Os direitos das futuras gerações e a mídia

2
1361
views

Os direitos das futuras gerações, e a mídia, não se pode esquecê-los

Vivemos uma época sombria. No Brasil e no mundo. Um dos fenômenos de hoje, chatésimo, é a epidemia do  ‘politicamente correto‘. Mais uma vez, acontece no Brasil e no mundo. Já houve criança presa nos Estados Unidos por beijar um colega. No país de Macunaíma, setores da mídia influenciados pelo fenômeno,  decidem que é hora de tratar todos igualmente. Isso é correto. E  entopem sua grade  com os excluídos: mulheres, pardos ou negros, deficientes, às vezes; mas homossexuais  sempre,  em demasia ao nosso ver. Só que, os direitos das futuras gerações quanto a um meio ambiente saudável não está entre estes direitos. Não é curioso?

ilustração de placa políticamente correto
Direitos das futuras gerações, Ilustração: www.huffingtonpost.com

Os direitos das futuras gerações

De acordo com o site, jusbrasil.com.br, “Diante da atual conjuntura ecológica brasileira é pertinente fazer uma reflexão sobre a importância do princípio constitucional da solidariedade intergeracional. Este princípio está encartado na parte final do caput do art. 225 da Constituição Federal. E, se consubstancia como norma assecuratória do direito de uso do bem ambiental ecologicamente equilibrado para gerações futuras.”

Ilustração em alusão aos direitos das futuras gerações
Direitos das futuras gerações, Ilustração: aguaelan.com.br

Portanto, nossa crítica é amparada pela Lei Maior. Mais uma vez, no mundo é assim.

Estudos recentes

Estudo de Roberta da Silva, e Lucimery Dal Medico, da Universidade Federal de Santa Catarina, lembra o tema ‘acerca da necessidade de uma nova postura ética dos seres humanos frente ao direito das futuras gerações ao meio ambiente. Mas, sobretudo, trata da sobrevivência da própria espécie humana no planeta.’ Sobre isso, sobrevivência da espécie humana, falamos recentemente. E este estudo não é único. Há dezenas deles, todos com o mesmo mote. Tudo começou em 1972, quando a ONU convocou a…

Conferência das Nações Unidas sobre o Ambiente Humano, em Estocolmo (Suécia)

De acordo com a própria organização, “o evento foi um marco e sua Declaração Final contém 19 princípios que representam um Manifesto Ambiental para nossos tempos. Ao abordar a necessidade de “inspirar e guiar os povos do mundo para a preservação e a melhoria do ambiente humano”, o Manifesto estabeleceu as bases para a nova agenda ambiental do Sistema das Nações Unidas:”

Chegamos a um ponto na História em que devemos moldar nossas ações em todo o mundo, com maior atenção para as consequências ambientais. Através da ignorância ou da indiferença podemos causar danos maciços e irreversíveis ao meio ambiente, do qual nossa vida e bem-estar dependem. Por outro lado, através do maior conhecimento e de ações mais sábias, podemos conquistar uma vida melhor para nós e para a posteridade (ou as futuras gerações, obs. do mar sem fim), com um meio ambiente em sintonia com as necessidades e esperanças humanas…

Quer prova maior que a questão é mundial?

Por que esse excesso, de um lado, e parcimônia, do outro?

Sabe-se que o nível de ensino no país é medíocre. A maior parte da população, hoje se informa por sites ou TV. E quanto maior a audiência, mais responsabilidade a mídia deveria ter. Então, acontece o que acontece com várias categorias da população já citadas. E há os excessos. Em bom português, ‘forçação de barra’ (abordamos o tema no próximo tópico). E, simultaneamente, ao menos um caso escapa à nossa compreensão: os direitos da futuras gerações, quanto ao meio ambiente saudável, não são priorizados por parte da mídia.

Os excessos

Há uma mídia de massa que, em qualquer programa, seja de auditório, noticiosos, documentários, ou folhetins, para ela parece só existirem os LGBTs que, repetimos, têm de ter seu espaço. Mas não só eles. Trata-se de estratégia pra chamar atenção e posar como audaz mas, ao ‘atender aos anseios da sociedade’ de forma rasa, mesquinha, só faz piorar a situação. Porque se debruça no tema menor, e esquece o maior.

LGBTs na Copa do Mundo

Agora, em plena Copa do Mundo, aconteceu outra vez. Num dia daqueles, durante o principal noticiário do dia, a linda apresentadora fez ar de repúdio profundo e comentou que ‘hoje, o intolerante Governo Putin prendeu uma representante do movimento LGBT’ enquanto a imagem de fundo mostrava uma mulher enrolada na bandeira do arco-íris sendo detida em praça pública. Em seguida houve um comentário da bela recriminando o Governo Putin. Curioso. Assisti todos os noticiários da copa. Em nenhum deles vi a apresentadora fazer ar de repúdio e comentar os assassinatos que o Rasputin manda executar Europa afora, entre diplomatas e espiões. Também não vi comentário de repúdio sobre o apoio que o Gângster Eslavo empresta ao beduíno sanguinário da Síria, ou aos massacres que impoẽm aos ucranianos. Mas, óh! Prenderam uma representante do LGBT! Isso não se faz!, exclama a grande rede…Enquanto isso, pergunto, onde ficam os direitos das futuras gerações  quanto a um meio ambiente saudável? Diga, telespectador,  quando foi a última vez que viu um programa/matéria nesta rede, sobre o tema do momento na ONU, na comunidade acadêmica mundial, e  entre ambientalistas , os oceanos?

Opções na mídia de massa e o direitos das futuras gerações

Em São Paulo, e parte do Brasil, há duas outras opções na telinha. Uma, privada, que não apela. Não fica enchendo o saco toda vez que algum LGBT se manifesta no planeta. Mas  raramente aborda o assunto atual,  priorizando os oceanos. Está na hora de mudar. O pessoal de lá é bom. Já fizeram até programa com notório oceanógrafo. Rendeu tanto material, que não fizeram um só episódio, mas dois. Ela atinge menos pessoas, mas se fizer mais,  quem sabe  cresce e force a outra a mudar. Uma terceira, que não atinge todo o Brasil, é bem diferente, atua em nichos, por isso atinge ainda menos gente. Mas, independente disso, em sua grade a Amazônia Azul é raridade, a ‘Verde‘, entretanto, é vedete. Está atrasada, não percebeu a mudança mundial.

Canais de TV fechados

Nos canais fechados nacionais, há vários que se dizem ‘informativos’ mas neles, o tema do momento é ainda mais raro. Passam horas  despejando fofocas de Brasília, inócuas; ou transmitem ao vivo os insuportáveis reizinhos da Justiça, com sua incompreensível linguagem que só eles entendem. E nada sobre nossas obrigações em relação às futuras gerações.

Jornais

O Estadão costuma abrir espaço ao tema, tem até repórter especializado, Herton Escobar. Já a Folha, comenta pontualmente. Acredito que ambos poderiam fazer mais. Há dezenas de assuntos ligados ao tema que não chegam sequer às elites que leem jornais. Como mudar a situação se nem elas conhecem os problemas?

Revistas

Sobre revistas semanais noticiosas, não dá nem vontade de falar. Escapam da mesmice duas joias. Uma, a National Geographic Brasil, que acaba de lançar o número de junho, mais uma vez dedicado inteiramente aos oceanos e, desta vez focou um de seus maiores problemas, o plástico. É um primor mas, infelizmente, não atinge a massa. Outra, é a Scientific American Brasil, que também aborda o tema com frequência. Mas atinge ainda menos pessoas. Curiosamente, as duas de ponta são títulos estrangeiros lançados no país. Veja que curioso. Por fim, há dezenas de outros títulos nacionais, alguns abrem espaço de vez em quando, mas é raro, e de novo.

Formadores de opinião também se omitem

Parte significativa destes privilegiados que puderam estudar, representados no país por empresários, profissionais liberais, políticos, e autoridades; ou se omitem, ou dão exemplo contrário, a prova é a operação Lava Jato que botou na cadeia parte deles. Corruptos e corruptores, ou seja, empresários e políticos. Estão lá, lado a lado, dois dos mais emblemáticos, um ex-presidente, e o maior empresário da construção civil. Porque fizeram malfeitos e foram pegos desta vez. Sobre as prisões, a mídia de massa as prioriza, porque sabe que o povo não aguenta mais do mesmo. Mas, sobre os direitos das futuras gerações, obrigação ética da nossa, não. Não é estranho?

Os Oceanos

Nunca, em toda a história da vida na Terra, uma espécie alterou tanto o planeta, e em uma escala tão rápida, quanto a humanidade. Mudamos os cursos de rios, alteramos a composição química da atmosfera e dos oceanos, domesticamos plantas e animais a ponto de sermos considerados uma “força tectônica” no planeta. Esse impacto é tão forte que alguns cientistas estão propondo mudar a época geológica – deixaríamos o holoceno, que começou com o fim da era do gelo, e passaríamos ao antropoceno, a época dominada pelo homem.

A declaração é do cientista Carlos Nobre, representante brasileiro do IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change, que quer dizer, Painel Intergovernamental para a Mudança de Clima).

Faça sua parte, seja cidadão

Até quando vamos ter mais do mesmo? Pense sobre isso, e faça sua parte. Estudo apresentado no Fórum Econômico Mundial, Davos, 2016, mostrou sem contestação, que a continuar neste ritmo, em 2050 haverá mais plástico que peixes, em peso, nos oceanos. Outro, feito por dezenas de cientistas, e publicado na prestigiosa Science, mostra que a pesca industrial, pelos excessos, estará acabada em 2048. E a imprensa estrangeira, que prioriza o assunto ao contrário da nossa, faz sua parte. E, ao fazê-lo, provoca mudanças até mesmo na legislação norte-americana, Lei Magnuson-Stevens, que regula aspectos da insustentável pesca industrial que, no mundo, recebe subsídios de até US$ 35 bilhões de dólares! Diga qual atividade ‘sustentável’ precisa indecentes subsídios desta ordem? Enquanto isso, no Brasil, não há sequer estatísticas da pesca. Apesar disso, parte da mídia de massa, que fala com o país, parece se preocupar apenas com LGBTs, ou você já viu na tela matérias sobre estes gravíssimos problemas dos oceanos?

É assim que vamos passar o planeta às futuras gerações, pedindo desculpas?

ilustração alusiva às futuras gerações
Pedindo desculpas pela merda que fizemos? (Ilustração: www.slideshare.net)

Ainda há tempo, depende de cada um de nós.

Ilustração de abertura: www.slideshare.net

Fontes: http://www.unep.org/Documents.Multilingual/Default.asp?DocumentID=97&ArticleID=1503&l=en; http://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=com_content&view=article&id=2134:catid=28&Itemid=23; https://nacoesunidas.org/acao/meio-ambiente/; http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/591-2193-1-pb.pdf.

Homo sapiens, um assassino em série da ecologia

COMPARTILHAR

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

2 COMENTÁRIOS

  1. Qual a razão de se falar em gerações futuras, com essa mídia abortista ativa e militante? É questão de tempo até surgir leis aprovando esse crime.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here