Jangada, uma das glórias do litoral, terá chegado ao fim?

14
6214
views

Jangada, uma das glórias do litoral, terá chegado ao fim?

A jangada é tão onipresente no litoral do Brasil que foi notada logo na primeira vez que um europeu pôs os pés, oficialmente, no país.

Aconteceu no dia 26 de abril de 1500. A frota cabralina  desembarcara em Coroa Vermelha, Bahia, para acompanhar a primeira missa. O que rolou naqueles dias tumultuados foi testemunhado  por um especialista da pena: o escrivão Pero Vaz de Caminha:

…E alguns deles se metiam em almadias…duas ou três que aí tinham…as quais são feitas como as que eu já vi – somente três traves, atadas entre si. E ali se metiam quatro ou cinco, ou esses que queriam, não se afastando quase nada da terra, senão enquanto podiam tomar pé…

Ao empregar o termo árabe ‘almadia’, Caminha descreveu o que conhecemos como Jangada.

imagem de paquetinho navegando
Paquetinho, ou pequenas jangadas ainda em uso nos mares cearenses

Nome original: Peri- peri

Apesar de extremamente tosca na época  da ‘descoberta’ ela, aos poucos, foi aperfeiçoada pelos portugueses deixados aqui, a maior potência marítima da época; não nos esqueçamos que o mar sem fim é português. E por seus descendentes,  os brasileiros nativos da costa do Nordeste. Ao longo do tempo, a peri-peri (segundo o IPHAN,a origem da jangada vem de uma embarcação utilizada pelos índios, denominada peri-peri) recebeu a influência de todos os povos que para cá vieram como africanos e europeus. E, ao longo destes seis séculos, transformou-se no que conhecemos como jangada, um dos barcos mais bem adaptados da costa nordestina. Simples, sofisticado, veloz e eficiente. E barato, pelo menos até o tempo em que existiam as árvores, hoje quase extintas, com as quais eram construídas.

Jangadas, um fenômeno do mar

Um fenômeno de design simples, mas extremamente eficaz. Enfrenta o mar alto com galhardia. É manejada com grande facilidade mesmo sob fortes ventos. E, na volta pra casa, passa por cima dos recifes com facilidade até ser encalhada nas praias.

imagem de jangada na costa do ceará

Nome atual

Com a palavra Luís da Câmara Cascudo: “os portugueses encontraram na Índia uma pequena balsa denominada Janga. Três a quatro paus armados com fibras vegetais ou seguros por madeira em forma de grade. O nome era dravidiano, do tâmil, popularizado pelos malaios. Os portugueses escreveram Janga, Jangá, ou Changgah e Xanga. Jangada, (chamgadam) é a Janga de maior porte, com cinco ou seis paus roliços. Os portugueses encontraram  a jangada nas lutas pelos domínios nas Índias Orientais e divulgaram o vocábulo.”

A jangada no século 16 no Brasil

“Registros da utilização da jangada são encontrados no início do século XVI, onde  eram utilizadas por escravos africanos para pesca na capitania de Pernambuco. O jangadeiro é filho de jangadeiro. Um por mil, não tendo a profissão fixada, escolhe a jangada para viver” (do clássico Jangada: uma pesquisa etnográfica, de Luís da Câmara Cascudo, 1964). Outros autores quinhentistas também citaram e descreveram a jangada, como Jean de Lery, em seu clássico “Viagem à Terra do Brasil.”
imagem de jangada sendo empurrada na praia

A introdução da vela no século 17

Alguns estudiosos atribuem o feito aos holandeses. Cascudo discorda. Em seu clássico já citado, ele desenvolve longa pesquisa em documentos históricos para, ao final, afirmar “…verdade é que descobri jangadas de vela no domínio holandês e somente em 1643. A aplicação da vela é para mim impositivo de mão europeia. E ter-se-ia dado entre a Bahia e Pernambuco. Quando? Fim do século 16 e antes de 1635. Oautor da façanha seria o colonizador português. Ele adotou a vela triangular dos muitos barcos ribeirinhos à jangada pescadora, indispensável para o suprimento (de pescado) de sua casa, engenho ou propriedade.”

A jangada no mundo: “nenhuma outra embarcação é tão antiga”

Luís da Câmara Cascudo: “toda a gente se esquece de informar à Jangada do direito de ter algum orgulho. Nenhuma outra embarcação é tão antiga.” Em seu livro (1964) Cascudo revela a origem histórica da jangada. Ela teria vindo da Índia, ‘mas fixada, com as características atuais e típicas, apenas em praias do Nordeste brasileiro.’ E o autor vai além:  ‘a jangada nordestina, com sua vela triangular, remo de governo e bolina (elementos essenciais na evolução posterior à vinda dos europeus), é uma solução única no mundo igual ao seu tipo não consta em qualquer outro lugar’.

A jangada vista por europeus

desenho de jangada de Henry Koster

Esta foi a visão do inglês Henry Koster. “Filho do comerciante inglês de Liverpool, John Theodore Koster, Henry Koster nasceu em Lisboa, Portugal. Não se sabe ao certo a data do seu nascimento. Mas, ao chegar no Recife, no dia 7 de setembro de 1809, consta que tivesse 25 anos de idade. Considerado um dos mais importantes cronistas sobre o Nordeste brasileiro, Koster viajou para o Brasil em busca de um clima tropical para curar uma tuberculose.”

De volta à Europa, publicou o seu livro Travels in Brazil, em 1816, onde consta esse desenho.
desenho de jangada por Henry Koster

Ameaças à Jangada

Infelizmente o Brasil não toma jeito. “Esse país cujo nascimento teve o mar como placenta e a navegação como cordão umbilical da nacionalidade” (Dennis Radünz Museu Nacional do Mar – Embarcações Brasileiras), permitiu que as várias árvores com que se faziam as jangadas de pau, especialmente a ‘piúba’, ou pau-de jangada, minguassem a ponto de hoje estarem na lista das espécies em extinção. Este óbvio sinal de alerta não foi capaz de gerar novos plantios. São raros os refloretamentos para salvar a árvore. Ao contrário. No Nordeste estão destruindo o que resta delas. E a extinção em alguns Estados vem de longa data.

Em 1941 a piúba, ou pau-de-jangada, já estava extinta no Ceará

Em 1941, quando o pescador Jacaré decidiu navegar do Ceará ao Rio de Janeiro numa jangada para reivindicar melhorias para a categoria, e teve que construir uma delas para a viagem, reclamou que teve que importar a madeira do Pará porque no Ceará ela já estava extinta. A façanha do humilde pescador foi acompanhada por todo o País através  da cadeia dos Diários Associados. Jacaré se tornou um herói, cuja vida Orson Welles tentou contar em película. E sua navegada até a Capital Federal entrou para a história como a saga da jangada São Pedro.

imagem de jangadas em praia

“Mata de pau-de-jangada destruída em Pernambuco”

Foi o que denunciou o site http://oxerecife.com.br em julho de 2017: “moradores de Paulista, PE, denunciaram a devastação de vegetação nativa, integrada por resquícios de Mata Atlântica…”estive na Mata do Janga, naquele município, e fiquei triste demais com o que vi. O que era antes uma área totalmente verde virou um areal da cor do barro. E o mais grave: a mata devastada tinha muitos pés de pau-de-jangada, uma árvore ameaçada de extinção.”

Quais as madeiras da jangada?

São muitas as espécies semelhantes também usadas no litoral do Brasil mas, de acordo com Cascudo (1964), “das 13 espécies citadas, apenas o cajueiro (A. occidentale), o pau-de-jangada (A. tibourbou) e o conduru (B. rubescens) foram semelhantes às espécies utilizadas na construção de jangadas em Fortaleza”.

imagem de jangada em praia do ceará

A decadência da jangada acontece faz tempo…

“A partir da década de 1950 houve um decréscimo no número de jangadas tradicionais existentes no nordeste brasileiro. Uma das hipóteses para a diminuição do seu uso para a atividade pesqueira é a dificuldade de encontrar a matéria-prima (pau-de-balsa, piúba ou pau-de-jangada).”
“Atualmente, pode-se constatar que apenas em alguns lugares, como no sul da Bahia, onde ainda se encontram áreas de mata nativa, encontra-se o pau-de-jangada (Simões & Lino 2003; Santana & Fiamenge 2013).”
imagem de jangada navegando

Quanto tempo dura uma jangada de paus?

Ah, chegamos  na grande questão. Uma jangada de piúba, ou suas congêneres, não dura mais que dois anos. A madeira, especialmente mole, absorve água constantemente tornando seu ‘prazo de validade’ muito curto.

imagem de jangada na praia
A rusticidade é total e, no entanto, ela é perfeita navegando

Há quanto tempo se constroem jangadas com esses tipos de árvores? Cinco séculos! Cinco séculos que transformaram a Mata Atlântica de onde elas vêm. Ao tempo da ‘descoberta’ “a Mata Atlântica abrangia uma área equivalente a 1.315.460 km2 e estendia-se originalmente ao longo de 17 Estados (Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Alagoas, Sergipe, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará e Piauí). Hoje, restam 8,5 % de remanescentes florestais acima de 100 hectares do que existia originalmente. Somados todos os fragmentos de floresta nativa acima de 3 hectares, temos atualmente 12,5% (SOS Mata Atlântica).” Não por outro motivo, o Brasil se tornou escala e estaleiro na época da Carreira das Índias.

Explicado?

As primeiras jangadas de tábuas

“Na obra de Cascudo (1964) é relatado o aparecimento, em 1940, no Rio Grande do Norte, da jangada de tábuas. Esta informação também é relatada por Diegues & Arruda (2001), que afirmam que nas décadas de 1970 e 1980 ocorreu o surgimento das jangadas de tábua, passando a substituir de forma gradativa as jangadas de pau, ou jangada tradicional.”
imagem de jangada navegando

Jangadas com motor? Sim, algumas já têm…

Além da maioria ser de tábuas, a partir do início deste século 21 um estudo feito no sul da Bahia (2013) relata que “a partir dos dados obtidos podemos observar que as adaptações  têm grande parcela na sobrevivência da jangada. O motor introduzido de 4 a 7 anos atrás, por exemplo, demonstra claramente a modernização da embarcação no decorrer do tempo.”

Outros materiais usados para construir as jangadas

Hoje, além das de tábua, existem as que são feitas de tubos de PVC (Arghhh…), fibra de vidro, outros tipos de plástico, etc.

imagem de jangada de plástico

A cota de responsabilidade dos jangadeiros

Eles também contribuíram para o fim da piúba. Ok, são pessoas simples, sem instrução, os nativos da costa mas, ao mesmo tempo, são pessoas acostumadas a lidar com o meio ambiente. Eles vivem do que o meio ambiente lhes dá e, obviamente, geração após geração acompanharam o  fim da piúba. Sabendo que uma jangada dura não mais que dois anos, poderiam ter replantado a árvore, estava dentro de suas possibilidades. Mas este site, que já fez mais de seis viagens pela costa brasileira, de veleiro, carro, e avião, não viu nenhuma ação neste sentido. É… o mito do ‘bom selvagem’ e pretenso respeito à natureza não passa… de mito!

E por que o fim da Jangada entristece?

Porque, assim como os outros barcos tradicionais do Brasil em uso até hoje, são considerados pelo IPHAN um bem cultural. Algumas canoas centenárias foram tombadas pelo órgão. São fruto dessa fantástica miscigenação que aconteceu no Brasil, misturando as primitivas culturas indígenas às africanas e europeias. Estas embarcações são quase um ‘museu flutuante a céu aberto’. E, seja por falta de madeira, seja por falta de peixes, estão fadadas ao desaparecimento completo se não agirmos desde já para proteger nosso patrimônio histórico náutico, um dos mais ricos do mundo. A jangada é um fenômeno brasileiro de simplicidade e navegabilidade. Só por isso jamais devir ser extinta, mas valorizada como o fez em tempos recentes Dorival Caymmi. Pelo menos em suas lindas canções praieiras elas estão eternizadas.

Fonte principal: Jangada- Uma Pesquisa Etnográfica, de Luís da Câmara Cascudo, editora Global.

Fontes secundárias: https://www.ibflorestas.org.br/lista-de-especies-nativas.html; http://oxerecife.com.br/2017/06/08/mata-de-pau-de-jangada-destruida/; https://rodriguesia-seer.jbrj.gov.br/index.php/rodriguesia/article/viewFile/933/pdf_227; http://www.petropolis.rj.gov.br/sma/index.php/mata-atlantica/historia-da-mata-atlantica.html; https://books.google.com.br/books?id=-VQzU5X7Ta0C&pg=PA151&lpg=PA151&dq=%C3%A1rvore+da+pi%C3%BAba&source=bl&ots=biWUGUYlVx&sig=_tl4D7EaavMOOyTOYmfwH6Ss5kw&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwjH9YnQsozYAhUGDJAKHXdrDK0Q6AEINjAF#v=onepage&q&f=false; http://cacamentiras.blogspot.com.br/2013/12/henry-koster-cronista-do-nordeste.html.

Ele teve uma vida fascinante. Foi amigo de de Goethe, colega de Símon Bolivar, guru de Darwin, admirado por Thomas Jeferson; Humboldt influenciou até John Muir, o ‘pai dos parques nacionais’ norte- americanos. E foi o primeiro ambientalista da história.

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

14 COMENTÁRIOS

  1. Quando o João Lara Mesquita vai escrever sobre o óleo “venezuelano” pago pelos petistas e que contaminou o nosso litoral do NE ????? Hem ?????????

  2. Prezado João: Grande artigo! Morei três anos em Fortaleza e curti muito as já então, remanescentes jangadas. Acho a ideia do museu da jangada muito boa. Ao menos assim, manteremos viva a lembrança.

  3. Ela é uma parte da nossa história brasileira que temos um apego, porém é peça de museu, e faltou ter tido uma evolução. Ficou atrasada e só com artificialimos vai se manter viva. A vida sege…

  4. A técnica japonesa shou sugi ban, disponivel no youtube, de queimar superficialmente a madeira faz com que ela dure 100 anos.
    Se aplicar essa tecnica na madeira das jangadas elas durariam muito mais que apenas 2 anos.

  5. Excelente reportagem. É uma pena a depredação do meio-ambiente. Mas a mudança tecnológica, o fim da jangada, é uma realidade histórica. Bem caberia um “Museu da Jangada” no Ceará, não?

    • O governador Lucio Alcantara bem que tentou, inclusive com projeto de Niemayer, entretanto a Prefeita de Fortaleza à época Luisiane Lins, petista por disputa política inviabilizou o projeto isso é fato!

  6. Morei mais de 20 anos em Fortaleza no Ceará, sou velejador, velejei de windsurfe por lá e é incrível a semelhança das duas embarcações em todos os sentidos; engenheiros usaram alta tecnologia para descobrir a eficiência dos mastros curvos que hoje são de fibra de carbono no windsurfe e os jangadeiros já faziam isto há muito tempo. Tive barco de mergulho e convivi muito com jangadeiros e ao se falar do fim deste tipo de atividade tem que se mencionar o fim da pesca artesanal principalmente ocasionado pela excessiva pesca de rede de arrasto muito perto da costa feita pelas grandes empresas de pesca e que acabaram com o habitat dos peixes. Para que fazer jangada se não tem peixe ?? E sem contar o abandono por parte do poder publico a esta classe de trabalhadores, os pescadores artesanais, que quando chegam a parte final da vida, depois de trabalhar pesado durante anos, não tem nada, não tem aposentadoria, não tem apoio nenhum de nenhuma entidade, as colônias de pescadores são uma maquina de roubar dinheiro destes pobres trabalhadores, enfim, acabam abandonados e na amargura. E os filhos deles que assistem tudo isto de camarote ??? a maioria dos meus funcionários e marinheiros eram filhos de pescadores, se eles não estivessem trabalhando comigo ou um outro, estavam vendendo drogas pois é a uma das poucas oportunidades que sobra para eles. Ser pescador ??? Eles não querem morrer feito seus pais …

    • Pois é, Marcelo, a vida dos nativos do litoral é dramática mesmo. Sou um admirador deles, e cúmplice também. Em todos os documentários que fiz sempre levanto a bola deste pessoal, ‘os brasileiros mais esquecidos pelo poder público’, ‘para os quais não há nenhuma política pública’.
      Mas, quanto ao sumiço dos peixes e crustáceos, assim como a piúba, eles também tem culpa no cartório. A culpa não é somente ‘das grandes empresas de pesca’. Veja os links que coloquei na matéria, e que levam a outras mostrando as práticas nocivas usadas pelos nativos. Visitei todas as 19 resex da costa brasileira fazendo documentários para a TV e pude ver que, no desespero, os nativos não respeitam os defessos, os tamanhos mínimos, nem as regras de pesca. Usam redes menores que as permitidas, fecham bocas de rios, mergulham e catam lagostas com menos de 13 cm e por aí vai. Eles também deixaram acabar com a piúba ou pau-de-jangada. Apesar disso, concordo com vc que são vítimas do sistema. Recebem uma mixaria pelo que pescam. Quem ganha são os atravessadores. E sobre as drogas, elas já entraram nas colônias mais remotas. Nas dos litorais do Pará e do Amapá o crack dominou. É uma judiação. Com eles vai embora uma parte de nossa história náutica. Luto para que isso não aconteça mas considero uma tarefa muito difícil, quase impossível. É isso, grande abraço e volte sempre.

      • Concordo com vc, mesmo os pescadores artesanais não cumpriram as regras básicas de preservação para sobreviver muitas vezes pelo aumento da concorrência ou alguns até pela “esperteza” e não percebem que estão matando a si próprios. Parabéns a você João pelo trabalho que tem feito principalmente informando a todos sobre a realidade da costa brasileira e na tentativa da mudança para melhorar a conscientização dos brasileiros no sentido de como preservar o Brasil. Aliás, é o que mais falta nos brasileiros, “conscientização” , em todos os sentidos, colocar camiseta com frases bonitas ou colocar adesivos nos carros é fácil, mas se conscientizar do que esta errado e mudar a própria atitude é mais trabalhoso, mas ainda bem que existem pessoas e grupos como vc que trabalham neste sentido, Parabéns e boa sorte !!

        • Olá, Marcelo, obrigado pelo correio. Pois é, esses pessoal(pescadores artesanais), e o do turismo, não percebem que estão se matando ao destruírem a paisagem (caso dos famigerados resorts do Nordeste, a grande maioria destruindo a paisagem, entre outros pepinos), ou acabando com a vida marinha e o material essencial à sua sobrevivência. Caso dos jangadeiros. Me espanta o pessoal do Ibama, ICMBio, e até as pessoas mais instruídas do Nordeste, não tomarem nenhuma providência. Afinal, a jangada é parte da história daquela região do país. Contribuiu muito, e ainda contribui, para o turismo que, se bem feito, gira a economia local, gera empregos, etc. Maas como vc mesmo diz, o que mais falta é conscientização e um pouco menos de egoísmo. Muito obrigado pelo correio e volte sempre!

  7. Plenamente de acordo. Temos que preservar nossa história náutica com o maior acervo de barcos do mundo em todo o nosso litoral. A madeira é a base desta cultura e, portanto, tem de ser preservada assim como a tradição dos mestres carpinteiros que fazem os barcos tradicionais de cabeça, sem projeto e sem um método descrito. Usam apenas a prática e a técnica a partir da matéria prima de que dispõem. Tudo isto tem que ser devidamente historiado, documentado e preservado. O trabalho do Mar Sem Fim e de outros apaixonados por navegação e história é fundamental neste sentido. Parabéns e que a luta frutifique com o nosso devido endosso e suporte. As gerações futuras agradecem.

    • Graande Ronaldo,é isso mesmo. Mas infelizmente essa arte está fadada a desaparecer. Os filhos dos pescadores, hoje ligados no mundo via internet, pois é, até nas comunidades mais pobres do Pará vi isso, já não querem mais seguir a profissão. Além da falta de peixes, há o perigo diário, a vida duríssima, o baixo rendimento, a entrada do crack nas comunidades, enfim, para meu desgosto, não vai durar muito mais. Uma pena, grande abraço.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here