O acidente do Exxon Valdez, mais de 30 anos depois

3
4644
views

O acidente do Exxon Valdez, no Alasca, mais de 30 anos depois

Na noite de 23 de março de 1989, o enorme petroleiro Exxon Valdez deixou o porto de Valdez, no Alasca. Seu destino era Long Beach, Califórnia. Pouco antes da meia-noite, entediado, o comandante Joseph Hazelwood preferiu combater a solidão bebendo; e deixou o comando do monstro de ferro entregue a um subalterno. Faltando 4 minutos para a meia-noite, o navio bateu no recife Bligh, um conhecido perigo à navegação daquelas águas. O acidente do Exxon Valdez é nosso assunto de hoje.

imagem do navio Exxon Valdez

O acidente do Exxon Valdez

O impacto da colisão rasgou o casco do navio, causando o derramamento de cerca de 11 milhões de galões de petróleo bruto na água. Na época, era o maior derramamento de óleo nas águas dos EUA. As tentativas iniciais de conter o petróleo falharam e, nos meses que se seguiram, a mancha  se espalhou, eventualmente cobrindo cerca de 1.300 milhas de costa. Pior, não havia na região equipamentos de recuperação ou limpeza de óleo na água.

Imagem do acidente do navio Exxon Voadez

Mais de 11 mil pessoas trabalharam na limpeza

Nos meses após o derramamento de óleo do Exxon Valdez, funcionários da Exxon, autoridades federais e mais de 11.000 residentes do Alasca trabalharam para limpar o derramamento de óleo. Os trabalhadores  vasculharam a superfície da água, pulverizaram produtos químicos dispersantes de óleo na água e na praia, lavaram as praias com água quente e limparam os animais presos ao óleo. Prince William Sound era um deserto intocado antes do derramamento. O desastre da Exxon Valdez mudou drasticamente tudo isso, afetando a vida selvagem.

mapa do Alasca com acidente do Exxon Valdez

Autoridades ambientais deixaram propositalmente algumas áreas da costa sem tratamento para que pudessem estudar o efeito das medidas de limpeza, algumas das quais não foram comprovadas na época. Mais tarde,  descobriram que a lavagem agressiva com mangueiras de água quente de alta pressão era eficaz na remoção de óleo, mas causavam ainda mais danos ecológicos ao matar as plantas e animais restantes no processo.

Consequências ambientais do acidente do Exxon Valdez

Tarefa difícil quantificar o prejuízo ambiental de um acidente destas proporções em local prístino como as águas do Alasca. O site history.com informa que ‘o derrame provocou a morte de cerca de 250.000 aves marinhas, 3.000 lontras, 300 focas, 250 águias e 22 orcas. O derramamento de óleo também pode ter contribuído para o colapso da pesca de salmão e arenque em Prince William Sound no início dos anos 90. Os pescadores faliram e as economias de pequenas cidades costeiras, incluindo Valdez e Córdoba, sofreram nos anos seguintes’.

Relatório de danos 25 anos depois

Segundo o site scientificamerican.com, em matéria alusiva aos 25 anos do desastre, “Demorou um quarto de século, mas as lontras do norte (Enhydra lutris kenyoni) que vivem  em Prince William Sound finalmente se recuperaram dos efeitos do derramamento de óleo do Exxon Valdez de 1989, de acordo com um novo relatório dos EUA. O vazamento em si matou cerca de 40% das 6.500 lontras marinhas que viviam no local.”

“Os cientistas testaram as lontras para múltiplas expressões genéticas que indicariam exposição contínua ao óleo. As lontras marinhas capturadas e testadas em 2008 ainda mostravam altos sinais dessas expressões genéticas, mas os animais capturados apenas quatro anos depois não.”

O history.com diz que ‘Um estudo de 2001 descobriu que a contaminação por óleo permanece em mais da metade dos 91 locais de praia testados em Prince William Sound’.

As consequências para a companhia e os petroleiros

Após o derramamento de óleo do Exxon Valdez, o Congresso dos EUA aprovou a Lei de Poluição de Petróleo de 1990, que o Presidente George H.W. Bush assinou  naquele ano. A Lei de Poluição de Petróleo aumentou as multas para as empresas responsáveis ​​por derramamentos de óleo e exigiu que todos os navios petroleiros nas águas dos Estados Unidos tivessem um casco duplo.

As multas

A Exxon pagou cerca de US$ 2 bilhões em custos de limpeza e US$ 1,8 bilhão em restauração de habitat e danos pessoais relacionados ao derramamento. Alguns relatórios estimaram a perda econômica total do derramamento de óleo da Exxon Valdez em até US$ 2,8 bilhões.

O comandante

Em março de 1990, Hazelwood foi absolvido de acusações criminais. Ele foi condenado por uma única acusação de negligência por contravenção, multado em US$ 50.000 e condenado a realizar 1.000 horas de serviço comunitário

O navio

Foi recuperado, rebatizado, e voltou a operar rotas de transporte de petróleo na Europa, onde os navios petroleiros de cascos simples ainda estavam disponíveis.

Os maiores derramamentos da história

Segundo a National Geographic, ‘o derramamento da Exxon Valdez foi apenas o 36º pior derramamento de óleo petroleiro já registrado. O maior entre 1970 e 2018 ocorreu em 1979, na costa de Tobago, nas Índias Ocidentais, quando o Atlantic Empress   perdeu 287.000 toneladas de petróleo em colisão com outro navio-tanque. Para comparação, o Valdez perdeu 37.000 toneladas. (Há cerca de 305 galões em uma tonelada métrica de petróleo.)’.

O pior acidente de navio-tanque nos últimos 25 anos

NG: ‘O pior acidente de navio-tanque nos últimos 25 anos ocorreu em janeiro de 2018, quando dois navios-tanque colidiram na costa da China. Um petroleiro iraniano, o Sanchi, perdeu 117.000 toneladas de condensado de gás natural altamente tóxico. Nenhum dos 32 tripulantes de Sanchi sobreviveu.’

Deepwater Horizon

NG: ‘De longe, o maior derramamento acidental no oceano foi da plataforma de perfuração de petróleo Deepwater Horizon, no Golfo do México. Com 35.000 pés, foi o poço mais profundo já perfurado até o golpe que matou 11 trabalhadores. Durante quase 90 dias, o poço injetou 680.000 toneladas (aproximadamente 5 milhões de barris) de petróleo no Golfo. A BP  ainda não conseguiu conter ou recuperar todo o petróleo derramado.’

Fontes: https://blogs.scientificamerican.com/extinction-countdown/25-years-after-exxon-valdez-spill-sea-otters-recovered-in-alaskae28099s-prince-william-sound/?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=earth&utm_content=link&utm_term=2020-03-25_from-archive; https://www.nationalgeographic.com/environment/2019/03/oil-spills-30-years-after-exxon-valdez/; https://www.history.com/topics/1980s/exxon-valdez-oil-spill.

Energia a partir de macroalgas, start-up avança estudos

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

3 COMENTÁRIOS

  1. Como a força das corporações imperam no mundo…o capitão do navio nada sofreu em comparação ao desastre que causou tanto no ambiente como as famílias que destroçou……..aproveitando, vcs poderiam fazer uma reportagem detalhada sobre a plataforma da empresa inglesa B?…pelo visto que pelo poder financeiro oepolitico pouco sofreu tbm…e isso num pais dito de 1o mundo…mas sei lá que isso significa na realidade. Abs e obrigado pea reportagem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here