Estação Espacial Internacional Subaquática

0
169
views

Estação Espacial Internacional Subaquática, um projeto com a filiação Cousteau

Se existe uma no espaço sideral, a ISS, por que não outra no fundo dos oceanos? A do espaço sideral começou a ser construída em  1998 e terminou  em  julho de 2011 com a missão STS-135, com o ônibus espacial Atlantis. Ela foi construída com o objetivo de manter a permanência humana no espaço para que cientistas e pesquisadores prossigam os seus estudos. Da mesma forma, um dos netos do mitológico Jacques Cousteau Fabien, se inspirou nos estudos ainda incipientes dos oceanos para criar a sua Estação Espacial Internacional Subaquática. Apesar de já planejarmos a primeira viagem para Marte, até hoje o ser humano explorou apenas cerca de 5% dos oceanos, e mapeou menos de 20% dos mares do mundo (atualmente o projeto Seabed pretende mapear todo o fundo dos oceanos até 2030)

Estação Espacial Internacional Subaquática

De acordo com o site de Fabien, a ideia é redefinir as fronteiras da pesquisa marinha estabelecendo uma instalação de pesquisa subaquática tecnologicamente avançada, a 15 metros abaixo da superfície do Mar do Caribe, com o objetivo de estudar a maneira como avançamos no mergulho por saturação, expandindo nossa compreensão dos processos oceânicos e como eles impactam nossas vidas e nosso clima.

ilustração da Estação Espacial Internacional Subaquática de Fabien Cousteau
A Estação Espacial Internacional Subaquática de Fabien Cousteau vai se tornar realidade? Ilustração, https://www.fabiencousteauolc.org/.

Fabien segue as pegadas do avô. Em 1960, já consagrado, Jacques Cousteau foi capa da revista Times, para quem deu ampla entrevista. Entre outras, ele previu que um dia as pessoas teriam brânquias cirurgicamente adicionadas para que pudessem viver debaixo d’água.

Além de ser um incansável pesquisador dos oceanos, Cousteau foi também um brilhante inventor criando equipamentos capazes de ajudá-lo em suas explorações. Em 1956 retirou-se oficialmente da marinha francesa  com o posto de capitão.

Em 1957, foi nomeado diretor do “Oceanographic Institute and Museum” de Mônaco. No mesmo ano, através do Conshelf Saturation Program, demonstrou que a habitação subaquática era possível.

O filme “World Without Sun” foi baseado neste projeto. Esta ideia aparentemente maluca gerou frutos. Muitos laboratórios submarinos foram criados. Hoje resta apenas um ainda em atividade, o Aquarius Reef Base no litoral da Flórida.

E esta, a trilha de seu neto Fabien Cousteau que já passou um bom tempo debaixo d’água.

Cidades submarinas nos anos 60

Jacques Cousteau tinha entre suas preocupações a superpopulação mundial (afirmou ser a favor do controle populacional humano e diminuição da população), e a capacidade dos oceanos em nos ajudar.

Nos anos 60, Cousteau estava envolvido com um conjunto de três projetos para construir “cidades” submarinas. Os projetos foram denominados Precontinent I,II e III. Elas foram uma tentativa de criar um ambiente em que os homens pudessem viver e trabalhar no fundo do mar. Mas ele não teve tempo, nem tecnologia, para fazer vingar seus projetos. Até que o neto levou a tarefa adiante.

Fabien Cousteau e a Estação Espacial Internacional Subaquática

Objetivo? Oferecer aos cientistas e acadêmicos um laboratório de pesquisa essencial de última geração e uma plataforma para gerar descobertas científicas disruptivas em áreas como medicina, genética, energia sustentável e cultivo de alimentos. A visão é que ela seja um catalisador para melhorar a saúde da humanidade e os oceanos nos quais toda a vida depende.

Design e desenvolvimento da estação Proteus

Para Fabien, a Proteus redefinirá a maneira como avançamos na exploração e pesquisa em alto mar. E o foco para 2020  é o design e desenvolvimento inicial da estação subaquática. Para o neto de Cousteau, os cientistas nos dizem que precisam de ferramentas avançadas, como uma estação subaquática e um habitat tecnologicamente avançados.

Se esperamos avanços, é preciso qualquer coisa que lhes dê mais tempo em profundidades maiores, o que seria um enorme benefício para a pesquisa oceânica, dados os desafios e dificuldade de tempo em águas mais profundas.

A Estação Proteus

Trata-se de laboratório modular de 370 metros quadrados projetado como estrutura circular de dois andares. E ancorado em um palanque sobre palafitas. Os casulos da Proteus terão laboratórios, quartos, salas médicas e uma  abertura no piso para os mergulhadores acessarem o fundo do oceano.

ilustração da Estação Espacial Internacional Subaquática
Ilustração, https://www.fabiencousteauolc.org/.

Ela será alimentada por energia eólica e solar e pela conversão de energia térmica do oceano. A estrutura também apresentará a primeira estufa subaquática para o cultivo de alimentos (atualmente existe uma fazenda subaquática no litoral da Itália), além de um estúdio para produção de vídeo. Ela deve estar pronta em três anos.

Para o neto de Cousteau, “A exploração oceânica é mil vezes mais importante do que a exploração espacial para a nossa sobrevivência, nossa trajetória no futuro, falando de forma egoísta”. “É o nosso sistema de suporte à vida. É a própria razão pela qual existimos em primeiro lugar.”

O Mar Sem Fim já comentou a disparidade de investimentos para a exploração do espaço vis-a-vis a exploração do fundo dos oceanos.

“Não existe o impossível!”

Fabien vive segundo o princípio de que “não existe o impossível!” Durante anos sonhava em construir um habitat subaquático moderno; uma ‘estação espacial internacional’ debaixo d’água.

Seu sonho e determinação em transformar a realidade  foram reforçados depois que Fabien e sua equipe passaram 31 dias vivendo e trabalhando na última instalação subaquática habitável, Aquarius Reef Base em 2014, agora com mais de 30 anos.

Para tanto, em 2016 ele fundou a Fabien Cousteau Ocean Learning Center com objetivo de criar um veículo para mudanças positivas no mundo, capacitar as comunidades locais a defenderem a conservação dos oceanos das maneiras mais significativas para elas.

Para Fabien, ao envolver as comunidades locais em todo o mundo em atividades de restauração, conservação e pesquisa, podemos plantar as sementes do crescimento em direção a um relacionamento mais saudável entre nós e nosso sistema de suporte à vida proveniente de nossos oceanos.

Oxalá alcance os objetivos.

Assista ao vídeo de Fabien no Aquarius, que acabou por seduzi-lo na construção do Proteus

Imagem de abertura: https://www.fabiencousteauolc.org/

Fontes: https://www.fabiencousteauolc.org/; https://edition.cnn.com/style/article/proteus-designs-underwater-space-station-research-center-scn/index.html.

Inpe e ‘a perda de protagonismo que está em curso’

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here