‘Estamos à beira do pior evento de branqueamento de corais’

0
617
views

‘Estamos à beira do pior evento de branqueamento de corais na história do planeta’, diz a NOAA

Em 2023 os oceanos bateram todos os recordes de calor, fruto do aquecimento do planeta, anabolizado pelo El Niño. O fenômeno foi anunciado em 8 de junho pela Administração Nacional de Atmosferas e Oceanos (NOAA). Em 4 de agosto o observatório europeu Copernicus informou que a temperatura média da superfície oceânica atingiu o recorde de 20,96ºC, superando o anterior de 2016. No mesmo período, a  temperatura da superfície do oceano em torno de Florida Keys subiu para 38,43°C! Agora a NOAA anuncia as consequências dos dois fenômenos. Derek Manzello, coordenador do Coral Reef Watch da NOAA, disse à Reuters  que ‘estamos literalmente sentados à beira do pior evento de branqueamento de corais na história do planeta’.

branqueamento de corais.
Imagem, www.gmanetwork.com.

Serviços ecossistêmicos dos corais

A NOAA afirma que os recifes, devido à sua rica diversidade de vida, ganharam o apelido de “florestas tropicais do mar”. Cerca de 25% dos peixes marinhos precisam de recifes de corais saudáveis.

A mesma fonte informa que os recifes, conhecidos como “florestas tropicais do mar”, abrigam uma vasta diversidade de vida devido aos habitats que os corais criam. Cerca de 25% dos peixes do oceano dependem de recifes de corais saudáveis’.

Para além da biodiversidade, os recifes de corais atuam protegendo a Linha da costa. Os recifes de corais saudáveis podem absorver até 97% da energia de uma onda, que amortece as costas de correntes, ondas e tempestades, ajudando a evitar a perda de vidas e danos à propriedade.

O valor econômico total dos serviços de recifes de corais para os EUA – incluindo pesca, turismo e proteção costeira – é de mais de US$ 3,4 bilhões por ano, diz a NOAA.

Em todo o mundo, estima-se que um bilhão de pessoas se beneficiem direta ou indiretamente dos serviços ecossistêmicos que os recifes de corais fornecem.

PUBLICIDADE

Formação dos corais

‘Corais de água rasa são animais que têm uma relação simbiótica com algas fotossintéticas chamadas zooxantelas que vivem em seus tecidos’. Em outras palavras, um depende do outro. ‘O coral fornece um ambiente protegido que os compostos zooxanthellae precisam para a fotossíntese. Em troca, as algas produzem carboidratos que o coral usa para os alimentos, bem como oxigênio.

corais saudáveis.
Imagem, NOAA Fisheries/Jeff Milisen.

A NOAA explica que, quando mudanças na temperatura, luz ou nutrientes estressam os corais, eles expulsam as algas simbióticas de seus tecidos. Isso os deixa completamente brancos. Quando um coral branqueia, não está morto. Os corais podem sobreviver a um evento de branqueamento, mas estão sob mais estresse e estão sujeitos à mortalidade’.

Como acontece o branqueamento de corais?

O que se espera em 2024 é o quarto branqueamento em massa de corais. A Reuters ouviu Derek Manzello, coordenador do Coral Reef Watch da NOAA: “Parece que a imensa totalidade do Hemisfério Sul provavelmente vai branquear este ano’.

Formas de branqueamento de corais
Ilustração, NOAA.

Desencadeado pelo estresse térmico, o branqueamento de corais ocorre quando os corais expelem as algas coloridas que vivem em seus tecidos. Sem essas algas úteis, os corais ficam pálidos e são vulneráveis à fome e à doença.

Segundo a Reuters o branqueamento de corais pode ser devastador para o ecossistema oceânico, bem como para as pescas e as economias baseadas no turismo que dependem de recifes saudáveis e coloridos para atrair mergulhadores e pescadores.

Para o leitor ter em mente a proporção do que pode acontecer, saiba que  o turismo em recifes de corais gera US$ 36 bilhões em valor global a cada ano e, além disso, milhares de empregos. Segundo a NOAA, só nos recifes de coral no sudeste da Flórida são gerados 70.400 empregos em tempo integral e parcial.

A Reuters informou que o último evento global de branqueamento de corais em massa ocorreu de 2014 a 2017, período durante o qual a Grande Barreira de Corais perdeu quase um terço de seus corais. Resultados preliminares sugerem que cerca de 15% dos recifes do mundo morreram neste evento. Este ano está se moldando para ser ainda pior à medida que as observações ocorrem.

Para Derek Manzello, “o Hemisfério Sul está basicamente branqueando em todo o lugar. A totalidade da Grande Barreira de Corais está branqueando. E nós ainda tivemos relatos de que a Samoa Americana também está branqueando.”

Mais um ponto de inflexão?

Em dezembro passado o Guardian antecipou o que agora estamos vendo. O jornal entrevistou o professor Ove Hoegh-Guldberg, da Universidade de Queensland, na Austrália, levando a preocupações de que poderíamos estar em um “ponto de inflexão”.

“Estamos literalmente em território desconhecido, sobre o qual sabemos muito pouco e não sabemos como responder e acho que estamos perigosamente expostos.”

Assista ao vídeo que mostra um coral ejetando sua população residente de algas

First Ever Footage: Watch Coral Bleaching Happen Before Your Eyes | National Geographic

Espécies exóticas custam USD 2 a 3 bilhões à economia do país

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here