Espécies invasoras agora navegam em plástico

3
727
views

Espécies invasoras, ou exóticas, cruzam oceanos navegando em plástico, esta descoberta é mais uma ‘contribuição’ do plástico à biodiversidade

No meio acadêmico, é sabido, a maior contribuição para a perda de biodiversidade é o desaparecimento de habitats. Menos recifes de corais, mangues, ou praias, significa menor quantidade/variedade de espécies marinhas. O segundo pior problema para a biodiversidade no mundo, segundo a União Internacional para Conservação da Natureza (The World Conservation Union – IUCN), é a introdução de espécies invasoras, ou exóticas (plantas, animais e microrganismos).Elas empobrecem, homogeneízam os ecossistemas. Vamos entender por quê.

Espécies invasoras ou exóticas: definição

De acordo com a Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), “espécie exótica é toda espécie que se encontra fora de sua área de distribuição natural. Espécie exótica invasora é definida como aquela que ameaça ecossistemas, habitats ou espécies.”

Descomplicando um pouco mais, considere espécies invasoras as ‘espécies que estão em ambiente diferente de seu local de origem, por ação do homem (intencional ou acidental).’

Segundo o site do MMA, “espécies invasoras ou exóticas representam uma das maiores ameaças ao meio ambiente. Geram enormes prejuízos à economia, à biodiversidade e aos ecossistemas naturais, além de riscos à saúde humana.”

Formas de invasão: acidental

Primeiro, o homem domesticou  plantas e animais, milhares de anos atrás. Entre os mais comuns, milho e  trigo; e o gado, além de cães e gatos. Com comida farta, as populações  cresceram. Com o crescimento, veio a necessidade de se achar novos sítios, começavam as migrações humanas. Junto com as migrações, iam as plantas e animais domesticados tomando o lugar das originais. Hoje, com a globalização, as andanças do homem moderno talvez sejam a maior forma de bioinvasão. Intencionais, ou não. Já foram encontrados carrapatos em pinguins na Antártica. Quem levou os carrapatos senão o homem ainda que de forma não intencional? Junto com as caixas do comércio mundial, ganhamos de brinde baratas, ratos, e que tais.  Às vezes eles saem da Ásia e chegam nas Américas; outras vezes o ponto de partida foi o Velho Mundo, e o de chegada, a África. Ou vice- versa. É assim que acontece.

Formas de invasão: intencional

E há os casos piores, os considerados ‘intencionais’. Envolvem pessoas inconsequentes, que ignoram que somos quase oito bilhões de terráqueos, e que por isso mesmo não podemos fazer o que der na telha, sob pena de contribuir com o problema. Este foi o caso do peixe- leão, espécie original da confluência do Pacífico com o Índico. O ‘belo’ peixinho (apenas 50 cm) é hoje o grande terror do Atlântico Norte e Sul. Trata-se da espécie marinha invasora mais numerosa no mundo. Estudando a praga no hemisfério Norte, cientistas descobriram que a invasão se deu do aquarismo, para o mar. Ou seja, um norte-americano havia comprado o peixinho para ornar seu aquário. Depois da novidade, veio o tédio, e o peixinho foi solto no mar. Foi o suficiente para liberar a praga.

Problemas gerados pelas espécies invasoras

Na maioria das vezes o problema começa porque as espécies exóticas não encontram inimigos naturais. Sem predadores naturais, sua população cresce assustadoramente, toma o lugar da fauna nativa empobrecendo a biodiversidade local, e gera problema econômicos anormais. É o que aconteceu com um simples molusco, o mexilhão-dourado originário da Ásia, que entrou no sul do Brasil misturado com a água de lastro de algum navio. Em pouco tempo tomou conta do Lago Guaíba e rio da Prata.

imagem do mexilhão dourado, uma das espécies invasoras do Brasil
O mexilhão- dourado é um flagelo das bacias hidrográficas brasileiras.

Entope as turbinas de Itaipu, que tem que parar a operação para limpá-las . Já subiu até o Pantanal, contaminando, no trajeto, o São Francisco. Hoje os pesquisadores brasileiros sabem que eles chegarão à bacia Amazônica, é questão de tempo.

O prejuízo causado:1,4 trilhões de dólares a cada ano ou 5% da economia mundial

Secretariado da Convenção sobre a Biodiversidade: os prejuízos econômicos causados pelas espécies invasoras em todo o mundo, na forma de perdas em colheitas, pastagens e florestas, além das despesas nos planos de combate, podem chegar a 1,4 trilhões de dólares a cada ano, equivalendo a 5% da economia mundial. Nestes custos não estão incluídos o declínio da biodiversidade e as extinções de espécies, os danos estéticos e culturais às paisagens e comunidades, e a perda de serviços ambientais, que ainda não foram bem calculados em termos econômicos e às vezes nem podem sê-lo, mas que sem dúvida são altíssimos, afetando o homem e a natureza como um todo, ameaçando a estabilidade social e política das nações, o seu crescimento econômico, e o desenvolvimento de um futuro sustentável e equitativo para todos os seres.”

A novidade: Espécies exóticas agora navegam em plástico

Matéria do www.nationalgeographic.com: ” Pouco depois do terremoto e do tsunami de 2011 que devastaram a costa leste do Japão, uma onda de lixo flutuante – gaiolas de moluscos, porções de piers, embarcações de pesca inteiras – começou a ser levada para a costa oeste da América do Norte e  Havaí. O tsunami havia arrastado a infraestrutura de plástico do Japão para o mar, que agora se dirigia para a América do Norte.”

A saga dos mexilhões, cracas e algas: seis anos em uma jornada pelo Oceano Pacífico

“Os cientistas não sabiam que mexilhões japoneses, cracas e algas marinhas poderiam sobreviver por seis anos em uma jornada pelo Oceano Pacífico e chegar não apenas vivos, mas prontos para se reproduzir.”

imagemde caixa de plástico com espécies invasoras
Uma saga de seis anos à deriva até arribar no litoral dos USA. Foto: nationalgeographic.com

A nova fronteira

“Esses montes de lixo costeiro são uma nova fronteira para os cientistas que estudam espécies exóticas. No passado, as criaturas costeiras viajaram em troncos que freqüentemente se decompõem no mar. Mas a proliferação de plásticos ao longo de mais costas estrangeiras possibilita viagens mais longas.”

Novas questões a serem respondidas

“Como essas espécies subsistem em plástico e poliestireno? Grandes pedaços de detritos se tornam microcosmos de seus ecossistemas costeiros, como um hotel flutuante com comida?”

“Sabemos que os plásticos são tão abundantes em partes do oceano aberto quanto em nossas vidas cotidianas. Mas, até recentemente, os cientistas não consideravam que esses detritos pudessem levar a nova onda de espécies exóticas para as costas dos Estados Unidos, ou outras partes do mundo. Agora eles estão descobrindo que não apenas isso está acontecendo, mas  suspeitam que algumas das espécies irão prosperar.”

A nova ‘contribuição’ do plástico

A cada dia que passa mais perplexos ficam os cientistas. A descoberta mais alarmante deste século, possivelmente, foi saber que em 65 anos de existência do material foram produzidos 8,3 bilhões de toneladas de plástico. Só 9% foi reciclado. Ao descobrirem o absurdo, ficou fácil entender pesquisas que dizem que em 2050 haverá mais plástico que peixes, em peso, nos oceanos. É bom lembrar que o material não se desfaz. No máximo, depois de séculos na natureza, ele se quebra em micropartículas que já entraram em nossa cadeia alimentar. O fato novo, trazido por NG, é que agora o plástico, que domina as regiões costeiras mundo afora, pode ajudar ainda mais a proliferação das terríveis espécies exóticas. É hora de agirmos. O poder público, com políticas condizentes, e os cidadãos, reciclando. Não tem outro jeito. Ninguém fará isso por nós. Pense sobre isso.

Fontes: http://www.mma.gov.br/biodiversidade/conven%C3%A7%C3%A3o-da-diversidade-biol%C3%B3gica; https://www.iucn.org/content/100-worlds-worst-invasive-alien-species-a-selection-global-invasive-species-database; https://www.google.com.br/search?ei=BoaJW9y8M4Wg5wLioZr4Dw&q=inconsequ%C3%AAntes&oq=inconsequ%C3%AAntes&gs_l=psy-ab.12…15513.17262.0.19093.2.2.0.0.0.0.203.384.0j1j1.2.0….0…1c.1.64.psy-ab..0.0.0….0.KQcD3agoQQA; http://www.mma.gov.br/biodiversidade/especies-ameacadas-de-extincao/especies-exoticas-invasoras.html; https://www.nationalgeographic.com/environment/2018/08/news-invasive-species-ride-plastic-across-ocean/.

Pesca marinha, um inédito histórico dos últimos 150 anos

COMPARTILHAR

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

3 COMENTÁRIOS

  1. Um dos piores invasores é o capim Anoni. Tomou conta dos campos sul rio-grandenses acabando com o campo nativo. Pretende se expandir pelo Brasil inteiro.

  2. Se alguém pensa que a natureza vai ficar parada ecologicamente no tempo, tal como deveria ser há 20, 30 , 100 ou mais anos, engana-se redondamente.
    Quanto mais gente houver no planeta, mais rapidamente ocorrerão as transformações.
    Outro engano é pensar que o homem vai controlar isto.

  3. Imaginem as quantidades de águas de lastros dos mega transportadores de contêineres, porta aviões e navios em geral; serviços de deliveries gratuitos de moluscos e outros seres das faunas marítimas, mas é claro o total de áreas de plásticos devem ser imbatíveis.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here