Salmão de cativeiro, pragas e problemas

0
698
views

Salmão de cativeiro: praga de piolhos provoca aumento de preço

(Ilustração de abertura: site Dr. Odd)

O custo do atacado aumentou 50% em 2016 porque fazendeiros da Escócia, Noruega e Chile lutavam para resolver o problema do parasita

Esta foi a manchete do The Guardian de 13 de janeiro de 2017. Mas a notícia não ficou restrita à Europa. Nos USA, o site da CBS news estampou:

Preços de salmão crescem com parasitas em fazendas de peixes
Pois é, ser popular, como o salmão, dá nisso.
salmão de cativeiro, imagem de salmão na mão de uma pessoa
Foto: The Guardian

Estamos longe de resolver o problema da criação de peixes em cativeiro

Os problemas são inúmeros. As rações, por exemplo, são feitas à base de farinha de peixe. Muitas das fazendas que as utilizam são insustentáveis. Como explicamos no diário de bordo da primeira viagem à Antártica, quando o Mar Sem Fim visitou uma fazenda no Chile, segundo maior produtor atrás apenas da Noruega, a razão é muito simples: a ração  é feita à base de farinha de peixes. Espécies até agora sem valor econômico, deixadas de lado pelas frotas industriais, passaram a ser capturadas para serem transformadas em alimento para as criações. Para cada quilo de farinha é preciso entre três e quatro quilos de peixes. Com isto o volume da carne produzida é sempre menor que o total consumido como alimento.

As criações intensivas e os riscos de contaminação

Criação intensiva aumenta o risco de infecção. Para prevenir, quantidades expressivas de antibióticos são jogadas nos tanques,  junto com outras substâncias tóxicas. Aos poucos estes rejeitos, engrossados pelas fezes dos milhares de peixes, vão sendo depositados no fundo do mar. Tudo isto polui ainda mais as já maltratadas águas marinhas.

O piolho do salmão de cativeiro

Os piolhos do mar, e a doença ameboide, das guelras, são duas que atacaram o salmão de cativeiro. Ambas as pragas tornaram-se mais comuns em fazendas de peixes nos últimos anos, com especialistas culpando aquecimento das temperaturas do mar associado com a mudança climática. Os parasitas – um resistente primo marinho do piolho da madeira – se ligam à pele, barbatanas ou brânquias e se alimentam dos peixes.

Volume de salmão de cativeiro produzido na Escócia caiu 16%

The Guardian diz que

Um dos principais produtores internacionais, a Marine Harvest, disse que o volume de salmão de cativeiro produzido na Escócia caiu 16%, ou 1.500 toneladas, no verão, em parte porque  matou acidentalmente 175.000 peixes ao tentar tratá-los contra os piolhos usando um dispositivo chamado de Termolicer.

 A mesma fonte informa que na Escócia
…a produção caiu 4%, para 171.722 toneladas em 2015. Prevê-se que melhore, mas é improvável que o objetivo de restabelecer a produção normal seja alcançado devido aos piolhos do mar e à doença ameboide das guelras, uma doença potencialmente fatal causada por outro parasita
Já o site da CBS disse que,
Os produtores de salmão, que fornecem a grande maioria dos peixes vendidos aos consumidores dos EUA, enfrentam inúmeros desafios ambientais, incluindo um surto de piolhos do mar que o aquecimento global pode estar exacerbando. Os parasitas, que se alimentam do sangue e tecido do peixe, supostamente estão crescendo imunes aos pesticidas que os produtores estão usando para combatê-los.
Salmão de cativeiro, ilustração de um salmão
O ilustre e icônico Salmão (ilustração: Dr. Odd)

Na criação de salmão de cativeiro pesticidas são usados

Note o final do parágrafo: “…estão crescendo imunes aos pesticidas que os produtores usam para combatê-los”.  Não bastasse o problema da ração, e dos antibióticos, pesticidas também são usados.
O Mar Sem Fim já alertou para outro problema do salmão criado em cativeiro: há a suspeita que em algumas fazendas  o peixe seria alimentado com aditivos de petróleo!
COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here