Invasão da tilápia no mar brasileiro prova omissão

18
18076
views

Invasão da tilápia no mar brasileiro prova omissão

Por omissão das autoridades ambientais nas três esferas do poder, o litoral e o mar brasileiro há muito estão ao deus-dará. Quem manda, de fato, é a especulação imobiliária. Já no mar o poder é difuso, assim, normalmente os mais fortes se impõem. O Ibama, a quem compete fiscalizar, tem apenas três barcos! Ao mesmo tempo, o MMA não tem políticas públicas para combater espécies invasoras que já ameaçam a fauna marinha, como são os casos do coral-sol, do peixe-leão, ou do meixilhão-dourado. Contudo, agora veio à tona uma notícia muito pior: a invasão da tilápia, um peixe africano de água doce, no mar brasileiro.

Tilápia em praia brasileira
Uma tilápia na praia. Perigo à vista!

O Mar Sem Fim canta esta bola desde 2006

Quando da nossa primeira viagem pela costa brasileira (2005 – 2007), fizemos o alerta ao chegar em Salvador e entrevistar Max Stern, da Bahia Pesca. A estatal tem como missão “fomentar a aquicultura e a pesca, mediante a implantação de projetos sustentáveis, observando a natureza econômica, social, ambiental e cultural, como forma de contribuir para o desenvolvimento do estado da Bahia.”

Criação de tilápias no estuário de Cairu
Criação de tilápias no estuário de Cairu, Bahia. Acervo MSF.

Como a realidade é sempre diferente dos desejos expressos em ‘missões de empresas’, ao chegar ao estuário de Cairu, próximo a Morro de São Paulo, quase caí de costas ao analisar de perto a criação de tilápias que o Estado promovia em áreas sensíveis, como são os estuários.

Projetos baianos de criação de tilápias em estuários

Recorro ao diário de bordo daquela etapa da viagem: “Quando entrevistei Max Stern, da Bahia Pesca, ficou atravessado em minha garganta o entusiasmo com que ele falou de um de seus projetos, que trata da criação de tilápias em estuários. Para meu espanto, Max vibrava ao comentar a alta produtividade que conseguem, enquanto eu tentava imaginar o mal que poderia fazer mais esta espécie invasora aos mangues e à vida marinha baiana.”

Especialistas da universidade mostram o perigo

Assim, tirei a dúvida com especialistas da universidade como sempre faço. Miguel Accioly, especialista da UFBA. À época, ele estudava a questão. “Accioly sugere que por trás desta iniciativa do governo estão ONGs financiadas por empresas e empresários muito poderosos dos ramos de mineração e petróleo, cujas atividades não são bem vistas pela população (ele se referia na época à Odebrecht, atual Novonor) e que, por isso mesmo, precisam trabalhar sua imagem…

“As comunidades envolvidas pensam que a prática é autossustentável, mas não é. Accioly estudou as planilhas e não encontrou valores para a aclimatação dos alevinos à salinidade, processo custoso, já que o peixe, além de africano, é de água doce…Ele conta como funciona: A reprodução se dá em gaiolas, depois biólogos pegam os alevinos e, nos laboratórios, fazem com que passem para tanques com diferente salinização, de modo a se adaptarem aos poucos. Isto tem um alto custo que nunca aparece.

PUBLICIDADE

Em 2023, a comunidade científica confirma a invasão das tilápias no mar brasileiro

Em outubro de 2023, a pesquisadora Ana Clara Sampaio Franco, do Laboratório de Ictiologia Teórica e Aplicada, da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, e seus colegas publicaram um artigo na revista Aquatic Ecology no qual discutem as ‘evidências de Tilápias detectadas em ecossistemas marinhos e salobras costeiros brasileiros. Foram obtidos dezenove registros, sendo a presença deste invasor sugerida como maior após os períodos chuvosos.’

Criação de Tilápia em Cairu
Na hora da despesa é comum a fuga de alguns exemplares. Assim começam os problemas. Acervo MSF.

‘Nossas descobertas’, diz o artigo, ‘destacam o potencial de um invasor tipicamente de água doce se espalhar pelos ecossistemas marinhos, levantando preocupações em relação ao licenciamento de projetos de aquicultura em rios e estuários, uma vez que a tilápia pode afetar significativamente a biota nativa brasileira’.

Era só o que faltava! Segundo o que Ana Clara explicou ao g1, “Nós temos registros que vão desde o Maranhão até Santa Catarina, passando por Espírito Santo, São Paulo e pelo Rio de Janeiro. Detectamos que esses casos não eram isolados, o que consideramos preocupante.”

Tilápia é o peixe mais cultivado no Brasil

Em tempo, a tilápia é o peixe mais cultivado no Brasil. Ana Clara também denunciou a compra de pacotes tecnológicos para a aquicultura de espécies que não são nativas, assim como faz a carcinicultura, que optou pelo uso do Panneus vanamei, um camarão oriundo do Pacífico.

“As estruturas de criação não são imunes a falhas, por isso acontecem escapes. Há também descartes de aquicultores equivocados, que soltam essa espécie exótica invasora nos rios. O Brasil, apesar de deter uma das maiores biodiversidades do mundo, compra pacotes tecnológicos para aquicultura de espécies que não são daqui. Em vez de explorar nosso potencial.”

Dois ex-presidentes, que primavam pela ignorância, também sugeriram a criação de tilápias, um deles, em reservatórios da Amazônia!

O boom da criação de tilápia no Brasil e no mundo

A revista Exame, em matéria de 2012, confirmou o boom da criação de tilápia no Brasil e no mundo. “Foi num lance prodigioso de avanços comerciais e técnicos que a produção global de Tilápia mais do que dobrou na última década, passando de 1,5 milhões de toneladas em 2003 para 3,2 milhões de toneladas em 2010, devido principalmente à expansão da aquicultura.”

Atualização em 24 de outubro

Este post, de 22 de outubro, despertou enorme curiosidade tendo batido seguidos recordes de leitura, então, fomos atrás de mais informações.

PUBLICIDADE

Assim, encontramos um texto no Blog Do Desenvolvimento de 2019, que é um braço da agência de notícias do BNDES, portanto do governo federal, bastante incomum se considerarmos o estudo Impact of the invasion from Nile tilapia on natives Cichlidae species in tributary of Amazonas River, Brazil (Impacto da invasão da tilápia do Nilo sobre espécies nativas de Cichlidae em afluente do Rio Amazonas, Brasil) publicado pela Embrapa Amapá quatro anos antes, ou seja, 2014.

Embrapa Amapá (2014) contra BNDES e Embrapa (2019)

O incomum neste caso, é que o estudo da Embrapa Amapá (2014) aborda o problema causado pelas tilápias em afluentes da Amazônia, enquanto o texto do Blog do Desenvolvimento (2019) ‘em parceria com a Embrapa’, comenta   “o estudo setorial Potencial e Barreiras para Exportação de Tilápias, desenvolvido pelo BNDES em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), e apresentado em workshop sobre competitividade internacional do mercado brasileiro de tilápias, realizado em 2018, na sede do Banco.”

Entre outras, este trabalho comenta as ‘oportunidades e barreiras’ (barreiras relacionadas apenas à oscilação cambial e não os problemas de espécies invasivas) para exportação de tilápias brasileiras’.

Ao que parece, este post foi lido também por funcionários do Ministério da Pesca e Aquicultura que, segundo o Globo Rural de 23 de outubro, informou que “não há negociações para a importação de tilápias do Vietnã’. E, mais adiante, destaca o Globo Rural, “a Pasta diz que foi surpreendida pelas especulações que circulam sobre o tema”.

Ao nosso ver, estas informações demonstram o pandemônio e os desencontros do poder público, que se somam ao desleixo das autoridades ambientais emprestando mais uma vez atualidade ao grande Stanislaw Ponte Preta, autor da canção Samba do Crioulo Doido, de 1966.

Omissão do poder público confirmado

E, mais uma vez, deixando clara a omissão do Poder Público sobre tudo o que diz respeito ao mar e ao litoral, declarou Ana Clara “Chegamos à conclusão que não existe no Brasil uma base boa, unificada e atualizada de dados sobre as estruturas de aquicultura, as espécies que são cultivadas e onde são cultivadas em pequena e média escala. A ausência desse levantamento não nos permite traçar com exatidão as possibilidades de ocorrência da tilápia.”

“Nativo da África”, diz a matéria da Exame, “esse peixe invasor foi trazido para o Brasil na década de 70. O animal, de carne suave e firme, se adaptou tão bem em nossas águas que, atualmente, representa, ao lado da carpa, outra espécie exótica, mais de 60% do cultivo de pescados em viveiro em todo o país.”

PUBLICIDADE

As criações são intensivas

Como as criações são intensivas, fertilizantes e restos de ração acabam poluindo os locais onde ficam as criações. Essas substâncias provocam a eutrofização, ou seja, a água fica sem oxigênio suficiente para sustentar a vida.

O mesmo processo acontece nas criações de salmões, como já explicamos anteriormente. Infelizmente, as criações de peixes ainda estão longe de ser sustentáveis.

Portanto, devido a mais esta falha das autoridades, nosso problemático mar territorial, que enfrenta a pandemia de plástico, acidificação e poluição, terá mais uma espécie invasiva para competir com as nativas.

É com este ‘zelo’ que a zona costeira as autoridades ambientais tratam o mar brasileiro.

Assista ao vídeo para saber mais

Tilápia se adaptou ao mar e está se espalhando pela costa brasileira

Bali, Indonésia, ‘paraíso’ ou depósito de lixo?

Comentários

18 COMENTÁRIOS

  1. Eu sou biólogo e mestre em aquicultura (com ênfase em produção da tilapicultura) e eu entendo a preocupação com relação a tilápia por todo o histórico, mas ao meu ver esses aparecimentos me remetem mais a descartes de animais e não que elas estejam se propagando propriamente dito (que inclusive é um dos “mandamentos” centrais da biologia que é justamente a reprodução descontrolado que torna uma espécie ou qualquer grupo viável para se tornarem de fato “pragas” em um futuro), então devemos investigar mais…

    Lembrando também que o cultivo de tilápias é inviável sem o uso da reversão sexual logo nos primórdios desses animais. Ou seja, obtemos praticamente lotes com machos (isso não quer dizer que não haja alguma fêmea no meio, mas é muito pouco provável que isso aconteça e se acontecer essas fêmeas certamente poderão estar inaptas a reprodução).

    Portanto, precisa-se entender se essas aparições, conforme disse anteriormente, apenas são provenientes de descartes ou ao meu ver (bem provável) se elas estarem a se reproduzir em um ambiente totalmente desafiador que é o mar.

    E antes que alguém comente alguma coisa me atacando, digo que a tilápia só chegou a se tornar “praga” nos rios porque não havia pacotes tecnológicos na época como a reversão sexual que que certeza inviabilizaria o estabelecimento desse grupo de animais em nossos corpos hídricos. E ao mesmo tempo não podemos recriminar a sua prática, pois trata-se de uma produção de uma proteína de alto valor biológico e uma ótima escolha para combater a insegurança alimentar, não apenas no BR, mas em todo o mundo. Além é claro, de termos uma indústria muito tecnológica nos tempos atuais desde peixes geneticamente melhorados até rações de alta performance.

  2. Caro João Lara,

    Não entendi o porquê da sua resposta deselegante e raivosa a uma simples observação do leitor Cláudio. Ele se referiu à invasão da tilápia no mar, e as pesquisas a que você se refere são de invasões a corpos de água doce. Além disso, o fato de haver uma pesquisa publicada não a torna automaticamente uma verdade, essa é uma postura profundamente anti-científica de sua parte: qualquer proposição deve poder ser refutada sempre, senão não é ciência.
    Ademais, ele lembrou algo que me chamou a atenção logo de início: Se a tilápia existe há milhares, talvez milhões de anos na bacia do Nilo, porque não houve invasão de tilápias no mediterrâneo?
    A postura jornalística deveria ser sempre aberta à diversidade de ideias, de preferência com polidez e elegância. Já temos muita raiva e guerrilhas partidárias de todo tipo nas redes sociais.

  3. Dos males, o pior. No Brasil só dá para fazer assim, é só tragédia … Melhor as tilápias no mar, do que nos rios, onde elas não teriam predadores, e acabariam com tudo. No mar pelo menos, elas estarão com alguma desvantagem. Imagino a tragédia que deve ser a situação dos camarões nativos, que é mais invisível de se observar, e que enfrentam a criação dos exóticos a décadas…

  4. Moro em um condomínio fechado na Grande São Paulo. Há 31 anos, quando aqui cheguei, o lago na frente de casa era coalhado de guarus, lambaris e camarões, anos depois, alguém lançou algumas tilápias e hoje, só existem tilápias.

  5. Sobre usar peixes nativos, qualquer um que já tentou fazer algum criadouro sabe que o próprio IBAMA barra estas medidas, tudo referente a fauna brasileira entra numa barreira absurda que inviabiliza qualquer criação. Portanto, a tilapia é amplamente usada pois não há estes controles excessivos. Vejo só o apontamento das falhas mas alguém chegar e propor soluções e peitar elas, ninguém, se acovardam por detrás dessa indignação seletiva.

  6. O problema é que não querem aceitar que tudo caminha para o fim, isso é inevitável, aceitar ou não é só questão de opinião. Tudo acontece no tempo de Deus é tudo se cumprirá!

  7. Sou Engenheiro Ambiental.
    Essa será uma consequência terrível para o futuro da fauna e flora marinha.
    Quando criança meu finado pai me levava para pescar na Represa Billings.
    Havia Dourados, Pacus, Tucunarés, hoje só existe Tilápias que destruíram a vida aquática dos outros peixes.

  8. Bem assim.
    Governos têm outras preocupações:
    Se manter no poder.
    Arrecadar impostos.
    Criar novas taxas e novos impostos.
    Se blindar nas corporações.
    Criar mais reservas indígenas
    Fechar os olhos para os graves problemas nacionais.
    Manter a mídia sob o tapete, com vultosas benéficias.
    Muitos projetos de melhoria nunca serão executados, pura falta de políticas públicas. Olha que o governo atual faz tempo que não sabe o que é isso, ou sabe?

  9. Isto acontece muito no Brasil , gente falando do que não entende, nunca estudou biologia ou zootecnia mrjis ainda aquicultura, não lê pesqisa cientifica e publica uma bobagem dessa… a Tilapia é de água doce tendo sua reprodução obrigatoriamente em ambiente de agua doce , seu ovos não se desenvolvem em agua salgada devido à diferença osmotica , não tendo em seu interior quantidade significatica de sal ,perdem seus fluidos para o meio mais salino no mar +- 32 ppt , consequentemente murcham e goram . Essas tilapias que encontram as vezes são de criadouros , e escaparam , ou de uma desova natur em um rio , que srmpre desaguam mo mar .
    Originaria do Rio Nilo , nunca invadiu ou trouxe qualquer problema para o mediterrâneo , mar onde fica o delta fo Nilo.

  10. Caro companheiro , não se trata de uma invasão companheiro , trata-se de um incentivo federal ao povo Tilapense companheiro , para que possam crescer livre e posteriormente enriquecer o prato do bolsa família e no projeto fome zero companheiro , agora o governo federal está de dando a vara e também o peixe caro companheiro .

  11. Infelizmente é nossa realidade. Qualquer pessoa, mesmo com pouco conhecimento técnico, pode deduzir que essas criações intensivas de peixes exóticos em rios são uma bomba relógio. E sim, a culpa é dos governos, mas o que mais me incomoda é a quase total falta de exposição dessas questões nos jornais, nosso jornalismo é fraco demais, falta no Brasil locais como seu site. De maneira geral o interesse político vence, são décadas de descaso, 3 barcos? O Brasil brinca de fazer política ambiental, política real não tem. Nessa questão de peixes, eu lembro que muitos anos atrás, ouvia alguns profissionais dizendo que a burocracia brasileira impedia a exploração de espécies nativas, seja para o que for, mercado pet, produção de alimento, o que acabava por fazer uma pressão de importação de animais exóticos, esse sim, liberados para tudo, e por consequência, a ameaça a nossa fauna por exóticos que competem com eles. Hoje parece que não sabemos nada dos nossos animais e sabemos tudo dos invasores.

    • Muito obrigado por mais essa excelente matéria, Sr Mesquita. E não se importe com esses comentários “brucutus”, típicos da rede. É um fenômeno já conhecido a invasão massiva desses espécimes predadores da verdade e desprovidos de inteligência no mar sem fim da internet…

  12. Li matéria sobre invasão das tilapias no mar e encontrei seu nome associado a pesquisa sobre o assunto, e achei importante mencionar algo que não consta das matérias.

    Em Santos SP e em São Vicente SP, temos inúmeros canais construídos para controle de inundações no perímetro urbano e que se ligam ao mar, nos quais existem cardumes com milhares de tilapias.

    Ou seja, berçário de adaptação da espécie para migração para o mar.

    Falo de fato, que conheço há mais de 20 anos.

    Achei importante mencionar a ocorrência como sugestão para adição em pesquisas sobre o assunto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here