Pesca de arrasto: entenda como acontece a destruição do habitat

6
1634
views

Pesca de arrasto: entenda como acontece a destruição do habitat

Este vídeo (com legendas) mostra o dano causado pelas redes de arrasto ao assoalho marinho. Ele conta que em 2006 alguns países, entre eles o Brasil, pediram na ONU uma moratória da pesca de arrasto profundo em águas internacionais sem, no entanto, atingirem seu objetivo. O recado é claro: “o tempo está se esgotando”. Os governos devem agir enquanto ainda há tempo. Uma rede de arrasto pode varrer uma área equivalente a cinco mil campos de futebol numa única pescaria.

Pesca de arrasto no Brasil

Infelizmente esta modalidade é praticada no Brasil sem qualquer fiscalização. Aqui, cada um dos 17 estados costeiros tem uma regra a respeito de como deve ser praticada, sempre em relação à distância da costa. Em alguns estados a distância é de uma milha náutica, em outros, três milhas. Mas, como não existe nenhuma fiscalização, é comum ver barcos pesqueiros passando o arrasto na zona de arrebentação.

Pesca de arrasto no mundo

Os cientistas provaram o mal que este tipo de pesca provoca. O que falta é força aos governos para proibirem de vez a modalidade. Com medo do desemprego muitos governos fingem não ver o mal que o arrasto provoca, e adiam uma solução. Recentemente, até Portugal que tem forte tradição pesqueira, proibiu o arrasto. O Governo português aboliu por decreto todas as pescas de fundo, exceto a pesca  com espinhel, autorizado sob certas condições. A proibição vale para uma área de 2.280.000 km2 , cerca de quatro vezes o tamanho da Península Ibérica. O objetivo  é promover a pesca de forma sustentável, procurando garantir a conservação dos ecossistemas marinhos profundos.

Pesca de arrasto, imagem de barco de pesca passando rede de arrasto
O Mar Sem Fim cançou de flagrar a pesca de arrasto na zona de arrebentação

Portugal proibe esta modalidade de pesca.

COMPARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Somente agora tomei conhecimento desta pagina. Parabéns, Mesquita. Moro em Itajaí/SC, um dos maiores portos pesqueiros do Brasil. Os barcos de arrasto, especialmente aqueles que pescavam no sistema de parelhas, dizimaram o litoral catarinense e gaúcho. Vi muitos destes matadores implacáveis, conheci seus mestres e armadores, todos eles, no passado, homens que enriqueceram. Igual aos peixes, também maioria deles está morta. O primeiro passo é tomar consciência de que a vida acaba para todos e que homem não é a medida e nem a finalidade de todas as coisas.

  2. Meus Deus! Eu não sabia que faziam isso nesta profundidade. Eu moro na ilha de Florianópolis e estou sempre me perguntando: pra que os barcos ficam pescando dia e noite? aqui devem fazer essa pesca de arrastão também. Sou um defensor do ma de hoje em diante.

    • Carlos, obrigado pela mensagem. Nossa intenção é exatamente esta: mostrar para o leigo o estado deplorável do mais importante ecossistema marinho. Ou nós nos juntamos, e forçamos os governos, municipais, estudais, e federal, a agirem; ou vamos morrer junto com os oceanos. Estamos umbilicalmente ligado a ele. Entre outras, os oceanos produzem mais da metade do oxigênio que respiramos. Portanto, mensagens como a sua nos enchem de alegria: conseguimos conquistar mais um soldado. Que maravilha! Abraços e volte sempre!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here