Volume de pesca no mundo é subestimado. Entenda…

2
103
views

Volume de pesca no mundo é subestimado. Entenda por que

O volume de pesca no mundo é subestimado. Por que? Porque os países monitoram a quantidade de peixes que seus navios desembarcam em terra e registram esse número. Mas, na verdade, o processo é muito mais complicado, levando a um grave sub-relatório da captura global anual de peixes. Dirk Zeller, professor de conservação marinha na Universidade da Austrália Ocidental, diz que a questão é mais pronunciada em pequenas operações, onde os pescadores artesanais pegam peixes para alimentarem suas famílias ou venderem localmente. A matéria é do site www.newsdeeply.com.

gráfico do volume de pesca no mundo, da FAO
Volume de pesca no mundo segundo a FAO

Pesca artesanal raramente é reportada para a FAO que publica estatísticas do volume de pesca no mundo

Vários governos nem sequer incluem muitas dessas capturas nos números que  submetem à Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). No entanto, essas capturas se somam.

imagem de curral armadilha usada na pesca artesanal ilustra matéria Volume de pesca no mundo
Currais por todo o Brasil são usados na pesca artesanal. Quanto? Ninguém sabe dizer…

Pesca artesanal compete com a industrial

Os agregados de pescarias de pequena escala agora competem com frotas industriais na captura de toneladas, diz Zeller, o que significa que pesquisadores governamentais e internacionais que estimam e gerenciam populações de peixes têm trabalhado com dados incompletos ou incorretos.

Vanatu, no Pacífico é um dos exemplos…

Zeller co-editou um livro, o “Atlas global das pescarias marinhas”, utilizando estatísticas baseadas em dados das populações humanas para reconstruir e melhorar as estimativas da pesca em pequena escala em todo o mundo. Um de seus trabalhos recentes estimou que as capturas de pequenas comunidades da ilha Vanatu, Pacífico Sul, haviam sido subestimadas em 200% entre 1950 e 2014. Zeller diz que seu método de reconstrução já foi adotado por alguns países, mas é provável que demore muito tempo antes de ser amplamente utilizado.

Pesca artesanal: difícil de monitorar

A principal razão pela qual as capturas em pequena escala são pouco informadas, não apenas em Vanuatu, mas em todo o mundo, é que elas são muito difíceis de monitorar. Os pescadores artesanais têm um grande número de  barcos , e eles  desembarcam suas capturas não em portos comerciais centralizados, mas em todas as praias de todas as ilhas do país. Isso torna quase impossível um monitoramento eficiente.

imagem de pescadores artesanais para a météria Volume de pesca no mundo
Volume de pesca no mundo: pescadores artesanais fecham totalmente a boca do rio, o que é proibido. Mesmo assim…

Você precisaria de equipes enormes, e isso é um desafio financeiro que a maioria dos países em desenvolvimento não consegue lidar. Em vez disso, o que eles fazem é que muitas vezes monitoram um pequeno número de pescadores, em pequena escala, ou monitoram alguns locais de desembarque, e esses são todos os dados que relatam o que significa que é uma subestimação substancial.

Entrevista com Dirk Zeller

www.newsdeeply.com: Você ficou surpreso com a discrepância em Vanuatu?

Zeller: Não, na verdade não. Em termos de pesca em pequena escala, muitas vezes encontramos uma diferença de 50% para 400%.

www.newsdeeply.com: o que isso significa para o ecossistema marinho em torno de Vanuatu?

Zeller: O fato de que muito mais peixes são pegos do que os relatórios que o país manda para a FAO.

Por que a FAO não usa o novo processo de contagem em suas estatísticas sobre o volume de pesca no mundo?

Zeller: porque não somos um governo; somos cientistas acadêmicos. As únicas pessoas que podem informar a FAO sobre dados são países. A única maneira que nossas estimativas podem entrar na FAO é se um país diz: “OK, esses caras … fizeram um bom trabalho. Nós acreditamos nisso “.

Pesca artesanal nas Bahamas

Está acontecendo assim  nas Bahamas. O motor econômico número um nas Bahamas é o turismo, que inclui a pesca recreativa. O governo das Bahamas sabe há muitos anos que [é] uma questão muito importante, mas até agora não teve números confiáveis. Juntamente com um colega, fizemos uma reconstrução das capturas. Ela  mostrou que a captura recreativa é tão grande ou maior que a captura comercial a cada ano. O governo ficou chocado com a magnitude.

www.newsdeeply.com: no documento, você menciona que a FAO diz que, durante décadas, as capturas globais de peixes foram basicamente estáveis, mas você argumenta que elas estão em declínio. O que você quer dizer?

Zeller: os países tentam, ao longo do tempo, melhorar o seu sistema estatístico. Ao fazer isso, eles têm um impacto na tendência de captura global. Em áreas e em países com boas estatísticas, digamos Europa e América do Norte, vimos uma tendência fortemente decrescente por algumas décadas. No entanto, isso é substituído nos dados da FAO [por] países que não têm estatísticas confiáveis. Os países melhoram seu sistema estatístico ao longo do tempo. Mas porque eles não fazem o ajuste retroativo, de repente parece que a captura aumentou, quando, de fato, pode ter caído.

Exemplo de Moçambique

O principal exemplo disso é Moçambique. Um dos países mais pobres do mundo, no início dos anos 2000, fez um esforço fundamental para tentar melhorar o monitoramento de suas pescarias de pequena escala. De repente, perceberam que quase triplicou porque novamente eles não haviam feito ajustes retroativos. É por isso que os dados da FAO obtêm um padrão diferente.

Volume de pesca no Brasil segundo a FAO

O novo relatório da FAO, o Estado Mundial da Pesca e Aquicultura 2016 (SOFIA) estima que o Brasil deve registrar um crescimento de 104% na produção da pesca e aquicultura em 2025. Segundo o estudo, o aumento na produção brasileira será o maior registrado na região, seguido de México (54,2%) e Argentina (53,9%) durante a próxima década.

Volume de pesca no mundo segundo a FAO

O abastecimento mundial de peixes per capita atingiu um novo máximo record de 20 kg em 2014, graças ao vigoroso crescimento da aquicultura, que agora fornece metade todos os peixes para consumo humano, e a um ligeiro melhoria do estado de determinadas unidades populacionais de peixes devidas para melhorar a gestão das pescas.

A produção de captura total global em 2014 foi 93,4 milhões de toneladas. Se Zeller estiver correto este número, 93,4 milhões de toneladas em 2014, pode estar subestimado. Contando com a projeção do expert australiano, o número real poderia ser de cerca de 140,1 milhões de toneladas (aumento de 25% em razão da falta de estatísticas da pesca artesanal)

Volume de pesca no Brasil segundo os dados brasileiros

Ninguém sabe. O país sequer tem estatísticas da pesca industrial, quanto mais, da artesanal. É por isso que o Mar Sem Fim não acredita na falácia propagada pelos sóciomabientais que a pesca artesanal seria sustentável. Não é, nunca foi, e nunca será pelos motivos acima expostos. Além do mais, não existe fiscalização na costa brasileira. E é por isso também que este site defende a urgente criação de mais áreas marinhas de proteção integral.

Fonte principal: www.newsdeeply.com.

Secundárias: http://www.fao.org/documents/card/es/c/357c79a0-7fee-428f-a04e-9e86ba1a2ac5/; http://www.fao.org/3/a-i5555e.pdf.

Cocaína nos mares de São Paulo? Acredite se quiser

COMPARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Nas minhas navegadas pela nossa Costa, realmente é fácil comprovar que a pesca artesanal representa uma parcela importante não contabilizada na coleta descontrolada de peixes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here