Você come camarão? Então é pra você…

38
2660
views

Você come camarão? Então, melhor se informar sobre o que está em jogo…

Nestes tristes dias que vivemos, o país ameaçado de quebrar, população dividida, e perspectivas nada otimistas pela frente, talvez não fosse o momento para levar mais problemas à população. Feliz, ou infelizmente, é essa nossa profissão e nosso foco, como já dito, “estudar e divulgar as questões relativas ao mar e à zona costeira.” Então, vamos lá, você come camarão?

imagem de balde de camarões para ilustrar post Você come camarão?
Você come camarão? Foto: theecologist.org.

Conheça a carcinicultura ou, criação de camarões em cativeiro…

Se você come camarão, saiba que tudo começou nos anos 70, no sudeste asiático, quando a abertura de fazendas pipocava. Febre mesmo! “A criação de camarões comerciais em larga escala começou na década de 1970. A produção cresceu acentuadamente, particularmente para atender às demandas do mercado dos Estados Unidos, Japão e Europa Ocidental. A produção global total de camarão de criação alcançou mais de 1,6 milhão de toneladas em 2003, representando um valor de quase 9 bilhões de dólares. Cerca de 75% do camarão de criação é produzido na Ásia, em especial ChinaTailândia. Outros 25% são produzidos principalmente na América Latina, onde BrasilEquadorMéxico são os maiores produtores. O líder mundial em exportação é a Tailândia.”

Por que começou no Sudeste Asiático?

Porque trata-se de questão cultural. “O camarão é cultivado no Sudeste Asiático e na China há séculos, usando métodos tradicionais de baixa intensidade. Na Indonésia, o uso de lagoas de água salobra, chamadas tambaks, pode ser rastreado até o século XV. Eles usaram tanques de pequena escala para monocultura ou policultivos com outras espécies, como milkfish, ou em rotação com arroz, usando os arrozais para culturas de camarão durante a estação seca, quando nenhum arroz poderia ser cultivado.”

Os problemas

Tudo começou muito de repente, sem se prever o crescimento absurdo que teve a atividade até atingir o valor anual de mais de 9 bilhões de dólares! “A criação de camarões transformou empresas tradicionais de pequena escala no sudeste da Ásia, em parte da indústria global.”

Cada vez mais camarões…

“Os avanços tecnológicos levaram ao cultivo de camarões em densidades cada vez maiores, e a produção, embarcada para todo o mundo. Praticamente todos os camarões de criação são da família Penaeidae, apenas duas espécies – Penaeus vannamei (camarão branco do Pacífico) e Penaeus monodon (camarão tigre gigante) – representam cerca de 80% dos camarões de criação. Essas monoculturas industriais são muito suscetíveis a doenças,  causaram várias epidemias regionais de populações de camarões. O aumento dos problemas ecológicos, os repetidos surtos de doenças e as pressões e críticas de ONGs e países consumidores levaram a mudanças na indústria no final da década de 1990 e, em geral, à regulamentação mais forte por parte dos governos. Em 1999, foi iniciado um programa destinado a desenvolver e promover práticas agrícolas mais sustentáveis…

Traduzindo releases oficiais…

A maioria dos estudos sobre a carcinicultura, na web, são patrocinados pela indústria do camarão. Seja a mundial, com predomínio das fazendas do sudeste asiático, sejam as fazendas como as do Nordeste do Brasil. Neste caso o guarda- chuva jurídico é a ABCC – Associação Brasileira de Criadores de Camarão. Todas disputam um apetitoso mercado de bilhões. O que estas matérias não dizem, por motivos óbvios, é que a pressa em supri-lo fez com que as fazendas fossem criadas em áreas de mangue, mais fácil de derrubar. Porque os mangues estão ao lado da imprescindível água do mar e, ao menos no Brasil, mangues são áreas públicas, não estão à venda, seria mais fácil ocupá-los. E assim a carcinicultura destruiu inutilmente grande parte dos manguezais do planeta, um dos mais importantes criatórios naturais marinhos, cuja maior parte fica na mesma região, o sudeste asiático. A comunidade mundial chiou e foi verificar mais de perto…

E descobriu a poluição química gerada pela criação

Ficaram chocados com a poluição química. Como disse o estarrecido pesquisador, Enric Sala: “Nas lagoas (do sudeste asiático), colocam os filhotes de camarões e, para evitar que as larvas de mosquito os comam, jogam uma camada de diesel para que os mosquitos não botem ovos na água. Depois jogam pesticidas para que não cresçam algas. Quando os camarões estão grandes, esvaziam a lagoa e os camarões ficam impregnados de toda essa sujeira. Em alguns casos, acrescenta-se corantes para terem um tom mais laranjinha. E depois de cinco anos, as lagoas ficam tão salobras que os produtores vão cortar mangues em outro lugar.”

No Nordeste do Brasil

O mesmo acontece nos mangues do Rio Grande do Norte, maior produtor do Brasil, e em todos os outros estados do Nordeste. Sem falar que, na despesca, a água dos tanques é devolvida à gamboa sem qualquer tratamento, o que gera tremenda poluição.

imagem de tanque de carcinicultura no Ceará
Você come camarão. Cada tanque sendo preparado. Primeira medida: decepar mangue. Foto: Aracati, Ceará.

No Brasil, o produto usado para garantir o ‘laranjinha’ é o conhecido metabissulfito de sódio, “conservante usado como antioxidante e inibidor da proliferação de microorganismos. Sua ingestão pode causar reações alérgicas, problemas de pele, irritação gástrica e rinite severa em pessoas sensíveis ao composto.”

imagem de carcinicultura no Vale do rio Jaguaribe, município de Aracati, Ceará
Você come camarão. Vale do rio Jaguaribe, município de Aracati, Ceará, onde se vê tanques de criação, via-se pujante manguezal.

Mas tem mais. Você como camarão? Então, aguarde…

Duas das maiores causas de perda de biodiversidade no mundo

Você come camarão? Pois saiba que segundo a comunidade acadêmica, o pior problema para a perda de biodiversidade é o desaparecimento de habitats. O segundo pior, a introdução de espécies exóticas. A carcinicultura faz as duas coisas. Ainda que, passado o tempo desde o início das criações, o Penaeus vannamei não tenha conseguido se impor sobre os camarões nativos. ‘Meno male’.  Mas, pela extirpação do mangue, a prática é combatida por Estados não entreguistas como a Paraíba, por exemplo, cuja secretária de Meio Ambiente considerava esta atividade como ‘uma das maiores ameaças ao litoral Nordestino‘, ao lado da especulação.

Procedência do camarão de criação

O tópico, ‘Cada vez mais camarões…’, explicou as espécies usadas. No Brasil optou-se pelo Penaeus vannamei (camarão branco do Pacífico), apesar de tudo que já se sabe quanto aos problemas causados pelas espécies exóticas. Como sobra, a carcinicultura  provoca conflitos sociais já que, ao escolherem parte de um manguezal para as fazendas, os produtores cercam uma área adjacente bem maior, impedindo que os catadores tradicionais explorem o mangue.

À direita, João do Cumbe, à esquerda, Paulina Chamorro. João contou no documentário que é ‘ameaçado de morte pela Compescal’, Aracati, Ceará. Você come camarão?

No documentário que produzi, há depoimento do extrativista João do Cumbe, ameaçado de morte pela fazenda do prefeito de Aracati, a Compescal, que decepou totalmente o manguezal da foz do rio Jaguaribe, no litoral do Ceará. Também entrevistei o promotor público Diógenes, em Natal, Rio Grande do Norte. Ele contou que “depois que começara um processo sobre estragos ambientais produzidos pela carcinicultura, sofreu diversas ameaças de morte.”

imagem do promotor Diógenes, de Natal
Diógenes foi ameaçado pelos produtores.

Curiosidades da carcinicultura no Brasil

Quando vi os estragos, não acreditei. Aconteceu durante a primeira expedição pela costa brasileira, entre 2005 e 2007. Descobri algumas ‘curiosidades’ que ajudam a compreender a carcinicultura no Brasil. A medida que descia a costa de Norte para Sul, desde o Amapá, eu ouvia falar na novidade. Mas só vi uma fazenda no Piauí. A partir daí, até o Sul da Bahia, o que mais se vê nos estuários, são grandes espaços decepados de mangue. Como é possível ocupar os mangues, pensei, são espaços públicos, berçários, não podem ser ocupados! Resolvi focar o assunto e, dentro da grande reportagem da costa brasileira, abrir espaço para reportagens menores. Comecei a estudar. Li, entrevistei ao menos dez professores das Universidades Federais do Nordeste, todos contrários; todos os secretários de meio ambiente, promotores públicos, ambientalistas, etc, e procurei matérias na imprensa internacional, ONGs daqui e de fora.

Os políticos, sempre eles…

Durante a travessia do Nordeste pesquisei todas as fazendas de camarão, e visitei quase cem por cento delas. Entrevistei quem se dispôs a falar (mas foram poucos…), entrevistei o pessoal do entorno, o prefeito da localidade, etc.

imagem da barra do rio Cunhaú, Rio Grande do Norte, detonada pela carcinicultura,
A barra do rio Cunhaú, Rio Grande do Norte, detonada pela carcinicultura, o mangue foi extirpado. Você come camarão?

Produzi um documentário. Descobri que 95% delas eram de políticos, ou gente a eles ligada: prefeitos, vereadores, deputados, senadores, e até um vice-presidente da República. Por envolverem ‘gente graúda’ , tinham mais chances de vista grossa por parte das autoridades ambientais que deveriam zelar pelo mangue íntegro, e em pé.

Algumas fazendas são do ‘pessoal do crime’

Na época da viagem, 2005 – 2007, se as fazendas não estivessem nas mãos de um destes dois grupos, políticos, ou amigos de políticos, então elas pertenciam a gente do crime, caso de uma das maiores da Bahia, a Lusomar.

imagem de manguezal desmtada pela carcinicultura
Você come camarão? Foto tirada do site da Lusomar só para vc ver o tamanho da área desmatada.

Depois de ver e gravar os estragos que ela fez depois da despesca, poluindo o que restava do manguezal do entorno ao devolver a água utilizada sem qualquer tratamento, segui até a praia Costa Azul, para ver sua unidade de criação de larvas.

Imagem da fazenda de camarões da Lusomar, no litoral da bahia
Você come camarão? O tamanho da Lusomar

Mais uma vez fiquei de queixo caído com o tamanho do empreendimento, e constatei que a Lusomar também não respeitou a faixa mínima de 300 metros, medidos a partir da linha da preamar, para as primeiras construções em direção ao interior, conforme determina a Resolução 303, do Conama, que procura disciplinar a ocupação das praias.

imagem da estrutura de esgotos da fazenda Lusomar
Olha só o jeito que montaram a estrutura de esgotos! Você come camarão?

Como mostram as fotos, parte das obras civis está claramente dentro do limite protegido. Para não falar que a área tem dunas e restingas, ambas consideradas APPs. Note que a empresa colocou um tosco cano d’água para liberar seus rejeitos em plena zona de arrebentação.

imagem da estrutura de esgotos da fazenda Lusomar na altura da arrebentação
Você come camarão? Estrutura de esgotos da Lusomar na zona de arrebentação!

Como funciona com as fazendas dos amigos dos políticos

Quando são deles mesmos, tudo fica mais fácil. Os ‘legisladores’ desafiam o Ibama com total cara-de-pau. Não deixam que a fiscalização os atinja. Quando as fazendas são dos amigos dos políticos, funciona mais ou menos como a Lusomar, que investigamos. Descobrimos a velha prática da barganha.

imagem de poluição marinha por fazendas de camarão
Hora da despesa da Lusomar, hora da poluição nos canais do mangue. Toda água do tanque é despejada a gamboa, de volta, sem tratamento nenhum.

Tudo indica que o governador Paulo Souto financiou as obras com dinheiros públicos do FNE (Fundo Constitucional do Nordeste), que é um Fundo Federal, em troca da empresa contribuir para a campanha de um prefeito de sua corrente política no município de Jandaíra, onde se localiza a fazenda. O antigo era aliado de ACM, inimigo e rival político de Paulo Souto

Lusomar elege Herbert Maia – PDT, com extensa ficha policial, prefeito de Jandaíra, BA

Pois a Lusomar cumpriu sua parte, elegeu Herbert Maia, do PDT. Ele tem dois CPFs, e farta ficha policial. Cinco processos na Justiça de Alagoas, 41 no TJ de Sergipe, e 11 processos do Tribunal de Contas da União. O cara está envolvido em emissão de notas frias, roubo e desmanche de veículos, e crimes de pistolagem. Em 1988 foi preso em Sergipe. Acusação: líder de quadrilha, vendia notas fiscais frias para diversas prefeituras. Segundo nossa pesquisa, ele está envolvido em crimes de morte, como o que vitimou o promotor de Cedro de São João, Waldir de freitas Dantas, assassinado em 19 de março de 1988. Por fim, Herbert foi denunciado pelo comparsa, de nome Cristinaldo Santana, vulgo “ Veneno ” , de receptação e desmanche de carros roubados. Todos estes casos vieram à tona com sua “ vitória ” nas últimas eleições (1797 votos contra 1721 do segundo colocado).

FNE – Fundo Constitucional do Nordeste

O papel deste Fundo era financiar as fazendas. Impressionado com tanta bondade, pesquisei mais e descobri que ele sugere em suas diretrizes “preferência aos mini e pequenos empreendedores”, e projetos que “protejam o meio ambiente”.

imagem de placa do fundo do nordeste que apoia a carcinicultura
Você come camarão? Fazer com o dinheiro dos outros é fácil…

Curiosamente, a turma da carcinicultura não se enquadra em nenhum dos dois tópicos…

Maior problema das fazendas de criação ainda não resolvido: a farinha de peixe

Para além dos graves problemas apontados, um dos piores é a alimentação escolhida nas fazendas: a farinha de peixe. Esta mistura é feita com populações que antes não eram pescadas, apesar de terem uma função importante na cadeia alimentar dos oceanos. Note-se o paradoxo: a aqüicultura começou para resolver o problema da sobrepesca. Mas, à medida que cresce mundo afora, mais peixes, antes descartados por terem pouco valor comercial, são capturados para alimentá-las. “A conseqüência pode ser terrível, a conta não fecha. Não é sustentável.

Como assim, não é sustentável, e as fazendas instaladas?

Bem, os produtores não tiveram que investir comprando, e preparando as terras como em qualquer atividade do gênero. A mamata, e charada da questão financeira, começa aí. As terras, mangues, áreas públicas, foram ‘doadas’ aos produtores, talvez isso explique a onipresente presença de políticos nesta área de atuação…Descobrimos ainda que os empregos gerados são sazonais, sem carteira assinada (quem pode, pode…). Além disto, 84% das 245 fazendas de criação do Ceará, por exemplo, estavam em APPs, Áreas de Preservação Permanente estipuladas pelo CONAMA (Conselho Nacional de Meio Ambiente), e nem por isto fiscalizadas ou multadas pelo Ibama.

A ficha caiu… devastação e poluição provocam boicote internacional

Esses problemas em conjunto chamaram a atenção internacional. Veja o que aconteceu. “Infelizmente, as exportações brasileiras de camarão caíram drasticamente de 42,5 mil toneladas (65,4% da produção), em 2005, para 5728 toneladas (8,81% da produção), em 2009 (ABCC, 2011). O Brasil foi um dos países líderes em exportações para a Europa, mas em 2009 caiu para a 28ª posição (ABCC, 2011). A produção de camarão tem permanecido constante apenas porque os produtores têm conseguido aumentar as vendas domésticas.”

Esta queda nas exportações tem dois motivos. O primeiro foi um boicote dos compradores devido às condições de ‘terra-arrasada’, mais a poluição como encargo; o segundo são as constantes pragas que dizimam criações intensivas. Ou seja, o mundo soube dos problemas ambientais gerados pelas criações e reagiu. Exigiu melhorias para voltar a comprar. É o que esperamos que aconteça com você, que lê este post e eventualmente, come camarão.

A pesca do camarão

Existem algumas modalidades, desde as de menor impacto, até as de maior. Infelizmente, 90% do camarão oriundo da pesca vem da modalidade mais terrível e combatida mundo afora, o arrastão. No Brasil não é diferente. Este vídeo (com legendas) mostra o dano causado pelas redes de arrasto ao assoalho marinho. A modalidade é uma hecatombe para o assoalho marinho. Detona tudo que estiver em seu caminho. E ainda é responsável pela captura incidental, quando toneladas são mortas e devolvidas ao mar.

Então, você come camarão?

Voltando aos ‘tempos tristes’ que vivemos, não apelo sequer aos legisladores, ao Estado. Mas acredito que se cada um tiver consciência de seus atos, às vezes tão corriqueiros como comer (nada é corriqueiro quando se trata de 7.5 bilhões de pessoas), isso por si já será um benefício. Felizmente, mesmo nestes tempos bicudos, sobram provas que os bons cidadãos continuam atentos apesar de tudo. A reação positiva que tivemos com a campanha pelo fim dos canudinhos plásticos, nos mostra que o caminho é falar com você, cidadão. Pense sobre a parte de cada um, e tome sua posição. Como se diz lá fora, ‘pense globalmente, aja localmente‘.

Foto de abertura: www.frozenshrimpsuppliers.com.

Fontes: https://en.wikipedia.org/wiki/Marine_shrimp_farming; https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0964569111000901?via%3Dihub;https://exame.abril.com.br/estilo-de-vida/5-ingredientes-indesejaveis-das-comidas-industrializadas/; http://www.jandaira.ba.gov.br/;

Bitucas de cigarro, praga assola litorais do planeta

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

38 COMENTÁRIOS

  1. Será que essa produção respeita as leis da natureza, ou pouco se preocupam buscando lucro imediatista e indo para outro lugar quando não dá mais, deixando os problemas para os nativos da região? Respeitar a natureza é não romper o equilíbrio dos vários fatores que atuam conjuntamente para manter a hospitalidade do planeta,

  2. Eu já parei de comer peixe e frutos do mar há muito tempo. Dentro de 20 ou 30 anos a maioria da população mundial terá me seguido, por livre opção ou pelo custo.

  3. Eu adoro camarão….fico feliz que o camarão que consumo diariamente não é fruto de pesca com rede de arrasto e sim de criação responsável, criando empregos e movimentando a economia!!

  4. Conheci no sul da Bahia varias fazendas de camarão, e realmente algumas precisam melhorar seu processo produtivo, mas várias já atuam de forma responsável e sustentável. O que me chamou mais atenção, foi que as fazendas que produzem de forma mais sustentável, tem uma rentabilidade e produção bem maior que as fazendas com métodos tradicionais. Me parece que apenas uma pequena regulamentação na forma de produzir pode resolver esse problema e de quebra reduzir o valor do produto pelo aumento considerável da oferta.

  5. A imprensa crítica é um total desserviço à sociedade. Ela não é propositiva, ela é impositiva. O problema nunca foi a criação e agricultura em larga escala, com fiscalização e tecnologia. O problema sempre será o amadorismo e o que o repórter adora classificar como técnica artesanal. No Brasil tudo que é feito por pobre é perdoado, desmatamento, favela, criação, palafitas e assim por diante, tanto que praticamente acabaram as praias livres em nosso litoral.
    Dr criarem regras para a pesca e criação de camarões os pobres não terão capital para fazer essa empreitada. Então sempre teremos duas ou três fazendas de camarão regulamentadas, pagando toneladas de impostos tendo como vizinhas pequenas fazendas sem controle e totalmente irregulares.
    Mas, a culpa é das fazendas tecnológicas, dos consumidores, nunca dos que criam de forma oportunista ou dos que pescam sem qualquer cuidado ou tecnologia.
    Se tem dúvida, olhar os mangues do nordeste.

  6. Alguém disse acima o que os “esquerdistas, humanistas, globalistas” não gostam de ouvir e não admitem sequer mencionar: o problema chama-se superpopulação humana, principalmente os seres gerados nos paises ricos ou pobres por quem não os sustenta ou não querem sustentar, deixando a conta para o estado, quer dizer, a sociedade que produz e tem a quantidade de filhos que consegue criar. Simples assim. Quanto ao camarão, quem quiser contribuir para a sustentabilidade do ambiente, deixe de comer, ou então somente coma os que forem pescados com anzol. Ridículo.

  7. Fico com receio quando alguém escreve que vai reduzir o consumo de camarão por conta da matéria que leu…. Que gente manipulável!! Parabéns pelo objetivo alcançado com o texto. Ressalto que nessa guerra de interesses existem pessoas maiores, que o autor da matéria, defendendo interesses próprios. Ah, a aquicultura vai alimentar o mundo sim (conheça mais sobre o assunto) e frango não tem hormônio.

  8. Gostei da matéria…eu amo camarão, lagosta, peixe e frutos do mar em geral…eu não vou parar de comer camarão!!..rsrs….a perguta é: onde podemos comprar, consumir estas delicias de forma mais sutentável??…alguma dica?….vlw!…moro em sp e em geral compro no mercado municipal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here