Mediterrâneo, o mais poluído mar da Europa

3
4143
views

Mediterrâneo, o mais poluído mar da Europa

Olivia Gérigny, pesquisadora do Instituto Francês de Exploração do Mar (Ifremer), e principal autora do estudo de 20 anos  sobre poluição de resíduos no Mar Mediterrâneo, foi categórica: “Na década de 1990, havia cerca de 100 resíduos por quilômetro quadrado. Em 2012, o número havia subido para cerca de 200. E em 2015 atingiu seu pico com cerca de 300 resíduos por quilômetro quadrado ”

mapa do mar Mediterrâneo

Mar do Norte

Em comparação, o Mar do Norte tem uma densidade de cerca de 50 resíduos por quilômetro quadrado, quase seis vezes menos do que no Mediterrâneo.

Mediterrâneo e o período do estudo

Sacos, garrafas, latas, embalagens, cordas, redes de pesca, roupas … 60% dos resíduos que formam o chamado ‘tapete’ no fundo do mar do Mediterrâneo contêm plástico, de acordo com o estudo do Ifremer, que abrange o período 1994-2017. E as fontes são múltiplas: passeios de barco comercial ou recreativo, pesca, aquicultura, aterros sanitários, áreas industriais ou urbanas.

Também foi observado um alto acúmulo de resíduos em Marselha e no nordeste da Córsega. Mais de 800 espécies marinhas e costeiras são afetadas.

570.000 toneladas de plástico são lançadas no Mediterrâneo a cada ano

A BBC também fez matéria sobre o ‘mar com fim’, como o chamava Fernando Pessoa, e informa que  relatório do Fundo Mundial para a Natureza – WWF– (de 2019) aponta que todos os países do Mediterrâneo tiveram um desempenho inferior no gerenciamento da contaminação por plásticos.

infográfico do plástico no Mediterrâneo por país

Para o WWF, “70.000 toneladas de plástico são lançadas no Mediterrâneo a cada ano – o equivalente a 33.800 garrafas de plástico a cada minuto.”

“A produção de plástico é muito barata, mas os custos de gerenciamento de resíduos são amplamente descartados na natureza”

Esta é uma verdade mundial. Pode ser na Europa, na América do Sul, ou na Ásia. O plástico, cuja produção parece relativamente fácil, não é um material dos mais recicláveis, ao contrário. Para o WWF, “Todos os países devem revisar toda a sua cadeia de suprimentos … Essa é a única maneira de manter o plástico fora do Mar Mediterrâneo”. Segundo a ONG, “a costa do sudeste da Turquia tem a maior poluição plástica do Mediterrâneo, com 31,3 kg de detritos por quilômetro.’

lista e países que despejam plástico no Mediterrâneo

O relatório também destacou o Egito como a maior fonte de lixo plástico no Mediterrâneo, seguido pela Turquia.

Reciclar 100% dos itens de plástico

Esta é a (quase impossível) recomendação da ONG: “o relatório disse que todos os governos do Mediterrâneo deveriam estabelecer metas para reutilizar e reciclar 100% dos itens de plástico, criando assim zero desperdício. Ele também pedia a retirada gradual de itens plásticos de uso único.

Custo da poluição marinha no Mediterrâneo: 568 milhões de Euros por ano

O WWF diz que ‘a poluição marinha custa aos setores de turismo, pesca e marítimos cerca de  568 milhões de Euros a cada ano’. E acrescentou: ‘A menos que medidas sejam tomadas, a poluição por plásticos na região deve quadruplicar até 2050’.

2050 é uma data que já foi muito citada por pesquisadores. Um  relatório de 2016 do World Economic Forum e da Ellen MacArthur Foundation informa que, a continuar nesta toada, em 2050 haverá mais plástico que peixes (em peso) nos oceanos. Que tal?

O Mediterrâneo e sua importância

Para a BBC ‘o Mar Mediterrâneo representa menos de 1% da área oceânica global, mas é importante em termos econômicos e ecológicos. Contém entre 4% e 18% de todas as espécies marinhas e fornece receitas de turismo e pesca para os países do Mediterrâneo.

Berço da civilização Ocidental

Berço da civilização ocidental, a exploração do Mediterrâneo começou há milênios. E segue firme e forte até hoje. Todos os indicadores confirmaram ameaças aos seus recursos pesqueiros. Um estudo avaliou 1.912 espécies de anfíbios, aves, peixes cartilaginosos, peixes endêmicos de água doce, caranguejos  mamíferos, e répteis. Destes, diz a União Internacional para Conservação da Natureza, ‘cerca de 19% das espécies são ameaçadas de extinção: 5% em perigo crítico, 7% ameaçadas e 7% vulneráveis.

mapa do Mediterrâneo como berço da civilização ocidental

Ao todo 24 países são banhados pelo Mediterrâneo. Entre eles, alguns países ricos da Europa, como Espanha, Franca e Itália, e outros nem tanto, como a Albânia e a Grécia. No lado asiático, a Síria e o Líbano despontam como dois dos dois mais pobres. E ainda há, na África, o Egito, Líbia, Tunísia, Argélia e Marrocos.

Pesca no Mediterrâneo

A pesca no Mar Mediterrâneo é regida pela Política Comum das Pescas (PCP). O controle do esforço de pesca combinado com medidas técnicas específicas, como regulação de artes de pesca, estabelecimento de um tamanho mínimo de referência e fechamento seletivo de áreas e estações do ano, ou cotas para certas espécies, são as principais estratégias adotadas.

Mesmo assim, a ONG Oceana diz que “o número de espadartes no Mediterrâneo está em estado crítico. Décadas de sobrepesca e falta crônica de planos de gestão e recuperação levaram a uma queda de 70% na quantidade de peixe-espada no Mediterrâneo”. 

Quanto ao atum, a situação também é crítica. Apesar do peixe fazer parte da história da humanidade,  pintado em cavernas pelos homens primitivos,  sua imagem foi cunhada em moedas; a primeira referência que se conhece sobre a pesca da espécie data de 700 a.C, no mar Egeu (O Atum em Portugal). Cardumes de atuns serviram de alimento para os gregos e, posteriormente, para legiões  romanas. Hoje estão à mingua…

As cotas nem sempre resolvem. A sanha humana nada respeita. Em 2018 descobriram até mesmo contrabando de atum rabilho no Mediterrâneo, envolvendo França, Itália, Espanha e Malta.

Imagem e abertura: google

Fontes: https://www.euractiv.com/section/energy-environment/news/mediterannean-is-europes-most-waste-polluted-sea-study-says/; https://www.bbc.com/news/world-48554480; https://www.iucn.org/downloads/the_mediterranean_a_biodiversity_hotspot_under_threat_factsheet_en.pdf;

Buraco na camada de ozônio do Ártico, novo recorde

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

3 COMENTÁRIOS

  1. Tudo passa pela educação, não pela educação escolar, mas sim pela educação familiar, onde aprendemos o que é certo e errado, vejo as beiras de estradas, ruas e quintais cheios de lixo, se está pessoa que joga o lixo tivesse uma família estruturada onde seus Pais mostrassem o que é certo e o correto de fazer não haveriam tanto descarte errado, mas o que vemos hoje, e as famílias desestruturadas onde as pessoas pensam somente em seus umbigos, começam uma família e abandonas como se fosse alguma coisa qualquer, assim como um ser humano vai crescer e se desenvolver dentro de uma educação onde possa saber o que é o correto em fazer.

    • Estamos deixando um péssimo legado para futuras gerações, poluição, destruição ambiental…..esquemos que temos somente essa casa, Planeta Terra, outros planetas podemos visitar, mas habita-los ainda não é possível.

  2. O tema poluição/ degradação ambiental é o maior anatema da humanidade.
    Não ha qq hipotese de reverter a tendencia se a população mundial não for controlada de alguma maneira.
    Isso é possivel ?
    Claro que não ……Então deduzam as consequencias,,,,

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here