Superpetroleiros, monstros do mar da atualidade

1
90395
views

Superpetroleiros, monstros do mar da atualidade

Os oleodutos modernos existem desde 1860. Contudo, os primeiros petroleiros eram dois navios a vela construídos em 1863 na Inglaterra. O primeiro vapor com tanque de petróleo, o Vaderland, foi projetado  pela Palmers Shipbuilding and Iron Company para a American-Belgian Red Star Line em 1873. Mas, a combinação de fogo para produzir vapor, e combustível, foi restringida pelas autoridades preocupadas com segurança. Já, o petroleiro moderno foi desenvolvido no período de 1877 a 1885.  Assim, em 1876, Ludvig e Robert Nobel, irmãos de Alfred (criador do Prêmio Nobel), fundaram a Branobel em BakuAzerbaijão. Por isso, no final do século XIX já era uma das maiores petroleiras do mundo. Desde sempre, Ludvig foi pioneiro no desenvolvimento dos petroleiros. Mas, e os superpetroleiros, os monstros do mar? 

Imagem do petroleiro Zoroaster
O Zoroaster, construído por Nobel em 1878, é considerado o primeiro petroleiro bem-sucedido do mundo. Imagem, http://www.aukevisser.nl/.

Superpetroleiros, monstros do mar da atualidade

Os superpetroleiros são navios de transporte de petróleo que podem exceder 500.000 toneladas de porte bruto. Mas, como eles nasceram? A história é curiosa.

Uma guerra no caminho do superpetroleiro

Até 1956,  eram projetados para navegar no Canal de Suez, portanto, sofriam restrições de tamanho. Mas, neste mesmo ano houve a Crise de Suez quando Israel, com apoio da França e Reino Unido,  declarou guerra ao Egito, desse modo, fecharam o canal. 

Rota mais longa pelo cabo da Boa Esperança

Os armadores, então, foram forçados a transportar petróleo pela rota mais longa ao redor do Cabo da Boa Esperança. Logo, perceberam que navios maiores seriam a chave para mais eficiência no transporte. Os monstros de ferro, portanto, tiveram sua origem em uma crise internacional.

Diferença de tamanho entre petroleiro e superpetroleiro

Todavia, até pouco antes da crise os petroleiros tinham em média 162 metros de comprimento com capacidade para até 16.500 DWT, em outras palavras, tonelagem de porte bruto.

Superpetroleiros podem ter até 400 metros de comprimento e, além disso, capacidade de carga de 500.000 DWT.

PUBLICIDADE

Os irmãos Nobel e os superpetroleiros

Em 1947, Ludvig Nobel começou a construir navios para transportar o óleo de sua empresa, nesse sentido, criou a Universe Tankship e passou a construir navios tanques maiores com capacidade para até 30.000 toneladas. Nascia a classe Bulk. Mas, havia problemas com a tecnologia de soldagem, assim, vários afundaram.

Imagem do petroleiro à vela Falls of Clyde
O Falls of Clyde (casco de ferro) é o último petroleiro a vela que sobreviveu para contar a história. Construído em 1878 na Escócia. Imagem, https://www.heraldscotland.com.

Ludvig decidiu, então, tentar a sorte no Japão, dessa forma, introduziu o método de construção em bloco no estaleiro Kure.

Proa do petroleiro Falls of Clyde
A linda proa. Hoje o navio é um museu flutuante em Honolulu. Imagem, https://www.facebook.com/.

Em conclusão, o resultado foi visto em 1952, o Petrokure de 38.000 toneladas. Mas, a ousadia dos  Nobel atiçou a cobiça de grandes armadores gregos, Onassis e Niarchos. Logo depois, o primeiro cosntruiu um navio de 45.000 toneladas.

Corrida pelo maior petroleiro

Assim, a corrida pelo maior tamanho começou. Em consequência, Ludvig Nobel respondeu com o Sinclair Petrolore em 1955 com capacidade para 56.000 toneladas.

O maior cargueiro do mundo

O Sinclair Petrolore era revolucionário, ocasionalmente, o maior cargueiro do mundo. Mas, um navio autodescarregável que levava óleo e minério, o único desse tipo já construído.

Imagem do petroleiro Sinclair Petrolore
O Sinclair Petrolore, que naufragou no litoral do Brasil, inaugurando a era dos derrames de óleo. Imagem,https://nashbulk.steamcheng.net/.

Ele teve um triste fim que envolveu o litoral do…

O primeiro derrame de petróleo no litoral do Brasil

No dia 6 de dezembro de 1960 o Sinclair Petrolore explodiu nas proximidades da ilha de Trindade, a 600 milhas de Vitória, ES.

Definitivamente, o primeiro derrame de óleo no litoral brasileiro. Um tripulante desapareceu no acidente, e 66 mil m3 de petróleo foram parar no mar. Infelizmente, não existem registros de danos ambientais.

PUBLICIDADE

1956 – 85.000 toneladas

Ludvig não desistiu, em seguida, em 1956 apresentou o Líder do Universo com 85.000 toneladas. Dois anos depois, em 1958 quebrava a barreira das 100.000 toneladas com o Universo Apolo de 104.000 T.

1962 – 106.000 toneladas

Em resposta, Niarchos apresentou o SS Manhattan com 106.000 T. Foi o maior mercante até então dos Estados Unidos.

Imagem do petroleiro SS Manhattan
Imagem, https://www.freightwaves.com/.

Em seguida, em 1969 foi convertido para ter capacidade de um quebra-gelo, desse modo, foi o primeiro navio comercial a cruzar a Passagem Noroeste.

Imagem do petroleiro SS Manhattan
Imagem, https://www.nationalfisherman.com/.

Very Large Crude Carrier ou VLCC

Daí, houve a mudança de classe. Surgiram os VLCC, em outras palavras, Very Large Crude Carrier. O primeiro foi o Idemitsu Maru com capacidade para 206.000 T.

Em vinte anos o tamanho dos petroleiros havia aumentado dez vezes, contudo, se comprarmos ao maior do navio do mundo com quase meio quilômetro de extensão parecem até miniaturas.

Imagem do petroleiro Idemitsu Maru
O primeiro VLCC, Idemitsu Maru. Imagem, Collection Tony Atkinson .

Depois, surgiram os Ultra Large Crude Carrier, ou ULCC, com capacidades acima de 320.000 toneladas de porte bruto. Então, o mundo começou a entrar na era dos superpetroleiros.

Na década de 70

Esta década foi pródiga no lançamento de superpetroleiros, assim, em 1975 foram lançados  o Berge Emperor e seu irmão gêmeo Berge Empress. Ambos construídos no Japão pela Mitsui.

PUBLICIDADE

petroleiro Berge Emperor
Imagem, Bergesen D.Y.

O Berge Empress tinha tonelagem bruta de 198.783, enquanto, o Emperor, 203.112.

1977 – dois dos sete navios a ultrapassarem meio milhão de toneladas

Em contrapartida, o Esso Atlantic e o Esso Pacific foram dois dos sete navios a ultrapassarem meio milhão de toneladas de porte bruto.

Petroleiro Esso Pacific
Esso Pacific, cada vez maiores…Imagem, http://www.aukevisser.nl/.

Eles tinham um calado, quando carregados, de 25,3 metros o que os impossibilitava de navegar no Canal de Suez ou no Canal do Panamá. Estes monstros tinham 406,57 m de comprimento!

Um acidente que mudou a regra da construção naval

Mas, se os superpetroleiros são eficientes para os armadores representam, entretanto, máximo perigo para o meio ambiente. Por vezes, quando os acidentes acontecem e é só questão de tempo, arrasam o meio ambiente.

Assim, foi o Exxon Valdez, em 1989 que, em razão de um capitão bêbado, provocou o maior derramamento de óleo até a fatídica data: 11 milhões de galões de petróleo bruto despejados no mar do Alasca.

superpetroleiro Gassan
O Gassan, construído em 2012, navega com bandeira do Panamá. Capacidade de carga: 308.209 t DWT, comprimento, 333m, largura, 60m, calado, 10,5m. Imagem, Facebook.

Nesse meio tempo, funcionários da empresa, tal qual, autoridades federais e mais de 11.000 residentes do Alasca trabalharam para limpar o óleo.

Antes de mais nada, é difícil quantificar o prejuízo ambiental de um revés destas proporções em local prístino como as águas do Alasca. Conta o history.com ‘o derrame provocou a morte de cerca de 250.000 aves marinhas, 3.000 lontras, 300 focas, 250 águias e 22 orcas.

PUBLICIDADE

Já, o history.com, ‘Um estudo de 2001 descobriu que a contaminação por óleo permanece em mais da metade dos 91 locais de praia testados em Prince William Sound’.

Depois do derramamento  do Exxon Valdez, o Congresso dos EUA aprovou a Lei de Poluição de Petróleo de 1990, assinada pelo Presidente George H.W. Bush.

A Lei de Poluição de Petróleo aumentou as multas para as empresas responsáveis ​​por derramamentos  e exigiu que todos os petroleiros nas águas dos Estados Unidos tivessem casco duplo.

Quantos ‘monstros de ferro’ há no mundo

De acordo com o site https://www.statista.com/ ‘Em abril de 2020, havia 810 superpetroleiros, ou VLCCs em todo o mundo’.

Fontes: https://ferdinandodesousa.com/2019/11/08/um-breve-historico-dos-vazamentos-de-petroleo-na-costa-dobrasil/;https://en.wikipedia.org/wiki/History_of_the_oil_tanker#:~:text=oil%20in%20bulk.-,The%20Modern%20Oil%20Tanker,oil%20companies%20in%20the%20world https://www-ship–technology-com.translate.goog/projects/front/?_x_tr_sl=en&_x_tr_tl=pt&_x_tr_hl=pt-BR&_x_tr_pto=nui,sc; https://www.uh.edu/engines/epi2839.htm; https://nashbulk.steamcheng.net/petrolore.html; https://www.maritimeinfo.org/en/Blog/history-tankers-and-containerization; https://www.facebook.com/Crewtoo; https://zeymarine.com/largest-oil-tankers-ever-built/.

Polo Petroquímico Capuava, o novo Vale da Morte em SP?

Comentários

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here