Países que baniram o plástico são mais de quinze

34
11945
views

Países que baniram o plástico já são quinze até agora. Falta o Brasil, como sempre, atrasado

Mais uma novidade sobre os países que baniram o plástico: o mais novo membro do grupo é a Nova Zelândia. “Em 10 de agosto, a Nova Zelândia acrescentou sua voz àqueles que diziam “não” aos plásticos descartáveis.”

“Em uma coletiva de imprensa, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou a proibição das sacolas plásticas descartáveis ​​que entrarão em vigor no próximo ano.

“Estamos tomando medidas significativas para reduzir a poluição do plástico, para que não passemos esse problema para as gerações futuras“, disse ela. Estima-se que a Nova Zelândia use 750 milhões de sacolas plásticas a cada ano.

Atualmente mais de 14 países baniram o plástico, entre eles Índia, Bélgica, Costa Rica, França, Grenada, Indonésia, Noruega, Santa Lúcia, Serra Leoa, e Nova Zelândia. Na América Latina o primeiro a se engajar foi o Chile, depois, Uruguai. A União Européia também marcou data para banir o plástico de uso único. O mais novo país/estado a adotar tais medidas é Taiwan.   Pesquisamos mais sobre o Panamá e, conforme comentário de internauta, apesar do país estar listado em vários sites, não há nada de oficial a respeito do banimento de plástico. Pedimos desculpas por esta falha na apuração.

País africano dá exemplo, e bane o plástico há dez anos

Pesquisando para a última atualização, demos com esta notícia. Se a fonte não fosse séria, nem perderíamos tempo. Mas trata-se da excelente Deutche Welle. A nota é curta e grossa: “Ruanda, dez anos atrás, proibiu a produção, venda, uso e importação de sacos plásticos desde 2008. E isso teve efeitos.  Agora, o país é o mais limpo da África.” Em seguida, o leitor era convidado a assistir um vídeo da DW mostrando a limpeza das cidades de Ruanda. Infelizmente não houve como trazer o vídeo para esta página. Com isso, temos 15 países, sem falar que a União Européia entra nesta conta somando apenas mais um país.

Enquanto Ruanda deu exemplo em 2008, o gigante pela própria natureza dorme em berço esplêndido

Deus do céu, como estamos atrasados! Até Ruanda e Quênia estão na nossa frente. Enquanto o mundo segue pra frente, o Brasil patina. São Paulo, por exemplo, ainda não tomou conhecimento do assunto. Somente em 2019 há uma possibilidade da cidade banir canudinhos de plástico, porque nosso prefeito, Bruno Covas, descobriu que isso é uma medida progressista. Não é uma gracinha?

Mais dois: Quênia e Vanatu

O site globalcitizen.org/, assegura que não é só Ruanda, mas também o Quênia, na África, baniu o material: “A partir de agosto de 2017, qualquer pessoa no Quênia que seja encontrado usando, produzindo ou vendendo uma sacola plástica, pode pegar até quatro anos de cadeia, ou uma multa de US $ 38.000.Outro que está na mesma lista é Vanuatu, nação insular do Pacífico:  “Em 30 de julho de 2017, seu dia da independência, a nação do Pacífico de Vanuatu anunciou o início de uma retirada gradual de sacolas plásticas e garrafas.” Chegamos a 17 países. Mas continuamos a pesquisa até encontrarmos o site do …

Site worldatlas.com: 59 países teriam banido o plástico de uso único

A seguir, a primeira parte da lista de países que baniram o plástico que, mais uma vez, inclui o Panamá. Nela, o que mais nos chamou a atenção foi a quantidade de países da África que teriam banido o material. São países extremamente pobres e alguns, como o Mali, sequer têm saída para o mar. Curioso ainda, é que a lista inclui a Nova Zelândia, mas não o Chile, que foi anterior. Pelo sim pelo não, sabemos que são bem mais de 15 ou 16 países. E isso, por si só, já é motivo para comemorarmos.

A segunda parte da lista de países que baniram o plástico:

Terceira parte da lista de países que baniram o plástico…

Quarta parte da lista do World Atlas…

 

Países que baniram o plástico e o protagonismo do Chile na América Latina

Por nossa omissão (como ‘nossa’ entenda-se do poder público e da sociedade que não exigiu, ou exigiu pouco), perdemos o posto de Número Um em modernidade, arrojo e coragem. Entregamo-lo de bandeja para o Chile que, com isso, passa a ser referência neste tema no hemisfério Norte, o que facilita ao país acesso a fundos para empréstimos especiais para favorecer a criação de áreas marinhas protegidas, para pesquisas, etc. Hoje não resta dúvida, o grande exemplo de conservação é dado pelo Chile desde a primeira gestão, de Michelle Bachelet (março 2006), até a gestão atual de Sebastián Piñera. Piñera sabe aproveitar os bons momentos para aumentar seu capital político.

Assista ao vídeo dos chilenos:

Por que banir o plástico?

Porque o material é bastante inútil, e um dos maiores inimigos do meio ambiente. Para começar, a produção exige petróleo (5%). Mesmo que seja pouco, para extraí-lo e refiná-lo é necessário todo o processo que envolve práticas que poluem excessivamente a atmosfera. Outro problema grave, é que o material não se decompõe. Segundo a ONU, entre 22% a 43% do total produzido, 310 milhões de toneladas/ano, vão parar em aterros. E por lá ficam quase por séculos! Finalmente, de acordo com pesquisa da Ellen MacArthur Foundation, no mundo apenas 14% das embalagens plásticas é recolhida para reciclagem.

O plástico e os oceanos: mais de 150 milhões de toneladas

A mais confiável pesquisa, atualmente disponível, estima que atualmente haja mais de 150 milhões de toneladas de material plástico nos oceanos. Pelo menos 8 milhões de toneladas de plástico – equivalentes a um caminhão de lixo por minuto, vazam para os oceanos anualmente. E ainda não existe tecnologia capaz de retirar este material dos oceanos. Eles acabam se quebrando em micropartículas que entram na cadeia alimentar  da vida marinha e, em seguida, na nossa cadeia alimentar.

Algumas idéias para reaproveitar, ou mitigar, o plástico dos oceanos

Não são muitas, e algumas são complexas. Mas existem desde bactérias que estão sendo desenvolvidas para comerem plástico, como outras que sugerem pavimentar estradas com o plástico dos oceanos. Mas ainda não existem tecnologias capazes de retirar o incrível montante do material que já está nos oceanos matando aves, tartarugas e mamíferos marinhos. No futuro, com o avanço da tecnologia talvez seja possível a retirada do material do mar. Mas as sugestões que hoje circulam ainda não conseguiram unanimidade entre pesquisadores.

Índia: responsável por 60% do plástico despejado nos oceanos

De acordo com o India Times, a Índia é responsável por surpreendentes 60% do plástico despejado nos oceanos  todos os anos. O país tornou-se tão preocupado com o problema  que o Tribunal Verde Nacional introduziu uma proibição de plástico descartável na capital. Agora não é permitido usar sacolas de plástico, xícaras de chá e talheres em Delhi.

França aprova lei para banir plástico que não seja degradável

A lei francesa, aprovada em julho deste ano, vai proibir a venda de talheres, copos e pratos de plástico que não sejam biodegradáveis a partir de 2020. O jornal Les Echos diz que no país são jogados fora, por ano, 4.7 bilhões de copos de plástico o que “constitui uma pirâmide tão alta como 25 torres Eiffel”.

Costa Rica segue exemplo e propõe banir plástico até 2021

A medida vale para sacolas, garrafas, talheres, tampas, tem como objetivo diminuir a poluição de plásticos principalmente nos oceanos. Ainda não se sabe qual material será usado no lugar do plástico. O governo  vai investir em pesquisas e oferecer incentivo para o desenvolvimento de novos materiais.

ONU lança o #CleanSeas

Confirmando a situação calamitosa, no mês passado o Programa do Meio Ambiente da ONU lançou #CleanSeas, uma grande campanha global para impedir ou diminuir o lixo  plástico nos oceanos. Dez países já se juntaram.

Até 2050 é estimado que 99% das aves marinhas terão ingerido plástico. O lixo plástico prejudica mais de 600 espécies marinhas.

imagem de gráfico mostrando plástico ingerido por peixes e aves marinhas
países que baniram o plástico
(ilustração de abertura: SurfinSantos)
Fontes:  weforum.org; hypeness.com.br; lesechos.fr/; https://www.tentree.com/blogs/posts/new-zealand-announces-nationwide-plastic-bag-ban?fbclid=IwAR1FFq45z4SE1T88cwrpfsq3dh0gFudRKXcRxSt1SxNMCjdGGNyLeNKGV3s#.W–26zbX-3N.facebook; https://www.dw.com/pt-br/chile-bane-sacolas-pl%C3%A1sticas-no-com%C3%A9rcio/a-44949989; https://www.globalcitizen.org/en/content/plastic-bans-around-the-world/; https://www.worldatlas.com/articles/which-countries-have-banned-plastic-bags.html; https://www.dw.com/pt-br/o-pa%C3%ADs-que-baniu-as-sacolas-pl%C3%A1sticas-h%C3%A1-10-anos/av-42913078.

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

34 COMENTÁRIOS

  1. Gostaria de tornar publica a decepção ao ver o uso INDISCRIMINADO do plástido na Praia do Forte onde existe o sagrado projeto Tamar. Segue a cópia da carta que enviei aos responsáveis da Prefeitura de Mata de São João
    Olá bom dia Prezados Senhores Responsáveis pela Prefeitura de Mata de São João!

    Venho por meio desta, expressar minha indignação quanto ao descaso do meio ambiente nesta praia paradisiaca ainda mais tendo o sagrado Projeto Tamar neste lugar.
    Explico: a quantidade de lixo na praia é assustadora! todos os dias (passamos 7 dias) meu marido e eu juntávamos o lixo das ruas e para nosso espanto da praia!! Uma quantidade infindável de canudinhos, embalagens de canudinhos, saquinhos de salgadinhos, garrafas pet e de água, copos de plásticos até tampa de tupperware boiando dentro do mar tiramos!
    Não existe nenhum painel conscientizando absolutamente nada que vise a importância da preservação e o perigo que o plástico representa para os animais!
    Tanto turistas como nativos utilizando e jogando plástico em qualquer lugar
    Os “garçons” em 100% das barracas, alem de utilizarem canudinhos de plástico, os jogavam no chão da praia após recolherem os restos das pessoas nas mesas! idem para os guardanapos de papel
    Uma lástima, nadavamos em meio aos dejetos boiando…
    Está mais do que na hora de proibirem uso do plástico, a venda de bebidas em garrafa plástica, uso de copinhos de plástico, bem como banir de uma vez por todas o uso de canudinhos! existem barracas que colocam logo 3 canudinhos em um só copo de caipirinha!
    Já existem alternativas como canudos de bambú, metal, macarrão, algas, e até comestiveis como na espanha (http://conexaoplaneta.com.br/blog/canudo-comestivel-e-biodegradavel-e-alternativa-ao-plastico/ canudos são feitos com açúcar, gelatina bovina e amido de milho. Atualmente eles podem (ou não) ser aromatizados com seis sabores diferentes: limão, lima, morango, canela, maçã verde, chocolate e gengibre. Se ingerida, cada unidade tem 24 calorias)!
    Em um santuário como é a Praia do Forte é inadmissível que se continue usando plástico! Vcs deveriam ser um exemplo de preservação e não um exemplo de uso de plástico! Até dentro do Projeto recolhemos sacos de plástico no chão!
    Agradeço a atenção e peço que reflitam em parceria para começar a seguir os países que baniram o uso dessa maldição
    Até agora já são 15 países que baniram. É uma vergonha que o Brasil esteja assim tão atrasado!!!!! https://marsemfim.com.br/paises-que-baniram-o-plastico/
    https://www.unenvironment.org/interactive/beat-plastic-pollution/pt/
    https://believe.earth/pt-br/como-reduzir-o-consumo-de-plastico/

  2. é um absurdo não ter coleta seletiva, e se tem é mentira porque não funciona, as pessoas misturam plástico com resíduo orgânico porque a coleta seletiva passa uma vez por semana, é uma confusão aqui em Goiânia, as pessoas não sabem sequer limpar suas casas, pensam que limpar é jogar água de cima em baixo. Limpeza é outra coisa gente!

  3. Ótima reportagem, João Lara! Seria interessante também uma reportagem sobre as opções para sacolas plásticas no desrcate de lixo, visto que muitas pessoas ainda usam sacolas plásticas com a justificativa de usá-las depois para descarte de lixo. Há sacolas plásticas biodegradáveis que poderiam ser oferecidas pelos supermecados? Há sacos de lixo biodegradáveis à venda no mercado brasileiro? Os custos e a escala de produção dessas duas opções permitem prever uma substituição em todo o Brasil?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here