Mares, problemas e soluções na visão de especialista

1
239
views

Mares, problemas e soluções na visão da Dra. Ayana Elizabeth Johnson

Pra começar, uma apresentação. A entrevistada é a bióloga marinha, e estrategista da conservação, Dra. Ayana Elizabeth Johnson. Uma personalidade conhecida do mundo acadêmico e empresarial. Fundadora da Ocean Collectiv, professora adjunta da Universidade de Nova York. Sua tese de doutorado, em Harvard, versava sobre peixes, pesca, mergulho e gestão de áreas de recifes de corais. Trabalhou na Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos, e depois da icônica NOAA, em seguida, na Fundação Waitt. Já foi chamada, pela Outside Online como a “bióloga mais influente do nosso tempo”. Sua empresa de consultoria estratégica analisa soluções de conservação. Desenvolver essas soluções nunca foi tão necessário. Como disse Johnson, “a falta de reação e resposta pública e corporativa ao recente relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas – que nos diz que temos 12 anos no máximo para evitar uma mudança climática catastrófica – é aterrorizante”. Leia Mares, problemas e soluções, com Ayana Elizabeth Johnson.

imagem de Dra. Ayana Elizabeth Johnson
Mares, problemas e soluções e a Dra. Ayana Elizabeth Johnson.

Um mundo não mapeado, e inexplorado

A conversa aqui registrada aconteceu entre a bióloga e o site EcoWatch.

“Os oceanos se estendem por 70% do nosso planeta, e a grande maioria do mundo abaixo deles não é mapeada, é inexplorada. Suas profundezas ainda podem conter muitos segredos. Mas sabemos que enfrentam sérios riscos pela pesca excessiva e poluição. Entretanto, a maior ameaça de todas é a mudança climática, que pode afetar bilhões de pessoas nas comunidades costeiras.”

Selo de ‘pesca sustentável’ não tem credibilidade

Além da política, em que mais devemos concentrar nossos esforços? Execução? Engajamento público? Tecnologia?

“Precisamos pressionar as corporações para adotar práticas sustentáveis ​​o mais rápido possível e elevar o padrão para o que se qualifica como sustentável. Por exemplo, algumas das pescas certificadas como sustentáveis ​​pelo Marine Stewardship Council estão longe de merecer esse rótulo. Do ponto de vista da justiça ambiental, quem poderá perder mais se não protegermos adequadamente os ecossistemas oceânicos e costeiros?”

imagem do selo de sustentabilidade da Marine Stewardship Council
Marine Stewardship Council, depois disso, valerá alguma coisa?

Para a especialista, os mais pobres serão os primeiros a sofrer, e os que mais sofrerão, as consequências do aquecimento global: “Pessoas pobres e pessoas de cor nas comunidades costeiras estarão em maior risco. O aumento do nível do mar, a sobrepesca, a poluição e o desenvolvimento costeiro os afetam primeiro e pior, e eles têm o menor número de opções para modos de vida alternativos ou realocação.”

Eleições nos USA e questões ambientais

Felizmente Trump, que nega o aquecimento global (assim como seu colega Bolsonaro), tem que conviver com opiniões em contrário, e bem abalizadas…

Quais questões relacionadas ao oceano você seguiu no ciclo eleitoral deste ano?

imagem de Dra. Ayana Elizabeth Johnson.
Dra. Ayana Elizabeth Johnson, em Mares, problemas e soluções.Foto: www.flickr.com.

“Das Alterações Climáticas! Estou entusiasmada por Jared Polis, eleito governador do Colorado, tem uma plataforma para levar o Colorado a 100% de energia renovável até 2040, a meta mais ambiciosa até agora para qualquer estado.”

Mares, problemas e soluções: ‘Cultivar os Oceanos’, a melhor solução

Qual é uma das melhores soluções que você já viu usada para combater um problema relacionado ao oceano ou para ajudar pessoas que dependem do oceano?

Cultivo do oceano. A regeneração da criação de oceanos, iniciada pela Greenwave e outros, significa o cultivo de algas marinhas e mariscos (ostras, mexilhões, moluscos) – não construindo mais fazendas de salmão. Algas e moluscos não precisam ser alimentados; eles crescem apenas com a luz do sol e os nutrientes e plâncton já na água do mar.”

imagem de Kelp, tipo de alga marinha
Mares, problemas e soluções. Kelp, tipo de alga marinha altamente cultivada. (Foto:Маски От Пигментации)

‘Fazendas de peixes são perda de tempo

Em seguida, a Dra Ayana nos dá uma dimensão das possibilidades da criação de algas em artigo assinado para a scientificamerican.com: ”

Há também muito espaço para melhorar a maneira como cultivamos o oceano. Muito da ênfase até agora tem sido em peixes. A criação de peixes requer muito alimento e pode poluir as águas com pesticidas e antibióticos usados ​​para tratar piolhos e doenças. Fugas ainda podem acontecer, e elas  espalham doenças para populações de peixes selvagens próximas e geralmente requerem muita infraestrutura e cuidados. As opções e tecnologias de alimentação aprimoradas resolvem essas desvantagens. Concentrar-se no aprimoramento da produção de peixes é perder uma oportunidade maior.

A regeneração da agricultura oceânica

A regeneração da agricultura oceânica, iniciada pela Greenwave e outras, significa o cultivo de algas marinhas e mariscos (ostras, mexilhões, moluscos), não construindo mais fazendas de salmão. Algas e moluscos não precisam ser alimentados. Eles crescem apenas com a luz do sol e os nutrientes e o plâncton, já na água do mar.

‘Alerta terrível dos cientistas’

“Os cientistas emitiram um alerta terrível: para manter um planeta habitável, devemos reduzir drasticamente o carbono atmosférico na próxima década . A natureza tem nos alertado também, ultimamente nas formas de mudança climática – intensificou os furacões Florence e Michael. Enquanto isso, o governo Trump congela os padrões de eficiência de combustível, apoia a indústria do carvão, tenta reverter o Plano de Energia Limpa enquanto dissolve os conselhos científicos da Agência de Proteção Ambiental.”

imagem de geleira caindo no mar
Mares, problemas e soluções, aquecimento global.

‘Ajuda a eliminar pesticidas’

“A agricultura regenerativa, tão pioneira do Instituto Rodale e da Regeneration International, pode nos ajudar a eliminar os pesticidas. Por exemplo, o glifosato, no herbicida RoundUp da Monsanto, é um disruptor endócrino e uma toxina correlacionada com doenças humanas, desde diabetes e obesidade, até cânceres de mama e tireoide, até derrame e autismo. Ele pode permanecer na água do mar por mais de 10 meses agravando a proliferação de algas.”(o MSF lembra: atenção com o Projeto Veneno, que passou na Câmara, e trata deste assunto no Brasil).

imagem de placa contra pesticidas
Mares, problemas e soluções. Ilustração:/www.eurekalert.or.

‘Acidificação dos oceanos’

“O oceano já absorve cerca de 40% do carbono que liberamos na atmosfera, isso é incorporado à água do mar, o que resulta na acidificação dos oceanostornando mais difícil para os moluscos e corais crescerem em suas conchas e esqueletos. Mas absorver o carbono em plantas através da agricultura oceânica e da permacultura marinha pode fornecer alimentos saudáveis, sendo ao mesmo tempo uma parte significativa da solução climática. A Kelp pode crescer mais de 30 centímetros por dia! Os pesquisadores estimam que se 9% dos oceanos fossem dedicados a cultivar algas marinhas, poderiam remover 53 bilhões de toneladas de CO 2.da atmosfera todos os anos e restaurar os níveis pré-industriais de carbono, e reduzir a acidificação dos oceanos. Além disso, há o incrível potencial para biocombustíveis de algas.”

Os vegetais do mar

“Quando se trata de nossa saúde, as algas marinhas, ou “ vegetais do mar ” , são um “superalimento” altamente nutritivo que faríamos bem em comer mais . As algas marinhas são ricas em proteínas, iodo e outros minerais para os quais as deficiências são comuns. Nós também podemos produzir algas para alimentar o gado. Curiosidade: As vacas alimentadas com certas espécies de algas emitem 58% menos de metano.  Isso é significativo porque o metano é pelo menos 34 vezes mais potente que o dióxido de carbono. Ainda melhor, a pesquisa mostra que uma dieta contendo moluscos tem uma pegada de carbono ainda menor do que ser vegana.

Fontes: https://blogs.scientificamerican.com/observations/soil-and-seaweed-farming-our-way-to-a-climate-solution/; https://www.ecowatch.com/oceans-conservation-challenges-2620863428.html.

A Terra estaria engolindo seus Oceanos?

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

1 COMENTÁRIO

  1. Mais uma anti Round Up, não sabe o q fala. O herbicida está aqui a 30 anos e nunca se provou qualquer mal mas eles continuam. É claro que a resposta deles é que já foi provado mas não divulgado … Tem coisas mais graves q esta obsessão do Greenpeace.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here