Atol de Midway, Pacífico, e a guerra entre ratos e aves

2
1421
views

Atol de Midway, Pacífico, e uma guerra travada entre ratos e aves marinhas

A introdução de espécies exóticas cobra seu preço e, desta vez, a um custo muito caro. O Atol de Midway, Pacífico, ficou famoso por ser o local de uma das batalhas mais sangrentas da Segunda Guerra Mundial. Agora surge novo conflito que envolve ratos introduzidos no passado, e a exuberante fauna alada. Quem vai ganhar esta batalha? Matéria do The Guardian.

imagem dealbatrozes no atol de midway, pacífico
Albatrozes comidos vivos por ratos. Imagem, The Guardian.

A nova batalha no Atol de Midway, Pacífico

O governo dos EUA está avançando com um plano para atacar Midway com veneno destinado a erradicar camundongos. Eles estão em um ataque mortal através de um dos locais mais importantes do mundo para as aves marinhas. As três ilhas baixas, recifes de coral e lagoas que compõem o refúgio do Atol de Midway, localizado a cerca de 1.200 milhas a noroeste de Honolulu, cobrem uma área um pouco maior que o Central Park de Nova York. Ocorre que esta área é crucial para nidificação de milhões de aves, incluindo albatrozes e andorinhas-do-mar. Mais de 70% do albatroz-de-laysan do mundo são encontrados em Midway. Isso inclui Wisdom, uma criatura de 68 anos que se acredita ser a ave selvagem mais antiga do mundo. Este ano Wisdom chocou sua 37ª garota. As aves do atol já estão sendo mortas por ingestão de plástico, agora sofrem nova ameaça.

2015, fica clara a ameaça das espécies introduzidas

Em 2015 ficou claro que o idílio do Pacífico estava sob ameaça depois que cientistas e voluntários descobriram pássaros nidificando com feridas abertas em suas cabeças, pescoços e costas. Os ratos inadvertidamente introduzidos a Midway são responsáveis ​​pelas mordidas. Suas vítimas são essencialmente comidas vivas. Dezenas de aves marinhas morreram ou abandonaram seus ninhos. “Já vimos terríveis ataques a aves adultas que estão sentadas em ninhos, causando grandes ferimentos que são infectados”, disse Patty Baiao, gerente de programa dos EUA da Island Conservation, um grupo ambiental que trabalha no projeto. “Os albatrozes são pássaros monogâmicos e longevos, então, depois de tirar alguns adultos da população, você pode ter um impacto significativo. “Os ratos estão tendo um impacto em nível alto. Ficou claro que algo precisava ser feito.”

Bombardear o atol com um rodenticida

Rodenticida é um raticida, um veneno de elevada toxicidade utilizado para exterminar ratos e roedores em geral. Os raticidas constituem um tipo de pesticida. O veneno será distribuído via equipes em helicópteros. O plano foi aprovado devido ao entendimento de que os ratos, mas não os pássaros, serão atraídos pela isca. Os albatrozes-de-Laysan, que estão presentes no Midway durante todo o ano, serão transferidos para uma ilha sem ratos durante o projeto, que deve começar no próximo ano. Será necessário mais um ano para determinar se o ataque aos ratos foi bem sucedido, repetindo assim a erradicação de roedores em várias outras ilhas que sofreram quedas de vida selvagem. “Essa abordagem usa uma ferramenta que sabemos que funciona com efeitos comprovados”, disse Baiao. “Dada a urgência que temos, é a única opção realista”.

Ilhas e espécies exóticas

A reportagem não explica inteiramente para onde, e como, as aves serão transferidas. Em todo o caso, se for uma ação bem sucedida, haverá forte demanda. Praticamente não há ilha do mundo que não tenha sido infestada por ratos durante o período das navegações à vela. As brasileiras Fernando de Noronha, Abrolhos e Trindade, estão repletas deles, além de outras espécies introduzidas. De acordo com cientistas a maior causa de perda de biodiversidade no mundo é o desaparecimento de habitats. A segunda, a introdução de espécies exóticas. Sem predadores naturais, eles se proliferam e tomam o lugar da fauna nativa.

Assista ao vídeo e veja ataques de ratos em albatrozes


Imagem de abertura – The Guardian.

Fonte – https://www.theguardian.com/us-news/2019/may/24/midway-atoll-birds-albatross-terns-mice.

Poluição na fossa das Marianas, plástico e radioatividade

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

2 COMENTÁRIOS

  1. Aceitamos a colaboração para exterminar os ratos de Brasíia, estão acabando com o país. Dá muita pena! Um deles, codinominado Renan Calheiros, pertence a uma fauna de ratões que mata por contato. A familia, seus asseclas, deixam feridas abertas em tudo!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here