Júlio Verne: o escritor você conhece mas, e o navegador?

0
1087
views

Júlio Verne: o escritor você conhece mas, e o navegador?

Ele era genial. Frequentemente celebrado como um dos precursores da ficção científica, conhecido pela habilidade de antecipar invenções e avanços tecnológicos que só se tornariam realidade décadas, ou séculos depois da publicação de suas obras. Nasceu numa ilha artificial num afluente do rio Loire. O local teve um impacto profundo em sua vida. No século 19 era uma movimentada área portuária servindo como centro para construtores navais. Assim, passou a infância observando navios e imaginando como seria subir a bordo deles. Sua visão de mundo  destaca-se por uma combinação de curiosidade insaciável, pesquisa meticulosa e uma imaginação que se recusa a ter limites, permitindo-lhe explorar possibilidades que na época pareciam puramente fantásticas. Contudo, nem todos sabem que tão logo começou a fazer sucesso, e consequentemente melhorar o padrão de vida, Júlio Verne (1828 – 1905) comprou um veleiro. É sobre isso que vamos falar, sobre o navegador apaixonado pelo mar.

Júlio Verne
Imagem, www.herodote.net.

Navegando com o Saint Michel

“Não consigo ver partir um navio, um navio de guerra, um navio mercante ou um simples barco a remo sem que todo o meu ser embarque! Acho que fui feito para ser marinheiro e se essa carreira não for minha, desde criança, me arrependerei todos os dias”, escreveu Júlio Verne.

[…] vivi no movimento marítimo de uma grande cidade comercial, ponto de partida e de chegada de inúmeras viagens de longo curso. […] Naquela época só tínhamos os veleiros pesados ​​da marinha mercante. Mas que lembranças eles me trazem! Na imaginação, subi nas suas mortalhas,  agarrei-me ao topo dos seus mastros! O meu maior desejo teria sido atravessar a tábua trémula que os prendia ao cais para pôr os pés no seu convés! » (em Memórias da Infância e Juventude ).

A paixão pelo mar e pelos barcos

Esta paixão pelo mar e pelos barcos nunca o abandonaria e, em 1865, escreveu ao seu editor Hetzel: “ Fui passar uns dias no mar no iate de um dos meus amigos, e lá fui o mais feliz de homens .” E em março de 1866, alugou uma casa em Crotoy chamada La Solitude, muito perto do porto.

Capitão Nemo e o órgão
Capitão Nemo e seu órgão onde tocava a Tocata e Fuga, em Ré menor, de Bach. Ilustração, Vímeo.

Durante a década de 1860, a carreira de Verne estava decolando e ele ganhava um bom dinheiro. Assim, em 1867, comprou um pequeno barco, que batizou de Saint Michel , em homenagem a seu filho, Michel. Passou um tempo navegando pela Europa até as Ilhas do Canal, ao longo da costa inglesa e através do Golfo da Biscaia.

Segundo o La Cale 2, em 1874, após muitos pedidos, Júlio Verne foi admitido no Yacht Club de France como escritor e marinheiro. Ele então tinha um barco a remo simples – chamado Saint-Michel I – no qual escreveu Vinte Mil Léguas Submarinas publicado no mesmo ano (a marinha dos EUA batizou seu primeiro submarino nuclear, em 1952, como Nautilus, em homanagem à nave do Capitão Nemo).

PUBLICIDADE

Saint Michel II
O Saint Michel II tinha 13.27 m de comprimento de casco, 3.52 de largura, calava 2.25 m e deslocava 19 t. Imagem, La Cale 2.

Um ano antes, em 1873, a Volta ao Mundo em Oitenta Dias  foi adaptado para peça de teatro. As cerca de quatrocentas apresentações do texto,  no Théâtre de la Porte Saint-Martin, no final de 1874, trarão uma pequena fortuna que permitirá a Júlio Verne ampliar as suas paixões marítimas e, assim, construir o Saint-Michel II.

Uma réplica do Saint Michel II

réplica do Saint Michel II
Este é uma réplica do Saint Michel II. Quem explica é o Nantes Patrimonia: No início dos anos 2000, a associação de Nantes, La Cale 2 l’Ile, expressou a ideia de reconstruir o “Saint-Michel II” como parte da comemoração do centenário da morte de Júlio Verne. Classificado como um navio de interesse patrimonial (BIP), o novo “Saint-Michel II” não é inteiramente idêntico ao original: é motorizado e sua construção exigiu o uso de técnicas modernas que não existiam no tempo do escritor. Desde então, o navio tem navegado nas águas do Atlântico, do Canal da Mancha e do Báltico.

Livros de Júlio Verne fazem sucesso e barcos melhoram

É, portanto, sob o conselho de seu amigo Paul Bos, com quem às vezes navegava, que Júlio Verne se interessa pelos sloops (veleiros com um só mastro). Ele encomendou o Saint-Michel II nos estaleiros Abel Lemarchand du Havre no final de 1875. Tem duas particularidades: é o único barco que o próprio Verne supervisiona e, embora construído para prazer, incorpora os planos genéricos de barco de trabalho, ou seja, os famosos barcos  conhecidos como Hirondelles de la Manche, extremamente rápidos.

barco Marie fernand
O Marie Fernand é um digno representante dos ‘Hirondelles de la Manche’. Ele foi lançado ao mar em 1894 em Le Havre e posteriormente restaurado. Escolhemos a imagem para ilustrar o tipo de barco de Verne. Atualmente o Marie Fernand é considerado um monumento histórico. Imagem, www.marie.fernand.fr.

Explorando o Canal da Mancha e arredores

Desde o seu lançamento em Le Havre, em 24 de maio de 1876, Verne navegou pelo Canal da Mancha e nas costas da Inglaterra. O barco e seus acabamentos despertam louváveis elogios: “A carpintaria da sala é feita de madeira de cipreste e mogno envernizado. Há muito espaço onde há dois sofás, um quarto com duas camas elegantes e um lavatório. A estação da tripulação também é notável.”

“O todo e os detalhes deste iate não deixam nada a desejar. A elegância é unida à solidez, a finura de suas formas também é notável. As dimensões desta embarcação de prazer são as seguintes: comprimento onze metros do arco para o estame, e treze metros do lado de fora, largura três metros, terá dois-três metros de calado ”, escreve Le Journal du Havre.

Navegando ao luar.
Ilustração, Vímeo.

Júlio Verne está encantado, o Saint Michel II é rápido e confortável. Durante 18 meses, fará várias viagens marítimas.

Mapa das viagens de Júlio Verne a bordo de seus barcos.
Mapa das viagens de Júlio Verne a bordo de seus barcos, o Saint Michel I e II. Imagem, La Cale 2.

Contudo, de acordo com o Nantes Patrimonia, apesar das suas qualidades, Júlio Verne não manteve o Saint-Michel II por muito tempo: apenas duas temporadas. A razão vem do acaso e da oportunidade: graças a uma viagem que fez com o Saint-Michel, de Le Havre a Saint-Nazaire no final de julho  de 1877, o escritor aproveitou para ficar um tempo em Nantes. Caminhando pelos cais do porto soube que um iate a vapor (vela e vapor), uma escuna mista de 35 metros de comprimento, à venda a um preço muito atrativo. Chamada de Saint-Joseph, pertence ao Marquês de Preaulx, que tem muita fortuna e multiplica barcos como amantes. Júlio Verne comprou-o por 55.000 francos em outubro de 1877 e rebatizou-o de… Saint-Michel III .

Breve história do Saint Michel III

Segundo o escales.wordpress.com, o barco abaixo, ancorado em Nantes, seria o Saint Michel III. Nosso amigo Dr. Cornou, de Nantes, e bom conhecedor do porto, observou que o navio estava de frente para a casa de Nantes de Júlio Verne. Daí a questão imediata:  “E se fosse um dos barcos de Tonton Jules?”

Saint Michel III.
Este é o Saint Michel III comprado por Júlio Verne em 1877. A tripulação era de 9 homens liderada por um certo Capitão Ollive. Imagem, escales.wordpress.com.

Edimburgo e Copenhague

Depois de um curto cruzeiro em 1877 (Nantes, Brest, Dieppe, Le Tréport),  ele fez vários passeios nórdicos (até Edimburgo e Copenhague) em 1878, 79, 81; em seguida, em 1884, um cruzeiro pelo Mediterrâneo: Argel, Oran, Catania, Nápoles, Marselha onde, provavelmente, foi tirada a imagem abaixo, com o barco já pintado de branco.

PUBLICIDADE

barco de Júlio Verne
O barco de julio Verne no Mediterrâneo. Imagem, escales.wordpress.com.

Com este novo barco Verne aos poucos preencheu de rotas muitos mapas.

mapa das viagens de Júlio Verne a bordo do Saint Michel III.
Aas viagens de Júlio Verne a bordo do Saint Michel III. IImagem, La Cale 2.

Manuscrito de Júlio Verne resume algumas viagens

réplica do Saint Michel II
Uma réplica do Saint Michel II lançado ao mar pela associação Nantes La Cale 2 l’Île.

Segundo estudo de Jean-Michel Margot, o manuscrito abaixo é de Júlio Verne, e resume algumas viagens a bordo do Saint-Michel  II e III. O documento é de 1885, ano da venda de Saint-Michel  III. Verne lembra-se de cinco viagens marítimas em 1879. A primeira levando-o com seu filho Michel, seu irmão Paul acompanhado do filho, seu sobrinho Gaston e seu amigo Robert Godefroy  para a Escócia. As outras quatro navegações não se afastam muito da costa francesa. Além de Michel e Paul, Júlio Verne menciona Jancigny, Lorois , os Dézaunays  e Obry como passageiros “incomuns”.

…Estou navegando há quatro ou cinco dias. Fui ver o lançamento do Dévastation em Lorient , um couraçado de 1º escalão e o maior que a França possui. Era muito interessante; depois, voltamos para experimentar a navegação na baía de Quiberon. Digo nós, porque Paul estava comigo e Michel.

manuscrito de Júlio Verne.
O manuscrito de Júlio Verne. Imagem,

De Roterdã a Copenhague a bordo do iate a vapor

A mesma fonte informa ainda que em 1883 realizou-se a famosa viagem para norte “De Roterdã a Copenhague a bordo do iate a vapor Saint-Michel ”, através dos canais alemães terminando em Kiel, e seguida de um cruzeiro no Mar Báltico. A viagem para Ramsgate é desconhecida, mas aparece nas listas de embarque de 1881 com uma “expedição” (preenchimento de documentos de partida) em 29 de julho em direção a Les Sables, com uma tripulação de 9 e 6 passageiros.

20.000 mil léguas submarinas
Imagem, Pinterest.

A lista manuscrita de Júlio Verne termina com o famoso cruzeiro de 1884 no Mediterrâneo, decifrado por Bernard Sinoquet no artigo que abre este volume 9 de Verniana.

Estes fatos demonstram que o grande escritor e visionário era, de maneira idêntica, um notável comandante que soube aproveitar seus barcos.

Júlio Verne e o mar

Segundo o Actualitte, Júlio Verne escreveu 63 romances nos quais navegou 259 navios de todos os tipos: rebocadores, dhows, iates, vapores… Dono de três navios, participou na concepção dos dois primeiros e fez numerosos cruzeiros a bordo do terceiro: um esplêndido e navio rápido de 30 metros, o Saint-Michel III.

PUBLICIDADE

Em 20 Mil Léguas Submarinas, diz certa hora o Capitão Nemo:

Sim ! Eu amo isso ! O mar é tudo! Abrange sete décimos do globo terrestre. Sua respiração é pura e saudável. É o imenso deserto onde o homem nunca está sozinho, porque sente a vida vibrando ao seu lado. O mar é apenas o veículo de uma existência sobrenatural e prodigiosa; é apenas movimento e amor; é o infinito vivo, como disse um de seus poetas

Nautilus
Pinterest.

O tempo das belas viagens terminou em 1885

Contudo, o tempo das belas viagens terminou em 1885. O mestre a bordo tinha preocupações com a família e seus assuntos eram urgentes. Ele vendeu o navio em 1886 pela quantia irrisória de 26.000 francos, para um armador que mais tarde o vendeu ao príncipe de Montenegro.

Júlio Verne no timão
Ilustração, Vímeo.

O fim trágico do Saint Michel III: ‘a ferramenta do confinamento’

Segundo o Nantes Patrimonia, depois da venda começou uma nova carreira para o Saint-Michel no estuário do Loire. Não foi retirado de serviço até 1892 e depois comprado por um barqueiro  que lhe deu o nome Cattleya Cattleya; finalmente, em 1900, a administração da prisão adquiriu-o para a colônia penal de Belle-Ile: ele servirá, escreve Philippe Valetoux (Jules Verne, no mar e contra todos), “provavelmente entre a colônia penal estabelecida na ilha e no continente. Assim, este barco, do qual o antigo proprietário, Júlio Verne, estava tão ligado à sua liberdade, torna-se, por um paradoxo singular, a ferramenta do confinamento.

O Troféu Júlio-Verne, criado em homenagem ao mestre

Criado por marinheiros para marinheiros em 1992, o Troféu Júlio-Verne é um impressionante desafio náutico: uma regata de volta ao mundo à vela, a ser completada em menos de 80 dias, de leste a oeste, sem escalas e sem assistência. Na esteira de Philéas Fogg, o herói do romance de Júlio Verne, e nos passos de Magalhães, apenas nove equipes ergueram o precioso troféu.

Assista ao vídeo e saiba mais

Vingt Mille Lieues sous les mers from Bibliothèque nationale de France on Vimeo.

Crise dos corais no mundo: o pior está por vir

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here