Projeto de apoio ao cavalo-marinho fecha em Pernambuco

4
3625
views

Projeto de apoio ao cavalo-marinho em Pernambuco fecha por falta de apoio

O Ibama reconhece que os cavalos-marinhos estão na lista mundial dos peixes ameaçados de extinção. Mas não toma outra providência além do reconhecimento. No mundo existem 47 espécies diferentes, com 14 deles descobertos nos últimos oito anos, incluindo o cavalo-marinho pigmeu de Pontoh (Hippocampus pontohi), que foi nomeado oficialmente em 2008. Doze espécies estão na lista dos criticamente ameaçados de extinção (IUCN Red List of Threatened Specie). E agora, no Nordeste, um projeto de apoio ao cavalo-marinho fecha por falta de apoio.

imagem de Nativo de Pontal do Maracaípe com cavalo-marinho
Nativo de Pontal do Maracaípe.

Forma estranha, saiba mais

A sua forma estranha e incomum fascina, e confunde, as pessoas. O cavalo marinho é o quê, afinal? Apesar da aparência, trata-se de mais um tipo de peixe. Embora pareçam ser muito diferentes dos outros, eles pertencem à mesma classe de todos os outros peixes ósseos (Actinopterygii), como o salmão ou o atum. Os cavalos marinhos variam em tamanho de 1,5 até 35,5 cm. Eles são nomeados por sua aparência eqüina com pescoços curvados e longas cabeças com focinhos, seguido por seu tronco e cauda distintos. Embora sejam peixes ósseos, eles não têm escamas, mas sim peles finas esticadas sobre uma série de placas ósseas, dispostas em anéis pelo corpo.

Cavalos-marinhos vivem em águas rasas, em regiões tropicais e temperadas. Em geral habitam áreas de gramas marinhas, estuários, recifes de corais ou manguezais. Apesar disso, colônias foram encontradas na Europa, uma delas no estuário do rio Tâmisa. E também em águas mais frias como as da Nova Zelândia, Argentina, ou no leste do Canadá.

Projeto de apoio ao cavalo-marinho em Porto de Galinhas fecha por falta de apoio

A notícia nos chegou através do Diário de Pernambuco de janeiro de 2020.”O projeto Hippocampus, que atua na preservação de cavalo-marinho fechou as portas da unidade localizada em Ipojuca, no Litoral Sul pernambucano. Sem apoio, nem patrocínio fixo, a entidade não tem mais condições de manter os trabalhos de pesquisa. Na última semana, a energia da sede,  na praia de Porto de Galinhas, foi desligada por falta de pagamento. Biólogos temem o fim do monitoramento da espécie que é ameaçada de extinção.”

imagem do pontal de maracaípe
Pontal de Maracaípe.

“A entidade sem fins lucrativos funciona desde o ano de 2001 e o último patrocínio foi concedido pela Petrobrás, que encerrou em 2016…  o local era mantido a partir da venda de ingressos para visitação que custavam R$ 20 e da venda de artesanato. “Só podemos voltar a fazer um trabalho de conservação com apoio. A venda de suvenires e a bilheteria cobrem apenas 40% dos custos. Nesse período de dificuldade adquirimos dívidas, recorremos a empréstimo, mas culminou no fechamento por falta de energia”, lamenta a bióloga e coordenadora do projeto, Rosana Silveira.”

O Mar Sem Fim visitou o projeto Hippocampus

 O Mar Sem Fim visitou o local em Ipojuca, na primeira viagem pela costa brasileira, entre 2005 – 2007. Causou forte impressão o grande adensamento da região costeira, e a ocupação desordenada. Na ocasião, comentamos que “o turismo, que poderia ser uma solução para as populações nativas do litoral, já que a pesca apresenta um declínio irreversível, acabou resultando no desaparecimento de 80% da população de cavalos-marinhos de Maracaípe.”

imagem de Turista observando cavalo-marinho em Maracaípe.
Turista observa cavalo-marinho em Maracaípe.

E falamos de sobressaltos daquela mesma viagem em relação aos cavalos-marinhos: “A outra surpresa que este site encontrou foi a visita ao mercado Ver-o-peso, em Belém. Ali estão à venda pencas de cavalos-marinhos secos. Além de vários outros animais, como cobras por exemplo. E não há fiscalização. Os cavalos-marinhos secos são vendidos como amuletos, ou afrodisíacos, conforme a crença do freguês.”

Imagem de Porto de Galinhas
Porto de Galinhas em 2006.

Agora aconteceu o pior: um dos poucos centros do litoral que cuidava para que a espécie se mantivesse viva, o projeto Hippocampus, fechou. Até o site do projeto desapareceu da internet.  Será o fim dos cavalos-marinhos de Maracaípe?

‘Energia de um bar vizinho’

Segundo o Diário de Pernambuco, “O espaço que era aberto à visitação de estudantes e pesquisadores tinha 35 aquários em exposição com cerca de 60 peixes de diferentes espécies, além do cavalo-marinho. A oxigenação dos aquários está sendo mantida com a energia de um bar vizinho ao Hippocampus. “O compressor de ar foi ligado por solidariedade, mas os aquários estão no escuro e sem luz os animais não conseguem se alimentar. Protocolei um pedido na Secretaria de Meio Ambiente de Ipojuca, mas ainda não temos nada de concreto. Estamos tentando levar essa problemática adiante com divulgação e espero que empresas parceiras, que tenham responsabilidade sócio-ambiental nos procurem para que o projeto possa reabrir”, comenta a bióloga.”

Realizações do projeto Hippocampus

Segundo o jornal, “Uma das principais iniciativas realizadas pelo Hippocampus é o acompanhamento da população de cavalos-marinhos existente no Pontal de Maracaípe, onde acontecem passeios de catamarã. A preservação é acompanhada pelo Ministério Público através de relatórios enviados por biólogos do projeto que informam o estado de conservação desses animais naquela localidade…Para arrecadar fundos, a instituição promove uma vaquinha online com alvo de R$ 40 mil. Até agora que escrevemos este post, apenas 10 pessoas contribuíram chegando ao valor de R$ 480. As doações também podem ser feitas para a conta da instituição: Instituto Hippocampus – Banco do Brasil; Agência: 2138-5; Conta Corrente: 50716-4; CNPJ: 04.534.382/0001-94.”

Fonte: https://www.diariodepernambuco.com.br/noticia/vidaurbana/2020/01/projeto-de-preservacao-de-cavalo-marinho-fecha-por-falta-de-apoio-em-p.html?fbclid=IwAR0GgAuLn0Zarhj8Bgd-fPpHD1XGEHXEiYNhIIsmQakD1NR-lVX8bLFF8Vk.

Novas espécies de peixes-elétricos descobertas em 2019

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

4 COMENTÁRIOS

  1. Vendam pernambucanos de Maracaipe secos ao invés de hippocampus. Será um amuleto bem poderoso que trará os cavalos marinhos de volta.
    Que atrocidade venderem os hippocampus secos. Maldade que somente os pobres de corpo e espírito conseguem produzir.

  2. Sinceramente, uma das coisas mais deprimentes que já vi numa viagem de férias foi aquele passeio em que os turistas vão ver os cavalos marinhos em Porto de Galinhas. Um guia local mergulha, prende o bicho num vidro e sobe com ele pra mostrar aos turistas. Isso não pode dar certo. O próprio guia reclamou, e isso já faz tempo, que estava ficando cada vez mais difícil de encontrá-los.

  3. Cesar Tiossi, vc tem que ser muito cínico para responsabilizar o Greenpeace em vez do desgoverno que você apoia e que quer destruir e desmontar justamente ações como essa. E não existe óleo de peroba suficiente para esfregar na cara de quem diz que o SOS Mata Atlântica quer *destruir* a Mata Atlântica. Essa horda bolsonarista é doente, vil, maléfica, daninha e mentirosa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here