A saga do navio oceanográfico Prof. W. Besnard terá final feliz

9
2260
views

A saga do navio oceanográfico Prof. W. Besnard terá final feliz

Ele é um ícone da oceanografia brasileira. Em  agosto de 1966 o casco foi lançado ao mar. O primeiro navio Oceanográfico da Universidade de São Paulo, Prof. W. Besnard, recebeu este nome em 1967, em homenagem ao primeiro diretor do Instituto da USP que, desde 1958, trabalhava para que a universidade tivesse o seu próprio navio. Besnard indicou um grupo de trabalho presidido pelo professor islandês Ingvar Emílsson, na época chefe da seção de Oceanografia Física. O projeto é do Escritório Técnico de Construção Naval da Escola Politécnica da USP, sob a supervisão do Almirante Yapery. O navio chegou ao Brasil em agosto de 1967. Navegou mais de 3.000 dias, e durante os primeiros 23 anos navegou sem interrupções! Foram centenas de viagens científicas. Só de Antártica ele acumula seis. Agora, e só agora, o navio terá o que merece: um museu para chamar de seu.

O navio oceanográfico Prof. W. Besnard.
O Besnard no início dos anos 2000 ainda em boas condições. Acervo MSF.

Depois de uma brilhante campanha o Prof. W. Besnard quase foi ao fundo

Entre o seu legado está a primeira expedição polar brasileira. Ao todo, o navio fez mais de 150 viagens!, elas encheram as páginas de 68 diários de bordo para contar a história, e trouxeram cerca de 50 mil amostras de organismos marinhos, alguns não catalogados até hoje.

Porém, numa tarde de novembro de 2008 um pequeno incêndio irrompeu num dos camarotes do Besnard, então fundeado na Baía de Guanabara. Não houve vítimas, e os próprios tripulantes controlaram a situação. Mas o incêndio pôs o ponto final em sua carreira.

Abandonaram o Besnard, depois, em 2016, anunciaram sua aposentadoria, o navio foi descomissionado. Trazido para o porto de Santos, ficou atracado no cais da USP apodrecendo, ao custo de R$ 25 mil reais por mês. Segundo o Ibama, ele esteve ameaçado de afundar durante este período. Diga-se, a propósito, um período bem longo: Até hoje o Besnard permanece no Porto de Santos.

Segundo consta, o pessoal da USP chegou até a oferecer o navio para o Uruguai. Uma comissão daquele país esteve em Santos para ver as condições do Besnard, mas acabou por desistir dado os custos de reconstrução.

O que fazer com o navio: transformá-lo em museu ou recifes artificiais?

Em 2019, este site publicou um post onde comentava rapidamente aspectos da carreira do Bernard, ao mesmo tempo em que repercutíamos as opções que estavam na mesa: transformá-lo em museu flutuante, ou afundá-lo para que se tornasse mais um recife artificial?

PUBLICIDADE

Para nossa surpresa, a matéria provocou uma catarse no público. Até hoje este post é o nosso ‘campeão’ em comentários, somando 78 participações de leitores. Alguns são ex-marinheiros do navio, outros, filhos de marinheiros, além de pesquisadores, e interessados pela náutica.

A maioria era favorável ao museu já que o Besnard é parte de nossa história. Mas, vamos por partes.

Instituto do Mar e um museu, ou Ilhabela e mais um recife artificial?

Em julho de 2020, o navio estava adernado e em situação de abandono com ferrugem exposta, imundo e cheio de limo, e equipamentos de comando há muito roubados. Por sua notoriedade, e a precária situação, a grande mídia repercutiu o caso.  Jornais e TVs mostraram o estado de penúria do Prof. W. Besnard. No início daquele mês o Santos Port Authority (SPA) e o Ibama fizeram uma vistoria e tiveram que montar uma rápida operação de salvatagem.

A notícia impressionou muita gente, em especial o advogado e amante da náutica, Fernando Liberalli que fundou uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), o Instituto do Mar, para lutar pelo navio.

Na mesma época em que o Ibama disse que o navio corria risco de afundar, Fernando visitou o Besnard e fotografou vários ambientes como a Casa de Máquinas, o passadiço, a sala de oficiais, etc. Você pode ver as fotos neste link. Elas mostram que, afinal, o Bernard não estava tão ruim assim. Ele, definitivamente, não corria risco de afundar apesar do estado de abandono.

navio oceanográfico Prof. W. Besnard.
Foto feita entre 2019, ou 2020, mostra as precárias condições da embarcação.

Professores da USP torcendo pelo museu

Enquanto isso, Liberalli percebeu que alguns professores da USP também torciam pelo museu, assim, decidiu conversar com o diretor do Instituto Oceanográfico da USP, na época, Frederico Brandini, quando pediu que a universidade cedesse o navio para a OSCIP transformá-lo em museu.

Segundo Liberalli, Brandini sugeriu uma licitação e informou que, pelo estatuto da USP, não poderia doar se não para alguma instituição. Liberalli, então, contou da criação da OSCIP.

Dias depois, pesquisando na internet  Liberalli deu com a notícia de que o Besnard tinha sido doado para a cidade de Ilhabela, onde seria afundado. Liberalli cobrou Brandini que teria dito que o ‘problema saiu de minha alçada, agora só com o reitor’.

PUBLICIDADE

Conversando com o reitor da USP

Enquanto alguns defendiam que o navio fosse afundado em Ilhabela, Liberalli defendia a proposta de restaurar o navio para transformá-lo em museu, com espaço interno passível de ser usado por professores primários e seus alunos, além do público em geral.

Navio ocanográfico Prof. W. Besnard em 2024
Foto de Fernando Liberalli, em maio de 2024, mostra que aos poucos o Besnard vai resgatando sua dignidade. Sem ajuda, até agora, de quem quer que seja, Libaralli está realizando seu sonho e nos dando este formidável presente: o primeiro navio-museu do País.

Finalmente, em março de 2016, Liberalli escreveu para o reitor da USP, Marco Antônio Zago.

“Com admiração e respeito me dirijo ao senhor para pedir encarecidamente que não permita o aniquilamento do antigo navio de pesquisa oceanográfica desta Universidade de São Paulo, em prol da preservação da história e fomento cultura”, era um dos trechos.

“Expliquei (na reunião com Brandini) que a minha intenção era de desonerar a USP e assumir legalmente a responsabilidade sobre a manutenção do N/Oc. Prof. Besnard como organização da sociedade civil de interesse público…Na ocasião fui aconselhado a aguardar o edital de licitação pública…”

Parque Valongo
O ideia do Parque Valongo serviu como uma luva para o Besnard. Desenho da prefeitura de Santos.

E depois de contar a saga pela qual passou em Santos para conseguir um local para o navio, Liberalli informa o reitor que “só me restou o pedido de análise pelo Condephaat para o devido tombamento…”

Ao final,  despediu-se: “Aguardo ansiosamente a decisão que beneficiará maior número de pessoas, elevará ainda mais o conceito da USP na pessoa do ilustre reitor, Marco Antônio Zago”.

Ministério Público e Condephaat entram na disputa

Mas, enquanto a conversa se estendia, sempre de acordo com Fernando Liberalli, o prefeito de Ilhabela alardeava que iria afundá-lo. Pelo sim, pelo não, Liberalli acionou o Ministério Público contra a decisão de doação da USP.

PUBLICIDADE

Numa última tentativa de salvar o Besnard, ocorreu a Liberalli acionar o Condephaat – Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico Arqueológico, Artístico e Turístico – pedindo o tombamento do Besnard.

Condephaat tombou o Besnard: Patrimônio Cultural do Estado de São Paulo

E ele conseguiu, O processo para reconhecer o Besnard como Patrimônio Cultural do Estado de São Paulo foi aberto em 30 de agosto de 2018. E não demorou para o conselho do órgão reconhecer a importância da embarcação pioneira, pouco tempo depois saiu a chancela que mudaria seu destino.

Em seguida, aconteceu uma reunião na Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, no Condephaat, com a presença, entre outros, de Liberalli e do secretário de turismo de Ilhabela, então sob a administração do prefeito Marcio Tenório, cassado logo depois, em 2019.

Neste encontro o representante de Ilhabela, ao saber do reconhecimento pelo Condephaat, desistiu do navio que não poderia mais ser afundado. Depois que Tenório foi cassado, assumiu a vice-prefeita Gracinha que cumpriu o prometido: Ilhabela doou o Besnard ao Instituto do Mar, o garboso navio merecia um fim mais digno do que alimentar peixes debaixo d’água.

A CODESP e a COVID no caminho do Besnard

Animado com o tombamento, Fernando Liberalli esteve na CODESP para pedir ajuda financeira para a necessária reforma. Segundo ele, o diretor Casemiro Tércio  Carvalho gostara da ideia.

desenho parque do Valongo
Um desenho da prefeitura mostra aspectos do Parque do Valongo que terá o Prof. Besnard como atração. Prefeitura de Santos.

A CODESP tinha uma multa ambiental de 2,5 milhões. Então, o MP aprovou um TAC – Termo de Ajuste de Conduta,  para que este valor fosse aplicado na preparação do navio-museu. Liberalli ficou eufórico. Com este montante o Besnard ficaria tinindo de novo para receber seus primeiros visitantes.

Mas havia uma pedra no caminho. Esta pedra foi a COVID. Tão logo a epidemia começou a crescer, o dinheiro que iria para o navio acabou  aplicado na saúde pública.

PUBLICIDADE

Sobraram cerca de RS 400 mil reais administrados pelo MP. Segundo Liberalli, a imensa burocracia tupiniquim ainda não permitiu que o dinheiro chegasse ao navio. Contudo, a sorte ajudou quando a prefeitura de Santos decidiu-se pela revitalização da área portuária de Santos.

Parque do Valongo com sua maior atração, o Prof. Besnard, será inaugurado em 30 de julho

Em 2023, a prefeitura de Santos iniciou um projeto de revitalização nas áreas dos armazéns 4, 5 e 6 do porto de Santos. Esse projeto representa o maior empreendimento de revitalização da área portuária da cidade e foi concebido como um espaço dedicado ao lazer e turismo.

Parque do Valongo
Veja onde o Parque do Valongo está sendo construído. Note, à esquerda, o Prof. W. Besnard. Ou seja, se o navio não vai ao museu, o museu vai ao navio. Imagem Prefeitura de Santos.

O Parque Valongo visa revitalizar essa importante região histórica. A transferência da área portuária, que antes pertencia ao governo federal, para a Administração Municipal marca um evento histórico que tornou possível a concretização desse projeto, cujo carro-chefe será o navio Prof. W. Besnard. A prefeitura espera entregar a primeira fase do projeto até 30 de julho.

Segundo a prefeitura de Santos, o Parque Valongo terá um flutuante para recepção de turistas, que será também um pontapé para um roteiro de transporte público municipal hidroviário no futuro.

Rogério Santos, prefeito da cidade, disse que “a ideia é trazer os turistas de praia através das escunas e barcos, saindo da Ponta da Praia, navegando pelo Porto, com chegada ao Parque Valongo. Você traz o visitante para turismo cultural, histórico, arquitetônico e também para os festivais que temos na região central”.

E, em meio a todas estas atrações, estará a maior delas, o protagonista da primeira expedição polar brasileira, ou o primeiro navio Oceanográfico da USP, o Prof. W. Besnard.

Contribua se quiser, ajude se puder

Agora Fernando Liberalli, ao mesmo tempo em que toca aos poucos as muitas reformas, conversa com possíveis patrocinadores, e/ou, apoiadores (pessoas físicas) que queriam fazer uma doação, é preciso reconstruir o navio por dentro.

PUBLICIDADE

Uma OCIP – Organização da Sociedade Civil de Interesse Público – tem certas vantagens na hora de receber doações justamente por ser de ‘interesse público’. A OSCIP está prevista no ordenamento jurídico brasileiro como forma de facilitar parcerias e convênios com todos os níveis de governo e órgãos públicos (federal, estadual e municipal) e permite que doações realizadas por empresas possam ser descontadas no imposto de renda.

Um pouco de sonho não faz mal a ninguém

Agora, para você que ama a história náutica brasileira e cultiva nossos bens culturais, vamos assumir que conseguimos o dinheiro. Imagine então este navio reformado por dentro, com seus 68 diários de bordo digitalizados e acessíveis ao público; um navio que contaria sua história através de fotos de suas múltiplas viagens, com pequenas explicações ao lado.

Para isto é preciso dar um banho de tecnologia no Besnard. Ele precisará de todos os equipamentos modernos que os museus têm, por exemplo, mesas ou telas interativas que serão usadas para criar ambientes inovadores, ou como complemento em mostras tradicionais.

Depoimentos de cientistas, ex-capitães, ex-marinheiros

Hoje é possível criar novas formas de apresentação e usar a tela com tecnologia touchscreen não só para complementar, mas para ser uma nova exposição. Outro uso do equipamento é um mapa interativo. Um mapa com o nome das salas, andares do navio, equipamentos, etc, para que isso ajude o visitante a entender onde está.

Há muito o que fazer, e muitas ideias a discutir, mas adianto mais algumas, afinal, sonhar é de graça. O Prof. W. Besnard poderia ainda, se houver recursos para tanto, gravar e disponibilizar pequenos depoimentos de cientistas, ex-capitães, ex-marinheiros, etc, sobre suas viagens.

E por que não uma sala aulas dedicada a crianças? Elas aprenderiam sobre a importância da Antártica como refrigerador do mundo, o aquecimento global que a ameaça, a tradição náutica brasileira que começou com nossos antepassados, os melhores marinheiros de sua época, os lusitanos e sua saga ultramarina. E mais: aprenderiam porque e como a Escola Politécnica da USP projetou o Besnard que navegou os piores mares do mundo, numa época ainda sem a tecnologia atual, e jamais sofreu um grave acidente?

Todos ganhariam, a USP, a ciência nacional, a ciência e a tradição naval, a cultura, etc.

Por enquanto o Instituto do Mar pode ser encontrado no Instagram em @institutodomar e, no FaceBook, neste link.

Assista ao vídeo do IO-USP e saiba mais

Vikindio 1 e 2 (1967) - Série: Expedições oceanográficas do N/Oc. Prof. W. Besnard do IOUSP

Grécia proibirá pesca arrasto de fundo em áreas marinhas protegidas

Comentários

9 COMENTÁRIOS

  1. Que bela reportagem, João!
    Estando na segunda graduação na USP, fico muito feliz como parte da comunidade, em ver a memória sendo respeitada! Ainda mais a memória de tantas contribuições pioneiras para a nossa oceanografia e ciências em geral.
    Todo esse trabalho do Liberalli (e de outros guerreiros) afirma também a força e efetividade da sociedade civil quando se organiza para defender patrimônios (seja os entes históricos ou o acervo ambiental) de alcaides de visão estreita… estreitíssima…
    Mas como diz o poeta: “eles passarão, nós passarinho”.

    Abraço e, mais uma vez, parabéns por contribuir tanto com esse blog e a tua luta

  2. Vendo os comentários desconheço atuação dessa petrocenter haja vista que o legítimo proprietário da embarcação e o IMAR Instituto do Mar…na pessoa de Fernando Liberalli….

    • Bom dia colega Caselato!

      O que a atuação da Petrocenter tem em relação com a legitimidade do IMAR? Ambas as coisas são possíveis dentro do mesmo universo.

      A Petrocenter está prestando um serviço para o IMAR. Se quer conhecer a atuação dela e de seus colaboradores, recomendo que vá ao navio. Tenho certeza de que não irá se aborrecer.

  3. Uma lástima não haver qualquer a Petrocenter. Se esse navio está bonito nas fotos, é por conta dessa empresa. Ela que vem trabalhando há mais de 100 dias cuidando do navio, sob um contrato, vale mencionar.

    O artigo é excelente, bonito e bem escrito, mas tem esse furo. Por algum acaso o autor visitou a embarcação?

    • Caro Hugo: Eu estive com o Fernando Liberalli que me contou as novidades de modo que eu pudesse reconstituir a saga deste navio nos últimos anos. Fernando citou o trabalho da PETROCENTER, assim como o de inúmeros colaboradores que teve nestes últimos anos em que está envolvido no ‘salvamento’o Besnard. Agora, quando chegou a primeira mensagem do Sr. Anônimo, consultei-o novamente. A resposta foi:”João, estou há oito anos nessa luta, já vi esse navio lavado inúmeras vezes por diversos colaboradores. O pessoal da Petrocenter chegou há exatos três meses, merecem meu respeito e agradecimento”. Como isso espero ter respondido tanto a você, como ao Anônimo. Não vamos nos exaltar, concentremos o foco em salvar o Besnard. Grande abraço

      • Bom dia nobre João Lara, como vai?

        Muito bom ter uma resposta do autor em tempo recorde.

        Sigo recomendando sua visita ao navio e aos colegas que estão lá dia após dia. Você constatará que não se trata apenas de uma lavagem. Não obstante, esses mesmos colaboradores já solucionaram um punhado de situações cabeludas com a Guarda Portuária, Autoridade Portuária, CODESP, Prefeitura de Santos e outras entidades de peso no porto de Santos.

        Eu ainda mantenho minha opinião firme: a matéria faz um ótimo trabalho para a sociedade, com todos os fatos apresentados. No entanto, existe a ausência de conteúdo sobre a atualidade, sobre o estado atual.

        Um bom fim de semana e continue com o excelente trabalho!

        • Pelo termo “cabeludo” me refiro ao uso moderno da palavra, contemporâneo. Sendo: dificuldades diversas, de diferentes graus e impactos no objeto.

          Não no sentido ‘antigo’ do termo, seja ele qual for. Sou da geração Z gente, calma lá!

  4. Nenhuma menção da Petrocenter? A empresa que tem, há mais de 100 dias, estado a frente de TODAS as reformas, limpezas e restauros do navio? Isso sem receber absolutamente nada em troca. A empresa praticamente assumiu o navio. Se ele está limpo e pintado, como nas fotos recentes do Valongo, é graças a essa empresa e seus funcionários.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here