Exterminar eucaliptos e pínus do litoral é dever de todos

10
2971
views

Exterminar eucaliptos e pínus do litoral é dever de todos

Adorei quando li no Estadão (31/05/2024) Exterminadores de pinheiros? Quem são os derrubadores de árvores em um parque de Florianópolis, de Martina Medina. O primeiro parágrafo deixa claro de que se trata. ‘Quem vê um grupo de 12 pessoas derrubando árvores no Parque Natural Municipal das Dunas da Lagoa da Conceição, em Florianópolis, pode até estranhar. Mas, apesar de usarem serras manuais e motosserra, eles estão longe de representar ameaça ao meio ambiente. O objetivo é  proteger a vegetação local de uma espécie exótica invasora: o pínus ou pinheiro-americano’. Eu tive a mesma vontade quando fiz a primeira viagem pela costa brasileira (2005-2007). Fiquei horrorizado com a quantidade de eucaliptos e pínus plantados no litoral, no lugar de espécies da esplêndida Mata Atlântica. Lembro que falava para amigos que, ‘na próxima viagem levaria uma motoserra’. Exterminar eucaliptos e pínus do litoral é dever de todos.

Placa Morte aos pinheiro
Felizmente não estamos sozinhos. Além do pessoal de Floripa, há muitos outros como mostra a foto na planície costeira gaúcha. Acervo MSF.

O extermínio em Florianópolis

A matéria de Martina Medina explica que a iniciativa “Restaurando paisagens e ecossistemas”, que envolve o Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e centenas de voluntários, já retirou mais de 420 mil pínus da Unidade de Conservação (UC) desde 2010.

Note a imensa quantidade, 420 mil árvores! Mas, voltemos ao texto de Medina. Em 2018, o grupo finalmente eliminou os impactos da invasão de pínus do parque. Porém, a espécie segue em outras regiões e, devido à dispersão das sementes pelo vento por até 60 quilômetros, acaba voltando à Unidade de Conservação.

Em outras palavras, estas árvores plantadas por cavalgaduras no litoral são uma praga! A autora da matéria ainda explica mais: O pínus, originário do Hemisfério Norte, chegou ao Brasil na década de 1960 como planta ornamental e para a produção de papel e madeira. O gênero, com cerca de 20 espécies registradas no Hemisfério Sul, é um dos mais invasores do mundo (grifo nosso). A Pinus elliottii, principal espécie no Parque das Dunas da Lagoa da Conceição, ameaça a restinga, vegetação nativa da região.

Exterminam árvores exóticas enquanto plantam mudas nativas

Finalmente, Martina Medina conta o que fazem os ‘exterminadores’, além de derrubarem as árvores exóticas. ‘Para acelerar a restauração, a iniciativa também faz mutirões de plantio de mudas nativas. Até o momento, foram restaurados 200 hectares de restinga no parque, um terço da área total da reserva’.

praia e eucaliptos no Espírito Santo
Plantam eucaliptos ou pínus até nas praias do Espírito Santo. E isso nada tem a ver com o poder público. Ou as sementes chegaram pelo vento, ou foram plantadas por algum desavisado. Ainda há tempo. Que tal criar ‘brigadas de exterminadores’? Acervo MSF.

A matéria de Medina é interessante, se estende um pouco mais, e pode ser lida na íntegra no link acima.

PUBLICIDADE

O custo das espécies invasivas nos EUA

Se por acaso você pensa que ‘isto é coisa de ecochatos’ saiba que, segundo a insuspeita revista do Smithsonian, ‘o custo das espécies invasivas, apenas nos Estados Unidos, chegam a “US$ 40 bilhões anuais’.  Eu disse 40 BILHÕES de dólares por ano!

O Smithsonian comenta um estudo feito em 2016, e publicado na Proceedings of the National Academy of Sciences, segundo o qual ‘os países em desenvolvimento (como o Brasil) experimentam os piores impactos, enquanto grandes produtores agrícolas como a China e os EUA representam o maior risco como fontes de espécies invasoras’.

Mais adiante, explica o artigo: ‘Em termos de custo absoluto, os países que são grandes produtores agrícolas – os EUA, China, índia e Brasil – podem perder mais’.

O custo das espécies invasivas no Brasil

Segundo o Relatório sobre Espécies Exóticas Invasoras, produzido por especialistas de 49 países, estes intrusos têm sido um fator importante em 60 por cento de todas as extinções e que custam à economia global mais de 423 bilhões de dólares anualmente. O relatório classificou as espécies exóticas invasoras como uma ameaça ao desenvolvimento sustentável e ao bem-estar humano.”

Brasil tem 476 espécies exóticas invasoras

O estudo mostra que o Brasil tem 476 espécies exóticas invasoras. Dessas, 268 são animais e 208 são plantas e algas. A maioria vem da África, Europa e sudeste asiático.

Como as questões ambientais nunca foram levadas a sério no País de Macunaíma, em janeiro de 2024 cientistas brasileiros do Centro Brasileiro de Conhecimento em Biodiversidade  publicaram uma carta-alerta na Science: Aim for heterogeneous biodiversity restoration (Visando uma restauração heterogênea da biodiversidade), onde criticam o ‘modelo’ brasileiro (quando) muitas vezes se usam superespécies invasoras.

Parece, ou não, uma piada (de extremo mau gosto)? Vamos repetir, o Brasil muitas vezes usa superespécies invasoras para restaurar áreas degradadas!

Impactos da invasão biológica no Brasil.
Atenção para o ambiente marinho sempre desprezado no Brasil. Fonte: Centro Brasileiro de Conhecimento em Biodiversidade.

O CBCB diz que ‘o comércio de animais de estimação e de plantas (grifo nosso) é a principal via de introdução de espécies exóticas invasoras no território nacional. E você sabe qual o custo para nossa economia segundo esta fonte? ‘Invasões biológicas geram um prejuízo anual de USD 2 a 3 bilhões à economia do país’.

PUBLICIDADE

O biólogo Mário Luis Orsi, professor da Universidade Estadual de Londrina e também coordenador do estudo, lembra que em alguns casos há ações de governança sendo aplicadas de forma equivocada (grifo nosso). “Existem incentivos ao uso de espécies notoriamente invasoras e de alto impacto, como por exemplo a tilápia e o pínus (idem), que exercem uma dominância nos ambientes e ameaçam a permanência das espécies nativas”.

Finalmente, ainda segundo a mesma fonte, ‘ao longo de 35 anos (1984 a 2019) o prejuízo mínimo estimado em razão dos impactos ocasionados por apenas 16 espécies exóticas invasoras variou de USD 77 a 105 bilhões de dólares – uma média anual de USD 2 a 3 bilhões. Dentre elas estão principalmente pragas agrícolas e silviculturais (USD 28 bilhões) e vetores de doenças (USD 11 bilhões) e os custos são atrelados a perdas de produção e horas de trabalho, internações hospitalares e interferência na indústria de turismo’.

A viagem do Mar Sem Fim: Amapá, pobreza, poluição e espécies invasivas

Encontrei os primeiros exemplares de eucaliptos em alguns rios do Amapá que explorei, entre eles o Cassiporé e o Calçoene. Três coisas me impressionaram no Amapá. A brutal e quase generalizada pobreza, a poluição dos rios por metais pesados, especialmente mercúrio, usado no garimpo de ouro, e a quantidade de espécies invasivas.

eucaliptos no Amapá
São 70 km contínuos de reflorestamento com eucaliptos entre o município do Oiapoque até Macapá. As sementes destas árvores ‘navegam’ pelo ar até as margens dos rios do Estado. Acervo MSF.

E, além disso, fiquei boquiaberto com a quantidade de árvores de eucalipto em suas margens. Ou seja, em meio à floresta Amazônica, havia esta espécie exótica tirando o brilho, banalizando a floresta úmida e, consequentemente, engolindo parte da biodiversidade nativa.

O caso é tão escandaloso que até o jornal inglês, The Guardian, publicou uma matéria onde alertava que ‘imensas extensões de terra têm sido comercializadas ilegalmente para produtores de soja e eucalipto. As áreas, que até o final do ano passado eram posse do governo federal, teriam sido cedidas para a administração estadual em troca de apoio político. Ainda segundo a denúncia, pequenos agricultores estão sendo expulsos de suas fazendas para que grandes empresas tomem posse das propriedades’.

No trajeto entre o município do Oiapoque, e a capital, Macapá, eu contei 70 quilômetros contínuos de reflorestamento. Onde havia Cerrado, hoje tem eucalipto. A mata nativa perde para  esta praga estéril e sem graça. Mais uma  floresta prístina, repleta de vida, é trocada pela monotonia.

Nordeste: especulação desenfreada e pínus nas praias

Quando entramos em águas do Nordeste, além da especulação imobiliária desenfreada, percebi outro desatino, a plantação de pínus por donos de casas nas belíssimas praias do Ceará. Isso ficou cristalino porque muitas das árvores formavam ‘cercas vivas’ próximas às casas de segunda residência dos ignorantes que as plantaram. É chocante observar as lindas praias cercadas por tufos destas árvores. Tive o mesmo sentimento no Rio Grande do Norte.

Paraíba, à época da viagem, um belo exemplo

O Estado aparece aqui porque sempre há uma exceção. E a Paraíba, na época da viagem, era a grande exceção. Dos 17 Estados costeiros foi o único a ‘domar’ a especulação. Quando conheci a Constituição da Paraíba, entendi o motivo.

PUBLICIDADE

Faz tempo que não visito o Estado, porém, continuo acompanhando o que se passa no litoral. Infelizmente a situação mudou. Os gestores políticos, leia-se prefeitos e governador, são totalmente incapazes, não entendem que vivemos a época do aquecimento global desenfreado, e não preparam o litoral para seus deletérios efeitos.

Além disso, a poluição aumentou muito, e obras estúpidas de prefeitos boçais estão colocando em risco o litoral de João Pessoa.

“Pense num absurdo, na Bahia tem precedente”

Nos cerca de mil e duzentos quilômetros da costa baiana, vi tantos disparates que fui obrigado a usar a frase que imortalizou o governador Otávio Mangabeira (1947 a 1951): “Pense num absurdo, na Bahia tem precedente”.

placa em rodovia baiana
Veja a mentira. A placa diz ‘reflorestamento com mudas nativas’. Mas, atrás dela, vê-se eucaliptos. Fico pensando na omissão de baianos famosos, mudos e ausentes perante a destruição do litoral. Antes tivessem a coragem de Luana Piovani que fez o Brasil discutir a privatização de praias. Nizan Guanaes, Caetano Veloso ou Gilberto Gil, adoro os três, estão carecas de saber o que se passa. Mas… Acervo MSF.

Vi e fotografei imensas áreas de reflorestamento no litoral norte e sul do Estado, com eucaliptos e pínus ocupando o lugar da mais exuberante Mata Atlântica. A porção mais espetacular era a  que havia, e o que sobrou, na Bahia.

Reflorestamento com pínus e eucalipto no litoral baiano

Vejamos o que diz o Instituto Brasileiro de Florestas. ‘É fácil entender, portanto, porque a Mata Atlântica apresenta estruturas e composições florísticas tão diferenciadas. Uma das florestas mais ricas em biodiversidade no planeta, a Mata Atlântica detém o recorde de plantas lenhosas (angiospermas) por hectare (450 espécies no Sul da Bahia), cerca de 20 mil espécies vegetais, sendo 8 mil delas endêmicas, além de recordes de quantidade de espécies e endemismo em vários outros grupos de plantas‘.

desmatamento no sul da Bahia
No litoral sul da Bahia ou você vê o desmatamento da Mata Atlântica, ou reflorestamentos com eucaliptos. E além disso, casas, mansões, condomínios, e hotéis onde muitos não poderiam ser construídos se a legislação ambiental fosse respeitada. A frequência destes ‘estabelecimentos’ é das classes AAA dos brasileiros, acéfalos, egoístas, e medíocres. Desde que tenham vista para o mar, ou conforto, ‘que se foda’. Acervo MSF.

A Mata Atlântica acompanha o litoral brasileiro do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul, englobando áreas de dezessete estados. Como ela está presente em diferentes regiões do Brasil, apresenta diferentes ecossistemas, com variações em relação à fauna, vegetação, solo, relevo e características climáticas, ensina o InVivo da Fiocruz.

litoral norte baiano e reflorestamento com eucaliptos
Alô, Nizan, alô Cae e Gil, será possível que vocês nunca viram esta barbaridade no litoral do Estado? Acervo MSF.

E estes reflorestamentos são recentes, portanto, já havia informação suficiente para brecar a estupidez. Para se ter uma ideia, conforme explica o site InVivo da Fiocruz, na Mata Atlântica já foram encontradas cerca de 260 espécies de mamíferos, 620 de aves, e 260 de anfíbios, além de muitos répteis e insetos.  Foi na Bahia que me veio a ideia de levar uma motosserra na próxima viagem.

PUBLICIDADE

SUDESTE: eucaliptos em todo o litoral do Espírito Santo, e pínus no litoral sul de São Paulo

O litoral do Sudeste tem os mesmos problemas do Nordeste, exceção à carcinicultura. Mas o que aconteceu com a Mata Atlântica do litoral do Espírito Santo deveria ser estudado nas escolas e universidades. Em quase qualquer praia que você esteja, se olhar para o interior verá imensas áreas de reflorestamento com eucaliptos.

Mata Atlântica e Eucaliptos, norte do Espírito Santo
O que fizeram no litoral do Espírito Santo é inominável, o querido Augusto Ruschi deve revirar-se de raiva no túmulo. A 300 metros à direita da foto, fica o mar. A imagem mostra a Mata Atlântica em primeiro plano, e o banal eucalipto, no segundo. Ou seja, onde havia a mata mais biodiversa, plantaram eucaliptos. Acervo MSF.

Na época de nossa viagem, o Espírito Santo tinha cerca de 250 mil hectares de florestas plantadas. Grande  parte da Aracruz Celulose. Os eucaliptos ocupavam cerca de 50 mil hectares, só no extremo norte do Estado, em pleno tabuleiro onde antes havia Mata Atlântica.

Praia em Riacho Doce e eucaliptos
Praia em Riacho Doce e, atrás, uma imensa área de reflorestamento com eucaliptos. Acervo MSF.

Sul de São Paulo, repleto de pínus

Antes de mais nada, ressaltamos mais uma vez que nada temos contra o reflorestamento com pínus ou eucaliptos, desde que seja em áreas degradadas, não no litoral. Para você saber,  a EMBRAPA informa que o Brasil é o maior exportador mundial de resina de pínus, colocando no mercado externo 70% da sua produção anual de 200 mil toneladas. O Paraná é o terceiro estado maior produtor (12 mil t), sendo superado por São Paulo (110 mil t) e pelo Rio Grande do Sul (45 mil t).

Pínus em Peruíbe
Não consegui descobrir qual prefeito, analfabeto ambientalmente, é o autor da bobagem. Mas as ruas e avenidas do município, que nasceu no meio da Mata Atlântica, hoje estão repletas de pínus. Imagem, Tripadvisor.

É ótimo saber que o Brasil se destaca na exportação de resina. Mas que o pínus não esteja no litoral, é isto que defendemos e que propomos exterminar seguindo o exemplo do pessoal de Floripa.

pínus em Ilha Comprida
O veleiro Mar Sem Fim entrando pela barra de Icapara, Iguape, e o pínus à esquerda, em Ilha Comprida. Acervo MSF.

O sul de São Paulo está repleto de pínus

O sul de São Paulo, a partir de Peruíbe, e até Cananéia, fronteira com o Paraná, está repleto de pínus. O destaque é a cidade de Peruíbe onde algum prefeito despreparado, como a grande maioria dos alcaides de municípios costeiros, mandou plantar a árvore invasiva em ruas e avenidas!

Pínus em Ilha Comprida
Muito provavelmente, o proprietário desta casa em Ilha Comprida plantou estas mediocridades para ‘seu conforto’. Se o Estado faz, por que um cidadão não pode fazer? Acervo MSF.

Ilha Comprida, que é uma unidade de conservação estadual, está infestada com pínus. Parte deles, plantados pelo poder público, outra parte, por donos de casas de segunda residência. Não me conformo com tamanha burrice, como é possível trocar as lindas e frondosas árvores da Mata Atlântica, por esta árvore sem graça, feia, e oriunda do hemisfério norte?

Região Sul, Pínus em toda a planície costeira do Rio Grande do Sul

Finalmente, na região Sul, o destaque são os reflorestamentos com pínus em toda a maravilhosa e biodiversa planície costeira gaúcha. Ao entrevistarmos os especialistas da FURG, ficamos sabendo que o reflorestamento começou na década de 70 com os incentivos dados pelos militares.

PUBLICIDADE

reflorestamento na planície costeira gaúcha
A espetacular planície costeira gaúcha e uma imensa área de reflorestamento quase na praia. Acervo MSF.

Porém, no caso do Rio Grande do Sul o reflorestamento da planície costeira teve consequências dramáticas. O litoral sul, do Rio Grande do Sul, por ter áreas inóspitas e de difícil acesso, até agora ainda conserva parte de sua paisagem original. Mas ao norte a conurbação é um fato. Ela começa em Torres e vai até Tramandaí.

pínus na areia da planície costeira gaúcha
Reflorestamento com pínus na areia da planície costeira gaúcha. Acervo MSF.

Ambas as áreas não estão livres da poluição humana, muito menos do reflorestamento com pínus e eucaliptos (promovidos com incentivos desde 1970 até 1980) na planície costeira.

Pínus no Parna da Lagoa do Peixe
Pínus no Parque Nacional da Lagoa do Peixe na planície costeira gaúcha. Lagoas como esta, locais de alimentação de aves nativas e migratórias, hoje estão secas… Acervo MSF.

De Torres até o final da restinga que separa a Lagoa dos Patos do mar, os reflorestamentos foram feitos em áreas de dunas. Para tanto os alagados, atrás, foram drenados!

Farol na praia do Cassino e reflorestamento com pínus
Farol na praia do Cassino e reflorestamento com pínus atrás. Acervo MSF.

Esta ação desastrada trouxe duas sérias implicações. A vegetação que fixava as dunas frontais na costa do Estado morreu sem a água. Agora quando entra o nordestão suas areias voam para o interior. Ao mesmo tempo, um sem-número de animais, especialmente mamíferos, anfíbios e répteis que habitavam as áreas úmidas, diminuíram drasticamente.

E, então, vamos exterminar estas árvores no litoral?

Aquicultura supera a pesca pela primeira vez, diz a ONU

Comentários

10 COMENTÁRIOS

  1. Pobre Pinus, Quão Injusto é o teu Julgamento!
    O Pinus, uma árvore frequentemente subestimada, desempenha um papel crucial na economia e na sociedade, gerando milhares de empregos e servindo de matéria-prima para mais de cinco mil produtos essenciais. Este recurso natural é vital tanto para empregos diretos quanto indiretos, e sua importância é imensurável para diversas indústrias. No entanto, aqueles que não possuem o conhecimento adequado sobre o Pinus ou o meio ambiente frequentemente não estão em posição de discutir com aqueles que dedicaram décadas à pesquisa, produção e vivência em florestas de Pinus. É lamentável ver grandes empresas, que contribuem significativamente para a economia brasileira através de exportações, ficarem em silêncio diante dessa questão — possivelmente por receio ou por reconhecerem a importância do Pinus. Vale lembrar que o Brasil é o segundo maior produtor de resina do mundo, perdendo apenas para a China.
    O Pinus é injustamente acusado e condenado por aqueles que se beneficiam de seus produtos, mas não reconhecem sua relevância. São mais de cinco mil itens derivados do Pinus, incluindo resinas como breu e terebintina, produtos de higiene, cosméticos, ceras depilatórias, esmaltes, vernizes, aguarrás vegetal, madeiras, colas, fragrâncias, tintas, papel higiênico, e até produtos farmacêuticos como o Vick VapoRub, gelol, pomada de basilicão e diversos cosméticos. Esses produtos são indispensáveis no nosso dia a dia, e a indústria do Pinus traz benefícios ambientais e econômicos inestimáveis.
    Defendo o Pinus com convicção, uma árvore inocente que frequentemente é alvo de ataques injustos por parte daqueles que, armados com motosserras, destroem árvores que desempenham uma função ecológica crucial. O Pinus é um verdadeiro herói ambiental, crescendo em áreas onde a mata nativa não se desenvolve e atuando como um escudo contra a erosão, protegendo outras espécies nativas como a embira, a capororoca e a figueira. Pesquisas indicam que, sem o Pinus, essas espécies nativas estariam vulneráveis aos elementos naturais.
    Em mais de trinta anos de pesquisa, observamos que a araucária, uma espécie protegida, prospera melhor em áreas de Pinus, onde está abrigada dos ventos e das intempéries. O Pinus tem raízes profundas que ajudam a prevenir a erosão eólica e a preservar corpos d’água, atuando como uma barreira ecológica vital. No entanto, práticas irresponsáveis de extração do Pinus têm levado à destruição de florestas nativas e a incêndios devastadores em áreas de preservação, muitas vezes causados por aqueles que se dizem ambientalistas.
    Contrariando a crença popular, o Pinus não é uma espécie invasora. Ele foi introduzido junto com imigrantes e suas sementes são dispersadas por aves migratórias. Em áreas de mata nativa, o Pinus cresce apenas em clareiras, respeitando o espaço das espécies locais.
    É essencial reconsiderar as ações contra o Pinus, que contribui significativamente para a captura de carbono e para a mitigação das mudanças climáticas, removendo aproximadamente 8 toneladas de CO2 por hectare, anualmente. O debate está aberto, Sr. João Lara Mesquita e Sra. Martina Medina, para que possamos discutir de forma mais ampla e esclarecida o papel do Pinus em nossa sociedade e no meio ambiente.

  2. Interessante o artigo. Mas, eu pergunto: “De onde, como, quantidades, espécies, local e a produção, para atender a demanda nacional?” Acredito que seja fácil criticamos, nesse caso o eucalipto e pinus, como o Grande vilão, a ameaça do desequilíbrio da vegetação nativa. De onde virão as fontes de energia e material para construção, mobiliário, etc.
    A expansão urbana desenfreada e ameaçadora, principalmente no litoral, apenas destroem. Porque não se cobram dos nossos “líderes escolhidos pelo voto”, uma legislação sem interesses partidários, econômicos ou de interesse? Os grandes projetos de reflorestamento para a produção de matéria prima vegetal, estão localizados normalmente no interior e em terras relativamente pobres, longe da presença humana maciça. Produtores rurais devem ter em suas propriedades, árvores que possam usufruir para a construção de cercas, reparos em benfeitorias, queima em fogão a lenha, etc.
    Vamos lá! Imaginem que uma árvore de eucalipto precise de +- 7 anos para ser cortada para qualquer utilização. Por outro lado, espécies nativas seriam cortadas para atender a demanda. Será que em areas degradadas, onde espécies nativas necessitam de grandes investimentos para a sua implantação, e que precisariam de 20, 30, 50 anos, ou até mais anos, para serem exploradas, sem contar com a incomensurável quantidade para atender o mercado nacional.
    Penso que temos que rever, primeiramente o comportamento humano e suas consequências. Temos ainda, que pensar na substituição da matéria prima exótica vegetal. Rever a exploração vegetal para a composição de óleos, gel, medicamentos, mobiliário, …., até de onde virá a madeira para a construção de caixões para o nosso descanso final.
    Não devemos apontar o eucalipto e o pinus, como vilões do Reino Vegetal. Penso que são muito importantes para a vida, como mais alternativas que possamos utilizar.
    Desculpe-me, mais essa é a minha opinião.

  3. Bom dia! A invasão de pinus em Florianópolis não se deu somente no Parque da Lagoa da Conceição! Se prestarmos atenção ao rodar pela SC_401 veremos que em toda sua extensão tem pinus de todos os tamanhos! Também na Lagoinha do Norte e a Pobra do Rapa estão infestados dessa praga que é o pinus elliotis. Se nada for feito, essa praga vai tomar conta da ilha de Santa Catarina, pois, ao crescer forma rápida, ela acaba com a vegetação nativa, uma vez que nada nasce próximo dela; além de expulsar pássaros e outras espécies de animais. É urgente que os órgãos públicos tomem providências para exterminar as espécies exóticas da ilha dr Santa Catarina. Antes que seja tarde!
    Vidal Engel
    Florianópolis/SC

  4. E eu que desde criança ouço falar de “Vamos proteger as árvores”, entre outras frases do tipo, agora leio uma matéria que diz que é bom… exterminar…pinus e eucalipto do litoral… porque são invasores(?). Estranho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here