muito triste! Sim, podemos afirmar: 1950/2020 já se vão 70 anos e o dito “desenvolvimento” aplicado por seres estúpidos fez e fazem com que o “país do futuro” se mostre nada iluminado e sem futuro! Ai, ai, ai… Mas de qualquer forma parabéns João por sua perseverança e coragem em mostrar as mazelas do nosso belo litoral. Ah! Esperamos ansiosos pela nova série que você apresentará na “TV Cultura”.

  14. Li esse texto é me emocionei pois sou caiçara nativa de São Sebastião SP, em 1968 minha avó vendeu as terras e deixou apenas um terreno para cada filho meu pai era um deles, eu com 8 anos na época assistia a tudo e jamais podia imaginar com oque iria acontecer no nosso maravilhoso litoral.
    É muito triste, hoje eu nem tenho vontade de ir até a praia…
    Elenir Navas dos Santos [email protected]

  15. Caro João, tenho dúvidas se seremos cobrados no futuro. O problema maior é a cultura do povo que piorou e continua piorando cada vez mais. As crianças de hoje seguem os exemplos dos pais. A velocidade da destruição é cada vez maior. Sou frequentador do Guarujá a mais de 60 anos e o que vi e o que vejo a diferença é brutal. O pior que isso acontece em todo o país. Seja onde for em 95% dos casos. Basta você visitar um lugar e voltar lá depois de um ano para ver as diferenças para pior. Para você ter uma ideia na famosa praia de Pitangueiras do Guarujá, a prefeitura destruiu um calçadão para pedestres na Rua Brasil para fazer rua para carros. E por aí vai. Se ficar falando de destruições vai o dia inteiro. Acho que uma maneira de tentar sensibilizar nossos governantes é a mídia. Em vez de tanta porcaria e notícias de desgraças que tal um programa semanal BRASIL SEM FIM . . Um forte abraço

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here