Arquipélago de Galápagos fascina desde Darwin

0
1487
views

Arquipélago de Galápagos fascina desde o tempo de Darwin

Galápagos é um destes lugares míticos do mundo. As ilhas podem, ou não, estar em seu roteiro de viagens. Mas são sempre lembradas como uma espécie de paraíso na Terra, tanto por quem viaja, como para os que pouco saem de casa. Por sabermos disso, da importância que a ilha teve na história recente da conservação mundial, seu absoluto sucesso como Parque Nacional, visitado por milhares de equatorianos e turistas de todas as partes do mundo, que ali aprendem as fragilidades de um ecossistema, e deixam dólares que pagam a conta, ajudam a manter a área protegida de forma sustentável. O arquipélago de  Galápagos também serve como exemplo para o pessoal do ICMBio, que ainda não conseguiu tirar do papel o plano de manejo da Revis de Alcatrazes, ou a ampliação do Parque Nacional Marinho de Abrolhos.

Galápagos

É o lar de um ecossistema complexo com fascinante história geológica. Exemplos únicos de vida vegetal e animal. A flora e a fauna  inspiraram  Charles Darwin a formular a teoria da evolução. Milhares de turistas e cientistas visitam as ilhas todos os anos para estudar a vida selvagem. Treze ilhas principais, sete menores e cerca de 125 ilhotas e rochas compõem o arquipélago de  Galápagos. A distância costa é de cerca de 600 milhas, do Equador, no Pacífico. As ilhas se espalham entre os hemisférios norte e sul. Matéria da Live Science.

imagem de ave no arquipélago de Galápagos
Gaivota de Lava, habitante alado de Galápagos.

Arquipélago de Galápagos, produto do vulcanismo

Isabela, a maior ilha, cobre 4.670 quilômetros quadrados. Altitude de 1.707 metros. A menor das ilhas principais é a South Plaza, com  área de 0,15 km2. Cerca de 20 quarteirões. As Ilhas Galápagos são vulcânicas. Localizam-se na Placa de Nazca, que está se movendo para leste-sudeste, em direção à Placa Sul-Americana. A reunião das duas placas tectônicas criou uma zona de subducção à medida que a placa de Nazca desliza sob a sul-americana. A Cordilheira dos Andes foi criada como resultado.

imagem do chão do arquipélago de galápagos
A lava esculpe o chão de Galápagos.

As ilhas têm idades diferentes

Quando a placa de Nazca passou pelo ponto de acesso de Galápagos – um ponto onde o magma empurra a crosta – vulcões entraram em erupção. Por fim, as Ilhas foram formadas.

imagem de caranguejos no arquipélago de galápagos
Os caranguejos estão por todos os lados no arquipélago de Galápagos.

Estima-se que o hotspot esteja ativo há pelo menos 20 milhões de anos. E que as ilhas como as vemos hoje se formaram nos últimos três a quatro milhões de anos. As mais antigas são Isla Española e South Plaza, que têm entre 3 milhões e 4 milhões de anos, segundo a Galápagos Vulcânica. As ilhas de Darwin, Fernandina, Genovesa, Isabela, Marchena e Santiago têm todas aproximadamente 700.000 anos de idade.

Galápagos não tem florestas

Embora estejam nos trópicos, as Galápagos não têm florestas tropicais exuberantes. As ilhas estão no caminho de três correntes oceânicas principais que se cruzam: A Corrente de Humboldt (ou Peru) traz águas frias da Antártida. A Corrente do Panamá é mais quente e vem do norte, e a Corrente de Cromwell faz com que a água profunda e fria suba à superfície (chamada de ressurgência). As águas mais frias mantêm o clima moderado e seco.

imagem de paredões de pedra no arquipélago de Galápagos
Às vezes as margens das ilhas são formadas por paredões de pedra como este.

A grande joia de Galápagos: os animais

As Galápagos são famosas por vários animais únicos, incluindo tartarugas gigantes, iguanas, tentilhões de Darwin e pingüins de Galápagos. De acordo com a Galapagos Conservancy, cerca de 80% das aves terrestres das ilhas, 97% dos répteis e mamíferos terrestres, e pelo menos 20% das espécies marinhas são endêmicas das ilhas. As únicas iguanas marinhas do mundo – além de três espécies terrestres – são endêmicas das Galápagos.

imagem de iguanas em arquipélago de galápagos
Arquipélago de Galápagos e as iguanas.

As tartarugas

As tartarugas nas Galápagos são as maiores do mundo, com machos chegando a 1,8 m de comprimento e mais de 250 kg. Eles vivem bem mais de um século. A mais antiga tartaruga conhecida viveu aproximadamente 170 anos.

imagem de Atobás de patas azuis
Atobás de patas azuis, outra especialidade de Galápagos. Vinte e nove espécies de aves terrestres vivem nas ilhas.

Há cerca de 20.000 a 25.000 tartarugas gigantes na natureza, de acordo com a Galapagos Conservancy, com a espécie como um todo classificada como vulnerável pela WWF. Quatro espécies estão extintas. George solitário, o último membro sobrevivente de Chelonoidis abingdoni, a espécie nativa da Ilha Pinta, morreu em 2012. Ameaças à sobrevivência das tartarugas gigantes incluem espécies invasoras e mudanças climáticas.

imagem de tartaruga gigantes de Galápagos
Joia do arquipélago de Galápagos.

Mamíferos marinhos

Poucas espécies de mamíferos são nativas de Galápagos: leões marinhos das Galápagos (Zalophus wollebaeki), focas de Galápagos (Arctocephalus galapagoensis), quatro espécies de ratos de arroz (Nesoryzomys narboroughii, Oryzomys bauri, Nesoryzomys swarthy e Nesoryzomys fernandinae) e duas espécies de morcegos (Lasiurus cinereus e Lasiurus brachyotis). Golfinhos e baleias também visitam as ilhas.

imagem do leão-marinho das Galápagos
O leão-marinho do arquipélago de Galápagos

O leão-marinho das Galápagos é o maior animal das ilhas, com machos pesando cerca de 250 quilos. Eles são freqüentemente encontrados descansando nas praias.

Aves

Vinte e nove espécies de aves terrestres vivem nas ilhas; 22 delas são espécies endêmicas e quatro são subespécies endêmicas. Treze das espécies endêmicas são variedades de tentilhões de Darwin, e quatro são espécies de aves de rapina.

image de pelicanos em Galápagos
Pelicanos são muito comuns no arquipélago de Galápagos.

Os tentilhões de Darwin e a Teoria da evolução

“Os tentilhões de Darwin formam o maior grupo populacional. Cada uma das espécies individuais, como notado por Darwin, tem um formato e tamanho distintos de bico, dependendo da dieta. As dietas variam de sementes, flores e folhas a insetos, incluindo carrapatos preparados de tartarugas e iguanas, bem como o sangue de aves marinhas. O estudo de Darwin sobre as diferenças entre os tentilhões ajudou-o a desenvolver as teorias da seleção natural e da evolução.

imagem de bicos de tentilhões de darwin
Os diferentes bicos, para a mesma espécie, teriam atraído a atenção de Darwin.

Com sua diversidade de tamanhos e formas de bico, cada espécie se adaptou a um tipo específico de alimento.

Arquipélago de Galápagos: história

O explorador Thor Heyerdahl encontrou potes e outros artefatos nas Galápagos na década de 1950, sugerindo que os sul-americanos visitaram as ilhas na era pré-colombiana. O primeiro europeu a visitar as Galápagos foi Frei Tomás de Berlanga, o espanhol depois nomeado bispo do Panamá. Ele acidentalmente chegou às ilhas em março de 1535  de acordo com a Cornell University. De Berlanga não se importou com as ilhas devido à sua dificuldade em localizar fontes de água doce. E à limitada vida vegetal e animal considerada valiosa para os seres humanos.

A primeira vez nos mapas

As ilhas apareceram pela primeira vez nos mapas do mundo por Gerardus Mercator e Abraham Ortelius por volta de 1570, com o nome Insulae de los Galopegos (Ilha das Tartarugas), de acordo com a Cornell University.

mapa mostrando arquipélago de galápagos
Arquipélago de Galápagos

O pirata Sir Francis Drake e Galápagos

Durante o auge do império espanhol, os piratas usaram as ilhas como base para suas incursões em navios espanhóis voltando para a Europa. Sir Francis Drake, um pirata/explorador contratado pela Inglaterra, foi o primeiro a usar as ilhas dessa maneira em 1578, de acordo com a Galapagos Conservancy.

A quase extinção provocada pelo homem

No final do século XVIII, os baleeiros começaram a substituir os piratas. Além de baleias, os baleeiros também caçavam tartarugas, pássaros e focas, levando algumas espécies à extinção ou perto dela, segundo Cornell. Estima-se que cerca de 200.000 tartarugas foram caçadas apenas no século 19, e as focas foram quase extintas no final do século.

imagem de praia do arquipélago de galápagos
Praia de Galápagos.

A colonização

De acordo com a Galapagos Conservancy, na década de 1920, os colonos noruegueses desembarcaram nas ilhas Floreana, San Cristóbal e Santa Cruz. Originalmente, queriam montar instalações baleeiras, mas mudaram para um negócio de pesca e fábrica de conservas. Os colonos alemães começaram a chegar em 1929 para trabalhar com os agricultores e pescadores noruegueses. Colônias penais foram estabelecidas em Floreana e San Cristóbal em meados do século XIX e em Isabela na década de 1940. As colônias penais foram fechadas em 1959 após uma rebelião em 1958 na prisão de Isabela.

O Parque Nacional

Em 1959, a grande maioria da área terrestre – 97% – foi designada como um parque nacional protegido, de acordo com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Quatro das ilhas – Floreana, Isabela, San Cristóbal e Santa Cruz – têm uma população total permanente de cerca de 25.000 pessoas, restritas aos restantes 3% da área total das ilhas.

imagem de piscina em galápagos
Arquipélago de Galápagos. É preciso cuidado como turismo.

O visitante mais ilustre: Darwin

Credenciado como o pai da evolução, Darwin era na verdade um geólogo treinado. Darwin viajou pela América do Sul por cerca de quatro anos, antes de aterrissar nas Galápagos em 1835. Durante esse tempo, Darwin se familiarizou com a vida vegetal e animal que vivia em vários climas ao redor do continente, bem como com algumas das ilhas que o navio visitou no Oceano Atlântico.

desenho do navio Beagle
O H.M.S Beagle. (Ilustração:www.londonremembers.com/)

No Beagle, ainda um criacionista…

Darwin foi um criacionista quando começou sua jornada no HMS Beagle. Mas ele lentamente mudou de ideia durante a viagem, especialmente quando estudou a vida em torno de Galápagos. Darwin viu muitas ilhas de vários tamanhos, próximas umas das outras e geologicamente jovens, habitadas por espécies de plantas e animais semelhantes, mas diferentes. Darwin concluiu que a vida nas Galápagos não fazia sentido com as visões atuais do criacionismo.

imagem de charles darwin
Charles Darwin. Imagem:editoraunesp.com.br.

Ameaças no caminho de Galápagos

Segundo a UNESCO, as principais ameaças às Galápagos são espécies invasivas de plantas e animais, aumento do turismo, crescimento demográfico, pesca ilegal e questões de governança. O aquecimento global é outra ameaça que está começando a afetar as ilhas, segundo a National Geographic.

Pesca ilegal

A pesca ilegal também é uma grande ameaça para o ecossistema. Um artigo de 2014 publicado na revista Aquatic Conservation: Marine and Freshwater Ecosystems observou que a pesca de tubarões simplesmente por suas barbatanas, por exemplo, cria um desequilíbrio no ecossistema: as populações de outras espécies predadoras, como leões marinhos, aumentarão, levando a um aumento do consumo de peixe, muitos dos quais são comercialmente valiosos. O desequilíbrio eventualmente leva a um ambiente que é insustentável tanto para o predador quanto para a presa.

EL Niño deixa rastro de destruição

A cada dois ou oito anos, o El Niño traz águas mais quentes e menos ricas em nutrientes. Muitas espécies sofrem durante este período, à medida que a cadeia alimentar é interrompida. Os eventos El Niño de 1982-1983 e 1997-1998 foram especialmente devastadores; a população de iguanas marinhas diminuiu em cerca de 90% e a população de pingüins caiu mais de 75%. A população total de leões marinhos diminuiu em cerca de 50%. Quase todos os leões marinhos com menos de 3 anos morreram.

Assista ao vídeo e conheça um pouquinho mais de Galápagos.

Fonte: https://www.livescience.com/62902-galapagos-islands.html.

Consumo de peixes e o mistério do ciclo do mercúrio

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here