NOAA anuncia a formação do El Niño

1
3738
views

NOAA anuncia a formação do El Niño, um duro golpe para a economia mundial

Em 8 de junho a Administração Nacional de Atmosferas e Oceanos (NOAA, na sigla em inglês) lançou um alerta anunciando a formação do fenômeno climático. Desta vez, ele se formou um mês antes do previsto. Para Petteri Taalas, Secretário-Geral da Organização Metereológica Mundial, “Acabamos de ter os oito anos mais quentes já registrados, embora tenhamos tido um resfriamento de La Niña nos últimos três anos. De antemão, isso funcionou como um freio temporário no aumento da temperatura global. Contudo, o desenvolvimento de um El Niño provavelmente levará a um novo pico no aquecimento global e aumentará a chance de quebrar recordes de temperatura.” O evento está associado a temperaturas da superfície do  Pacífico, mais quentes do que o normal. Para a ONU, isso representa ameaças à segurança alimentar.

Efeitos do El Niño no planeta
Ilustração, www.severe-weather.eu.

Principais motores do sistema climático da Terra

El Niño e La Niña são fenômenos naturais que a OMM descreve como “principais motores do sistema climático da Terra”. Depois de um período de La Niña de três anos, associado ao resfriamento dos oceanos, agora o mundo enfrenta 80% de chance de um evento El Niño se desenvolver entre julho e setembro.

O site da ONU informa que ‘O El Niño “muito poderoso” de 2014-2015, combinado com o aquecimento da atmosfera induzido por gases de efeito estufa, resultou o ano mais quente já registrado em 2016.’

Entretanto, não se sabe sobre a força ou duração do próximo El Niño. A OMM alerta  que não há dois eventos iguais, portanto será necessário um monitoramento rigoroso para identificar os impactos.

Ainda assim, a agência indica que os eventos do El Niño estão “normalmente associados” ao aumento das chuvas, que podem causar inundações no sul da América do Sul, no sul dos Estados Unidos, na Ásia central e no Chifre da África.

Embora a OMM observe que ele possa trazer “alívio” do longo período de seca no Chifre da África, o El Niño também pode causar “secas severas” na Austrália, Indonésia e partes do sul da Ásia.

PUBLICIDADE

Segundo a NOAA, há 56% de chances do El Niño de 2023 ser considerado forte, e 25% de atingir proporções gigantescas.

Insegurança alimentar

A FAO apontou a África Austral, a América Central e o Caribe e partes da Ásia como áreas de particular preocupação, onde muitas pessoas já sofrem de insegurança alimentar e “as principais safras caem sob os padrões climáticos típicos do El Niño de condições mais secas”.

A agência também sinalizou que os principais países produtores e exportadores de cereais, como Austrália, Brasil e África do Sul, estão entre os países em risco de seca, enquanto, por outro lado, o excesso de chuvas pode afetar os exportadores de cereais de Argentina, Turquia e Estados Unidos.

O New York Times repercutiu a informação lembrando que ‘A média global já está em torno de 1,1 graus Celsius, maior do que há 150 anos. Imagine se a temperatura do seu corpo fosse sempre 1,1 graus  mais alta. Você não se sentiria muito bem.

‘Isso, mais o aquecimento global induzido pelo homem, provavelmente levará as temperaturas globais a níveis recordes nos próximos cinco anos, concluiu a Organização Meteorológica Mundial.’

Consequências para o Brasil

Assim, é provável que o Brasil enfrente dois problemas ao mesmo tempo. Por um lado, a economia dependente do agronegócio tende a enfraquecer. Por outro, o Serviço Geológico do Brasil mostra que atualmente ‘3,9 milhões de pessoas vivem em 13.297 áreas de risco. Dessas, quatro mil são classificadas como de “risco muito alto”, de deslizamentos e inundações, por exemplo. Já o número de áreas classificadas como de “risco alto” é de 9.291’.

efeitos do El Niño no Brasil.
Efeitos do El Niño no Brasil segunda a Climatempo.

Nesse sentido, seria oportuno que as três esferas do poder se apressassem na mitigação deste problema que anualmente provoca mortes e mais prejuízos.

Segundo o site do inmet, ‘No Brasil, em anos de El Niño, geralmente, a chamada corrente de jato subtropical (ventos que sopram na região subtropical de oeste para leste, se posicionando a 10 km de altitude) é intensificada, bloqueando as frentes frias sobre a Região Sul do País e causando excessos de chuva nos meses de inverno e primavera.’

‘Nas regiões Norte e Nordeste há uma diminuição das chuvas nos meses de outono e verão, enquanto no Sudeste e Centro-Oeste não existem evidências de efeitos no padrão característico das chuvas.’

PUBLICIDADE

Consequências para a economia mundial

Infelizmente, os prognósticos são os piores possíveis. Segundo a Bloomberg, O Retorno do El Niño ameaça novos níveis de destruição econômica. ‘Enquanto o mundo luta para se recuperar do Covid-19 e a guerra da Rússia na Ucrânia continua, a chegada do primeiro El Niño em quase quatro anos prenuncia novos danos a uma economia global já frágil.

Em seguida, um duro recado ao Brasil: ‘De acordo com a modelagem da Bloomberg Economics, os El Niños anteriores resultaram em um impacto marcante na inflação global, adicionando 3,9 pontos percentuais aos preços das commodities não energéticas e 3,5 pontos ao petróleo. Eles também atingiram o crescimento do produto interno bruto, especialmente no Brasil, Austrália, Índia e outros países vulneráveis.’

Por último, ‘Combinado com clima mais extremo e temperaturas mais altas devido à mudança climática acelerada, o cenário agora está montado para o ciclo El Niño mais caro do mundo desde que os meteorologistas começaram a acompanhar o fenômeno.’

Assista ao vídeo e entenda o fenômeno

#ElNiño: Você sabe o que é e quais os impactos deste fenômeno?

Noruega quer minerar sua plataforma continental

Comentários

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here