ONU diz que espécies migratórias estão cada vez mais em perigo

0
123
views

ONU diz que espécies migratórias estão cada vez mais em perigo

Um estudo inédito da ONU realizado por cientistas revela que uma em cada cinco espécies migratórias protegidas internacionalmente estão em vias de extinção. “Bilhões de animais se movimentam regularmente todos os anos. Entre essas espécies migratórias encontram-se alguns dos animais mais emblemáticos do mundo, como tartarugas marinhas, baleias e tubarões. Graças a essas viagens incríveis, que servem de ligação entre diferentes partes do mundo, as espécies migratórias nos dão uma lente única através da qual podemos compreender a magnitude das transformações que afetam o nosso mundo”, diz o relatório da ONU. Os principais motivos desta ameaça são poluição humana, a disseminação de espécies invasoras e a crise do clima.

tartaruga marinha uma das espécies migratórias
Acervo MSF.

Primeira avaliação do Estado das Espécies Migratórias

O primeiro relatório sobre Espécies Migratórias se concentrou em 1.189 espécies abrangidas pela Convenção das Nações Unidas sobre a Conservação das Espécies Migratórias de Animais Selvagens (CMS). O trabalho revelou dados alarmantes. Uma em cada cinco espécies corre risco de extinção. Além disso, 44% dessas espécies têm populações em declínio ‘por perda de habitat e a superexploração’.

Segundo o relatório, a culpa é dos seres humanos, por degradarem e destruírem habitats, caçarem e poluírem áreas com plásticos, produtos químicos, luz e ruído. As alterações climáticas, por sua vez, também interferem nas rotas e períodos das migrações, alterando as condições sazonais.

“Estamos descobrindo que o próprio fenômeno da migração está ameaçado”, disse a chefe do CMS, Amy Fraenkel, à AFP. Ela disse  que o relatório deveria ser um “alerta sobre o que está acontecendo”.

Saiba quais são alguns dos animais ameaçados

Segundo o Guardian, até 97% dos tubarões, raias e esturjões da lista estão enfrentando um alto risco de extinção, com as populações diminuindo em 90% desde a década de 1970. Os gorilas e quase metade de todas as tartarugas cobertas pela convenção correm o risco de desaparecer, de acordo com a análise. Enquanto isso, aqueles que experimentam declínios incluem os maçaricos de cauda (bar-tailed godwits), que voam mais de 8.000 milhas sem escala entre o Alasca e a Austrália; o morcego frugívoro cor de palha (the straw-coloured fruit bat), que realiza a maior migração de mamíferos em toda a África, e a enguia europeia (European eel) criticamente ameaçada.

A secretária-executiva Amy Fraenkel disse ao Guardian que a tendência para o aumento do risco de extinção era uma “grande causa de alarme”. Entretanto, ponderou, também há muito que os governos podem fazer para minimizar os declínios.

PUBLICIDADE

“A razão pela qual as espécies são cobertas pela convenção é porque elas estão em apuros, portanto, não é surpreendente descobrir que algumas  estão em risco. O problema é a tendência: 44% das espécies listadas estão em declínio e que o risco crescente de extinção é algo que se aplica globalmente às espécies migratórias”, disse Fraenkel.

“Três em cada quatro espécies são afetadas pela perda de habitat, sete em cada 10 são afetadas pela superexploração, que inclui a matança intencional de espécies através de caça/pesca ou envenenamento, bem como capturas acessórias.

Este relatório serve de base para uma cúpula em Samarcanda, no Uzbequistão, que começou em 12 de fevereiro, para discutir como melhor proteger estas espécies. ‘Como muitas das espécies fazem viagens internacionais, e até intercontinentais, é preciso a união dos países para melhor protegê-las’, diz o texto da ONU.

Peixes em perigo

Segundo o relatório, o mais preocupante é que quase todas as espécies de peixes listadas no CMS – incluindo tubarões migratórios, raias e esturjões – enfrentam um elevado risco de extinção, com as suas populações diminuindo 90 por cento desde a década de 1970.

O relatório confirmou duas grandes ameaças às espécies migratórias. A sobre-exploração é uma delas. Isso inclui caça insustentável, sobrepesca e pesca incidental. A outra ameaça é a perda e fragmentação de habitat. Agricultura, expansão de transportes e infraestruturas de energia causam isso.

A estratégia da proteção

A ONU destaca a importância de proteger locais cruciais para espécies migratórias. Esses locais incluem áreas de reprodução, alimentação e descanso. O relatório indica que cerca de 10.000 Áreas-Chaves para a Biodiversidade são essenciais para essas espécies. No entanto, mais da metade não têm proteção oficial ou status de conservação. Além disso, 58% dos locais importantes monitorados enfrentam riscos de atividades humanas.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here