Vikings, grandes navegadores da história, e o Drakkar

6
4674
views

Vikings, grandes navegadores da história, e o Drakkar

Para se lançarem ao mar, descobrirem novas terras e aterrorizarem as já existentes, os vikings conseguiram um tremendo avanço na engenharia náutica de seu tempo. Como outros povos dominantes, antes de qualquer ousadia era preciso descobrir um meio seguro, mais avançado, para então se lançar ao mar. Este ‘meio’ dos vikings foi o drakkar, o mais famoso navio de guerra que construíram.

ilustração do drakkar o mais famoso navio de guerra dos vikings
O Drakkar, terror dos mares (Ilustração: pinterest)

Atualizado

O Drakkar a ‘máquina’ de guerra dos Vikings

Ele surgiu no século 9. Tinha um comprimento médio de 28 m. Largura, 3m. Velocidade de até 12 nós (22 Km), excelente para a época e os mares do Norte, tempestuosos, em que navegavam. Em média tinham 32 remos, 16 de cada lado, além da vela. O drakkar tinha pouco calado o que permitia que entrasse por rios bem rasos, ou encalhasse facilmente nas praias. Eram feitos de toras de carvalho e podiam levar até 40 tripulantes. Seu nome deriva das cabeças de dragão esculpidas em madeira, colocadas na proa da embarcação para aterrorizar os inimigos. Não foram os primeiros a usar a artimanha. Os fenícios já o faziam desde antes de Cristo. Com eles, se expandiram da Groenlândia até o Mar Negro.

Desenho de barco dos vikings, o drakkar
Ilustração: Pinterest

Outros navios Vikings

Segundo     Evan Hadingham, “a experiência viking em construção naval logo levou à evolução de outros tipos de navios. Entre estes, havia o navio de carregamento oceânico, Knarr, que facilitava redes comerciais distantes e a colonização da Islândia,  Groenlândia e  América. O knarr  era maior e mais largo em relação ao comprimento e tinha apenas um número limitado de remos para ajudar com manobras em canais estreitos.”

ilustração do barco viking kmart
O Knarr (Ilustração: https://arstechnica.com)

Barcos anteriores à época Viking

Alguns registros históricos mostram como eram os barcos anteriores aos dos Vikings, e já relativamente parecidos. A proa dupla era uma das características que se manteve como prova ao relevo encontrado na ilha sueca de Gotland, do século 8.

imagem de barco esculpido em pedra na ilha Gotland

Os avanços Vikings na construção naval

Segundo a historiadora Sylvette Lemagnen, “os carvalhos eram derrubados a machadadas e transformados em tábuas aparadas.Os carpinteiros montavam primeiro a popa e a proa, e só depois as laterais, de modo que cada uma ficasse encavalada sobre a parte superior da borda precedente, sendo fixadas com rebites de ferro, e os intervalos preenchidos com estopa, resina, ou linóleo (o que hoje é conhecido como calafeto). A técnica é conhecida como escamas de peixes (no Brasil usa-se o termo ‘casco trincado’).  O leme lateral não passava de uma ripa de madeira fixada por um eixo na parte traseira do lado direito do navio, o mastro, fincado numa sólida viga no fundo da embarcação. Usavam uma única vela, fosse quadrada, fosse triangular, pendia de uma grande verga, perpendicular ao mastro, ela era controlada à mão pelo homem que também manobrava o leme.”

A técnica ‘escama de peixes’

Conhecida no Brasil como ‘casco trincado’ de tão boa deixou descendentes. Os baleeiros usados na caça aos cetáceos, muitos séculos depois,  são uma das provas: baleeiros usavam a mesma técnica de construção, e tinham proa dupla. No Brasil alguns deles resistiram ao tempo e ainda podem ser vistos na região de Santa Catarina, por exemplo (herança das escalas que os baleeiros do hemisfério Norte deixaram nestas plagas) .

imagem de baleeiro
Baleeiro de Santa Catarina, herança dos baleeiros ingleses e norte- americanos que, por sua vez, são descendentes da técnica ‘escama de peixes’

Quem eram, onde habitavam os Vikings?

Em geral camponeses,  artesãos, metalúrgicos, ourives,  que durante os meses de verão participavam de explorações, algumas delas, guerreiras. Há quem diga que “eram muito mais sofisticados do que a caricatura que seus inimigos fizeram deles.”

Eram distribuídos no que se convencionou chamar de ‘terras Vikings’: Dinamarca, Noruega e Suécia, que não eram unidades políticas distintas e bem definidas durante o período Viking. O que hoje conhecemos por Escandinávia era onde eles moravam. A geografia local ajudou a torná-los, assim como aos nautas portugueses, um ‘povo do mar’. Seu pedaço de terra era cercado pelo mar: o Atlântico e o Mar do Norte, a oeste; o Báltico e o Golfo da Bótnia, a leste.

mapa mundi mostrando a Escandinávia

Eram muito mais sofisticados…

“Em 1066, seus descendentes normandos subiram ao trono da Inglaterra, estendendo os reinos nórdicos do Báltico ao Canal da Mancha. Navegantes audazes inventaram o barco mais eficiente da Idade Média, o ‘longboat‘ ou ‘barco longo’ em referência à sua forma longa e estreita, verdadeira obra-prima da engenharia náutica. Com eles viajam até a América, onde chegaram quase 500 anos antes de Colombo; e ao Oriente Médio, fazendo comércio ou pirataria.”

imagem de barcos dos vikings reconstruído e navegando
O Drakkar reconstruído (foto:http://www.dailymail.co.uk/)

As rotas Vikings no Mar do Norte e adjacências, sempre atrás de bacalhaus

Entre as muitas ‘grandes sacadas’ dos Vikings, está a escolha de suas rotas, afinal, um dos problemas nas grandes viagens era a comida. Como mantê-la fresca, onde armazená-la? Não caberia tudo nos barcos, seria impossível. Mas eles descobriram as rotas de migração de um peixe, e navegavam sempre em cima dos vastos cardumes do ‘peixe que mudou o mundo‘.

A nova teoria sobre a navegação Viking

O New York Times publicou matéria interessante em abril de 2018. Abre-se uma nova teoria sobre a navegação de longo curso dos vikings. O texto diz que “os vikings não tinham bússolas magnéticas e não tinham como se livrar de grandes extensões de nuvens pesadas ou neblina que dificultavam a navegação pelo sol. A maneira como os exploradores atravessaram o mar aberto durante esses tempos é um mistério que há muito cativa estudiosos.

A nova hipótese para a navegação

As sagas nórdicas referem-se a um  “sunstone” (pedra de sol, em tradução livre) que tinha propriedades especiais quando apontadas para o céu. Em 1967, um arqueólogo dinamarquês, Thorkild Ramskou, propôs que estes cristais revelavam padrões distintos da luz no céu, causados ​​pela polarização que existe mesmo em tempo nublado ou quando o sol se põe abaixo do horizonte.” O jornal diz que nenhum destes cristais foi achado em sítios vikings mas,  “um cristal de calcita foi descoberto no naufrágio de um navio de guerra britânico a partir de 1500, indicando que poderia ter sido uma ferramenta conhecida por navegadores oceânicos avançados.”

Navegando com cristais

“Um estudo publicado na Royal Society Open Science avança essa ideia, sugerindo que os vikings tinham uma grande chance de chegar a um destino como a Groenlândia em dias nublados ou de neblina se usassem pedras do sol e as verificassem pelo menos a cada três horas. Em 2014, um grupo de pesquisadores da Universidade Eötvös Loránd, na Hungria, insinuou que um artefato medieval chamado disco Uunartoq fazia parte de uma bússola solar que os Vikings usavam em conjunção com os sunstones.”  Dr. Horváth, um dos pesquisadores explicou que…

…Os vikings podem ter calibrado cristais em dias de sol, e então os usaram para navegar em dias cinzentos

A prova ainda está por vir…

Para tirarem a dúvida uma viagem está prevista: “os pesquisadores pretendem fazer uma viagem de ida e volta entre a Noruega e a Groenlândia, navegada pela bússola solar e pelos solários.” Enquanto a prova não vem, ficamos com a rota dos bacalhaus como opção…

O comércio Viking

“Eles tinham âmbar, marfim de morsa e peles que trocavam com outros povos por seda, vidro, aço para espadas, prata bruta e cunhada que derretiam e usavam em trabalhos de ourivesaria.”

As expedições guerreiras – do Canadá ao Iraque

“Chefes escandinavos (Jarls), ricos o bastante para construir grandes barcos, recrutavam os fazendeiros para saquear a costa próxima. Eles chamavam essa prática de ‘viking’, que significa ‘pirataria’.

“Seus ataques espalharam terror por toda a Europa: “Senhor, livrai-nos da fúria dos Homens do Norte! era uma prece comum nas missas do primeiro milênio.”

“Entre os séculos 8 e 9 d.C, estabeleceram um circuito de relações comerciais, de conquistas e de colonização que ia desde onde hoje é o Iraque até o Canadá. Durante estes três séculos, exploradores da região correspondente à atual Suécia cruzaram o continente europeu pelos rios russos (fundaram o primeiro Estado russo cuja capital era Kiev) e chegaram até a Ásia.

ilustração de ataque dos vikings a Paris
Ilustração do ataque a Paris, 1884, autor desconhecido.

Atacaram e saquearam Constantinopla. Atazanaram de tal forma Paris, que o rei Carlos, o simples (911), deu uma faixa de terra na costa noroeste do país ao chefe viking Rollo em troca de proteção. Ela seria conhecida como Normandia.

mapa mundi mostrando as conquistas vikings do Canadá até o Iraque
Da Suécia para o Iraque, um longo caminho…

“Navegadores noruegueses fundaram colônias na América. Saqueadores dinamarqueses conquistaram terras na Europa e Ilhas Britânicas

A Era Viking

“A Era Viking começa convencionalmente com o célebre ataque ao mosteiro de Lindisfarme, Inglaterra, em 793 d.C. A história clássica dos povos nórdicos é dividida em dois momentos:”

imagem do mosteiro de Lindisfarm atacado pelos vikings
O mosteiro de Lindisfarm (Foto: incrivelhistoria.com.br)

“A primeira Era Viking (secs. 9 e 10) teve início com saques e incursões hostis. O auge deste período foi a colonização da Islândia (860), as primeiras incursões no Mediterrâneo (859) e o estabelecimento do principado de Kiev (860).”

Ilustração do desembarque dos vikings no mosteiro de Lindisfarme
Ilustração do desembarque viking (http://www.howitworksdaily.com/wp-content/uploads/2013/04/Raid.jpg)

“A segunda Era Viking (secs. 10 e 11) foi marcada pela conversão definitiva da Islândia para o cristianismo (1000) e a batalha de Hastings (1066), tornando-se os principais marcos do desfecho da Era Viking.”

imagem da batalha de Hastings (1066)
“Cavaleiros e arqueiros normandos são retratados na Tapeçaria de Bayeux, enorme peça produzida no século XI para louvar a vitória de Guilherme sobre os anglo-saxões” (wikicomuns)

Há quem a considere “decisiva para a história inglesa, batalha de Hastings significou ‘normandização’ à força da Inglaterra.” Segundo a mesma fonte, “a batalha de Hastings  foi pivô da Guerra dos Cem Anos, batalha travada na ladeira de uma colina que mudou a geopolítica do continente e impôs derrota anglo-saxônica pelas mãos das tropas normandas de Guilherme, o Bastardo (descendente do chefe viking Rollo) — tornando-se Guilherme I, o Conquistador.”

imagem do Barco de Gokstad
O Barco de Gokstad, encontrado em 1879 na cidade de Sandefjord (foto:tolongedecasa)

Assista ao vídeo de uma viagem do Drakkar, da mini série, Vikings:

Fontes:

Entre aspas: baseados em textos de Claudio Balnc, com pesquisas de Livia Fiuza, para O Mundo dos Vikings, ed. On Line; Ron Ellis, para Shutterstok.com; Fábio Onça para Grandes Guerras, edição 4, Haventuras na História, da ed. Abril; e da historiadora Sylvette Lemagenn, para História Viva- A Saga dos Vikings.

Virtuais: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Reconstructed_Viking_longboat_%22Hugin%22.jpg; http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-2648529/Is-ultimate-museum-souvenir-Danish-gift-shop-sells-325-000-replica-Viking-SHIP-sailed-1-000-years-ago.html; https://tolongedecasa.com/2016/12/07/historia-nordica-vikingskipshuset-museu-barco-viking/; http://operamundi.uol.com.br/conteudo/samuel/38495/decisiva+para+a+historia+inglesa+batalha+de+hastings+significou+normandizacao+a+forca+da+inglaterra.shtml.

Jangada, uma das glórias do litoral, terá chegado ao fim?

COMPARTILHAR

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

6 COMENTÁRIOS

  1. O quê teria “gestado” povos tão aventureiros e audaciosos? Seria o clima gelado??? Pode parecer preconceitos mas raramente se viu povos desenvolvidos em climas quentes.

  2. O leme, ao contrário do que se usa hoje, era um remo picotado. Esse termo era chamado STEOR. O lado de pivotamento era sempre o direito, o bordo do leme ou STEOR BORD que deu origem ao termo náutico ESTIBORDO.

    • Obrigado pela colaboração, Eduardo. Esclareço os leitores que Eduardo mandou outro correio informado que, onde se lê ‘picotado’, leia-se pivotado. É isso, abraços e volte sempre!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here