Turismo em recifes de corais, depredação é crime

0
106
views

Turismo em recifes de corais, depredação é crime

Uma rápida pesquisa nos sites de agências e não há quem resista às propagandas de turismo em recifes de corais. Afinal, é verão. Que combina com férias, sol e muitas atividades no mar. Alta temporada em que o litoral brasileiro ferve de turistas. Separamos partes de três textos de propagandas de destinos coralíneos badalados que atiçam a vontade de viajar para um deles:

Maragogi, mar cristalino, coqueiros e piscinas naturais rasinhas que são parte da Área de Proteção Ambiental Costa dos Corais.

Terceiro maior centro de biodiversidade marinha no Brasil, Recife de Fora tem grande variedade de peixes e 16 das 18 espécies de corais existentes.

O Parque Marinho Coroa Alta é formado por recifes, águas azuis, piscinas naturais e várias espécies de peixes e corais.

imagem de recifes de corais em Alagoas
Em Alagoas os recifes de corais são pisoteados e tornam-se estacionamento para bikes.

Mergulhar em corais: irresistível

Irresistível, não é? Se mergulhar em recifes de corais é o seu destino neste verão, aproveite. Mas cuide deles também. Não seja mais um predador. Os seres humanos estão destruindo os recifes de corais o mais importante ecossistema marinho.

Recifes de corais giram trilhões de dólares

Mar Sem Fim não é contra o turismo em recifes de corais. Ele é fundamental para girar a economia. Segundo o Manual de Monitoramento Reef Check Brasil 2018, “estudos recentes estimam que os recifes de coral forneçam um valor global de US$ 7,2 trilhões por ano, incluindo pesca e turismo. Desses valores, estima-se que no Brasil sejam fornecidos US$ 1,9 trilhão por esses ambientes”.

imagem de mergulhadores em corais
Imagem, Doug Monteiro/ IRCOS/ UFPE.

O documento, disponível no site do Ministério do Meio Ambiente (MMA), diz também que “mais de 500 milhões de pessoas em todo o mundo dependem de recifes para seu sustento, segurança alimentar e proteção costeira”. Informa ainda que “uma em cada quatro espécies marinhas vive nos recifes, incluindo 65% dos peixes”.

Turismo sustentável nos recifes de corais

Essa importância para a vida marinha e humana mostra o quanto o turismo não pode ser desordenado. Tem que ser sustentável. Entretanto, “pelo andar da carruagem”, como diz o velho e bom ditado, daqui a pouco só restarão cemitérios de corais no mar.

Mas, se você decidiu visitar um recife de coral neste verão, a escolha é excepcional. É um espetáculo. Pode combinar o frescor de mergulhos no mar no verão escaldante com a contemplação de um ecossistema encantador. O colorido é psicodélico diante da rica biodiversidade marinha. Quem sabe conhecendo, você poderá ajudar a protegê-los. Eles precisam! Por falar neles, os corais são vegetais, minerais, ou animais?

Corais, espécie formada há 240 milhões de anos

Outra informação que você precisar ter, antes de embarcar nessa viagem: a idade dos corais existentes hoje em grande parte do mundo é estimada em 50 milhões de anos. Ou seja, levam muito tempo para se formar. Seus ancestrais começaram a ser formados há cerca de 240 milhões de anos. No Brasil, estimam os pesquisadores, a formação teve início 7 mil anos atrás.

O Brasil tem recifes de corais em cerca de 3.000 dos mais de 7.400 quilômetros de costa litorânea. A extensão considera, especialmente, as áreas em que são mais abundantes, entre o Maranhão e o sul da Bahia.  Mas podem ser encontrados até no litoral paulista, onde já são mais escassos. Parece bastante, mas não é.

Corais no Brasil, 80% mortos

Estudos mostram que o Brasil perdeu cerca de 80% dos recifes de corais nos últimos 50 anos. A pesquisa foi realizada pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e pelo MMA. Intitulada “Monitoramento de recifes de corais no Brasil”, ela aponta a poluição e a extração ilegal de corais, entre as principais razões para o extermínio. Sobrepesca e pisoteamento (de turistas, pescadores e banhistas) também podem ser colocados na lista. Mundialmente, a perda de corais chega a 50%.

imagem de Jangada e corais em Maracajaú, Rio Grande do Norte.
Jangada e corais em Maracajaú, Rio Grande do Norte.

Os recifes de corais são exuberantes, porém muito sensíveis. Corais são animais e, se você tira um pedacinho deles, o recife todo sofrerá. Imagine cada visitante levando um coral para casa… Isso sem contar que até a década de 1980 eles eram extraídos em larga escala para a produção de cal, produto utilizado em construções.

Lei de Crimes Ambientais

Os corais começaram a ser protegidos com a criação da Lei de Crimes Ambientais, de 1998. Ela penaliza com multa e prisão de até três anos quem degrada o habitat. E, sim, retirar um pedacinho de coral é crime. Também ficaram mais protegidos com a criação de unidades de conservação marinha.

Conheça, mais adiante, as principais áreas de recifes de corais protegidas no País. No total, são 21, mas algumas são reservas biológicas – não são abertas ao turismo. Listamos apenas as que podem ser visitadas.

Esgotos, fatais para os corais

Porém, a lei não os protege contra o precário sistema de saneamento básico no Brasil que agora teve aprovado o novo marco regulatório. Lançado bruto no mar na maior parte das cidades litorâneas, o esgoto doméstico e industrial atinge mortalmente o ecossistema.

Somam-se a isso os sedimentos, além dos fertilizantes e agrotóxicos das lavouras, levados pelos rios. Assim, completa-se o caldo fatal que tem dizimado os corais nas regiões mais próximas à costa brasileira.

2019, péssimo ano para os corais

Nos últimos anos, como em 2019, os recifes de corais também estão sofrendo com o aquecimento global, em decorrência dos gases de efeito estufa. Ele deixa as águas dos mares mais quentes. O que também é letal para os recifes, como Mar Sem Fim já mostrou.

Em 2019, em torno de 90% dos corais da espécie Millepora alcicornes, endêmica no Brasil, morreram por causa das temperaturas mais altas. Também conhecidos como coral-de-fogo, a alta mortandade foi registrada, principalmente, na região de Abrolhos e da Costa do Descobrimento, ambas na Bahia.

18 espécies de corais comuns no Brasil

Todas as cerca de 18 espécies de corais comuns no Brasil foram vítimas ainda do derramamento de óleo que atingiu o litoral brasileiro, em 2019. O ano de 2020 chegou e ainda não se sabe a fonte do derramamento. Tampouco o tamanho dos danos aos recifes.

Turistas mergulham em recifes de corais do Atol das Rocas.
Turistas mergulham em recifes de corais do Atol das Rocas.

2019, ano de descobertas de recifes

O ano de 2019, contudo, não foi apenas de notícias ruins para o ecossistema. Dois bancos de corais até então desconhecidos foram revelados por pesquisadores. Logo no começo do ano passado, cientistas do Laboratório de Ecologia e Conservação Marinha da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) anunciaram a descoberta de um recife de coral de 75.000 metros quadrados no entorno da ilha da Queimada Grande, em Itanhaém, litoral sul paulista. O tamanho equivale a dez campos de futebol.

Corais em Fernando de Noronha

No final de 2019, foi a vez da UFPE anunciar a descoberta de um banco em Fernando de Noronha. Com 16 quilômetros quadrados, ele está localizado nos limites do Parque Nacional Marinho de Fernando Noronha. E é completamente saudável, disseram os pesquisadores a Mar Sem Fim. Uma condição bem diferente da Laje Dois Irmãos, um recife mais próximo da ilha. Nele, hoje restam apenas 20% dos corais vivos. Também foram descobertos recentemente, corais na foz do Amazonas.

Dicas para turismo em recifes de corais

Os novos bancos de corais estão saudáveis e preservados porque estão mais distantes da poluição e da ação humana da região mais próxima à costa litorânea. Mas lembre-se que os corais são fundamentais para proteger a região costeira das intempéries, que provocam erosão. Então, seja no litoral paulista ou nordestino, siga as dicas abaixo do MMA para turismo nos recifes de corais e aproveite bem as suas férias de verão.

  • Conheça as riquezas dos recifes de corais. Busque informações com condutores e outros profissionais da região.
  • Informe-se sobre os horários e ciclos de marés, para evitar situações imprevistas e perigosas.
  • Pedaços de conchas, corais, ouriços e estrelas do mar servem de abrigo e devem permanecer em seu ambiente natural. Não colete!
  • Não colete nada. Leve do ambiente recifal somente memórias e fotografias.
  • Lembre-se que o comércio de artesanato com corais sem autorização é crime ambiental.
  • Não toque nos corais, eles são animais muito frágeis e morrem facilmente. Além disso, você pode se machucar.
  • A pesca com explosivos e substâncias químicas é crime ambiental. Pesque legal, com licença e observando as restrições locais e apetrechos.
  • Nunca alimente os peixes, pois isso prejudica a saúde dos animais marinhos.

E mais…dicas para turismo em recifes de corais

  • Ao mergulhar em piscinas naturais, use apenas protetores solares à prova d´agua.
  • Em águas rasas, evite o uso de nadadeiras para não quebrar os corais. Movimente-se lentamente para não afugentar os animais.
  • Para evitar danos aos corais, mantenha sempre os equipamentos de mergulho perto do corpo.
  • Ao movimentar jangadas, evite o contato do remo com os recifes.
  • Próximo aos recifes de corais, mantenha a hélice em baixa rotação, garantindo assim a conservação dos corais e a boa visibilidade da água.
  • Fundeie o barco na areia. Assim você preserva os corais e evita um crime ambiental.
  • Reduza o uso de plástico no seu dia a dia. Lembre-se que plásticos descartados indevidamente vão parar no mar e podem causar a morte de animais marinhos.
  • Descarte o lixo em local apropriado e nunca o deixe na praia ou no mar, pois ele prejudica a fauna marinha.

Além destas dicas, não se esqueça de um fator preponderante: não use protetor solar ao mergulhar em recifes de corais especialmente.

Onde encontrar recifes de corais no Brasil

Além das agências de turismo, o site do Ministério do Meio Ambiente mantém uma área dedicada ao ecossistema, com uma lista das áreas de preservação de recifes de corais. Conheça:

imagem de Turismo em recifes de corais no parque Municipal do recife de Fora
A horda de turistas chega ao Parque Municipal do Recife de Fora

Unidades de Conservação que protegem ambientes recifais no Brasil

Parque Estadual Marinho do Parcel do Manuel Luís/MA – Criado em 1991, tem a finalidade de preservar a biodiversidade e o patrimônio genético dos recifes de coral e garantir os uso sustentável dos recifes. Em 1999, foi designado como Sítio Ramsar.

Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha/PE – Criado em 1988, tem como objetivo preservar o ecossistema marinho, a tartaruga Aruanã e os recifes de coral, além de garantir a reprodução do Golfinho-Rotador. É um Sítio do Patrimônio Mundial Natural da UNESCO.

Área de Proteção Ambiental de Fernando de Noronha – Rocas – São Pedro e São Paulo – Criado em 1986, tem como objetivo proteger e conservar a qualidade ambiental e as condições de vida da fauna e da flora.

Área de Proteção Ambiental Estadual dos Recifes de Corais – Criada em 2011 pelo Governo do Rio Grande do Norte, corresponde a área marinha que abrange a faixa costeira dos municípios de Maxaranguape, Touros e Rio do Fogo.

Parque Estadual Marinho da Areia Vermelha – Criado em 2000 pelo Governo da Paraíba, tem como objetivo preservar os recursos naturais da área: a coroa, os recifes, a fauna e a flora.

imagem de turistas em corais
Enquanto os turistas pisoteiam corais, a fiscalização assiste impassiva. É preciso mais informação.

De Pernambuco até Maceió

Área de Proteção Ambiental Costa dos Corais/PE/AL – Criada em 1997 para proteger os recifes costeiros e ecossistemas associados, além de fauna ameaçada de extinção como o peixe-boi marinho. A área estende-se de Tamandaré em Pernambuco até Maceió, em Alagoas.

Bahia

Área de Proteção Ambiental do Litoral Norte/BA – Criada em 1992 e localizada no norte do Estado da Bahia, abrange uma área de 142.000 ha e tem como objetivo conservar remanescentes de Mata Atlântica, manguezais, áreas estuarinas, restingas, dunas, lagoas e recifes de coral.

Área de Proteção Ambiental da Plataforma Continental do Litoral Norte

 Foi criada em 2003. Possui uma área estimada de 3.622,66 km², envolvendo as águas inseridas na poligonal partindo do Farol de Itapuã, em Salvador, seguindo em direção ao norte, até a divisa com Sergipe. Tem como objetivo proteger as águas salobras e salinas, disciplinar a utilização das águas e dos recursos, combater a pesca predatória pelo incentivo ao uso de técnicas adequadas à atividade pesqueira, proteger a biodiversidade marinha, promover o desenvolvimento de atividades econômicas compatível com o limite aceitável de câmbio de ecossistemas e buscar uma melhoria constante da qualidade de vida das comunidades que usufruem da área.

Área de Proteção Ambiental da Baía de Todos os Santos/BA – Criada em 1999, tem como objetivo assegurar a proteção das ilhas e ordenar as atividades socioeconômicas da região.

APA Recifes de Pinaúnas/BA – Criada em 1997, no município de Vera Cruz, tem como um dos objetivos proteger o ecossistema recifal.

APA Tinharé- Boipeba/BA – Criada em 1992, entre a Ponta do Curral e a costa do Dendê, no litoral sul da Bahia, tem como objetivo proteger manguezais, praias e recifes.

Área de Proteção Ambiental da Baía de Camamu/BA – Criada em 2002, abrange uma área de 118.000 ha, nos municípios de Camamu, Marau e Itacaré, com o objetivo de preservar os manguezais, as águas doces, salobras e salinas, disciplinar o uso e ocupação do solo, combater a pesca predatória e proteger os remanescentes de floresta.

imagem de Turismo em recifes de corais
Na Bahia turistas pisoteiam os corais do Parque Municipal do Recife de Fora com tênis alugados de companhias de turismo irresponsáveis.

Ainda na Bahia…os Parques Municipais Marinhos:

Da Coroa Alta/BA – Localizado no município de Santa Cruz Cabrália, no sul da Bahia, o parque foi criado em 1998 e apresenta uma formação mista, com recifes e bancos de areia, desde a praia até o grande banco recifal ao largo do município.

Do Recife de Fora/BA – Localizado em Porto Seguro, foi criado em 1997 com o objetivo de proteger os recursos naturais e ser utilizado como área para recreação, educação e pesquisa.

Recife de Areia/BA – Criado pela prefeitura de Alcobaça, em 1999, tem como objetivo proteger as formações recifais, fauna e flora da região próxima aos recifes de Timbebas.

Parque Nacional Marinho

Abrolhos/BA – Foi o primeiro parque nacional marinho criado em 1983, com o objetivo de proteger os ecossistemas recifais, de ilhas e associados, que servem de abrigo e área de reprodução para tartaruga marinha, baleia jubarte e aves marinhas. E também a Área de Proteção Ambiental Ponta da Baleia/Abrolhos – Criada pelo Governo da Bahia em 1993, tem cerca de 35 mil ha, dos quais 90% são ecossistemas marinhos e inclui todos os recifes costeiros ao sul de Timbebas.

Área de Proteção Ambiental Santo Antônio/BA – Foi criada em 1994 pelo Governo da Bahia com o objetivo de conciliar as atividades socioeconômicas com o uso sustentável dos ecossistemas naturais, a exemplo do ecossistema litorâneo que se estende da foz do rio João de Tiba até a foz do rio Jequitinhonha, nos municípios de Santa Cruz de Cabrália e Belmonte, caracterizado pela presença de várzeas associadas à vegetação de restinga costeira e pela existência de remanescentes da Mata Atlântica, bem como de recifes de corais.

Reserva Extrativista Marinha de Corumbau/BA – Criada em 2000, na região de Prado e Porto Seguro, para garantir a exploração de forma sustentável e a conservação dos recursos naturais da área.

Fontes: http://www4.icmbio.gov.br/portal/images/stories/o-que-fazemos/Monitoramento_dos_Recifes_de_Coral_do_Brasil_Livro.pdf;http://g1.globo.com/natureza/noticia/2012/09/litoral-do-pais-perdeu-80-de-recifes-de-corais-em-50-anos-diz-estudo.html; https://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2019/03/14/corais-de-5-mil-anos-sao-descobertos-em-sp-ao-lado-de-ilha-habitada-por-serpentes.ghtml; http://coralvivo.org.br/arquivos/documentos/Livro-Zilberberg-et-al-2016-Conhecendo-os-Recifes-Brasileiros-Rede-de-Pesquisas-Coral-Vivo.pdf; http://coralvivo.org.br/arquivos/documentos/Manual-Conduta-Consciente-em-Recifes.pdf; https://www.mma.gov.br/images/arquivo/80089/Biodiversidade_Costeira_Marinha_Brasileira.pdf; https://www.mma.gov.br/images/imagens/biodiversidade/biodiversidade_aquatica/conduta_consciente_cartazA2_recifes1.pdf; https://www.mma.gov.br/images/imagens/biodiversidade/biodiversidade_aquatica/conduta_consciente_cartazA2_recifes2.pdf

Tsunamis, o poder destrutivo dos piores da história

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here