Mais de 3 mil crianças de Fortaleza terão educação ambiental

0
48
views

Mais de 3 mil crianças de Fortaleza terão educação ambiental e letramento oceânico

O jornal O Povo nos surpreendeu positivamente ao  informar que, a partir de agosto de 2024, mais de 3 mil crianças do 6º ao 9º ano, de seis escolas municipais da Capital, participarão de uma ação de letramento oceânico e educação ambiental. A iniciativa, chamada de ‘Projeto de Disseminação da Cultura Oceânica’, teve solenidade realizada no Paço Municipal, Centro de Fortaleza. O site da prefeitura acrescenta que Idealizado pela Agência de Desenvolvimento da Economia do Mar de Fortaleza (Ademfor), a ação visa disseminar nas escolas municipais o conhecimento sobre conscientização ambiental e economia azul, que busca o desenvolvimento sustentável dos recursos marinhos. Parabéns a Fortaleza, oxalá a moda pegue.

 crianças de Fortaleza terão educação ambiental.
Imagem, Prefeitura de Fortaleza.

Uma excelente ideia que deveria prosperar em todo o País

As consequências que a nossa geração está passando agora devido à inação mundial frente ao aquecimento do planeta, é fichinha perto do que enfrentarão nossos filhos e netos.

Com apenas 1,4ºC acima da linha de base pré-industrial, o mundo passou por um massacre ambiental em 2023. Segundo o reliefweb, pelo menos 12 mil pessoas – 30% a mais do que em 2022 – perderam a vida devido a inundações, incêndios florestais, ciclones, tempestades e deslizamentos de terra em todo o mundo em 2023, de acordo com uma nova análise da Save the Children.

Em cerca de 240 desses eventos relacionados ao clima registrados em 2023, o banco de dados internacional de desastres EM-DAT registrou um aumento de 60% no número de mortes por deslizamentos de terra. Mas tem mais. As mortes por incêndio tiveram um incremento de 278%. Já as mortes por tempestades aumentaram 340% entre 2022 e 2023.

Só nos Estados Unidos houve  28 desastres meteorológicos e climáticos em 2023. Isso significa a superação do recorde anterior de 22 em 2020. Somando os prejuízos dos dois anos, chegamos a inacreditáveis 92,9 bilhões de dólares, segundo a NOAA.

A Organização Mundial da Saúde divulgou, no relatório State of Global Climate, que o número de pessoas gravemente inseguras em todo o mundo mais do que dobrou. Foi de 149 milhões de pessoas antes da pandemia de COVID-19, para 333 milhões de pessoas em 2023 (em 78 países monitorados pelo Programa Mundial de Alimentos). Os extremos climáticos podem não ser a causa raiz, mas são fatores agravantes, de acordo com o relatório.

PUBLICIDADE

Perdas econômicas mundiais em razão do aquecimento do planeta

O Fórum Econômico Mundial publicou um artigo atualizado em novembro de 2023 onde foi curto e grosso: O pedágio econômico do clima extremo cresceu substancialmente, de acordo com um relatório da Organização Meteorológica Mundial.

custo financeiro do aquecimento global
O fabuloso custo financeiro do aquecimento global registrado aqui por décadas. A última, de 2010 até 2019, saiu pela bagatela de US$ 1,4 bilhão de dólares!

Eventos climáticos extremos e desastres relacionados ao clima causaram perdas econômicas significativas, chegando a quase US $ 1,5 trilhão na década até 2019.

O derradeiro fato que justifica os parabéns à prefeitura de Fortaleza, é que, segundo todas as fontes confiáveis, a que usamos é a The Royal Society, ‘mesmo que as emissões de gases de efeito estufa parassem repentinamente, a temperatura da superfície da Terra exigiria milhares de anos para esfriar e retornar ao nível da era pré-industrial’.

Por isso a decisão da prefeitura de Fortaleza merece aplauso e cópias. São pelos motivos acima expostos que defendemos que a Educação Ambiental seja incluída na Base Nacional Comum Curricular.

Não estamos sozinhos. Em 2021 a UNESCO alertou que a educação tradicional não estava preparando os jovens para  atuarem em um mundo onde as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade são as maiores ameaças à vida humana. O órgão sugere que a Educação Ambiental faça parte do currículo escolar até 2025.

Fortaleza é uma cidade litorânea

O Estado do Ceará tem um litoral imenso com 573 km. E a zona costeira do Estado já enfrenta severos danos ocasionados pela erosão costeira fortificada pelos eventos extremos. Simplesmente, o mar está levando embora o litoral cearense.

Em futuro breve é possível que milhares de cearenses que moram no litoral percam suas moradias, e tenham que ser realocados. Enquanto isso, fica claro que, até a tragédia que aconteceu no Rio Grande do Sul aconteceu por omissão do poder público brasileiro. Em outras palavras, prefeitos, vereadores, governadores, deputados e senadores, além de variados ex-presidentes, não deram pelota aos alertas dos cientistas. Eles anteciparam o que ocorreu no sul desde ao menos 30 anos atrás.

Desse modo, ou treinamos as gerações futuras para respeitarem o Meio Ambiente, e saberem como se portar durante as catástrofes do clima, ou elas sofrerão ainda mais em consequência dos abusos da nossa geração.

Para encerrar, é preciso que as crianças respeitem os oceanos, e conheçam suas possibilidades econômicas também. Pouca gente se dá conta, mas o PIB do mar brasileiro rivaliza com o gerado pelo agronegócio. Um estudo da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio Grande do Sul estimou que os setores da economia dos oceanos representaram 19% do PIB, incluindo  segmentos como petróleo, transporte, pesca, cabos submarinos, lazer e turismo.

Como bem disse  o vice-prefeito Élcio Batista, “a iniciativa de hoje é um primeiro passo, mas fundamental. Não vamos mudar a mentalidade das pessoas de uma hora para outra, então temos que começar com as crianças, marcando presença nas escolas e mostrando a importância da cultura oceânica. É importante que elas tenham consciência dos desafios da sustentabilidade”.

Consequências da transição do El Niño para La Niña

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here