Espécies invasivas, um dos grandes problemas ambientais

3
720
views

Espécies invasivas , um dos grandes problemas ambientais de nossa era

Espécies invasivas, ou introduzidas, são organismos não nativos a uma área específica. Espécies invasivas podem causar grandes prejuízos econômicos e ambientais à nova área. Nem todas as espécies não nativas são invasoras. Por exemplo, a maioria das culturas alimentares cultivadas nos Estados Unidos, ou no Brasil, incluindo variedades populares de trigo, tomate e arroz, não são nativas das regiões. Neste caso, são conhecidas como espécies exóticas. Mas qualquer tipo de organismo vivo pode se tornar uma espécie invasora – um anfíbio, plantas, insetos, peixes, fungos, bactérias ou até mesmo as sementes ou ovos de um organismo que não são nativos de um ecossistema e causam danos. Elas também são conhecidas como espécies invasoras alienígenas (IAS).

Espécies exóticas e invasoras

Espécies exóticas e invasoras são dois tipos de espécies não nativas. As espécies não-nativas podem ser encontradas em um segundo ecossistema além do ecossistema do qual elas evoluíram.  A maioria das espécies não-nativas ou indígenas são inofensivas. Elas são chamadas de espécies exóticas. Quando uma espécie exótica se torna prejudicial ao ecossistema, ela é chamada de espécie invasora. A principal diferença entre espécies exóticas e invasoras é que espécies exóticas são inofensivas ao ecossistema, enquanto espécies invasivas são prejudiciais ao ecossistema.

Na Lista Vermelha da IUCN e as espécies invasivas

Uma espécie invasora não precisa vir de outro país. Por exemplo, a truta do lago é nativa dos Grandes Lagos, mas é considerada uma espécie invasora no Lago Yellowstone, em Wyoming, porque compete com trutas nativas de habitat. IAS são a ameaça mais comum a anfíbios, répteis e mamíferos na Lista Vermelha da IUCN. Elas podem levar a mudanças na estrutura e composição dos ecossistemas que afetam negativamente os serviços ecossistêmicos, a economia humana e o bem-estar. Para minimizar os impactos elas fazem parte do alvo nº9 das metas de Aichi, e são a cláusula 15 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Diferença entre espécies invasivas e introduzidas

Para ser invasiva, uma espécie deve se adaptar facilmente à nova área, e reproduzir rapidamente. Prejudicar a propriedade, a economia ou as plantas e animais nativos da região. Muitas espécies invasoras são introduzidas em uma nova região acidentalmente. Os mexilhões-zebra são nativos do Mar Negro e do Mar Cáspio na Ásia Central. Chegaram aos Grandes Lagos da América do Norte acidentalmente, presos a grandes navios que viajavam entre as duas regiões. Há agora tantos mexilhões-zebra nos Grandes Lagos que eles ameaçaram espécies nativas. O mesmo pode-se dizer dos ratos deixados em ilhas pelas navegações à vela. Ou do mexilhão dourado, introduzido na América do Sul por navios. Hoje, eles são uma praga. O Centro de Bioengenharia de Espécies Invasoras de Hidrelétricas (CBEIH),  criado a partir do P&D ANEEL GT-343: Controle Do Mexilhão-Dourado, já investiu 8,2 milhões no combate ao mexilhão-dourado. E mesmo assim, persistem os problemas.  Outro problema gravíssimo de invasão, diz respeito ao peixe- leão, que já infesta águas brasileiras.

Problemas causados

Para o National Wildlife Federation, “Espécies invasoras estão entre as principais ameaças à vida selvagem nativa. Aproximadamente 42 por cento das espécies ameaçadas ou em perigo estão em risco devido a espécies invasoras. A saúde humana e as economias também estão em risco de espécies invasoras. Os impactos das espécies invasoras em nossos ecossistemas naturais e economia custam bilhões de dólares a cada ano. Muitas de nossas atividades comerciais, agrícolas e recreativas dependem de ecossistemas nativos saudáveis.”

Como chegam as espécies invasivas

Muitas espécies invasoras são introduzidas em uma nova região acidentalmente. Mas algumas espécies são trazidas para uma nova área de propósito. Muitas vezes, essas espécies são introduzidas como uma forma de controle de pragas. Outras vezes, espécies introduzidas são trazidas como animais de estimação ou exibições decorativas, caso do peixe-leão. Pessoas e empresas que importam essas espécies não antecipam as conseqüências. Nem mesmo os cientistas têm certeza de como uma espécie se adaptará a um novo ambiente. As espécies introduzidas multiplicam-se rapidamente e tornam-se invasivas.

Espécies Invasivas e o Meio Ambiente Local

Muitas espécies invasoras prosperam porque compõem espécies nativas como alimento. As carpa-de-cabeça-dourada e de prata são duas espécies grandes de peixes que escaparam das fazendas de peixes nos anos 90 e agora são comuns no rio Missouri, na América do Norte. Esses peixes se alimentam de plâncton, pequenos organismos que flutuam na água. Muitas espécies de peixes nativos, como o paddlefish, também se alimentam de plâncton. O ciclo de alimentação do paddlefish é mais lento do que o da carpa. Agora há tantas carpas no baixo rio Missouri que os peixes-remos não têm comida suficiente. Mais ou menos a mesma coisa aconteceu com o coral-sol, que infesta ilhas brasileiras.

O custo do problema

www.smithsonianmag.com, diz que são de ” US$ 40 bilhões anuais somente nos Estados Unidos, em termos do dano que causam nas plantações e florestas.  Apesar desses números assustadores, os pesquisadores ainda não avaliaram os custos mundiais que essas invasões causam como um todo. Em vez disso, a maioria das pesquisas sobre espécies invasoras foi feita apenas em um único país. O site www.sciencedirect.com diz que “O controle ótimo de espécies invasivas depende da natureza da função de custo de remoção. Obter estimativas confiáveis de custos de remoção, no entanto, é um desafio, porque a eficácia do controle de espécies invasoras é freqüentemente despercebida”. Agora, um novo estudo tenta preencher essa lacuna usando modelos computacionais complexos para quantificar a ameaça cumulativa de 1.300 pragas de insetos e patógenos fúngicos para a produção agrícola em 124 países. Os resultados são gritantes: quase um terço dos países estudados tinha uma alta probabilidade de invasão iminente. Os países em desenvolvimento podem experimentar os piores impactos, enquanto grandes produtores agrícolas como a China e os EUA apresentam o maior risco como fontes de espécies invasoras, de acordo com os resultados que foram publicados esta semana na revista Proceedings of National Academy of Sciences.

Os países que são os principais produtores agrícolas podem ser mais afetados

Ainda o www.smithsonianmag.com.“Os resultados indicaram que um terço dos 124 países enfrentou um risco muito alto de ser invadido, enquanto apenas 10 países enfrentaram um risco muito baixo. Em termos de custo absoluto, os países que são os principais produtores agrícolas – EUA, China, Índia e Brasil – podem perder mais. Mas, em termos ou custo relativo, os países em desenvolvimento, particularmente os da África Subsaariana, incluindo Malawi, Burundi, Guiné, Moçambique e Etiópia, eram os mais vulneráveis.

Espécies invasivas marinhas

Segundo a National Geographic, “Mais de 70% da terra é coberta por oceanos e grandes mares e existem mais de 1,6 milhões de quilômetros de costa. As pessoas dependem dos recursos fornecidos pelos oceanos e litoral para a sobrevivência e o bem-estar. Mais de um bilhão de pessoas confiam nos peixes como principal ou única fonte de proteína animal. No entanto, o nosso mundo marinho está sob ameaça: a sobre-exploração de seus recursos, a destruição de habitats, a poluição e as mudanças climáticas estão levando à perda de biodiversidade. Indiscutivelmente, a ameaça mais insidiosa, no entanto, é aquela colocada por espécies invasoras marinhas. Os governos estão trabalhando para educar o público sobre espécies invasoras. Por exemplo, nos Estados Unidos, os navios de pesca internacionais são avisados para lavar seus barcos antes de voltar para casa. Isso impede que eles transportem acidentalmente mexilhões-zebra ou outras espécies de um corpo de água para outro.

Espécies invasivas: o que você pode fazer

The Nature Conservancy lista seis maneiras fáceis de combater espécies invasoras:

+ Certifique-se de que as plantas que você está comprando para sua casa ou jardim não sejam invasivas. Entre em contato com a sociedade de plantas nativas do seu estado para obter uma lista de plantas nativas.

+ Quando navegar, certifique-se de limpar completamente o seu barco antes de colocá-lo em um corpo de água diferente.
+ Limpe suas botas antes de caminhar em uma nova área.
+ Não leve para casa animais, plantas, conchas, lenha ou alimentos de diferentes ecossistemas.
+ Nunca solte animais de estimação na natureza.
+ Seja voluntário em seu parque local, refúgio ou outra área de vida selvagem para ajudar a remover espécies invasoras. A maioria dos parques também possui programas de restauração de espécies nativas.

Assista ao vídeo e saiba mais


Imagem de abertura – www.iucn.org.

Fontes – https://www.nwf.org/Educational-Resources/Wildlife-Guide/Threats-to-Wildlife/Invasive-Species; https://www.nationalgeographic.org/encyclopedia/invasive-species/; https://www.iucn.org/theme/species/our-work/invasive-species; https://www.smithsonianmag.com/science-nature/global-price-invasive-species-180959522/; https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0095069616301322; https://www.iucn.org/theme/marine-and-polar/our-work/international-ocean-governance/managing-invasive-species.

Terminal pesqueiro chinês no Uruguai é ameaça ao Brasil

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

3 COMENTÁRIOS

  1. No planeta Terra a espécie mais invasiva é o ser humano. É ele que manipula e causa o desequilíbrio na Natureza. Foi ele que rasgou leis naturais essenciais como a da oferta e procura e principalmente a da seleção natural. Esta lei importantíssima determina que os mais capacitados se reproduzam mais a fim de preservar a espécie. O ser humano faz ao contrário e hoje precisa produzir lixo para comprar comida. Por causa disso, caminha para a extinção acabando com os recursos naturais e aniquilando milhares de seres vivos inocente pelo caminho. Os estoques atuais de armas diabólicas como as atômicas e químicas, já são suficientes para destruir a humanidade várias vezes. Somos o câncer do nosso planeta. A questão é: já entramos na metástase ou não?

    • Pera lá…”somos” o câncer do planeta…somos, quem, cara-pálida? Fale somente por você.
      Se quiser fazer a sua parte e ajudar a combater esse mal, é só procurar o viaduto mais alto e mais próximo…

  2. Esqueceram de mencionar sobre um brasileiro ganacioso que importou caramujos gigantes africanos imaginado serem escargôs, que memos franceses não são lá iguarias e em Minas Gerais é uma praga que autoridades sanitárias fazem questão de esconde-los por quais razões não sei.
    Em Mar Sem Fim as desgraças são as águas de lastros e como temos vigilâncias sanitárias do quarto ou quinto mundo é propagação certeira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here