Balneário Camboriú, SC, uma aberração

39
13807
views

Balneário Camboriú, SC, mais uma aberração da costa brasileira

Matéria do site pagina 3 diz que a poluição do mar em Camboriu pode levar o balneário à decadência. Não basta o super adensamento mostrado abaixo, a altura da muralha de prédios que acabou com a insolação da praia. Como sempre, o litoral tem grande carência de serviços de saneamento e coleta de lixo. A matéria do pagina 3 diz que foi feita uma análise da qualidade da água em Camboriu e que…

metade dos pontos monitorados na Praia Central de Balneário se apresentam sempre ou quase sempre poluídos. Em condições adversas, como após as chuvas fortes do final de janeiro (e sempre chove forte em janeiro), nove desses 12 pontos se mostraram impróprios para banho.

Este é mais um motivo que ajuda a compreender por que não se deve fazer o que foi feito no Balneário de Camboriu, sem ao menos investir antes em saneamento básico. Ou isso, ou as pessoas vão se banhar em meio às próprias fezes que são despejadas no mar.

Segue post original:

O Balneário Camboriú é um município da Região Metropolitana da Foz do Rio Itajaí, com 108 mil habitantes, no litoral norte do estado de Santa Catarina. Ali aconteceu um dos maiores absurdos da costa brasileira. Um super adensamento. Foram erguidos  alguns do prédios mais altos do Brasil. A paisagem foi destruída. Este site não conhece outra praia brasileira com tamanho adensamento. O problema não se reduz a destruição implacável da paisagem, um bem que pertence a todos os brasileiros.

Balneário Comboriú, falta de consciência no Brasil

Se houvesse consciência no Brasil, este absurdo não poderia existir, e merecia tornar-se exemplo. Nossa geração encontrou o planeta com determinada fisionomia. Não temos o direito de destruí-la impiedosamente como temos feito litoral afora. As futuras gerações também têm o direito de conhecerem as belezas naturais do país.

Balneário Camboriú:  problema não se resume apenas à destruição da beleza cênica

Os prédios foram construídos de tal forma perto da linha do mar, e tão altos, que impedem a insolação e a circulação do vento tornando o interior do  balneário uma  fornalha. O que mais impressiona é que o local cresceu em razão de sua beleza natural. Foi isso que atraiu os turistas e despertou a mais intensa especulação que se tem notícia.

Então a beleza foi destruída pelos empreendedores! Como pode um ‘padrão’ destes?

Um apartamento na região pode custar até R$ 3 milhões de reais. E ainda tem gente que paga por este sufoco! A partir do meio- dia não é mais possível encontrar um lugar ao sol.

Balneário Comboriú
Foto: Curto e Curioso

Outros problemas provocados pela falta de insolação

O site clicrbs.com.br publicou matéria em fevereiro de 2016 mostrando que, pela falta de insolação, a praia fica coberta de briozoários, pequenos “organismos marinhos que aparecem principalmente no verão e causam mau cheiro quando expostos ao sol”.

De acordo com a matéria, no último verão a companhia de limpeza teve que retirar cerca de 20 caminhões de briozoários todos os dias!

Balneário Camboriú, imagem da praia de Camboriú coberta de briozoários
Foto: RBS

A matéria da RBS entrevistou o professor da Univali, Márcio da Silva Tamanaha, que sugeriu um motivo para o surgimento dos briozoários:

Isso é uma resposta ambiental ao problema crônico do saneamento básico

Eis aí mais um dos problemas do super-adensamento: a falta generalizada de saneamento básico no país.

Imobiliária Balneário Camboriú propõe alargamento da faixa de praia

Não bastam os problemas já citados. Companhias imobiliárias insistem em continuar as construções com o alargamento da faixa da praia, como mostra este vídeo. Será possível que mais pessoas ainda queiram ter um apartamento neste local?

Fontes:

http://www.pagina3.com.br/especial/2017/mar/6/1/poluicao-do-mar-tende-a-levar-balneario-camboriu-a-decadencia-economica; http://dc.clicrbs.com.br/sc/noticias/de-ponto-a-ponto/noticia/2016/02/efeito-da-poluicao-briozoarios-comecam-a-aparecer-na-orla-da-praia-central-de-balneario-camboriu-4971996.html.

Conheça outros absurdos da costa brasileira.

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

39 COMENTÁRIOS

  1. essa cidade é horrivel, os prédios são feios e finos , tem formato de palito e sempre com um quadrado na base que serve de estacionamento que deixa a aparência horrivel , parece um tumor . além de ser tudo amontoado , os caras vão enfiando prédio em cada espaço vazio que aparece , tbm não há simetria entre eles , os recuos são diferentes, por isso que o akyline apresenta esse aspecto confuso.
    mas o desastre em nível de rua é ainda pior, as ruas são estreitas , as calçadas são estranhas e pequenas , não há espaço para se criar um paisagismo decente, por isso a fachada dos prédios é fraca.
    os bairros por trás dos edificios são decadentes , casas coladas sem ornamentação com grades e muros enormes pra todo lado, aspecto de favela ,não há gramas e arvores, não existe verde e nem existe espaço pra isso ,pq as calçadas são muito pequenas. ou seja , não existe um misero bairro bonito ali.
    e pensar que existe gente que vai nessa cidade ostentar e desfilar com carros caros , um bando de paspalho que se deixa impressionar com tão pouco . eu prefiro uma cidade bem planejada no meio do deserto do que uma porcaria dessa beira mar.
    esse é o brasil , um país mediocre onde nada funciona, onde qualquer retardado pode compra tijolos e fazer a aberração que quiser, ou onde até as construtoras fazem merda.

  2. Sinceramente, vocês deveriam sair da ondem vocês moram, e vir morar ou de fato conhecer, Balneário Camboriú. Moro nessa cidade desde criança, metade dos que vocês falam se quer tem embasamento. O que é feio para uns é beleza para outros, um tom tão pejorativo, como “Paliteiro” é abjeto.

    Balneário Camboriú, é linda, um projeto de aterramento da nossa orla e um projeto urbanismo da orla está em andamento, muito do que se falou na matéria e dos críticos que a comentaram, será sanado, o índice de aprovação e de turistas que alegam, achar a cidade maravilhosa, ou que iram voltar se aproxima do 94%. Como pode essa matéria tão tendenciosa, ainda ter comentários como os que li, só consigo chegar a um pensamento “falta de informação”, acredito que e a maioria dos que comentaram, vem (ou quando vem ou veio) a BC e fica ali no calcadão, e indo da barra norte a sul de carro e diz que conheceu BC, não procuram saber da história da cidade, das lindas, paradisíacas e fantástiscas praias agreste que temos em nossa cidade, incluindo prais com bandeira azul entre várias outras formas de ver e conhecer BC.

    Balneário e sua beleza, vai muito além da sua arquitetura icônica, a qual a matéria fala de forma pejorativa como “Paliteiro”. São 35 anos que conheço essa cidade, posso contar nas minhas mãos as pessoas que disseram que não gostaram de BC. Essa matéria representa um minoria, que acha que beleza é um monte de arvore em pé, mas a beleza, vai muito além da visão de quem escreveu essa matéria, convido vocês a conhecerem de verdade Balneário Camboriú, suas praias, suas trilhas, seus mirantes, seus bairros, seu dia a dia, seus habitantes, e toda a beleza que a nossa cidade tem, inclusive a arquitetura. O que a gente não pode e ser deixar levar, por críticas infundadas, notícias tendenciosas de uma mídia que busca o ataque a administração pública, seja ela, posição ou oposição.

    Se vocês, não conhecem o morro do careca, as trilhas das praias agrestes, a praia do Estaleiro, Uma das mais belas praias do Mundo a praia da Taquarinhas, toda a comodidade, facilidade, que a praia central oferece, os bons restaurante da orla, a noite agitada de BC, a caminhada na orla central, a vista panorâmica da Cidade de um parque privado localizado na Barra Sul, o Réveillon, a segurança da cidade para com o morador e turista, a caminhada da barra Norte com vista panorâmica da praia, o acesso a praia do Coco, eu poderia citar muitas outras coisas, mas se os críticos se quer fizeram esses passeios, falar de saneamento básico, é só um detalhe, pois se você não conhece a cidade como um todo, levantar um ponto, para criticar, é falta de embasamento de lastro e de conhecimento da nossa cidade.

    Obras visando o saneamento, que por obséquio, é um problema na maiores das cidades brasileiras, estão prontas ou em andamento, inclusive na praia central a qual vocês julgam “Paliteiro”, não podemos julgar Balneário, por ela não fez o que 100% das cidades brasileiras, não fizeram em sua formação, ou seja cuidar do saneamento básico, ou porque aqui, temos uma arquitetura diferencia do litoral. Conhecam nossa cidade por inteiro, e vocês entenderam, o porque que 94% das pessoas que nos conhecem querem voltar. NÃO SE DEIXEM LEVAR PELA CRÍTICA DAQUELES QUE NÃO CONHECEM A NOSSA CIDADE, OU BUSCAM ATACAR A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEJA ELA OPOSIÇÃO OU POSIÇÃO.

    Conheça a nossa cidade como um todo, conheça sua população, seus encantos, conheça a Balneário Camboriú de verdade!

    Obs.: Só espero que minha crítica a essa matéria, apareça, como leitor esporádico desse site, acho que tudo na vida existe dois lados, cabe a mídia tendênciosa mostrar somente o lado que lhe agrada!

  3. Além dos problemas ambientais já citados, vejo Balneário Camboriú como um desastre arquitetônico. A “skyline’ da cidade não possui um padrão definido, e com isso centenas de edifícios de tamanhos, cores, formatos, altura e materiais diferentes. Me passa a impressão de um mosaico muito mal feito e mal planejado. Não sou contra grandes edifícios, porém eles deveriam obedecer grandes recuos mínimos da faixa litorânea, assim como recuos laterais de outras edificações (em boa parte com áreas de verde e de lazer para todos), que permitissem que o sol e brisa penetrassem a cidade.

    Sobre a questão do esgoto cada nova edificação deveria tratar seus próprios efluentes, seja com uma estação própria ou através de biodigestores. Muitos arranha-céus no Oriente (países como Japão) seguem essa premissa, já que em muitos casos o risco de terremotos não permite a criação de uma rede pública de esgoto. É inadmissível que no orçamento de edifícios de dezenas de milhões de reais não tenha espaço para a devida compensação ambiental.

    De qualquer forma creio que Balneário Camboriú já é um caso perdido. E as consequências serão cada vez piores para os turistas e moradores

    • Fábio
      Antes de tudo, adorei sua opinião sobre o problema ambiental e como isso tem prejudicado intensivamente a cidade e a felicidade dos moradores, eu vou concorrer a vereadora mirim e se você me permitir eu adoraria poder ler a sua opinião,(opinião de um cidadão) sobre um dos grandes desagrados comuns na comunidade, e eu em nome a sua palavra faria justiça em nome da cidadania de Balneário Camboriú

  4. Bom dia, João;
    Justamente me refiro à barbárie, porque muitos “estudados” vêem sim, só que não enxergam. Por experiência própria, aqui na minha região tivemos um problema bem parecido, só que uma linha de transmissão de energia, que iria cortar a fralda de uma serra (já bem devastada), indo passar por sobre pastagens, cafezais em área desse tipo de cultivo agrícola, que não depende de maquinário grande, enfim, onde as torres não atrapalhavam em nada os proprietários. Entretanto, por mobilização de uma estrangeira que tem uma pequena propriedade “ecologica” na região e também muito dinheiro, os políticos (que são apegados a esse tipo de ideal) fizeram verdadeira mobilização ou “encenação’ em audiência pública, mas sem ouvir mais ninguém e claro, os políticos aproveitando o palanque, com discursos inflamados, promoveram até “lei” específica para proteção da serra. Conclusão – o trajeto foi desviado em mais de 15 km (quem vai pagar a conta são os consumidores) e atingiu terras agricultáveis, que ficaram para sempre penalizadas com as torres e ainda sob elas, não se pode plantar cana (que produz o combustível ecológico brasileiro). Estudamos que há necessário que haja um trade-off, mas se há opções, que seja o de menor impacto e por óbvio, teria de ter definição técnica nesses casos. Não há. Só os políticos (com apelo popular) é que decidem tudo!
    Quando fui atingida, contactei as diversas associações, a SRB, os próprios vizinhos que seriam atingidos e até mesmo escrevi uma ideia legislativa que não foi adiante pela total falta de interesse de nenhum envolvido. Da parte da empresa que constói e explora, o único interesse é passar. Seus engenheiros, com mestrados e doutorados, não dão a mínima importância pela inutilização das áreas afetadas.
    Penso então que dizer que “educação” é o que resolve, é meio esquisito, pois engenheiros, magistrados, advogados e outros altamente educados não tem visão global de nada. Viraram dinheiristas, onde até mesmo a venda de sentenças é legitimada para engordar a “poupança” de quem as vende. Dos políticos então, nem se fala haja vista os fatos. Veja a dificuldade de nossas reformas serem aprovadas e que são principalmente barradas por funcionários públicos (educados) e meretíssimos.
    Falta mesmo é berço e patriotismo.
    Então, numa cidade onde a barbárie ocorre, com toda redundância, a olhos vistos, o que dizer num País que inventou a tal concessão de florestas que não passa de pura fraude para que se possa depredar e vender madeira ou nos oceanos, onde parece que são considerados o “esgoto” da civilização?
    Temos de denunciar e denunciar, mas quem entende nossas ansiedades ou questionamentos? Quem se interessa?
    Você neste site tem feito sua parte e por isso está de parabéns. Somos como aquele beija-florzinho que diante da floresta em chamas pega a água em seu bico e vai jogar lá. Quando o questionam de que ele é muito pequeno e aquilo não adianta nada, ele responde que está fazendo a parte dele. Se muitos pequeninos começarem a enxergar, quem sabe uma hora a visão se abre de uma vez e conseguimos fazer coisas certas de fato. Atenciosamente, Sônia.

    • Sonia, antes de mais nada, obrigado pelo excelente depoimento. Tudo que posso dizer é… não desanime! Alguém como vc, que consegue ver que “nossas reformas são principalmente barradas por funcionários públicos (educados) e meretíssimos” tem que continuar ativa. É assim mesmo. Demora, exige paciência, persistência, enfim, não é fácil. Às vezes me desespero com as aberrações que vejo no bioma marinho e zona costeira. Mas não perco a esperança. Procure pessoas que pensem como vc, engaje o pessoal, forme uma ONG, participe de uma se houver na sua região, ou denuncie para a imprensa e MPF. Mas não perca a esperança nem a capacidade de se indignar. Sem isso não sairemos nunca do lugar. Obrigado pela palavras simpáticas ao Mar Sem Fim e volte sempre! Abraços

    • A linha ia passar sobre cafezais, pastos, e uma serra já bem machucada, mas você só reclama da tal gringa que tem uma reserva ecológica. Aí você escreve: “Quando fui atingida” ou seja, as coisas só “acontecem” quando é contigo. Beleza.

  5. BC é o exemplo que temos de quando se deixa as resoluções importantes na mão de políticos.
    O prefeitozinho apareceu dizendo que foi tudo construído “dentro da lei”.
    Cidades européias com mais de 2000 anos de colonização urbana não mostram o grau de ignorância e predadorismo que a grande maioria de nossos políticos tem.
    Há que se votar em outro tipo de gente, que tenha civilidade e queira de fato trabalhar para a sociedade.
    Como disse Levi-Strauss : “Tenho medo de que o Brasil passe do atraso à barbárie sem conhecer a civilização”. Profético

    • OI, Sonia, obrigado pela mensagem. O que mais me impressiona é que o mostrengo foi criado aos poucos. E durante todo esse tempo nunca vi ninguém reclamar. A imprensa, ONGs, organizações como OAB, ou o Instituo dos Arquitetos do Brasil, IAB; estudantes, Universidades, nada, ninguém. Como é possível? A sociedade precisa acordar e exercer cidadania. Se deixar na mão dos ‘prefeitozinhos’ aí é buraco na certa. Na maioria das cidades costeiras são eles que insuflam a especulação imobiliária. É isso, abraços

  6. Moro há 8 neses em BC, vindo de Campo Grande,MS. Não me arrependi em nenhum momento de ter vindo, mas quando vi esse paliteiro em que foi transformada a cidade, pensei logo no custo ambiental.
    Hoje tive o privilégio de conhecer este site, muito útil e que veio confirmar minhas suspeitas. Estava prestes a adquirir um apartamento aqui, mas hoje penso em continuar pagando aluguel, se bem que elevado (R$ 3.100,00). Quero permanecer aqui, pois apesar das agressões que a ganância causou e continua causando à cidade, seu povo é cordial, o clima é agradável e a natureza exuberante. Sei dos projetos em andamento, mas se resultados houver, muita água (poluída) vai passar sob a ponte. Os responsáveis por tal desastre negligenciaram na condução de políticas de preservação ambiental, pois não é crivel que não sabiam que a natureza não se defende, mas se vinga.

    • Olá, Heraldo, obrigado pela mensagem, e por suas palavras sobre o site. Muito obrigado. Desejo uma ótima estadia e muito sucesso. Quando ao resto, vc tem toda razão, eles sabiam o que iria se tornar o Balneário e suas consequências. Abraços

      • É o brasileiro que adora viver de status…. incrível isso. Para esse tipo de pessoa com um pensamento tão pequeno e fútil, a riqueza, os prédios colossais construídos sem o recuo necessário na orla, é mais importante que as agressões sofridas pela natureza, em consequência de toda esta falta de programação e respeito ambiental. Morei em Itajaí por 5 anos “de 1989 à 1994”, e mesmo naquela época, nunca fui um fã e obcecado por BC, talvez porque eu não precise viver de status, querer mostrar para pessoas que não conheço, uma coisa que não sou.

        • Aí, Gilson, falou e disse! Só queria dizer uma coisa: Camboriú não é um caso único. O litoral brasileiro está cheio de “Camboriús” espalhados de Norte a Sul. Acabei de fazer uma matéria, já no site, sobre a ilha das Couves, aqui em SP, no litoral de Ubatuba. Veja. Os absurdos continuam apesar de tudo. O que me impressiona em Camboriú, é que as pessoas que vão para lá têm grana, muita grana, já que os apartamentos são de alto padrão. Justamente as pessoas que tiveram melhores chances, puderam estudar, saber distinguir o certo do errado, e mesmo assim se amontoam quem nem sardinha em lata. E pouco se lixam para a destruição da paisagem e da biodiversidade. É muito egoísmo, burrice, ou esnobismo.Não consigo acreditar. É isso, abraços, amigo, e volte sempre!

          • Meu caro colega, eu tenho uma frase que não canso de repetir: para o nosso Brasil piorar, ele terá de melhorar muito. Lamentavelmente, estamos muito, mas muito atrasado em relação aos países desenvolvidos, em vários sentidos, mas especialmente na educação. Somos, na minha modesta opinião e análise, um povo: deseducado, egoísta, invejoso e que cultua a cultura da “malandragem e do oportunismo”. Todas as áreas e esferas, repito, todas sem exceção, possuem corrupção “o câncer maldito da nossa pobre e atrasada cultura”, o resultado desta somatória de condutas abomináveis e absurdas, resulta no país em que vivemos, ou melhor, sobrevivemos. Aí você quer interagir, dar o seu ponto de vista em um post como este, e é taxado de invejoso, etc…etc.. Vou ser super sincero com você: sabe porque não aprecio BC e não me sinto bem na cidade em questão? Não por inveja, pois não invejo bem materiais, mas sim, conhecimento e espiritualidade “isso para mim é a verdadeira riqueza”, mas sim, porque olho triste para aqueles enormes e colossais edifícios na orla marítima com suas construções milionárias e sabemos “em se tratando de Brasil”, que muitos que ali comprados, foram com lavagem de dinheiro, aí você atravessa a BR-101 e dirigi-se a cidade de Camboriú, aí descobrirá o verdadeiro Brasil. Não tenho absolutamente nada contra quem tem dinheiro, é rico e milionário, mas sabemos do dinheiro sujo que ronda aqueles faraônicos apartamentos na orla de BC, assim, como em outros balneários também. É uma cidade com uma vida noturna intensa, agitada, fantástica? Ah com certeza, mas e a infraestrutura? É uma cidade “territorialmente” falando, pequeníssima “menos de 50 quilômetros quadrados”, trânsito péssimo, congestionamentos como se fora uma mini São Paulo. prédios socados entre uma rua e outra, problemas graves de saneamento básico, a praia fede, talvez em consequência pelas sombras dos prédios que estão afetando a vida marinha ali presente, modificando o clico biológico local, enfim, uma cidade padrão do Brasil, em que se analisa e se cultua ela pela CAPA e não pelo seu CONTEÚDO. Abraço meu caro colega e parabéns pela sua iniciativa e pelo seu belo trabalho.

  7. Balneário Camboriú são os milionários, seus carrões, iates, coberturas, lojas e boates de grife, cassinos clandestinos, DJs internacionais e prostitutas de luxo. Depois do primeiro prefeito, aliás, preso e assassinado nos porões da ditadura militar, os muito ricos de SC decidiram tomar Balneário Camboriú, de uma vez por todas, como o reino seu encantado da vida nababesca. Elegeram prefeitos os proprietários de grandes construtoras ou especuladores imobiliários. Para eles a praia é só um detalhe de menor importância. A noite e a ostentação é o que fica valendo. Porque vamos nos preocupar com as sombras que as torres lançam sobre a praia, se o próprio frequentador típico de Balneário não se preocupa? Os oceanos e as vidas por dentro de suas aguas são infinitamente maiores do que esse “brinquedo” chamado Balneário Camboriú.

    • Balneário Camburiú é um lixo só. A cidade fede. Moro em Itapema, ao lado de Balneário Camburiú, que sofre com o esgoto que vem de Balneário, e que, infelizmente, está indo pelo mesmo caminho. O paredão de edifícios em BC é absurdo, sem planejamento urbano, sem praças, sem árvores, sem espaço para o transporte público, para ciclovia, sem espaço para hospital público, sem faixa de areia, sem sol, sem espaço para nada civilizado. Tudo foi privatizado naquela cidade! É um horror! A cidade da livre iniciativa foi sendo construída só pensando na grana, no gozo imediato. Não moro em Balneário Camburiu nem de graça, nem que me dessem apartamentos. Nem sob tortura. É uma cidade feia, de gente metida a besta, que valoriza coisas fúteis e em notório declínio.

      • Olá, Itapemense, infelizmente Camboriú tornou-se exemplo do que não se deve fazer. Concordo totalmente com você. E fico abismado de ver como os catarinenses permitiram que essa aberração acontecesse. Não vi denuncias nas imprensa, não vi ONGs reclamarem, nada. Apenas o monstrengo foi crescendo até atingir o ponto em que está. Pior, não é a única praia destruída de nosso litoral. É apenas mais uma delas.abraços

      • Meu caro colega, na minha modesta opinião, BC é uma cidade ostentação, em que muitas pessoas vivem unicamente de status. Para estas pessoas, a riqueza dos milionários com os prédios colossais construídos sem o recuo necessário na orla, é muito mais importante e salutar do que as agressões sofridas pela natureza.

    • Isso acontece mesmo Monique, é o custo de ser uma cidade portuária num estado falido, e num país falido. Este tipo de cidade tem características peculiares, deve ser tratada com mais respeito pelo poder público. Seria uma grande melhora. Abraços

    • Caaalma, Beatriz, sou sozinho para alimentar o site. Hoje passei o dia corrigindo matérias, e escrevendo novas. Só agora deu tempo de responder aos visitantes. Abraços

  8. Os problemas são grandes e não são de hoje, no entanto, nós moradores de Balneário Camboriú amamos esta cidade que achamos ser linda e acolhedora. A maioria dos moradores são de outras cidades, outros estados, isso prova que nem todos pensam que Balneário Camboriú seja de feiura impar, como diz este site. As novidades são boas. A atual e novíssima administração da cidade está de fato preocupada com a situação da rede de esgoto e com a poluição da Praia Central, e desde os primeiros dias de trabalho está investigando esgotos clandestinos por toda a cidade, e lacrando-os. Os proprietários dos imóveis em situação ilegal serão punidos e terão que regularizar a questão. Também a prefeitura está em acordo com outras cidades vizinhas num projeto comum de despoluição. A intenção é despoluir completamente os rios e o mar. Nós moradores estamos esperançosos. Quanto ao paredão de prédios não há o que fazer, ame-os ou deixe-os. Para constar, a cidade possui várias praias agrestes, lindas e limpas, vale a visita!

    • Olá, Beatriz, seja muito bem- vinda a bordo do mar sem fim! Muito obrigado pela mensagem. Vamos por pontos: quanto aos moradores gostarem de Camboriú, não tenho dúvidas. Não fosse isso, este super adensamento não existiria. Ninguém iria ocupar o ‘paredão de concreto’ erguido em toda a orla. Sobre as novidades, torço para que o que vc nos conta aconteça de fato. Mas tenho minhas dúvidas. Nenhuma praia super ocupada da costa brasileira tem serviços de coleta e tratamento de esgotos à altura. Nenhuma! Que Camboriú seja a primeira. Mas veja bem: o trabalho será enorme e como sempre caríssimo. A matéria citada diz que “metade dos pontos monitorados na Praia Central de Balneário se apresentam sempre ou quase sempre poluídos”. E que, ‘em condições adversas, como após as chuvas fortes do final de janeiro (e sempre chove forte em janeiro), nove desses 12 pontos se mostraram impróprios para banho’. Este é o resultado do super adensamento irresponsável: poluição. Mas não é só: uma paisagem prístina foi totalmente destruída. E quanto à isso não há solução. Considero a paisagem costeira um bem de todos. Nosso, e das futuras gerações. A prosseguir este modelo, que não é exclusividade de Camboriú mas acontece em todo o litoral brasileiro, no Sul, Sudeste, Nordeste e Norte, como nossos netos saberão o que, de fato, é uma praia?
      Seguindo: ‘a muralha de concreto’ foi erguida de modo tão irresponsável que afetou a insolação da praia provocando o surgimento de briozoários. Sem falar que praias não são apenas locais para as pessoas se banharem. São ecossistemas marinhos. Ali vivem dezenas de pequenas criaturas que fazem parte da cadeia de vida marinha. Cadeia esta que, em Camboriú, está morta.
      Mas é óbvio que o problema não se restringe a esta praia como já disse. Quer umexemplo no sudeste? Guarujá. No Nordeste? Joboatão do Guarararapes, Pipa, jericoacoara e outras. No Norte? Praia do Futuro, e por aí vai. Bom, é isso, volte sempre, abraços

      • A rede de esgoto está caminhando a passos largos, e temos a meta de tê-la 100% pronta até o final de 2018. Como citei antes, temos em Balneário Camboriú, além da praia central que é um bairro, outras praias, agrestes (outros bairros, Taquaras, Estaleiro e Estaleirinho) e preservadas que estão em processo para conseguir a Bandeira Azul. A praia central terá que ser alargada, porque está sofrendo processo de erosão, as obras deverão começar no próximo ano ou inicio de 2019. A atual administração está tentando transformar a cidade toda num local de preservação, criando novos parques, despoluindo as águas, etc. Como disse antes, temos esperança de um futuro melhor. Acho triste vocês só falarem das coisas ruins. Reforcem as boas também!

          • É sempre melhor ter os dois lados, Ivan, embora para mim seja difícil achar um deles: o lado bom. Mas esta é apenas a opinião deste site. Não, necessariamente, a única. Abraços e volte ao Mar Sem Fim. É preciso ouvir a ‘audiência’. Abraços

        • Engordamento da praia não é a solução e é uma obra muita cara. Temos que tomar cuidado com as promessas políticas e procurar informação. A erosão da praia acontece devido a retirada da vegetação de restinga que ocorria no passado e o adensamento da orla com edifícios. Engordar uma praia para conter a erosão, nada mais é do que alimentar as forças erosivas com areia. Ou seja, não é uma obra definitiva para eliminar o problema e terá que ser feita a vida inteira e muito, muito dinheiro gasto tanto do município quanto do estado. Me pergunto se os catarinenses estão dispostos a gastar parte do dinheiro dos impostos para sustentar uma praia. Eu não estou. Aliás não há solução para impedir avanço do mar e conter a erosão. É apenas uma falsa promessa para alimentar a ilusão da cidade perfeita, a “Miami brasileira”.

          • Bom dia!
            Resido em Piçarras, SC, uma quase vizinha de Balneário Camboriú, há quase 12 anos. E aqui já foram feitos 2 engordamentos da faixa de areia neste período que, devo dizer, não resolveram o problema da erosão. Nem a construção de dois molhes na praia Central ajudou a evitar o problema. As ressacas levam toda a areia e, inclusive, parte da rua da praia.
            Agora começaram a construir grandes edifícios a mais ou menos 100 metros da praia. Já canso de repetir que, no atual estado da infra estrutura desta cidade, o proprietário de um apartamento destes vai dar descarga no seu banheiro e descer para a praia a tempo de se banhar nos próprios dejetos. Fazer o que, né? Querem progresso e acham que essa é a solução. Não queria ver nossa Piçarras transformada em uma nova Balneário Camboriú mas, pelo visto, essa será a realidade em alguns anos.
            Adoro Balneário Camboriú. Acho uma cidade linda. Mas, realmente, a praia Central está um horror. Poluída, fedorenta e super povoada. No verão é impossível transitar por ela. Água falta. E as ruas e a orla estão sempre atulhadas de automóveis. Fora o lixo que os visitantes deixam para trás.
            Em Piçarras não é muito diferente,visto a cidade ser menor. Mas Balneário já foi assim também. E gostaria que Piçarras mantivesse esse ar bucólico e que suas belas praias fossem protegidas da especulação imobiliária desmedida.
            Só resta aguardar os acontecimentos. Vamos torcer outra que a consciência fale mais alto que o dinheiro.

          • Engordamentos das praias não resolveram, nem vão resolver, Vera.E é isso mesmo: as se pessoas se banham em meio à própria merda. Isso é o Brasil, infelizmente. E assim, pouco a pouco, vamos destruindo o litoral. O que vai sobrar para nossos filhos e netos?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here