Ilha da Queimada Grande, ou Ilha das Cobras, e a ameaçada Jararaca-ilhoa

0
1837
views

Ilha da Queimada Grande, ou Ilha das Cobras, e a ameaçada Jararaca-ilhoa

No passado geológico, a Ilha da Queimada Grande ou Ilha das Cobras no sul de São Paulo era parte do continente. Contudo, depois da última era glacial, as águas do mar subiram a ponto de isolá-la do continente. A Terra teve cinco eras glaciais, e a que deixou a ilha isolada é um produto da última destas eras, que começou cerca de 115 mil anos atrás, e terminou há mais ou menos 11.000 anos. Começava, assim, a saga de uma cobra conhecida mundialmente e criticamente ameaçada de extinção devido, sobretudo, à caça ilegal. Com a subida do nível do mar, o pedaço de terra que se tornou uma ilha continha algumas jararacas como as do continente. As da ilha passaram, então, por um longo período de adaptação.

Jararaca-ilho na ilha da Queimada Grande, ou ilhas das cobras.
Uma jararaca-ilhoa dentro de um tubo de mangueira. Assim fazem os pesquisadores para estudarem o animal/ Acervo MSF.

A adaptação da jararaca

Segundo o site do Instituto Butantã, a jararaca-ilhoa (Bothrops insularis) é menor e mais leve que a jararaca continental, com uma cauda longa, adaptada para agarrar e escura na ponta, possivelmente usada para imitar larvas de inseto e atrair presas. Sua cabeça é maior e as presas menores comparadas às suas parentes.

Hoje, nos aproximadamente 43 hectares da ilha, vivem entre 2 e 4 mil jararacas-ilhoas. A ausência de mamíferos na ilha impedia que as cobras tivessem predadores para controlar sua população, e suas presas permaneciam muito limitadas.

Com poucos animais terrestres para caçar, as cobras tornaram-se especialistas na captura de aves que visitam a ilha durante as suas migrações anuais.

Jararaca-ilhoa em árvore
Quando elas enrolam-se em árvores fica difícil percebê-la. Acervo MSF.

É esta  dieta que explica a potência de seu  veneno mortal – enquanto a maioria das cobras venenosas se dão ao luxo de morder suas presas e rastreá-las até que elas sucumbam ao veneno, a jararaca-ilhoa precisa matar suas presas rapidamente, antes que o pássaro tenha a chance de voar.

Tráfico de animais silvestres pode levar à extinção da jararaca-ilhoa

Infelizmente, a saga da transformação, melhor dizendo, adaptação da jararaca-ilhoa, tornou-a conhecida mundialmente. Foi o que bastou para que o trafico internacional de animais silvestres  a descobrisse. Todos os anos 35 milhões de animais silvestres de nossos ecossistemas são traficados. Só 10% sobrevivem!

PUBLICIDADE

Ilha da Queimada Grande ou Ilha das Cobras.
Ilha da Queimada Grande. Acervo MSF.

O Facebook no tráfico internacional

Apesar da ilha da Queimada Grande ser uma unidade de conservação federal do bioma marinho, uma Rebio, Reserva Biológica, que não permite visitação pública, os traficantes pouco se importam. Como inexiste fiscalização, eles vivem desembarcando para capturar estes animais, e os venderem no exterior. Saiba que o Facebook virou a maior feira ilegal de animais no país, segundo fiscalização do Ibama, mas o instituto diz não conseguir apoio efetivo da rede social para prevenir a prática.

placa de proibido caçar na ilha da Queimada Grande ou Ilhas das Cobras. Acervo MSF.
Traficantes não dão pelota para os avisos. É preciso fiscalizar! Acervo MSF.

Os venenos derivados de animais são misturas complexas de toxinas que provocam importantes efeitos biológicos durante os envenenamentos. Embora as toxinas derivadas do veneno sejam conhecidas por seu potencial de causar danos às vítimas, elas também podem atuar como agentes farmacológicos.

jararaca do continente
Uma jararaca do continente para efeito de comparação.

A Organização Mundial da Saúde lista cerca de 200 espécies de cobras como “medicinalmente importantes”, devido ao seu potencial de prejudicar ou matar pessoas e à sua utilidade na produção de antiveneno.

Um milhão de cobras ameaçadas anualmente

Para você ter uma ideia do tamanho do tráfico, o Revelator informa que o mercado internacional vende legalmente cerca de quase um milhão de cobras ameaçadas de extinção anualmente.

Jararaca-Ilhoa
A Jararaca-Ilhoa. Acervo MSF.

Não se impressione já. A continuação da matéria revela que isso é apenas a ponta do iceberg em comparação com o número total de cobras vivas e mortas transportadas em todo o mundo, de acordo com investigadores e outros especialistas.

As espécies de cobras contadas vêm do CITES Apêndice II, que restringe o comércio de “espécies não necessariamente ameaçadas de extinção, mas cujo comércio deve ser controlado para evitar uma utilização incompatível com sua sobrevivência”.

pulseira de relógio feita de couro de Pyton.
Aqui uma pulseira de relógio feita de couro de Pyton. Imagem, www.therevelator.org.

O pior é que as cobras não são traficadas apenas em razão de seu veneno. Há inconsequentes em toda a parte, assim, muitos relógios de grife têm a cara de pau de usarem couro de cobra na pulseira.

China e Estados Unidos, os ‘maiores consumidores’

Segundo o Revelator, as cobras são enviadas ao redor do mundo, com a China e os Estados Unidos recebendo a maioria das importações de espécies listadas na CITES. Além dos artigos de couro, os EUA importaram mais de 3 milhões de cobras vivas.

Ilhas Cook na vanguarda da mineração submarina

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here