Colonização da Polinésia: DNA prova tese de Thor Heyerdahl

12
18450
views

Colonização da Polinésia: nova peça do quebra-cabeça valida tese de Thor Heyerdahlx

Apesar de vivermos no século 21, de termos caminhado na Lua no século anterior, e estarmos na iminência de viagens  ainda mais ousadas pelo espaço sideral, persistem muitos mistérios dos nossos antepassados. Exemplo? A colonização da Polinésia.

imagem da jangada Kon-Tiki em 1947
A Kon-Tiki em 1947. Imagem, https://www.tahiti-infos.com/.

Os europeus ficaram estupefados depois da descoberta da América quando veio à tona outra ‘descoberta’, a do oceano Pacífico. Naquela imensidão de 180 milhões de km², equivalente a um terço da superfície do planeta, europeus incrédulos descobriram que havia milhares de pequenas ilhas, muitas delas habitadas.

Elas estão a incontáveis quilômetros de distância dos continentes e separadas umas das outras por uma vastidão de mar, como foi possível a presença ali do ser humano? Colonização da Polinésia: nova peça do quebra-cabeça, traz pistas contundentes recém descobertas.

Colonização da Polinésia: nova peça do quebra-cabeça

Para alguns exploradores do século 20 o mistério era especialmente intrigante. Um deles foi o zoólogo norueguês Thor Heyerdahl. Ele se tornou célebre especialmente por ter cruzado o Pacífico em uma jangada em 1947, um extraordinário feito náutico.

imagem de jangada Kon-tiki
A Kon-Tiki. Imagem, google.

A experiência se tornou um clássico da literatura náutica, A Expedição Kon-Tiki, já mencionada neste site, onde narra sua travessia de 8.000 quilômetros.

Thor Heyerdahl e sua tese

Thor e sua mulher Liv viveram um ano isolados estudando e em lua de mel, em Fatu Hiva, no Pacífico. Foi então que ele começou a desenvolver sua teoria. Thor estava inquieto com uma série de questões. “Havíamos seguido as pegadas dos homens que tinham aportado aquelas ilhas vindo de uma região desconhecida. E nós também sabíamos que longe, na direção leste, estava localizado o litoral sul-americano. Separavam-nos dele 4.300 milhas marítimas, não havendo de permeio mais que céu e água.”

Ele se rendeu ao chamado: “Eu queria dizer adeus à zoologia e dedicar-me ao estudo dos povos primitivos.” Este insight  aconteceu antes da Segunda Grande Guerra, foi preciso esperar seu término para responder à inquietação da alma.

Naquela época, segundo escreveu no livro Expedição Kon-Tiki, “as investigações de todos os setores do saber têm coligido um repositório quase inesgotável de informações a respeito dos habitantes dos mares do Sul e dos povos que vivem nas suas cercanias. Mas nunca existiu acordo quanto à origem desses ilhéus.”

Colonização da Polinésia e a teoria de Thor Heyerdahl

A teoria era baseada na hipótese de que as ilhas poderiam ter sido colonizadas a partir da América do Sul, pelos incas e/ou seus ancestrais. Entre outras especulações, ele notou que as colossais representações de Tiki nas ilhas do Pacífico (segundo a lenda Tiki era o deus e chefe de todos os polinésios), especialmente na ilha de Páscoa, eram muito parecidas com os gigantescos monólitos, relíquias de civilizações extintas, da América do Sul’.

E dizia que ‘quando os europeus chegaram às ilhas do Pacífico, se espantaram de ver que muitos dos nativos tinham a pele branca e eram barbados’.

mapa das ilhas polinésias
Ilustração, CNN.

Thor sabia que a primitiva raça polinésia deveria ter vindo em alguma época, espontaneamente ou não, ao sabor das águas ou com a força de velas. Mas se inquietava com o fato de que ‘se os polinésios viviam dispersos sobre uma área do mar quatro vezes o tamanho da Europa não lograram produzir línguas diferentes nas diferentes ilhas’.

Dialetos de uma língua comum

“Há milhares de milhas, do Havaí ao norte à Nova Zelândia no sul, de Samoa no oeste à ilha de Páscoa no leste, todas estas tribos isoladas falam dialetos de uma língua comum a que demos o nome de polinésio. E todos tinham o culto dos antepassados; veneravam seus chefes mortos a partir da época de Tiki, sendo este tido como o filho do Sol.”

imagem da balsa Kon-Tiki no porto de Callao
Os exploradores no porto de Callao. Imagem, https://www.pec.pe/.

Prosseguindo em suas pesquisas sobre a origem de Tiki, Thor encontrou vestígios na cultura, mitologia e na língua do Peru. E encontrou mais: “Virakocha é um nome inca (quíchua) e de data bastante recente. O nome original do deus-sol Virakocha, que parece ter sido mais usado no Peru, era Kon-Tiki ou Illa-Tiki, que significava Sol-Tiki ou Fogo-Tiki. Kon-Tiki era sumo sacerdote e rei sol dos lendários ‘homens brancos’ dos incas que tinham deixado as enormes ruínas nas margens do lago Titicaca.”

Nasce um a expedição

Naquele tempo ninguém acreditava ser possível navegar em embarcações rudimentares da América do Sul para a Polinésia devido à distância colossal. Numa época sem a tecnologia atual as teses eram baseadas em evidências,  estudos comparativos e outros, e eram provadas à força de exemplo. Thor provou que a navegação era possível.

Estudou evidências da construção naval à época, ventos e correntes e, junto com seis companheiros de viagem fabricou uma jangada de pau-balsa sem ajuda de nenhum componente moderno. Os troncos foram amarrados com cordas feitas de cânhamo, e a jangada tinha uma vela.

imagem da tripulação da jangada Kon-tiki
A tripulação da Kon-Tiki. Da esquerda para a direita: Knut Haugland, Bengt Danielsson, Thor Heyerdahl, Erik Hesselberg, Torstein Raaby e Herman Watzinger. Imagem,https://www.museumaritimo.com.br/.

Partiram do porto de Callao, no Peru, em 28 de abril de 1947. Depois de 101 dias, e com mais de 4 mil milhas na esteira, a jangada Kon-Tiki encalhou em Raroia, atol  do arquipélago de Tuamotu, no Taiti.

Para os que não acreditavam que seria possível que ancestrais sul-americanos navegassem para as ilhas e as colonizassem, Thor provou o contrário. Grande sonhador, intuitivo, considerava que as ilhas do Pacífico poderiam ter sido ocupadas a partir da América do Sul.

Mas apesar da prova náutica, as controvérsias persistiram. Para muitos estudiosos a façanha de Thor provara apenas a sua resiliência em difíceis condições.

O que se sabe hoje sobre a colonização das ilhas do Pacífico

O biólogo Fernando Reinach é autor de uma síntese já reproduzida por este site que, rapidamente e com precisão, situa o leitor no espaço e no tempo: “por volta de 3.200 anos atrás estávamos no Arquipélago de Bismark. A parte oeste da Polinésia estava colonizada. Na parte leste da Polinésia as distâncias entre arquipélagos são medidas em milhares de quilômetros. É uma região triangular, do tamanho do Brasil.”

“No norte o Havaí, no sul a Nova Zelândia e no leste a Ilha de Páscoa. Os lados deste triângulo têm 10 mil quilômetros de comprimento. No centro, a Polinésia Francesa, um conjunto de ilhas que inclui o Taiti, o arquipélago mais próximo da ilha de Samoa, onde nossos antepassados chegaram mil anos antes do nascimento de Cristo e de onde partiram para conquistar o leste da Polinésia.”

“Finalmente, por volta de 1.200 anos atrás (ano 800 em nosso calendário) iniciamos a grande aventura, conquistar a Polinésia do Leste.”

Mas quem foram estes colonizadores, os mesmos da parte oeste?

Tese de Jared Diamond

Para Jared Diamond, professor de geografia da Universidade da Califórnia, que também estudou fisiologia, biologia evolutiva, e biogeografia, autor do best seller  Colapso – como as sociedades escolhem o fracasso ou seu sucesso, foi obra de “um povo de agricultores-navegadores (descendentes de asiáticos), originários do arquipélago de Bismarck, noroeste da Nova Guiné.”

“Ele atravessou quase dois mil km de mar aberto  ao leste das ilhas Salomão, para atingir Fiji, Samoa e Tonga. E se tornar os ancestrais dos polinésios. Uma saga náutica  fora de série. Iniciada em 1.200 a.C. A ilha de Páscoa teria sido ocupada por descendentes destes exploradores por volta de 900 d.C.”

Jared adota a tese de descendentes de asiáticos para a colonização de toda a polinésia, a mais aceita até que chegaram as novidades…

Estudo de DNA confirma que indígenas sul-americanos tiveram contato com polinésios

CNN, 9 de julho de 2020: “Segundo novo estudo publicado na revista Nature, “os pesquisadores encontraram ‘evidências conclusivas’ para o primeiro encontro entre os dois grupos, depois de analisar o DNA de mais de 800 indivíduos de 17 ilhas polinésias e 15 grupos indígenas sul-americanos na costa do Pacífico.”

O New York Times também abriu espaço para a descoberta revolucionária: “Hoje, as pessoas em Rapa Nui, também conhecida como Ilha de Páscoa, e outras quatro ilhas da Polinésia carregam pequenas quantidades de DNA herdadas de pessoas que moravam na Colômbia há cerca de 800 anos.”

CNN: “O que eles descobriram foi que pessoas de várias ilhas da Polinésia Oriental (ou seja, a parte leste), incluindo Rapa Nui – também conhecida como Ilha de Páscoa – têm traços genéticos em seu DNA vinculados a indígenas sul-americanos. As assinaturas genéticas mostraram uma forte conexão com o Zenu, um grupo indígena da Colômbia.”

A prova que faltava no quebra-cabeça

Era a prova que faltava no quebra-cabeça que Thor Heyerdahl começou a montar na primeira metade do século 20. Antes da possibilidade (recente) de estudar  o DNA de povos e grupos, outras pistas surgiram, como a descoberta da cultura de batata-doce em ilhas do Pacífico, apesar do tubérculo ser originário da América do Sul.

Tanto a matéria da CNN como a do Times citam a épica viagem náutica,  e a tese de Thor Heyerdahl. Mas há quem insista em contradizê-la. Segundo o Times, “muitos especialistas disseram que a melhor explicação seria que os polinésios vieram para a América do Sul e depois levaram os sul-americanos em seus barcos para viajar de volta ao mar.”

Será?

O autor da reportagem demonstra não ser do mar, se fosse saberia que a tese de Thor só teve sucesso porque privilegiava a navegação a favor dos elementos, jamais contra.  Barcos rudimentares daqueles tempos, em forma de retângulo e com vela quadrada como as balsas, só avançam se suas proas estivessem no mesmo rumo  de correntes e ventos.

infográfico das correntes marinha no Pacífico
As correntes marinhas poderiam empurrar uma rolha da costa do Peru para as ilhas da Polinésia.

Correntes marinhas, ventos, e uma rolha no mesmo trajeto

Ambas empurram o que quer que seja,  uma rolha faria o mesmo percurso ainda que demorando muito mais tempo, da costa superior da América do Sul para o leste até Raroia ou qualquer outra ilha da região. O  trajeto contrário é improvável apesar da novidade polinésia das canoas de cascos duplos, mais uma engenhosa contribuição para a engenharia naval, atual e revolucionária até hoje… mas posterior à colonização das ilhas.

infográfico mostra o sentidos dos ventos no Pacífico
E os ventos enfunam as velas na mesma direção…

O autor e entrevistados tão-pouco responderam como, e por quê, polinésios teriam saído de ilhas longínquas com recursos escassos em improvável navegação contra os elementos até a costa da América do Sul, com fartura suficiente para manter a sobrevivência com relativa facilidade, para de lá trazerem caronas que viviam sem restrições no continente que lhes favorecia a sobrevivência?

mapa com rota da jangada Kon-Tiki
Eis o porquê da rota da Kon-Tiki.

A colonização da Polinésia não se encerra com este estudo. Outros virão. Quem sabe um dia as gerações futuras se lembrem de um ousado sonhador norueguês, e finalmente lhe deem o devido crédito.

Thor era o cara!

Imagem de abertura: www.tahiti-infos.com/

Fontes virtuais: A Kon-Tiki em 1947. Imagem, https://www.tahiti-infos.com/https://edition.cnn.com/2020/07/09/asia/polynesia-america-intl-hnk-scli-scn/index.html?fbclid=IwAR309Q72ItWup5ysuPDblQYZRJRR_vXiBHY6_JK-z58CEGDaf2DSaY2rfww; https://www.nytimes.com/2020/07/08/science/polynesian-ancestry.html?smid=fb-share&fbclid=IwAR1JWvfoxXW3_Jub24NG1c9ddpv3lFjC0Y0VebsZL7lLsuOIFbyeFTA0sHs.

Livros: Thor Heyerdahl, A Expedição Kong-Tiki, José Olímpio editora; Jared Diamond, COLAPSO – Como as sociedades escolhem o fracasso ou o sucesso, Ed. Record.

Arquipélago de Anavilhanas, mais uma joia da Amazônia

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

12 COMENTÁRIOS

  1. O artigo é interessante, eu li o livro do Kon-Tiki, há muitos anos.
    As complementações atuais comprovando teoria do Thor são informações importantes, embora sempre achei que ele estava certo.
    Apenas recomendo ao autor a corrigir um erro de português na redação.
    Onde se lê: “O autor e entrevistados tão-pouco responderam como, e por quê, polinésios teriam saído de ilhas longínqua…” o correto é “.. tampouco..”

  2. Prezado João Mesquita, excelente texto! Obrigado por seu esforço em compilar tantos dados interessantes e suas ilustrações tão claras e instrutivas. Parabéns!

  3. “Mar Sem Fim” mais uma vez comprova ser um projeto extremamente bem sucedido. Em todas as abordagens que faz, seja produzindo conteúdos, como os exibidos em suas séries de TV, como nas matérias muito bem documentadas e escritas com conhecimento de causa, alcança o público com muita precisão e profissionalismo feito com paixão.
    Como filho de um homem do mar, nativo e habitante de um pais, que infelizmente, não dá o devido valor á sua vocação marítima, só posso elogiar essa maravilhosa equipe por manter vivo este assunto tão importante para o Brasil e para o planeta.

  4. Distração ou instrução, as reportagens do Mar Sem Fim, alem de muito bem preparadas, são apresentadas, com todos os embasamentos, em fatos.

  5. Tenho este livro em inglês, de 1950 e reportagem da Folha da Manhã da época.
    Foi presente de meu bisavô para minha mãe.
    livro maravilhoso, com fotos e mapas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here