Como destruimos o Guarujá

6
1487
views

Guarujá: de Pérola do Atlântico, para uma cidade onde impera o mau gosto e a violência

Guarujá: se fizermos um grande exercício de imaginação, será possível perceber como era espetacular a ilha de Santo Amaro. E verificar como conseguimos deforma-la. Antes de sua ocupação, talvez Santo Amaro fosse uma das ilhas mais bonitas do nosso litoral. Morros cobertos de mata atlântica, praias espetaculares, de todos os tipos: grandes, como Pitangueiras; charmosas, como Pernambuco; pequenas, como as praias Preta e Branca. Algumas surpreendem, com  cachoeiras que descem até a areia, caso de Iporanga. E, se um dos lados da ilha foi desfigurado pelo maior porto do Brasil, o porto de Santos, as favelas de Vicente de Carvalho, e o polo industrial de Cubatão, ainda há o canal de Bertioga cercado por manguezal, ralo, mas ainda de pé, o que é quase um milagre.

Como destruimos o Guarujá, imagem de uma muralha de prédios numa praia
A especulação degrada qualquer cenário. Impossível não se revoltar. Que, ao menos, sirva de exemplo para outros não fazerem o mesmo.
Como destruimos o Guarujá, imagem do polo de cubarão
Polo de Cubatão, vizinho incômodo.

O lado histórico, pouco valorizado, da ilha de Santo Amaro

A ilha de Santo Amaro é parte importante de nossa história, a primeira vila erguida no Brasil foi em São Vicente, ao lado do Guarujá. Ainda no aspecto histórico, a ilha de Santo Amaro guarda relíquias quinhentistas, como a fortaleza da Barra Grande, surpreendentemente, em bom estado de conservação. No lado norte, na barra de Bertioga, outro forte importantíssimo, e igualmente em bom estado, o forte São João da Bertioga, onde foi assinada a “paz de Iperoig” quando, a duras penas, os padres Manoel da Nóbrega, e José de Anchieta, conseguiram acalmar o cacique Cunhabebe, assinando o primeiro tratado entre colonizadores e índios.

Cassio Ramos Ribeiro explica: primeira vila foi na praia da Enseada

Observação: como esplica o internauta Cassio Ramos Ribeiro, em mensagem ao término desta matéria, São Vicente não teria sido a primeira vila, ” a primeira vila do Brasil não foi São Vicente, mas sim uma vila, encontrada em ruínas, por Martim Afonso de Sousa e descrita por Frei Vicente do Salvador, o historiador do século XVI, que nos contou sobre a fundação de São Vicente. Esta era a vila de Santo Amaro que ficava na praia da Enseada. Beauchamp, também historiador, escreve no século XIX, que a vila foi fundada em 1515, mas que sua ocupação era bem anterior a essa data”.

Mas quem se importa com nossa história?

Como destruimos o Guarujá, imagem da Fortaleza de Barra Grande, Guarujá
Fortaleza de Barra Grande

O glamour do passado

Quando ao paulistas se deram conta de tanta beleza próxima da capital, transformaram Guarujá no balneário das elites. Casas de madeira, pré- fabricadas, foram importados dos Estados Unidos. Eram chalés, que abrigavam os ricos de São Paulo durante as férias. Este primeiro núcleo, na praia de Pitangueiras, ainda tinha o famoso Grande Hotel e seu cassino.

Como destruimos o Guarujá, imagem de um cartão postal com Guarujá antigo
Guarujá em Cartão Postal, do acervo de Waldir Rueda
Como destruimos o Guarujá, imagem de Guarujá nos anos 40
Guarujá nos anos 40 (acervo de Francisco Carballa)
Como destruimos o Guarujá, imagem de Guarujá nos anos 50
Nos anos 50 começa tímida a destruição da paisagem

1942, o primeiro prédio. Salte no tempo…População atual, 170 mil habitantes, 40 mil em favelas.

Neste ano foi erguido o primeiro prédio, o edifício Pitangueiras, com oito andares. A muralha de concreto começava a ser erguida. Guarujá foi ocupada sem nenhum planejamento, como sempre acontece no Brasil. No lado rico, que dá para o mar, a beleza de suas praias foi-se embora. Trocada por uma fila interminável de prédios, uns ao lado dos outros, formando uma barreira desforme de concreto. Do lado pobre, no interior, ou na parte da ilha que dá para o porto de Santos, a favelização explodiu. Guarujá tem 170 mil habitantes, 40 mil, acredita-se, vivem em favelas.

Como destruimos o Guarujá, imagem de costão ocupado no Guarujá
Como a especulação destrói um importante ecossistema, os costões. Eles, “não podem ser ocupados” , a não ser no Brasil, onde “há leis que não pegam”.

Consequências do processo de degradação: quem pode se fecha em guetos protegidos. Os outros…

Junto com a destruição de sua linda paisagem, veio a degradação moraL. Os serviços públicos pioraram. Saneamento, e policiamento, são insuficientes,  assim como a limpeza das praias. Isso fez com que os ricos que ainda frequentam a ilha, se fechassem em condomínios, privatizando suas praias favoritas, como Iporanga, ou São Pedro, com a complacência do poder público. Ali, pelo menos, os condôminos fazem as regras. Escolhem quem pode, ou não, entrar para o grupo; pagam sua própria guarda particular, e garis para limparem “suas praias”, criando mais um gueto no litoral. Nestes poucos, e proibidos espaços privatizados, reina a paz. Mas fora deles…

predios-no-costão-
Vale arrebentar a paisagem, que é de todos, para alguns ‘terem vista para o mar’. A especulação não tem limites.

Guarujá bate recordes de roubos e assassinatos. Em um fim de semana houve 22 sequestros

No site The Eagle View, descobri o artigo O Triste Fim do Guarujá, que mostra uma série de estatísticas publicadas pela imprensa. É de arrepiar. Em 2013 o Guarujá já atingia a maior taxa de roubos por cem mil habitantes. Em 2014, acontecia um roubo por hora. Em 2016 o crime continua a ganhar a guerra. Em um fim de semana houve 22 sequestros de pessoas que, “feitas reféns, foram torturadas”.

O autor do artigo explicou o que levou Guarujá a este cenário de guerrilha urbana. Para Antonio Fernando Pinheiro Pedro,

Os três vértices desse triângulo de sumidouros têm identidade:

1- a corrupção histórica inoculada na prefeitura (seja qual for a gestão), que transformou o controle do uso do solo da cidade num leilão de interesses e compadrios;

2- a perseguição sistemática patrocinada pelo Ministério Público contra QUALQUER iniciativa urbanística ou imobiliária de revitalização da cidade, mistura de aparelhamento ideológico e xiitismo ambiental abominável que judicializou empreendimentos, desmoralizou a segurança jurídica e desestimulou qualquer investimento;

3- a política “criminosa” de segurança pública do estado na região.

Como destruimos o Guarujá
O  Atobá  parece não se  ‘encaixar’ na “paisagem que construímos”.

Por trás da especulação estão empresários, milionários, políticos e grandes empresas, atolados na corrupção

Mesmo acompanhando de longe, concordo cem por cento com o veredicto do autor. É o que acontece em 99% das prefeituras dos municípios da zona costeira: a corrupção, pela venda de mudanças na legislação sobre ocupação e uso do solo. Vejo casos iguais, a cada dois ou três novos municípios visitados. Não canso de repetir: na zona costeira, quem manda na ocupação e uso do solo, é a especulação imobiliária. E a força que existe por trás dela, é fenomenal, envolve grandes empresas, milionários, e políticos. Estão destruindo nosso litoral, banalizando praia por praia. Junto vem a degradação, e com ela, o aumento da criminalidade.

A especulação banaliza a paisagem, ocupa áreas protegidas, destrói o patrimônio público

Com a especulação acontece a imediata destruição da paisagem. Permite-se que áreas protegidas sejam ocupadas, em seguida a prefeitura, ao invés de embargar a construção, leva ao  local as melhorias como luz, água, e outras. Com as benfeitorias o preço do imóvel irregular vai às alturas, remunerando toda a cadeia marginal.

Falta-nos ética, estamos aqui de passagem

Aproveitar cada momento de nossa viagem pela Terra, não implica deixar as duras pegadas, irreversíveis, que produzimos em série. As futuras gerações têm o direito de conhecer a zona costeira como nós a conhecemos. Ainda com sua beleza preservada. A paisagem é um bem de todos os brasileiros. Não é possível que transformemos nossas  praias em outros Guarujás. Mas é isto que está acontecendo.

COMPARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Caro João Lara Mesquita! Na verdade a primeira vila do Brasil não foi São Vicente, mas sim uma vila, encontrada em ruínas, por Martim Afonso de Sousa e descrita por Frei Vicente do Salvador, o historiador do século XVI, que nos contou sobre a fundação de São Vicente. Esta era a vila de Santo Amaro que ficava na praia da Enseada. Beauchamp, também historiador, escreve no século XIX, que a vila foi fundada em 1515, mas que sua ocupação era bem anterior a essa data. Frei Gaspar Madre de Deus, cronista do século XVIII, nos fala de como sua ermida, dedicada a Santa Amaro, foi restaurada por José Adorno. Afrânio Peixoto, nos fornece um mapa da sua localização e Varnhagen, considerado o maior historiador brasileiro, nos descreve sua localização com a mais absoluta precisão.
    O conhecimento desse fato poderia trazer, ao Guaruja, um turismo de qualidade, na medida que, a fundação da Vila de Santo Amaro faz parte de uma das mais emocionantes aventuras da saga humana sobre esse planeta. Ocorre que esse personagem , “Santo Amaro” não existe entre os santos católicos. Por séculos acreditamos que essa era uma maneira viciada de nos referirmos a São Mauro, um santo inexpressivo do séc.VII, contudo foi descoberto um texto , no Mosteiro de Alcobaça, em Portugal, do século XIII, assinado por São Bernardo, fundador da ordem dos Cavaleiros Templários. que hoje faz parte do acervo da Biblioteca Nacional de Lisboa, que nos conta a viagem de um personagem chamado Santo Amaro em busca do paraíso na terra. Esse texto, enigmático como todos os textos templários, parece revelar o destino do “Santo Gral”, já que o “Santo Amargo” (tradução de Amaro , do Francês para o Português), foi o suplício de Cristo. Sintetizando tudo: Santo Amaro , em sua viagem, descobre o Jardim do Éden, depois constrói uma ermida e nela é enterrado. A região, onde hoje fica São Paulo, foi colonizada por uma ordem de cavaleiros portugueses, chamada “Ordem de Cristo” criada para absorver os últimos cavaleiros templários. Martim Afonso , nos trouxe 400 membros dessa ordem e por onde eles acreditaram que Santo Amaro passou, eles deram o seu nome: Vila de Santo Amaro, ilha, capitania ..
    Curso pós graduação em arqueologia e se desejar posso lhe mandar toda essa documentação e lhe contar mais sobre essa história.

    • Fascinante, Cassio, eu não sabia.Mais um motivo para sentirmos o que aconteceu com o Guarujá. Vc tem razão. Se ensinassem nas escolas talvez teríamos um pouco mais de compaixão pela ilha de Santo Amaro e suas lindas praias que destruímos sem dó. Ignorantes que somos. Muito obrigado por seus esclarecimentos. Vai tornar este post ainda mais interessante. Grande abraço e volte sempre!

  2. Olá João ,excelente e triste matéria.Tenho 58 anos e frequento o Guarujá desde nasci.Primeiramente a praia do Tombo, depois Pitangueiras,depois Astúrias e finalmente Pernambuco até Dezembro de 2016 quando vendi meu imóvel por valor bem abaixo do ditado pelo mercado imobiliário. Sinto muita tristeza a transformação que houve no Guarujá,principalmente a falta de segurança . Guarujá,o litoral mais próximo da capital teria tudo para ser o melhor refugio do stress da vida corrida da capital.Caminhar pela orla de qualquer praia do Guarujá significa correr risco de vida se voce não estiver precavida com dinheiro,relógio e celular à entregar .O medo tomou conta !! Triste fim!
    Abraços de sua colega de ” Ofélia Fonseca ” e vizinha de Rua Angatuba,
    TANIA VERONESI

    • Pois é Tânia, eu também frequentei o Guarujá desde os anos 60. Era uma beleza. Hoje é um horror. Impressionante nossa capacidade destrutiva. E assim está sendo em todo litoral do Brasil. Nossos netos vão encontrar um osso roído. É lamentável. Obrigado por sua mensagem. Volte sempre!

  3. Parabéns !
    E diante do texto publicado…
    Mais não digo….
    Falou tudo e mais um pouco…
    A familia Mesquita sempre marcando presença quanto o assunto refere-se a comunidade !

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here