A pesca no Brasil é uma esculhambação total

110
52998
views

A pesca no Brasil é uma esculhambação total, e o público consumidor não se toca

Ainda durante a primeira série de documentários pela costa brasileira aprendi muitas coisas. Eu já havia flagrado um monte de absurdos ao longo do litoral, como a pesca de lagosta com compressores no Ceará, que mata a lagosta e também o pescador; a pesca com bombas na Bahia e em outros Estados; o arrasto feito na área de arrebentação; a pesca incidental matando a vida marinha sem sequer ser aproveitada; os conflitos entre pescadores artesanais e os industriais, e vários outros. Então, ao chegar a Itajaí, capital da pesca no País, entrevistei o chefe do CEPSUL, Centro de Pesquisa e Gestão de Recursos Pesqueiros do Litoral Sudeste e Sul, autarquia do Ibama. Ao fazermos perguntas sobre os disparates acima mencionados, aprendemos com ele: “João Lara, a pesca no Brasil é uma esculhambação total.”

pesca de arrasto na arrebentação
Arrasto na arrebentação. Litoral norte de São Paulo. Imagem, arquivo MSF.

A pesca no Brasil é uma esculhambação total

Todas as questões mencionadas acima são proibidas pela legislação. E todas acontecem até hoje, na cara de quem quiser ver, sem quase nenhuma ação do poder público, muito menos do público consumidor de peixes e frutos do mar.

Para se ter uma dimensão do esculacho, o Ibama, a quem cabe fiscalizar, tem três barcos, eu disse, um, dois, três barcos, para fiscalizar um litoral de 7.300 km, pode?

Desde a primeira série de documentários, entre 2005 e 2007, as coisas pioraram ainda mais. Naquele tempo o País ainda contava com estatísticas da pesca, único modo de tentar organizar a atividade. Mas, desde o advento do governo Dilma, até hoje, o Brasil deixou de fazê-las. Ninguém sabe exatamente o que se pesca, e onde se pesca.

Somos um dos três únicos países do mundo a não contar com estatísticas da pesca. E, além deste site, pouquíssimas publicações sequer mencionam o disparate. Estamos ao lado de Mianmar e Indonésia, no entanto, estes dois países já iniciaram medidas para padronizar a coleta de dados. Por aqui reina o silêncio.

PUBLICIDADE

Ameaçadas de extinção, raias manta são pescadas no Brasil

Esta é a nova denúncia. Quer dizer, nova, nova, não é. Desde pelo menos 2015 já escrevíamos sobre mais este absurdo que é pescar e vender animais ameaçados de extinção como as raias manta.

Imagem de raia manta
Suburbana Paripe, Salvador, maio de 2020. Imagem, Projeto Mantas do Brasil.

Mas agora recebemos outro apelo do Projeto Mantas do Brasil. A ONG visa a PRESERVAÇÃO das maiores espécies de raia do mundo, conhecidas popularmente como raias manta, em especial a espécie comprovadamente incidente no Brasil (Manta birostris ou Mobula birostris), que pode atingir 8 metros de uma asa à outra e pesar mais de 2 toneladas.

Pescar e transportar raias é crime

O projeto lembra que é crime a pesca, transporte e comercialização das espécies de raias da família Mobulidae. Mesmo assim, estudos comprovam que as raias manta continuam a ser capturadas intencional e acidentalmente em diversos Estados do litoral brasileiro.

imagem de raia manta pescada
Sul da Bahia, 2020. Imagem Projeto Mantas do Brasil.

Artigo científico denuncia

O artigo científico da oceanóloga Nayara Bucair, do Projeto Mantas do Brasil, patrocinado pelo Santos Port Authority, foi publicado na revista Global Ecology and Conservation em outubro deste ano, e mostra que dos 270 espécimes analisados, todas, ou seja, 100% das lesões observadas resultaram de atividades antrópicas (relativas à ação humana) e que 34,3% dos animais feridos arrastavam equipamentos de pesca.

Bahia, Espírito Santo e Sergipe são os mais reincidentes

O mapeamento enfatiza as capturas incidentais e intencionais ocorridas em diversos Estados, em especial na Bahia, Espírito Santo e Sergipe. Os relatos de capturas aconteceram depois que os mobulídeos receberam o status de proteção no Brasil.

imagemde raia manta pescada
Ponta dos Mangues, município de Pacatuba, Sergipe, outubro de 2021. Imagem, Projeto Mantas do Brasil.

O desabafo da oceanóloga Nayara Bucair

“É muito preocupante a condição em que as mantas se encontram. No Brasil, é uma espécie que ocorre em todo o litoral e está sujeita a diversos impactos antrópicos, não somente pelo consumo local, mas como fornecedor de subprodutos de raia manta (como feixes branqueais) para o mercado asiático. Tem também a dificuldade em estudar espécies migratórias. Há carência de informação e fiscalização deficiente com um litoral tão extenso como o nosso.”

A palavra da coordenadora do projeto raias manta, Ana Paula Balboni Coelho

“Sem saberem, os pescadores estão não apenas consumindo carne não indicada para consumo humano, como é o caso da carne de raias e tubarões, mas também comendo hoje o seu amanhã. Precisamos levar esse conhecimento aos pescadores a fim de que se tornem agentes da preservação, não apenas dos gigantes marinhos, mas também de seu próprio futuro.”

Raias manta, na lista Vermelha da  IUCN como AMEAÇADAS DE EXTINÇÃO

As raias manta estão na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) como AMEAÇADAS DE EXTINÇÃO, no Brasil, como forma de protegê-la, assim como as demais espécies da família Mobulidae.
imagem de raia manta pescada
Bairro Industrial, Aracaju, Sergipe, abril de 2020. Imagem, Projeto Mantas do Brasil.

Instrução Normativa Interministerial No. 2, de 2013 proíbe a pesca destas raias

Em 13 de março de 2013 foi publicada a Instrução Normativa Interministerial Nº2, que proíbe a pesca, transporte e comercialização destas raias.

Quem for pego capturando, transportando ou comercializando algum animal, terá cancelado seus cadastros, autorizações, inscrições, licenças, permissões ou registros da atividade pesqueira. Além de outras sanções aplicáveis pelo crime ambiental.

imagem de raia manta morta
Sul da Bahia, 2020. Imagem Projeto Mantas do Brasil. Enquanto o País continuar menosprezando a educação não avançaremos, não há como sem educação boa e para todos.
O problema é que ninguém é pego. O litoral do Brasil continua ao deus-dará. Não há fiscalização. Pior que isso é o fato de que quase ninguém dá a menor pelota para o que acontece no litoral. O problema, portanto, só será resolvido se um dia os consumidores brasileiros se derem conta de sua força e, unidos, protestarem.

Secretário da pesca desrespeita leis da pesca

Por que a situação de descalabro tende a não mudar? Bem, além da absoluta omissão do consumidor, o atual governo já deu provas suficientes de que não compreende as questões do meio ambiente.

Apenas mais uma das muitas evidências: foi escolhido como secretário da Pesca o Sr. Jorge Seif Júnior, cuja família tem uma empresa de pesca em Itajaí, na qual trabalhava até ser alçado ao posto.

Acontece que a empresa da família do secretário da pesca foi multada inúmeras vezes por…desrespeitar leis da pesca!

Pescar peixes que estão no período do defeso

Foram emitidas duas multas e uma notificação contra Sara Kischener Seif, madrasta do secretário da Pesca. Uma multa de R$ 40 mil foi aplicada após os agentes do Ibama encontrarem 250 quilos de iscas vivas de peixes (sardinhas), espécie que estava em época de defeso.

PUBLICIDADE

Barcos da empresa desligam equipamento de rastreamento

Outra multa de R$ 30 mil foi aplicada contra a embarcação “Dona Ilva”, da empresa da família, e refere-se a problemas técnicos identificados no barco e que, segundo a fiscalização, impediam o seu rastreamento constante. A terceira autuação notificou Sara Seif para consertar os aparelhos de identificação.

Multa por pescar peixes na lista dos ameaçados de extinção

A  empresa do pai do secretário, Jorge Seif, chama-se JM Seif Transportes. Em 2014 ela foi multada em R$ 300 mil reais por transportar o cherne-poveiro que não podia ser pescado e que desde 2004 estava na lista dos ameaçados em razão da diminuição dos cardumes em 90%.

Vale de novo a afirmação: a pesca no Brasil é uma esculhambação total. Ou você acha que não?

Imagem de abertura: Projeto Mantas do Brasil

Fontes: Projeto Mantas do Brasil, https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2351989421003036.

Tamara Klink, velejadora solitária, volta ao Brasil

Comentários

110 COMENTÁRIOS

  1. Todo o conteúdo desta reportagem, é muito triste e vergonhoso. Lendo ainda, comentários de outros leitores, onde destacam ainda mais, o pouco caso e importância das “chamadas autoridades” à toda essa situação e etc. Em poucas palavras, nosso país chamado bRASIL. “ESCULHAMBAÇÃO NÃO SOMENTE NA FISCALIZAÇÃO DA PESCA, MAS EM TUDO E TODO”.
    Analisem…. Se vivemos em um lugar, onde não são capazes de fiscalizarem e exterminarem com pancadões e qualquer outra perturbação do sossego à quais, adoecem moradores devido a carga de estresse, aumento de sequestros, roubos, latrocínios, falta de vacinas, desvio de milhões de reais, corrupção, aumento de maus tratos aos animais, etc…etc….etc…
    “O bRASIL é uma esculhambação”.
    (Já dizia Fausto Silva, qnd apresentava “PERDIDOS NA NOITE”) :- ***A SAÍDA DO bRASIL É CUMBICA***

    • Falou tudo e mais um pouco . Infelizmente acontece isso mesmo . País de natureza incrível , mas pouco preservado . Governo cego , e povo ignorante ….
      Ótimo comentário …. Parabéns

  2. A verdade é que existe os dois lados da moeda quando se fala de preservação de espécies. O órgãos que impõe proibições aos coletores e pescadores sem oferecer alternativas e, extrações indevidas. O que me chamou a atenção neste artigo foi afirmações como “raias ameaçadas de extinção” pois bem desafio a qualquer biologo a provar isso. Onde vivo rais manta estão longe da extinção pelo menos uns 3 milhões de indivios da espécies. Tartaruga marinha podem ser observadas aos bando e levo qualquer um pra ver. Peixe boi tem localidade que não dar nem pra colocar uma rede porque há tantos que você arrisca perder todo material. O chamado extinto peixe mero no porto de Suape no vapor Baía e Cabedelo pode ser visto aos montes. Sabe em extinção estamos nós. Toda essa falácia é apenas para manter empregabilidade de órgãos que só servem para gastar dinheiro público.

  3. Realmente é uma vergonha.eu moro em santa Catarina r vrjo pescadores fazendo arrasto de rede nas costas do mar com papagaios, ou pipas . e quando vc quer pegar um peixe de molinete não tem. Eu penso que as autoridades braseiras deveriam aplicar multas a estes pescadores q nem profissionais são.

  4. Eu trabalho com pescados há mais de 30 anos e o problema tbm é na estrutura de armazenamento pós a pesca….
    Como pode uma variedade de iguarias chegar no ponto de vendas já fedendo???
    Culturalmente pra maioria isso é normal…infelizmente.

  5. Eu moro distante do litoral. Resido no Estado de Goiás, onde o rio Araguaia faz divisa com o Estado do Mato Grosso. Nós, conhecedores da legislação, sabemos que não podemos trazer pescado do Rio Araguaiana, mas somente pescar e consumir no local o pescado. Ao voltarmos de nossa “praia de água doce” (o rio Araguaia) e nos pararem em blitz da Polícia militar estadual, federal e encontrar “pescados” é prisão, multa, etc. mas vem uns “parentes de políticos de São Paulo “que manda nos policiais da blitz” e fala que vão levar os pescados sim, coagindo os fiscalizadores e ameaçando que é parente do deputado paulistano de tal, senador de tal, que é primo do governador de são Paulo e etc, e acabam sendo liberados com os “pescados”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here