O Canal do Panamá como você nunca viu

4
2359
views

Canal do Panamá como você nunca viu, um vídeo espetacular

A estreita faixa de terra entre a América do Norte e a América do Sul abriga o Canal do Panamá, uma passagem de água entre os oceanos Atlântico e Pacífico. A idéia da construção do Canal remonta à descoberta do istmo em 1513 por Vasco Núñez de Balboa.

O Canal do Panamá é uma monumental obra de engenharia, talvez a mais complexa do final do século XIX começo do sec. XX.

Ilustração de mapa mostrando o Canal do Panamá
Ilustração: alunosonline.uol.com.br

Obras começam em 1881

As obras começaram em 1881 com um projeto comandado pelo francês Ferdinand de Lesseps, responsável pela abertura do Canal de Suez. As escavações começaram em Culebra a partir de 22 de janeiro de 1881. Uma grande força de trabalho foi reunida. Era composta por cerca de 40.000 trabalhadores (nove décimos dos quais, afro-caribenhos). Embora o projeto atraísse bons engenheiros, mantê-los era difícil devido a doenças. O número de mortos de 1881 a 1889 foi estimado em mais de 22.000, dos quais cerca de 5.000 eram cidadãos franceses. 

imagem de obras no canal do panamá
Obras no Canal do Panamá (Foto: wikipedia)

1885- projeto em sérios apuros

Em 1885 ficou claro  que o canal do nível do mar era impraticável, um canal elevado com eclusas era preferível. De Lesseps resistiu. Mas, em 1887, um plano de canal com eclusas foi adotado. A essa altura, taxas crescentes de mortalidade, assim como problemas financeiros e de engenharia, aliados a frequentes inundações e deslizamentos de terra, indicavam que o projeto estava em sérios apuros. O trabalho continuou sob o novo plano até 15 de maio de 1889, quando a empresa faliu e o projeto foi suspenso. Depois de oito anos, dois quintos ficaram prontos ao custo de  US $ 234,8 milhões .

Na cola dos franceses vieram os norte-americanos

Nos EUA, uma Comissão Parlamentar do Canal do Istmo foi criada em 1899 para examinar as possibilidades de um canal da América Central e recomendar uma rota. Em  1901, a comissão informou que um canal dos EUA deveria ser construído através da Nicarágua, a menos que os franceses estivessem dispostos a vender suas propriedades por US $ 40 milhões. A recomendação tornou-se lei, e a Nova Companhia do Canal do Panamá foi obrigada a vendê-lo por esse preço. Theodore Roosevelt  acreditava que um canal controlado pelos EUA era um interesse estratégico vital do país.

Panamá, parte da Colômbia

Como o Panamá fazia parte da Colômbia, Roosevelt negociou com o país para obter os direitos. No início de 1903, o Tratado Hay-Herrán foi assinado por ambas as nações, mas o Senado da Colômbia não ratificou o tratado. Roosevelt insinuou aos panamenhos que, se eles se revoltassem, a Marinha dos EUA ajudaria na luta pela independência. O Panamá declarou sua independência em 3 de novembro de 1903. Os panamenhos deram aos Estados Unidos o controle da Zona do Canal do Panamá em 23 de fevereiro de 1904, por US $ 10 milhões, de acordo com o Tratado de Hay-Bunau-Varilla de 18 de novembro de 1903.

1913 – Canal do Panamá quase pronto

Em 10 de outubro de 1913, o dique de Gamboa, que manteve o corte de Culebra isolado do lago Gatun, foi demolido; a detonação foi feita telegraficamente pelo presidente Woodrow Wilson em Washington.

1914 o barco Alexandre La Valley cruza pela primeira vez o Canal do Panamá

Em 7 de janeiro de 1914, o Alexandre La Valley, um antigo barco guindaste francês, tornou-se o primeiro navio a fazer um trânsito completo do Canal do Panamá sob seu próprio vapor depois de atravessar durante os estágios finais de construção.

Hoje cerca de 15 mil navio cruzam o Canal por ano

Cada eclusa, com  enormes portas em aço maciço, tem 140 metros de altura e 745 toneladas de peso! Cerca de 15 mil navios cruzam todos os anos o Canal do Panamá. Ele está ficando estreito demais para os super-cargueiros de hoje.

Canal completa 100 anos

Em 2014 o tão falado e importante Canal do Panamá completou 100 anos. Para comemorar a data o canal fez uma reforma gigantesca que inclui uma nova via para o tráfego de supercargueiros. A mudança tecnológica turbinou o comércio mundial e protege o ambiente, reduzindo também o consumo de combustíveis fósseis. A grande obra foi proposta em 2006 pelo então presidente panamenho Martín Torrijos. A expansão do Canal do Panamá  transformou a travessia entre os oceanos Atlântico e Pacífico e, com isso, turbinou o comércio mundial.

O vídeo, muito bem feito, mostra como os navios atravessam esta obra monumental. Bom proveito.

Escola de Sagres, mito, ou realidade?

COMPARTILHAR

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

4 COMENTÁRIOS

  1. O primeiro a atravessa o istmo do Panamá.
    Vasco Nuñes de Balboa, então com 26 anos, alistou-se na expedição de Rodrigo de Bastidas para a América cruzando a costa da Colombia moderna. Em 2501, empreendeu sua primeira viagem , que explorou o litoral caribenho do Cabo de la Vela na Península Guajira até o Golfo de Darien, através das ilhas do Caribe que pertencem à atual Colômbia (Santa Marta, Cartagena e golfo de Urabá ou “Darién”). Em seu retorno em 1502, passou pela Jamaica e se estabeleceu em na ilha de Hispaniola (onde, hoje, se localizam a República Dominicana e o Haiti), na aldeia de Salvatierra, onde viveu vários anos sem qualquer sucesso financeiro, se vendo finalmente obrigado a abandoná-la Em Darién, Núñez de Balboa fundou, em 1510 o primeiro estabelecimento europeu permanente em terras continentais americanas, denominado Santa Maria la Antiga del Darién. Em 1511, Núñez de Balboa obteve o cargo de governador. Movido pelo propósito de descobrir o mar de que falavam os indígenas, se internou continente adentro em 25 de setembro de 1513 num périplo de mais de 30 dias que culminou em uma das maiores façanhas da conquista espanhola da América: o descobrimento do Mar del Sur, nome que deram ao atual Oceano pacífico como veio a ser chamado posteriormente por Magalhães. Subido em um monte no ponto mais alto do istmo indicado pelos índios apenas na companhia do seu cão Leoncito, tornou-se no primeiro europeu a avistar o maior Oceano da Terra. Assim ele regressou para relatar ao seu soberano que havia encontrado um novo oceano e trazia consigo considerável quantidade de ouro. A notícia do ouro causou mais entusiasmo do que a existência de um segundo oceano. Era o caminho do novo mundo que acabava de ser descoberto. Quando Balboa cruzou o istmo numa nova empreitada, comprou por conta própria vários navios do outro lado do Pacífico com os quais, não fosse uma tempestade repentina, teria atingido a costa da terra aurífera do Perú. Durante sua ausência, um pequeno potentado estabeleceu-se em Hispaniola, (onde, hoje, se localizam a República Dominicana e o Haiti). Sob circunstancias tais, não foi difícil a homens inescrupulosos arvorar-se em ditador local. Seu nome era Pedro Arias de ÁSvila que odiava e temia Balboa, pois o descobridor do Pacífico sabia demais. Mandou um recado para Balboa convidando-o a voltar para o quartel general do Governador de Darien (antigo nome de todo istmo) e Balboa na esperança de receber uma recompensa pelos seus esforços, aceitou o convite. Logo foi preso e acusado de alta traição sendo levado diante de um tribunal especial, que agindo sob ordens do governador, condenou-o a morrer decapitado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here