A água de lastro de navios e a bioinvasão

4
10762
views

A água de lastro de navios e a bioinvasão

Antes de mais nada, a explicação sobre o que é a água de lastro usada por todos os navios. Pois bem, quando um navio se dirige ao mar aberto, a água de lastro dá estabilidade à embarcação, bem como capacidade de manobrar. Também é importante entender que o uso constante de combustível, quando em navegação, causará perda de peso. Esta perda pode ser neutralizada pelos tanques de lastro. O problema acontece quando ela é normalmente descarregada na chegada ao próximo porto, no caso de embarque de carga. Contudo, quando a água é retirada de um local, significa também que organismos microscópicos vão parar no tanque que por sua vez, ao ser descarregado, introduz espécies invasivas, um dos grandes problemas ambientais

Água de lastro de navios e a bioinvasão.
Imagem, Bryan Phillips em www.maritime.executive.com.

Água de lastro e biodiversidade

A água de lastro é particularmente negativa para a biodiversidade, já extremamente ameaçada pelo aquecimento do planeta.  O volume de tráfego e comércio se expandiu muito nesse período, razão pela qual os efeitos da água de lastro só recentemente começaram a ser entendidos.

Entretanto, segundo o sensorex.com, estudos mostraram que a introdução de moluscos invasores nos EUA custa cerca de US$ 6 bilhões por ano. Note a cifra: seis bilhões de dólares ao ano!

esquema da água de lastro de navios
Água de lastro de navios. Ilustração, https://archive.iwlearn.net.

Para além disso, estudos realizados em vários países indicaram que muitas espécies de bactérias, plantas e animais podem sobreviver na água de lastro e sedimentos transportados em navios, mesmo depois de viagens de vários meses.

Alguns problemas provocados no Brasil

No Brasil temos ao menos dois casos emblemáticos. O mais prejudicial foi a introdução do mexilhão-dourado no lago Guaíba em 1998, provavelmente por um navio oriundo da Ásia. De lá para cá, o mexilhão-dourado contaminou toda a América do Sul.

Causa, igualmente,  sérios prejuízos à Usina Itaipu Binacional como ela mesma reconhece:

PUBLICIDADE

A Itaipu empreende um programa que tem reduzido progressivamente a quantidade de larvas de mexilhão-dourado no reservatório da usina. O molusco é responsável pelo entupimento de encanamentos em equipamentos da hidrelétrica e também causa desequilíbrios ambientais.

A incômoda presença já foi detectada no Pantanal, no moribundo rio São Francisco, e agora ameaça até mesmo a Amazônia.

Do mesmo modo, outro caso é o do coral-sol natural dos Oceanos Índico e Pacífico que, ao que parece, veio parar aqui incrustado em plataforma de petróleo. Hoje, segundo o Instituto de Biodiversidade Marinha, há registros do coral-sol na Ilha do Arvoredo, em Santa Catarina; em Guarapari, no Espírito Santo; em Arraial do Cabo e nas Ilhas Cagarras, no Rio de Janeiro; em diversas ilhas do litoral paulista. Entre elas  Vitória, Alcatrazes e Búzios.

80 mil navios pelos oceanos

Bimco, maior organização de associação direta do mundo para armadores, afretadores, corretores de navios e agentes, estima que em 2021 existiam 74.505 navios de carga nos mares do planeta.

Enquanto isso, o www.cruisemummy.co.uk, que produz estatísticas de navios de cruzeiro, informa que em 2022 há 323 navios embalando turistas mares afora.

E apesar da enormidade destes números, a tendência é aumentar ainda mais já que cerca de 90% do comercio mundial é feito através de navios.

Além disso, de acordo com estimativas da IMO, Organização Marítima Mundial, uma agência da ONU, os navios transportam entre três e cinco bilhões de toneladas de água de lastro globalmente a cada ano.

Incrustação em cascos de navios e bioinvasão
Cracas, algas e mariscos podem viver nos cascos dos navios (Ilustração: Ricardo Macía / China Dialogue Ocean).

Já o www.shipsbusiness.com diz que pelo menos 7.000 espécies diferentes são transportadas em tanques de lastro de navios em todo o mundo. Portanto, a água de lastro não tratada, quando lançada em uma área litorânea, pode destruir o ecossistema local.

PUBLICIDADE

Mas, então, não há nada a fazer sobre o problema? Sim, há o…

Sistema de Gerenciamento de Água de Lastro

Quem explica é o www.shipsbusiness.com: O objetivo é minimizar a transferência de organismos aquáticos nocivos não indígenas e patógenos de uma área para outra (porto de chegada) através do sistema de água de lastro do navio. As espécies marinhas invasoras são uma das quatro maiores ameaças aos oceanos do mundo.

A mesma fonte diz ainda que, Ao contrário de outras formas de poluição marinha, como derramamentos de óleo, onde ações de limpeza podem minimizar os impactos, as espécies marinhas invasoras são muitas vezes irreversíveis.

A mesma fonte (da indústria marítima mundial) diz que, Cada embarcação deve ter um “Plano de Gerenciamento de Água de Lastro” específico. Este Plano dá orientação geral e requer informações adicionais do navio para levar em consideração os arranjos exclusivos.

Ou seja, existem formas de tratar a água de lastro com outros produtos que diminuem a possibilidade da bioinvasão quando bem feitas.

Outra maneira, seria despejar a água de lastro que veio de determinado continente ainda em alto-mar, onde a grande maioria de invasores provavelmente morreria. Acontece que tudo isto custa caro. Ou seja, encarece ainda mais os fretes. Por isso, e por uma regulamentação frouxa como já mostramos, grande parte dos navios ignoram as recomendações.

Primeiros sinais da introdução de uma espécie invasiva

Até mesmo o site da IMO reconhece o problema. E explica quando começou. ‘Os cientistas reconheceram os primeiros sinais da introdução de uma espécie exótica após uma ocorrência em massa da alga fitoplâncton asiática Odontella  (Biddulphia sinensis) no Mar do Norte em 1903. Mas foi somente na década de 1970 que a comunidade científica começou a analisar o problema em detalhes. No final da década de 1980, o Canadá e a Austrália estavam entre os países com problemas específicos com espécies invasoras e levaram suas preocupações à atenção do Comitê de Proteção ao Meio Ambiente Marinho (MEPC) da IMO.’

PUBLICIDADE

E, conclui: ‘A disseminação de espécies invasoras é hoje reconhecida como uma das maiores ameaças ao bem-estar ecológico e econômico do planeta.’

Amazônia é área de grande risco

A Amazônia, por sua importância para o mundo, tanto em termos de biodiversidade como pelo ciclo de chuvas, já foi estudada e considerada área de grande risco por bioinvasão.

Segundo o estudo ‘Análise Crítica da Legislação e Gestão da Água de Lastro: Um Estudo de Caso na Amazônia‘, de autoria de Alan Cavalcanti da Cunha, e José Pinheiro Neto Pereira Fragoso, do Departamento de Ciências Ambientais, Universidade Federal do Amapá, ‘O estuário do Amazonas é porto de entrada e saída de navios da Maritime Trade International (CMI). Esse meio de transporte é capaz de introduzir espécies invasoras e exportar para oceanos e áreas costeiras de todo o planeta. A bioinvasão representa considerável ameaça aos ecossistemas e pode causar danos ambientais, sociais e econômicos. Para evitar esses danos são necessários instrumentos legais e de gestão da água de lastro transportada por essas embarcações.

Os muitos problemas da indústria marítima mundial

Contudo, a água de lastro é apenas mais um dos problemas ainda à espera de solução provocados pela indústria marítima mundial. Pelo fato do assunto ser muito pouco abordado pela mídia de Pindorama, este site já mostrou vários deles.

A começar pela brutal poluição atmosférica em razão da escolha do combustível de navios, o pior, e mais poluente, entre todos os meios de transporte.

Outro destaque negativo contamos no post Água cinza de navios, mais uma ‘contribuição’ à poluição dos oceanos. Como sempre, primeiro explicamos de que se trata: Ou seja, água(s) cinza(s) é o efluente proveniente de chuveiros, máquinas de lavar utensílios, pias e banheiros em geral, além das cozinhas e ralos.

Depois, falamos dos problemas: Segundo o WWF ‘A poluição industrial crônica e as mudanças climáticas estão transformando nossos oceanos e ajudando a impulsionar a crise global de biodiversidade que nos ameaça. Entre as muitas fontes de poluição oceânica, nenhuma é tão prevalente – ou tão solucionável – quanto a “água cinza” dos navios’.

PUBLICIDADE

Como se vê, a WWF mostra que o caso é facilmente solucionável. Isto, se a IMO quisesse de fato resolver os problemas. Mas, como o post mostra, não é o caso.

‘Navios descartam lixo no mar; é quase uma unanimidade’

Em 2019 publicamos o post que mostra que a grande maioria dos navios, seja de cruzeiro, ou cargueiros, jogam lixo no mar por negligência, e mais uma vez, custos mais altos para armazená-los e descartá-los de maneira correta.

Para não falar nos acidentes com potencial destruidor como o famoso Exxon Valdez, por ter um comandante bêbado na ponte de comando que provocou o maior derrame de óleo da história, 11 milhões de galões de petróleo bruto nas águas ainda prístinas do Alasca. Até hoje, 30 anos depois, a região ainda sofre com os problemas.

Muitos navios que cortam os oceanos, mais uma vez por regras frouxas da IMO, são entregues a irresponsáveis como o bebum do Valdez. Como o Costa Concordia, entregue  a um desqualificado ou, no caso mais recente, do graneleiro  japonês MV Wakashio que deveria passar a pelo menos 22 milhas da costa das Ilhas Maurício.

Mas saiu da rota em razão de uma festinha a bordo e chocou-se aos recifes colados à costa. Um sítio RAMSAR. Em outras palavras, ‘escalou’ a ilha no maior acidente ecológico do Índico. Muito deve-se à IMO que aceita a baixaria conhecida como bandeiras de conveniência para baixar custos.

Enquanto perdurarem práticas como as das bandeiras de conveniência, e a ‘proteção’ ou negligência  da IMO, navios continuarão a ser essenciais a este mundo globalizado.

Porém, poluindo absurdamente o ar, o mar, e até mesmo os continentes.

Assista ao vídeo e saiba mais sobre a dramática bioinvasão

"Silent Invaders" Ballast Water 2013

Pinguim-Imperador em risco de extinção

Comentários

4 COMENTÁRIOS

  1. Naveguei alguns anos na baía de São Marcos região de São Luís do Maranhão. Lá tem o Porto de Itaqui que tem grande movimentação de navios de grande porte para exportação de minério de ferro. Quase que diariamente via navios despejando águas de lastro logo que entravam na baía. Existe também a infestação do peixe leão em várias partes dos nossos oceanos. Este peixe é destruidor quando não está no seu ambiente natural. Lamentável.

  2. É uma vergonha para os governantes mundiais que se encontram para discutir metas para diminuir a polução, e deixam de lado a importância de cobrar e impor leis para que os nossos mares e oceanos possam entrar em debate sobre as poluições deixadas por navios. Oque se observa é o descaso em combater quem poluem em geral, inclusive aqueles que derramam combustível por irresponsabilidade e falha na navegação por saber que a lei criada é fraca e nada acontecerá, deixando de lado um rastro de destruição irreversível e com impactos que ficarão marcados por décadas ou a vida toda. Oque se observa, são leis fracas ou leis criadas em papel, onde colocam em primeiro plano a vida financeira daqueles que fazem o transporte marítimo, sabendo que os investimentos em preservação ficam mais caros que preservar. Com tudo de ruim acontecendo com o planeta, oque estamos presenciando mesmo com alertas que recebemos a anos sobre o prejuízo ao planeta e as vidas que aqui reside, inclusive do próprio ser humano que já sofre as consequências causadas por si mesmo é o descontrole nas diversas regiões do planeta. Oque precisa ser feito, é países como o Brasil que tem uma grande riqueza mundial, impor e cobrar severamente daqueles que entram e despejam poluentes em nossas águas, afetando nossa biodiversidade e deixando um rastro futuro de prejuízos muitas vezes irreversível.

  3. Água de lastro + Água Cinza = Degradação de 70% da superfície do (nosso) planeta.
    O assunto é complexo e mexe com bilhões de dólares … as leis falam em “recomenda-se” …
    Falta de normas e regulamentações não é …
    Quando tomarem tino não existirá aonde gastar os bilhões ganhos. Simples assim.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here