Espécies introduzidas custam mais de US$ 400 bi em prejuízos

1
438
views

Espécies introduzidas custam mais de US$ 400 bi em prejuízos

As espécies introduzidas, também chamadas espécies invasivas,  foram um fator importante em 60% das extinções registradas de plantas e animais. Esta é uma das conclusões do relatório produzido pela Plataforma Intergovernamental de Política Científica sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos das Nações Unidas. Este trabalho é uma expansão de um relatório de 2019 do mesmo painel, que concluiu que cerca de um milhão de espécies de plantas e animais estão em risco de extinção. O New York Times repercutiu a informação: ‘Milhares de espécies invasoras introduzidas em novos ecossistemas em todo o mundo causam mais de 423 bilhões de dólares em perdas estimadas à economia global todos os anos, prejudicando a natureza, danificando os sistemas alimentares e ameaçando a saúde humana, concluiu um amplo relatório científico.’

espécies introduzidas, coral sol
O coral sol é mais uma espécie invasiva que está tomando as ilhas brasileiras. Imagem, Science.

Espécies introduzidas ou invasivas, você sabe o que são?

São organismos não nativos a uma área específica. Espécies invasivas podem causar grandes prejuízos econômicos e ambientais. Contudo, nem todas as espécies não nativas são invasoras.

Por exemplo, a maioria das culturas alimentares desenvolvidas nos Estados Unidos, ou no Brasil, incluindo variedades populares de trigo, tomate e arroz, não são nativas das regiões. Neste caso, são conhecidas como espécies exóticas.

Entretanto, qualquer tipo de organismo vivo pode se tornar uma espécie invasora – um anfíbio, plantas, insetos, peixes, fungos, bactérias ou até mesmo as sementes ou ovos de um organismo que não são nativos de um ecossistema e causam danos.

Por último, para ser considerada invasiva, uma espécie deve se adaptar facilmente à nova área, e reproduzir rapidamente. Desse modo, prejudica a economia e as plantas e animais nativos da região.

Casos emblemáticos no Brasil

No Brasil dois casos são emblemáticos. Um é o peixe-leão, oriundo do Indo-pacífico. O peixe-leão é uma enorme dor de cabeça para os países banhados pelo Atlântico.  Nos anos 80 do século passado foi observada a sua presença em águas do Caribe. De lá para cá, os estragos foram incalculáveis. O peixe-leão se alastrou para o Golfo do México, desceu ainda mais para a costa Norte, Nordeste, e até mesmo na costa Sudeste do Brasil.

PUBLICIDADE

Outro, é o mexilhão-dourado. Alguns estudos mostram que o molusco chegou ao Brasil em 1998 (Mansur et all 1999), no Lago Guaíba, através da água de lastro de navios mercantes. Já comentamos o problema dos navios e a bioinvasão. Outros dizem que ele entrou na América do Sul via o rio da Prata, Argentina, pelo mesmo motivo.

O fato concreto é que o mexilhão-dourado veio da Ásia, entrou pelo Prata, infestou o Guaíba, depois subiu até o São Francisco. Pesquisadores temem que ele chegue na Amazônia.

Seja como for, para os especialistas, a introdução de espécies invasivas é a segunda maior causa de perda de biodiversidade no Planeta (IUCN). A primeira, o desaparecimento de habitats.

Custos pelo menos quadruplicaram a cada década desde 1970

Segundo o New York Times,  os custos pelo menos quadruplicaram a cada década desde 1970, segundo o relatório, que se baseou em dados de 2019. Os investigadores alertaram que os números seriam estimativas conservadoras devido aos desafios na contabilização de todos os efeitos.

Para Helen Roy, ecologista e uma das líderes do novo estudo, “Estamos assistindo  aumentos sem precedentes no número de espécies exóticas em todo o mundo. São cerca de 200 novas espécies todos os anos. E, sim, com esses números, também veremos os impactos aumentarem.”

O relatório é a análise mais exaustiva até agora sobre a forma como as espécies invasoras não nativas estão provocando a perda de biodiversidade. Antes de mais nada, foi compilado por 86 especialistas de 49 países que se basearam em milhares de estudos científicos e contribuições de povos indígenas e comunidades locais.

Como chegam estas espécies?

De muitas formas. O comércio ilegal de vida selvagem e o transporte marítimo internacional são duas delas. Entretanto, sabe-se que outras plantas e animais pegam carona com viajantes comuns que se deslocam de carro, avião ou trem.

Por exemplo, já foram encontrados carrapatos em pinguins na Antártica! Quem levou os carrapatos senão o homem ainda que de forma não intencional? Outra fonte é o aquarismo, provável causa da infestação do peixe-leão no Caribe e, daí, para o Atlântico Sul.

Os prejuízos à fauna e a flora mundiais

Segundo o New York TimesOs ecossistemas perturbados podem não ser capazes de fornecer alguns dos serviços dos quais os seres humanos dependem, como a manutenção da pesca, a regulação dos padrões de chuva e a purificação da água potável.

De maneira idêntica, as espécies invasoras também tornam os ecossistemas mais vulneráveis, reduzindo a biodiversidade que os tornam  resilientes a doenças e outras ameaças.

Ilhas sofrem ainda mais

Já comentamos sobre A importância das ilhas para a biodiversidade mundial. Segundo o site Island Conservation, existem 465.000 ilhas no mundo. Juntas, elas cobrem 5,3% da área do planeta. Contudo, as ilhas representam a maior concentração de biodiversidade e, ao mesmo tempo, extinções de espécies. 

Espécies insulares costumam ser evolutivamente distintas e altamente vulneráveis ​​a novos distúrbios, particularmente espécies invasoras. O New York Times confirma: ‘As ilhas são particularmente vulneráveis. O número de espécies invasoras não nativas excede o número de espécies nativas em mais de um quarto das ilhas do mundo.’

PUBLICIDADE

‘Isso ficou claro no mês passado, quando incêndios florestais no Havaí, alimentados por gramíneas invasoras não nativas e temperaturas mais elevadas, mataram pelo menos 115 pessoas. Nos últimos anos, gramíneas invasoras alimentaram outros incêndios mortais no Chile e na Austrália.’

‘Tempestade perfeita’

A autora da matéria do Times,  Manuela Andreone, ouviu  Dawn Bazely, professora de biologia da Universidade York, em Toronto. Para ela, “É uma tempestade perfeita. Corresponde à intersecção do aquecimento global com espécies invasoras que está a criar estes feedbacks terríveis, terríveis.”

Andreone conclui: Os investigadores afirmaram que a forma mais importante de combater a crise crescente de espécies invasoras não nativas é impedir a sua chegada a novas regiões. As opções incluem avaliar os riscos antes de movimentar espécies ou adotar medidas de biossegurança que muitas vezes são bastante simples.

E finaliza, O custo da inação é alto. Uma vez estabelecida uma espécie, especialmente em ambientes marinhos, livrar-se dela é normalmente muito caro ou mesmo impossível.

Assista ao vídeo sobre a invasão do peixe-leão

Orla do Rio de Janeiro tem melhoras ambientais

Comentários

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here