Salmão, cuidado com o que você come

0
3199
views

Salmão, criado em cativeiro “seria alimentado com aditivos sintéticos derivados de petróleo”

Salmão, cuidado com o que você come: a cada dia que passa aumentam as bocas a serem alimentadas. A população mundial não para de crescer. Em 2015 éramos 7,3   bilhões de pessoas. Em 2050  estaremos próximos dos 10 bilhões. Apesar de diminuir nos países ricos, a população cresce nos mais pobres. Matéria do G1 indica que a menor taxa de natalidade está em Portugal e na Coreia do Sul (1,2 filho por mulher), a mais alta no Níger (7,6 crianças).

salmao, imagem de um salmão numa tábua
Salmão, cuidado com o que você come. Foto: Portal do Pescado

Problemas do aumento da população mundial, 60% dela concentrada em regiões costeiras

As cidades crescem em cima de ecossistemas marinhos. Sempre é bom lembrar que 90% da cadeia de vida marinha começa no litoral onde ficam seus múltiplos e variados ecossistemas. Ao maltratarmos esta parte do planeta  contribuímos para a diminuição da vida marinha. Sem falar no lixo que aumenta na mesma proporção do crescimento da população.

Lixo produzido no mundo

Em 2013 a revista The Economist publicou um gráfico com a produção mundial de lixo. São cerca de 1,3 bilhão de toneladas por ano, ou 1,2 kg por habitante. Preste atenção aos dados. Somos nós os responsáveis. Por isso é fundamental que as pessoas privilegiadas, que puderam estudar, cuidem de seus resíduos com muito cuidado. Reciclar é uma obrigação. E o consumo responsável, uma necessidade.

slamão, imagem de mapa mundi
Salmão, cuidado com o que você come: Lixo produzido no mundo. Fonte: The Economist

Onde vai parar grande parte do lixo produzido?

Nos oceanos, não há dúvida. E o que isso tem a ver com o Salmão? Simples, a cada dia que passa a vida marinha sofre mais pressão. Mais espécies são extintas, ou entram nas listas das ameaçadas de extinção. Este é o caso talvez do maior VIP dos mares, o delicioso, caro, e lindo salmão.

Salmão, cuidado com o que você come: equação dramática explica o que aconteceu

Somando estes fatores, armamos uma equação perigosa: quanto + pessoas no mundo + lixo é produzido – ecossistemas marinhos + poluição nos oceanos. E ainda existe a pesca industrial que de 1950 até hoje  liquidou com 90% dos maiores predadores marinhos, entre eles, o salmão selvagem,  à beira da extinção.

Criação de salmão em cativeiro

A solução  foi a criação em cativeiro. Na Noruega, maior produtor mundial, hoje há fazendas consideradas corretas. Entre os problemas contornados estão a poluição gerada pela criação intensiva, o uso de substâncias químicas nocivas ao consumo humano, e o desperdício já que a ração que alimenta os salmões é composta por óleo e farinha de peixe. Para cada quilo de farinha é preciso entre três e quatro quilos de peixes. Ou seja, é insustentável.

Chile, o segundo maior criador de salmão

Apesar de conseguir a façanha de ser o segundo maior produtor  as fazendas chilenas são severamente criticadas pelo uso excessivo de antibióticos para evitar a mortandade de peixes que ocorre com frequência e que, depois, são jogados no mar. Produtos químicos também são usados para garantir a cor laranja escura do peixe. Este excesso de nutrientes vai para o fundo do mar e produz a maré vermelha, crônica nos Canais da Patagônia.

O mercado de salmão do Chile: segundo maior fornecedor com receitas de US$ 4 bi por ano

O site World Atlas traz a resposta:

O Chile tem uma indústria florescente de peixes e frutos do mar. Os dados mais recentes estimando o valor das exportações chilenas de peixe e produtos do mar indicam US $ 4,0 bilhões anualmente. Truta, salmão e mexilhões são as principais espécies. O país é o segundo maior fornecedor de salmão do Atlântico. Os maiores mercados  são o Japão, Estados Unidos e Brasil.

Recomendação da FAO para os consumidores de salmões de cativeiro

O site da FAO alerta para alguns problemas:

Os principais problemas de doenças que afetam o salmão do Atlântico variam com a localização geográfica. Em alguns casos, os antibióticos e outros produtos farmacêuticos têm sido utilizados no tratamento, mas a sua inclusão neste quadro não implica uma recomendação da FAO.

Mar Sem Fim explica o porquê desta matéria

Recentemente um site nacional publicou uma denúncia que, se verdadeira, deveria ser de conhecimento dos brasileiros consumidores de salmão já que os que aqui são vendidos vêm do Chile. Por isso o título deste post está no condicional e entre aspas: “seria alimentado com aditivos sintéticos derivados de petróleo”. O site que fez a denúncia é o Dicas.club. E foi taxativo:

A esmagadora maioria do peixe encontrado nos mercados de todo o mundo é criado em aquacultura, e tem uma cor que vai do cinza ao bege-claro, passando no máximo por um rosa-pálido. Para ficar com o mesmo tom do salmão selvagem ele recebe uma ração com aditivos sintéticos derivados de petróleo. Além disso, estudos apontam que consumir uma média mensal de 200 gramas deste pescado apresenta riscos cancerígenos inaceitáveis.
salmao, imagem de salmão na peixaria
Salmão, cuidado com o que você come
O Dicas.club não apontou a fonte de sua informação. E o site da FAO, que menciona vários problemas da produção de salmões, também não toca no assunto embora reconheça que
A produção de salmão do Atlântico tem sido controversa  e seus efeitos sobre o meio ambiente e sobre a pesca selvagem  é questionada por muitos indivíduos e organizações. As principais áreas de preocupação são a poluição de nutrientes locais em sistemas de água, por alimentação de resíduos / fezes.   Poluição química local, através da utilização de tratamentos químicos.    Efeito sobre os peixes selvagens, por fugitivos, através da propagação da doença.   Impacto ambiental global e questões de sustentabilidade, uma vez que a produção de salmão depende do fornecimento de farinha de peixe e óleo de peixe para a produção de ração.

WWF e a criação de salmões

A WWF. org talvez seja a ONG mais crítica em relação a criação de salmões. Respeitada, ela foi citada no relatório da FAO publicado acima. Pesquisamos neste site sobre a ração com derivados de petróleo e não encontramos qualquer menção. A WWF diz que

O salmão é uma mercadoria prioritária para o WWF porque tem um potencial significativo de impacto negativo nos locais e espécies que procuramos proteger. Estamos liderando o caminho para garantir que os principais impactos ambientais associados à criação de salmão  sejam significativamente e mensuravelmente reduzidos.

Para completar, assista este premiado documentário de Anahí Sucarrat e Manuel Gonzales Llanos sobre a criação de salmões no Chile.E lembre-se: Salmão, cuidado com o que você come.

( Foto de abertura: ecomaternidade.com.br)

A melhor sugestão é que os consumidores procurem saber a fonte dos alimentos que compram. E bom apetite!

Berbigão de Santa Catarina, é o fim?

COMPARTILHAR

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here