Oceanografia: a mais recente disciplina científica

2
4863
views

Oceanografia: a mais ‘recente’ disciplina científica explica por que conhecemos tão pouco

Os oceanos são pouco estudados, isso já se sabe. A primeira investigação  organizada dos oceanos só aconteceu em 1872, quando a Royal Society, o Museu Britânico, e o governo britânico, organizaram a expedição do HMS Challenger. Nascia a oceanografia.

desenho do navio HMS Challenger
O HMS Challenger. Ilustração, North Wind Picture Archives/Alamy, BBC Travel.

Ela   durou três anos e meio, percorrendo todos os oceanos. Na volta trouxe mais de 4.700 novas espécies de organismos marinhos, e reuniu informações ‘suficientes para criar um relatório de 50 volumes, que levou dezenove anos para ser completado. A expedição  legou ao mundo uma nova disciplina científica: a oceanografia’ (Fonte: Breve História de Quase Tudo, de Bill Bryson, ed. Cia das Letras).

ilustração de mapa com a rota do Challenger, que iniciou a oceanografia
Mapa da viagem do Challenger (desenho: www.19centuryscience.org)

“A viagem do  Challenger mudou o conhecimento dos oceanos. Ele deu a volta ao mundo, entre 1872 e 1876, percorrendo 127 mil quilômetros. A saga mudou o conhecimento dos oceanos. Sua influência foi tal que o estudo do mar foi encarado a partir daí como uma disciplina legítima à qual foi dada o nome de Oceanografia. Liderada por Wyville Thomson, durante a viagem descobriram-se mais de 4.700 espécies.”

“E, mais importante, ficou-se sabendo que havia vida marinha abundante nas profundezas. A maior proeza da viagem foi a descoberta de que a vida, que pensava restringir-se à terra e às águas iluminadas pelo Sol, estava à espera de ser encontrada, para lá das profundidades ou do frio.”

A viagem não foi um cruzeiro simples. Entre dezembro de 1872 e maio de 1876, a figura de proa na proa do HMS Challenger sentiu o borrifo salgado dos oceanos Atlântico Norte e Sul, bem como vastas faixas do Pacífico, até se aventurando abaixo do Círculo Antártico. A circuncisão de sua rota valeu a pena.

A lendária viagem do Challenger

Segundo a BBC Travel, ‘A história de sua agora lendária expedição mundial começou há 150 anos, em 1870, quando um professor da Universidade de Edimburgo e zoólogo marinho chamado Charles Wyville Thompson convenceu a Royal Society de Londres a apoiar uma longa e detalhada viagem de exploração pelos oceanos do mundo’.

‘A aprovação do governo para a viagem foi solicitada e, posteriormente, obtida. A Marinha Real emprestou ao empreendimento um navio forte e robusto que passou a primeira década de sua vida em serviço ativo: o HMS Challenger.’

O HMS Challenger

‘Construído no agora extinto Woolwich Dockyard da Inglaterra e lançado pela primeira vez em fevereiro de 1858, o HMS Challenger foi construído como uma corveta ou navio de guerra da Marinha Real, de madeira, com auxílio de vapor. Mediu cerca de 61m de comprimento.

‘Quinze das 17 armas foram removidas para dar espaço aos laboratórios e salas de trabalho a bordo. Áreas de armazenamento foram criadas para as amostras marinhas que seriam coletadas. Uma tripulação foi montada, com mais de 200 soldados e comandada pelo capitão George Nares, que em 1869 estava no comando da primeira embarcação a passar pelo recém-aberto Canal de Suez. Uma equipe de seis cientistas, liderada pelo próprio Wyville Thompson, se juntou a eles’.

desenho de um laboratório a bordo do
Um dos laboratórios de bordo. Ilustração, Science History Images/Alamy, BBC Travel.

‘Nos 42 meses seguintes, o navio percorreria 127.600 km em uma jornada que incluía nada menos que 362 paradas – “a intervalos o mais uniformes possíveis”, segundo Wyville Thompson – para colher amostras do fundo do mar com redes pesadas, estudar a vida marinha, avaliar a profundidade do oceano e medir a temperatura da água’.

A coleção trazida da viagem

‘Hoje, examinar a coleção on-line de seus 4.772 espécimes físicos revela uma extraordinária cornucópia da vida marinha: caracóis marinhos dos Açores; lulas das águas ao redor do Japão; minúsculos alimentadores de filtro extraíram mais de 300 braças (550 m) abaixo das ilhas havaianas; dentes de tubarão, caranguejos, porcos marinhos e enguias de cobra’.

‘Atualmente, esses artefatos são mantidos por museus do Reino Unido, Irlanda e EUA – entre eles o Museu de História Natural de Londres e o Royal Albert Memorial & Art Gallery em Exeter, Inglaterra – com vários itens ainda em exibição’.

O relatório é usado ainda hoje

“As medidas da expedição Challenger prepararam o terreno para todos os ramos da oceanografia”, explicou o Dr. Jake Gebbie, cientista associado da Woods Hole Oceanographic Institution. “Eles capturaram um momento no tempo que teria sido perdido. O relatório ainda é usado em pesquisas de alto impacto hoje.”

O efeito das mudanças climáticas na temperatura da água é apenas uma área em que as descobertas da viagem se mostraram inestimáveis. “Atualmente, estamos trabalhando na digitalização de todo o conjunto de medições de temperatura do Challenger”, continuou Gebbie, acrescentando que o instituto também está buscando entender a física que controla o oceano nessas escalas de tempo de um século. “Sem os dados do Challenger”, ele disse, “essa linha de pesquisa pode não ter sido tratável”.

‘Entre suas inúmeras outras descobertas notáveis, a expedição também foi a primeira a registrar a espantosa escala da Fossa das Marianas, o abismo do Pacífico que se estende muito mais profundo do que o Monte Everest é alto’.

Oceanografia: primeiros equipamentos modernos de mergulho

Não bastasse ter sido ‘a última das disciplinas’, a oceanografia só começou a se desenvolver pra valer depois da invenção do aqualung, em 1943, obra de Jacques Cousteau. Foi então que o ser humano teve condições de iniciar a exploração efetiva do maior ecossistema da Terra.

Mesmo assim, só uma pequena fração pode ser vista com o aqualung. Foi preciso esperar muito tempo até que a tecnologia passasse a fazer parte dos esforços para desvendar os mistérios dos oceanos. Hoje, além de satélites, há os robôs submarinos que descem a profundidades abissais. E até drones são usados na exploração e controle da pesca.

Mesmo assim, até hoje o ser humano explorou apenas cerca de 5% dos oceanos, e mapeou menos de 20% dos mares do mundo (atualmente o projeto Seabed pretende mapear todo o fundo dos oceanos até 2030). É por este motivo que um neto de Jacques Cousteau, promete uma estação espacial internacional subaquática dentro de três anos.

Mas o atraso nos estudos gerou problemas inacreditáveis até hoje, entre os quais…

Ano geofísico Internacional 1957-8, objetivo: estudar o uso das profundezas para despejos radioativos

Parece piada, mas não é. É apenas mais uma prova da abissal ignorância que temos em relação aos oceanos. A prova cabal foi o objetivo principal do ano geofísico 57-58. A pesquisa aconteceu porque, desde 1946, os EUA transportavam tambores de 208 litros de lixo radioativo para as ilhas Farallon, cerca de 50 Km ao largo da costa da Califórnia, onde eram jogados ao mar. De acordo com Bill Bryson

tudo era feito no maior desleixo. Os tambores eram do tipo que se vê enferrujando atrás de postos de gasolina. Quando um deles não afundava, o que era comum, atiradores da marinha crivavam-no de balas para a água entrar e, lógico, plutônio, urânio e estrôncio vazarem.

Até a década de 1990 os oceanos eram depósitos radioativos

A atividade só foi interrompida em 1990 quando os EUA já tinham despejado centenas de milhares de tambores em cerca de cinquenta locais oceânicos- quase 50 mil nas ilhas Farallon. Mas os EUA não estavam sozinhos. Rússia, China, Japão, Nova Zelândia, e quase todos os países ricos da Europa seguiram esse exemplo.

Mapa onde o lixo radiativo, de ‘baixo nível, foi despejado no mar (fonte: iaea.org)

Oceanografia: do século 19, para o 21, avançamos pouco em pesquisas

Foi ainda no século 21, graças aos esforços da exploração de petróleo em águas profundas, que novos equipamentos passaram a servir também à oceanografia. A França, por exemplo, se inspirou na estação espacial internacional para construir  um navio laboratório que será usado na exploração e estudo dos oceanos.

Mesmo assim até hoje conhecemos menos de 5% dos oceanos profundos

Já a mundialmente reconhecida Sylvia Earle, em seu livro A Terra é Azul, diz que conhecemos menos de 5% dos oceanos profundos. Com ela aprendemos que, desde os anos 50, metade dos recifes de coral em águas rasas desapareceu, enquanto os corais de águas profundas são devastados por novas tecnologias de arrastão, cujo objetivo é capturar peixes com décadas ou séculos de idade.

Essa prática fez com que várias espécies tivessem sua população reduzida em 90%. Para algumas, como o atum-rabilho, o bacalhau do Atlântico e certos tubarões, a taxa chega a 95%. E sua pesca ainda é permitida.

Imagem de abertura: North Wind Picture Archives/Alamy, BBC Travel.

Fonte virtual: http://www.bbc.com/travel/story/20200719-hms-challenger-the-voyage-that-birthed-oceanography?ocid=ww.social.link.facebook&fbclid=IwAR1Jn5rvSUMmK1RCmfCyDStAxB7X1aK-QND1BOY-0ftllBI6jG11bPXJvIw&referer=https%3A%2F%2Fl.facebook.com%2F.

Saiba por que o Brasil foi escala, e estaleiro, na era da vela

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

2 COMENTÁRIOS

  1. Tenho uma filha oceanógrafa e sua paixão é o mar e a preservação da natureza. Felizmente parece que os jovens deste século tem uma pegada diferente e não ficam na contemplação ou no discurso desconexo da realidade. Ela está desenvolvendo um projeto em Ilha Grande que visa transformar o descarte de redes de pesca em produtos sustentáveis como sacolas de nylon para diversos usos domésticos. Além do sentido ambiental, gera renda extra aos pescadores que atuam como artesãos desses produtos. Nas “entrelinhas” passa conhecimento científico à comunidade e aprende dela uma cultura própria de quem vive em função do mar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here