Litoral engolido por eventos extremos, e sem políticas

9
9218
views

Litoral engolido por eventos extremos, e nada de políticas públicas para a zona costeira

O aquecimento global e os eventos extremos, uma desforra da natureza para nossas ações insustentáveis, estão comendo os litorais mundo afora. No Brasil não é diferente. ‘Litoral engolido por eventos extremos, e sem políticas públicas’, procura alertar para o fato de que até agora não há qualquer ação governamental para amenizar o problema.

O pior não é apenas o avanço da erosão na costa ameaçando milhares de pessoas. Os animais marinhos, que já estão em xeque, têm seus mais importantes ecossistemas  nesta faixa sensível onde começa  90% do ciclo de vida. E ainda tem muito de mar pra subir. De 2006 até 2019, o nível do mar aumentou 3,6 mm por ano. Se continuar assim, até 2100 estará 1 metro acima do normal. E, aí?

Litoral de Santa Catarina. Imagem, (Reprodução: NSC/TV).

Litoral engolido por eventos extremos

“Mar invade cidades litorâneas do RN” é a manchete da Tribuna do Norte; O G1 engrossa o caldo, “Mar invade ruas de Galinhos, no litoral norte potiguar”; o Diário do Nordeste vem com “Avanço do mar preocupa moradores e afeta economia de Icapuí”; engana-se quem pensa que o problema se resume ao Nordeste. “Avanço do mar em Florianópolis e região” foi a manchete do https://ndmais.com.br/; já, o site https://www.nsctotal.com.br/  põe o dedo na ferida, “O aquecimento global e a elevação do mar; cidades de SC podem ter problemas.” Enquanto isso, em Brasília…

imagem de praia erodida em Navegantes, SC
Navegantes, SC. Imagem, www.navegantes.sc.gov.

Prejuízos dos eventos extremos: de R$ 180 bilhões, a R$ 335 bilhões

Este site já fez inúmeras matérias, há muitos anos, alertando para o problema que, para evitar polarização, reiteramos não ter sido criado pela atual administração. Mas ela, como as anteriores, ainda não acordou para a urgente necessidade de políticas públicas para o litoral.

imagem do aterro Beira Mar, Fortaleza
Parte do novo aterro da Beira-Mar, cuja área está isolada, também foi afetada pelas chuvas, causando acúmulo de água. — Foto: Thiago Gadelha/SVM.

Estudos da academia procuram precificar os desastres naturais. Um deles, ‘Valorando tempestades-Custo econômico dos eventos climáticos extremos no Brasil nos anos de 2002- 2012‘, produzido pelo Instituto de Economia da UFRJ, com base no cruzamento de dados do ‘Atlas Brasileiro de Desastres Naturais‘  com uma estimativa média para o Brasil de custo econômico por pessoa afetada diz que,

Há danos ou custos diretos à infraestrutura social e econômica e à produção, a interrupção de serviços essenciais e também efeitos secundários macroeconômicos.

Segundo CEPED (2013), 35% dos desastres climáticos registrados no Brasil no período de 1991 a 2012 foram diretamente relacionados com a ocorrência de fortes precipitações.

Os resultados para a perda total no período 2002-2012 oscilam entre R$ 180 bilhões (estimativa usando o coeficiente R$/Desabrigado), R$ 300 bilhões (coeficiente R$/Desalojado) e R$ 355 bilhões (coeficiente R$/Afetado), com valor médio de R$ 278 bilhões.

O problema não se resume só a omissão dos governos

A erosão no litoral é fator natural e conhecido. Mas acirrado na zona costeira pelo mau uso por parte de cidadãos incautos e egoístas (além do aquecimento). Veja-se acima, os custos desta omissão. São bilhões de reais que já estão contribuindo para secar os cofres públicos. Não seria o caso de chamar quem de direito, especialistas da academia que passam a vida estudando estes problemas, e dar-lhes voz? O problema é mais grave no País porque, conforme publicou o IBGE, ‘o Brasil é povoado no litoral e vazio no interior’.

erosão em Nova Almeida
Nova Almeida, Espírito Santo. Imagem, suado Alves.

Litoral brasileiro ao deus-dará

Este tem sido nosso mantra desde a primeira viagem pela costa brasileira, entre 2005-2007. De lá pra cá, logramos algumas vitórias. O plástico no mar, que até certo tempo só era mencionado pelo Mar Sem Fim, finalmente ganhou as manchetes dos jornais e TVs. A imprensa acordou, e hoje já há até estudantes brasucas ganhando prêmios em concursos da Nasa com propostas para mitigar o problema.

imagem de casa detruída a beira-mar
praia de Icapuí, Ceará, Imagem,NATINHO RODRIGUES.

Algumas questões relacionadas

Como já dissemos, o problema não se resume apenas à falta de políticas públicas para o menosprezado litoral. Há uma terrível e generalizada falta de educação. Seja na questão da poluição humana, como mostramos nas praias em que houve festas pela virada do ano, ou no seio do ministério da Educação, onde o atual ministro não consegue escrever uma frase sem cometer erros grosseiros até mesmo na mídia social. O primeiro ministro, Vélez Rodrigues, se notabilizou por declarações como “o brasileiro parece um canibal quando viaja ao exterior”; o segundo, escreve ‘imprecionante’, em vez de impressionante!!

imagem de mar engolindo litoral em Galinhos, Rio Grande do Norte
Em breve Galinhos, RN, sairá do mapa? Imagem, http://www.tribunadonorte.com.br/.

Assim, fica difícil esperar melhoras na educação em prazo curto. Já, no ministério do Meio Ambiente, há uma terrível, e custosa, inversão. Procede-se ao desmonte do pouco que funcionava. Para culminar, tanto no Palácio do Planalto, como no MMA, há uma descabida ojeriza à ciência e tecnologia. O ministro faz parte do que se convencionou chamar de ‘negacionistas’, aqueles que não acreditam no aquecimento global. No Planalto, a birra é contra a ciência. O triste episódio da demissão do cientista Ricardo Galvão é apenas mais uma prova. Enquanto isso, o litoral desmorona.

O Brasil terá mais uma despesa enorme que poderia ser minimizada se houvesse humildade dos atuais caciques políticos.

Imagem de abertura: Reprodução: NSC/TV)

Fontes: https://www.opovo.com.br/noticias/fortaleza/2019/10/02/secretario-defende-engorda-de-orla-na-beira-mar—estamos-jogando-areia-em-cima-de-areia.html; http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/mar-invade-cidades-litora-neas-do-rn/461036; https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2019/10/02/mar-invade-ruas-de-galinhos-no-litoral-norte-potiguar.ghtml; https://br.sputniknews.com/ciencia_tecnologia/2019100214590156-nivel-do-mar-em-crescimento-que-regioes-serao-as-mais-afetadas/; https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/editorias/regiao/avanco-do-mar-preocupa-moradores-e-afeta-economia-de-icapui-1.2161238; https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/editorias/metro/online/apos-estudo-tecnico-obras-de-aterros-na-beira-mar-e-praia-de-iracema-sao-liberadas-1.2159180; https://www.portaltemponovo.com.br/abaixo-assinado-e-promessa-de-protesto-contra-engorda-de-praia-na-serra/; https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2019/11/09/obra-de-ampliacao-da-faixa-de-areia-de-praia-em-fortaleza-e-questionada-por-ambientalistas.ghtml; https://www.nsctotal.com.br/colunistas/puchalski/o-aquecimento-global-e-a-elevacao-do-mar-cidades-de-sc-podem-ter-problemas; http://www.navegantes.sc.gov.br/noticia/14116/obras-vai-recuperar-passarelas-destrudas-parcialmente-pela-ao-do-mar-no-fim-de-semana.

Peixe-boi, nova espécie descoberta em Rondônia

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

9 COMENTÁRIOS

  1. Se o nível do mar está subindo, imagino que não há como impedir, pois o mar é uma força da natureza; onde der ora cercar, tudo bem. Quanto aos moradores que se debruçaram sobre o mar, que me desculpem, vão perder sua propriedade, já que não conseguiram prever o problema. Já o papel do Governo nesses casos é discutível, sempre haverá polêmica, e não acredito em indenizações aos prejudicados.

  2. Política pública para área costeira é construir até onde não der para cobrar IPTU e “valorizar” o município. Se der problema, ótimo. Mais obras para político aparecer na propaganda e desviar recursos. Meu caro o problema é o governo, mais governo NUNCA será a solução para os problemas que o sistema de governo gera.

  3. Políticas públicas pra proteger o mar ou as casas construídas em locais errados? E tudo é aquecimento global? A influência humana perante as forças naturais e gigantescas que movimentam o planeta é como um se torcedor solta-se um pum no Maracanã lotado, ninguém iria perceber a não ser seu vizinho bem próximo. A MAR SEM FIM o ecoterrorismo globalista.

  4. “e nada de políticas públicas para a zona costeira”

    João Lara Mesquita você é sonhador! Acaso temos GOVERNOS??? Temos idiotas que pelas ignorâncias de eleitores se instalam nas mamatas pagas pelos contribuintes que recebem ZERO em retornos. Acaso temos SAÚDE, SEGURANÇA???? E nem vou bater em EDUCAÇÃO. Você reparou que o CORONAVÍRUS até trouxe coisas positivas afinal os enfadonhos programas de TVs não noticiam mais assassinatos, latrocínios, estupros, pedofilias etc, etc e etc. São apenas 30 horas/dia de coronavírus e nada mais.

  5. Não o mar que está avançando sobre as praias, mas, sim, o avanço desgovernado da população, que invade as faixas de domínio da maré alta. O mar é o menos culpado. Exatamente porque não existem políticas públicas para organizar o litoral. E vai piorar.

  6. O Estado brasileiro é pensado para dar mordomia para os amigos do Poder, a estrutura toda converge para manter privilégios dos grupos que dominam não para melhorar a qualidade de vida do povo que financia o sistema. Quando o dono de uma empreiteira precisa de dinheiro o governo inventa uma obra pra ele. “Povo trabalha para pagar a conta e os senhores do engenho vivem para desfrutar”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here