Gramas marinhas, entre os mais ameaçados ecossistemas

2
1289
views

Gramas marinhas, cientistas alertam que estão entre os mais ameaçados ecossistemas

As gramas marinhas evoluíram pela primeira vez dezenas de milhões de anos atrás, quando algumas plantas com flores se deslocaram da terra para o oceano. Elas ainda cultivam flores, pólen e sementes. Mas agora o fazem debaixo d’água, com uma poderosa forma de fotossíntese que lhes permite prosperar em penumbra a profundidades de até 190 pés. Agora, revelam cientistas, elas estão entre os mais ameaçados ecossistemas. A matéria é do New York Times.

imagem de gramas marinhas
Mais um ecossistema marinho ameaçado. (Foto: sciencemag.org)

Onde estão as gramas marinhas?

Em todos os continentes, exceto na Antártida. Os continentes são cercados por vastas extensões de gramas marinhas. São pradarias submarinas que, juntas, cobrem uma área aproximadamente igual a da Califórnia.

O papel que elas prestam

Gramas marinhas estão entre os ecossistemas mais ameaçados da Terra. As do Mediterrâneo estão entre as mais predadas. Elas desempenham um papel enorme na saúde dos oceanos. Abrigam importantes espécies de peixes, filtram poluentes da água do mar e armazenam enormes quantidades de carbono que aquece a atmosfera.

Elas também combatem doenças

As plantas também combatem doenças. Uma equipe de cientistas relatou  que as gramas marinhas podem eliminar patógenos do oceano que ameaçam os seres humanos e os recifes de corais. (A primeira dica veio quando os cientistas foram atingidos por disenteria após mergulharem em recifes de coral sem elas.)

imagem de gramas marinhas
Foto: NYT

Desaparecendo a uma taxa de um campo de futebol a cada 30 minutos

Joleah B. Lamb, pesquisadora de pós-doutorado da Universidade de Cornell e principal autora do novo estudo, disse que espera que isso ajude a chamar a atenção para a situação:

Nós chamamos de gramas marinhas  o  enteado feio dos organismos marinhos. Elas não recebem muito respeito, em comparação aos corais e manguezais

Gramas marinhas se tornaram mais produtivas do que os campos de milho fertilizados

A declaração é de um dos autores do estudo. Ele explica: ao se espalharem pelo planeta, os prados alteraram o fundo do mar, construíram solo e apoiaram ecossistemas inteiramente novos. Animais como peixes-boi e peixes juvenis passaram a residir onde elas estão. As orcas são uma grande atração turística, mas as pessoas não percebem que os ninhos de ervas são realmente importantes como berçários para os peixes que o salmão exige, e que as orcas também exigem em sua alimentação, disse C. Drew Harvell, biólogo marinho de Cornell, e autor sênior do novo estudo. E prossegue: os seres humanos dependem desses viveiros também. Muitas das espécies capturadas na pesca comercial começam a vida em meio às ervas marinhas. Sem elas, os pescadores pegariam muito menos peixes.

Serviços creditados às gramas marinhas

O sedimento em que elas crescem é carregado com sulfeto de hidrogênio mortal. Elas desintoxicam estes sedimentos bombeando parte do oxigênio que liberam durante a fotossíntese em suas raízes. Na pesca o benefício ainda é maior: em 2014, pesquisadores da Universidade de Cambridge estudaram pradarias  no sul da Austrália para estimar o valor que elas trazem para a indústria pesqueira. Eles estimam que cada hectare  acrescenta cerca de US $ 87.000 por ano. Somente esses serviços tornariam as ervas marinhas entre os ecossistemas economicamente mais valiosos da Terra. Mas agora o Dr. Harvell descobriu que essas plantas podem nos ajudar de outra maneira: eliminando patógenos. Seu novo estudo, publicado na revista Science, começou com uma viagem  na Indonésia. Os cientistas estavam inspecionando recifes de coral para infecções por bactérias e fungos; alguns recifes são cada vez mais vítimas dessas doenças. “No final do workshop de quatro dias, todos nós tivemos uma disenteria amebiana, lembrou o Dr. Harvell. Uma cientista desenvolveu febre tifoide e nós tivemos que despachá-la.

imagem de gramas marinhas submarinas
Debaixo de nossa visão as gramas marinhas desempenham papel fundamental. (Foto: NYT)

Filtrando fertilizantes usados na agricultura

É outro serviço prestado por elas. Segundo o estudo, as plantas  extraem o escoamento de fertilizantes e outros poluentes da água, prendendo-os com segurança no solo. Os cientistas estimam que um acre de gramas marinhas fornece mais de US $ 11.000 em filtragem todos os anos.

O reconhecimento dos benefícios das gramas marinhas

O crescente reconhecimento da importância destas plantas ocorre no momento em que ela está desaparecendo. Quase um terço dos prados marinhos do mundo morreram desde o século XIX. Vários estudos indicam que  estão desaparecendo em um ritmo acelerado. Na semana passada, o Dr. Orth e seus colegas publicaram um estudo detalhado sobre o recuo das gramas marinhas na baía de Chesapeake, na revista Global Change Biology. Desde 1991, estimam, 29% dos prados da baía desapareceram.

O efeito do aquecimento global

As gramas marinhas também estão sendo atacadas pelas mudanças climáticas. As temperaturas mais quentes do verão em Chesapeake Bay fazem com que as plantas percam muito do seu oxigênio através de suas folhas. Com menos oxigênio para bombear em suas raízes, elas são envenenadas por sedimentos tóxicos. A nebulosidade da água torna o calor ainda pior. Com menos luz solar, as plantas produzem ainda menos  oxigênio. “Temos um duplo golpe”, disse o Dr. Orth.

Gramas marinhas, acumuladoras de dióxido de carbono, o gás que provoca o aquecimento

Os prados de gramas marinhas podem armazenar enormes quantidades de carbono. Seus solos não se decompõem porque têm muito pouco oxigênio. Como resultado, o solo de gramas marinhas em todo o mundo acumulou cerca de nove bilhões de toneladas de carbono. Como os tapetes  desaparecem, esse carbono está sendo liberado de volta ao oceano e pode entrar na atmosfera como dióxido de carbono. Tão terrível quanto a situação se tornou, há motivo para esperança. Nos últimos anos, o Dr. Orth e seus colegas restauraram com sucesso pradarias de gramas marinhas ao largo da costa da Virgínia. “Agora temos 6.200 hectares de ervas marinhas”, disse ele, “onde em 1997 não havia uma única folha de grama”.

O vídeo-animação abaixo mostra a vida marinha neste ecossistema:


Fonte: https://mobile.nytimes.com/2017/02/16/science/seagrass-coral-reefs-pathogens-global-warming.html?emc=eta1&referer=.

Missão ao planeta oceano, o mundo precisa acordar

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

2 COMENTÁRIOS

  1. Não usamos, no Brasil, o termo erva marinha, mas sim grama marinha como tradução de seagrass.
    Campos ou pradarias de gramas marinhas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here