Veleiro de Jacques Brel, restaurado, pode virar patrimônio

1
2514
views

Veleiro de Jacques Brel, Askoy II, é restaurado e pode se tornar patrimônio belga

A restauração do Askoy II, um veleiro de Jacques Brel, está em fase de conclusão. O ministro belga Matthias Diependaele quer declarar o barco um patrimônio protegido, segundo a agência de notícias Belga. “O navio tem valores históricos, industrial-arqueológicos e socioculturais”, explica o ministro. Bem diferente do que acontece no Brasil onde o IPHAN custou a atender a Justiça e reparar uma embarcação típica raríssima, tombada pelo órgão! Felizmente, países com bem menos tradição náutica, como a Bélgica, agem de forma diferente. E cultuam o que lhes pertence.

casco do veleiro de Jacques Brel em praia da Nova Zelândia
Assim o Askoy II foi encontrado depois de 14 anos encalhado na praia. Imagem, www.boatsnews.com.

(Este post tem como base a matéria, Askoy II, the story of Jacques Brel’s boat saved from the sands in New Zealand, publicada pelo boatsnews.com).

Askoy II é restaurado e pode virar patrimônio belga

O cantor Jacques Brel (1929 – 1978),  internacionalmente conhecido pela música Ne me quitte pas, interpretada e composta por ele, teve uma paixão que poucos conhecem: as viagens à vela.

Brel foi também um homem do teatro. Sua primeira experiência foi a adaptação da peça “O Homem de La Mancha”. A personagem de Dom Quixote, que desempenhava, dizem seus biógrafos,  estava bem de acordo com o seu idealismo.

veleiro Askoy II
Imagem, Google.

De origem da classe média, seu pai tinha uma empresa de cartonaria, esperava-se que trabalhasse na empresa da família. Mas ele não ficou muito tempo. Sua paixão pelas artes, felizmente, falou mais alto. E ele se consagrou como cantor e compositor. Além de velejar, gostava também de voar.

PUBLICIDADE

E, no ar ou no mar, era ele o comandante. Estudou para tanto, tinha brevê, e tirou carta de comandante. Realizou seu sonho com o Askoy II. Mas, depois de uma épica viagem, vendeu o barco que acabou enferrujado numa praia da Nova Zelândia.

Dois admiradores encontram o Askoy II

Dois admiradores – os irmãos Wittevrongel – decidiram salvar o barco que o grande Jacques chamou de “Minha Catedral” Aqui está uma atualização sobre a vida e o futuro renascimento deste extraordinário veleiro.

Os irmãos Wittevrongel
Os irmãos Wittevrongel. Imagem, www.boatsnews.com.

Assista ao vídeo dos irmãos explicando a reconstrução do Askoy II

L’Askoy II : le joyau de Jacques Brel from Basile Godtbil on Vimeo.

“Quero fazer outra coisa além do que sei fazer”, disse Brel nos anos 60. Já era a ideia de uma volta ao mundo à vela. Ele perguntou por aí, telefonou, depois encontrou um anúncio classificado e alertou sua mulher: “Acho que encontrei, fica em Antuérpia e seria o máximo encontrá-lo tão perto de Bruxelas”.

Jacques Brel no leme de seu veleiro
No leme de seu veleiro. Imagem, www.boatsnews.com.

O barco pertencia ao arquiteto Hugo Van Kuyck, personagem que literalmente fascina o cantor. Depois de visitá-lo de cima a baixo, ele fechou o negócio e comprou o Askoy II.

Preparação para a ‘turnê’ mundial

A viagem requeria muitos documentos, mas também equipamento. As velas, por exemplo, precisaram ser substituídas. Brel ouviu falar de um nome que soava muito flamengo: os mestres veleiros Wittevrongel em Blankenberge.

Askoy II veleiro de Jacques Brel navegando
A ‘Catedral’ em navegação. Imagem, https://www.chasse.maree.com.

Ele fez seu pedido com eles e uma amizade rapidamente se desenvolveu. Aquele que também é chamado de Great Jacques dirá: “Jan Wittevrongel era um cara fantástico e nos demos bem logo. Ele sugeriu que eu trocasse o ketch por um outro barco, mas seria um trabalho longo e caro e eu queria sair no verão para estar nos ventos alísios no início do outono.”

Askoy II, veleiro de Jacques Brel, poderoso, mas difícil de manusear

A travessia do Canal da Mancha ocorreu sem problemas. O barco era pesado, mas segurava o mar notavelmente bem. Depois de uma escala em Coverack, no extremo sul da Cornualha, as Ilhas Scilly e os Açores foram os próximos.

cabine de veleiro
A cabine do comandante. Imagem, www.boatsnews.com.

Em seguida, as Canárias para o grande salto para as Índias Ocidentais e o Canal do Panamá. Askoy, então, partiu para atacar o Pacífico; ele ignorou os Cocos e Galápagos. E lançou âncora na Baía de Tao Ku, nas Ilhas Marquesas. Lá, o cantor aluga uma casa e, contra todas as expectativas, vende seu veleiro para comprar um avião!

Um piloto de coração

Além de cantar e se apresentar, Brel era um piloto de coração. Ele possuiu muitos carros, alguns deles de corrida, e passou sua licença de iatista e piloto de avião com louvor. Nas Marquesas, voltou ao seu primeiro amor comprando seu quinto avião, o famoso Jojo (também nome de uma música de sua autoria), um Beechcraft Twin-Bonanza, aquele que os ilhéus tanto precisam. A página da vela e do mar está assim definitivamente virada…

Imagem alusiva à partida de volta ao mundo de Jacques Brel.
Recordações da viagem. Imagem, www.boatsnews.com.

France Brel, a filha de Jacques

Durante uma exposição organizada para o 25º aniversário da morte do cantor, Staf e Piet, irmão de Jan Wittevrongel, conhecem France Brel, filha de Jacques.

Ela disse a eles que o Askoy II estava preso em uma praia há muitos anos “em Baylys Beach, em algum lugar da Nova Zelândia”. A ideia de salvar o barco nasceu na cabeça dos dois irmãos.

Sem mais delongas, foram ao local. “O navio era apenas um casco retorcido e enferrujado. Os mastros, o convés, o cordame, o motor, o interior e os equipamentos do convés se foram,” disseram. “A areia movediça nas proximidades impedia a aproximação de grandes equipamentos, guindastes, caminhões, etc.”

Jacques Brel a bordo de seu veleiro
A bordo. Imagem, tellerreport.com.

Logo no início, quando os Wittevrongels deram a conhecer suas intenções, muitas pessoas gritaram “são loucos”! Ninguém queria ajudá-los. Então, eles financiaram a operação de dessecação da Nova Zelândia com seu próprio dinheiro.

PUBLICIDADE

“Vamos ver o que acontece a seguir”, disseram para si mesmos! Assim que o barco saiu de seu túmulo, as atitudes mudaram. Eles até conseguiram apoios, como o transporte gratuito do Askoy II para a Antuérpia.

De repente, as pessoas começaram a acreditar neles! O barco estava realmente danificado, principalmente na parte metálica, que exigiu grandes reparos. O convés havia desaparecido, assim como as anteparas. Uma empresa cuidou do jateamento do casco externo, mas faliu.

Então, por dois anos…

Felizmente, os ventos eventualmente mudaram. Um dia, o dono de um estaleiro chamado Wittevrongels se ofereceu para instalar o barco no local. Seu objetivo era usar o Askoy II como um cartão de visita. Foi um acordo. O barco foi movido pela estrada de Ostende para Rupelmonde em um trailer pesado. A reforma do casco foi concluída lá, incluindo o convés e as cabines. Esta foi a fase final da serralharia.

Askoy II no estaleiro
No estaleiro. Imagem, www.boatsnews.com.

As restrições financeiras também exigem escolhas. Assim, os Wittevrongels encontraram um meio-termo. “Fora”, explicaram “será idêntico ao plano original, incluindo os mastros de pinho Oregon e a cabine de popa, a que estava ocupada por Brel na época.

No entanto, a cabine da frente foi redesenhada e duas pequenas cabines foram adicionadas para acomodar mais pessoas. Instalamos também um piloto automático e um motor novo, menos pesado e mais potente, as únicas concessões à modernidade que fizemos em relação ao original.

A data do lançamento do Askoy II

Ela foi adiada muitas vezes, principalmente por causa da Covid, mas agora está marcada para 8 de abril de 2022, 93º aniversário do nascimento de Jacques Brel. O Askoy II será recebido primeiro no Zeebrugge Yacht Club e, depois, participará de várias festas portuárias em Ostende e Blankenberge.

Ilustração do veleiro de Jacques Brel
Ilustração do veleiro de Jacques Brel quando ficar inteiramente pronto. Imagem, www.boatsnews.com.

Essas curtas viagens ao Mar do Norte servirão para testar o barco e fazer os mil pequenos ajustes necessários após todos esses anos de descanso. Em setembro de 2022, está prevista uma escala na marina de Bruges onde, não muito longe dali, ergue-se a pequena estátua de Marieke que presta tão bela homenagem ao cantor.

Fundação com vocação social

Se o primeiro objetivo dos Wittevrongels era salvar a “Catedral”, o segundo era criar uma fundação com vocação social e fazer navegar os jovens desfavorecidos.

Sendo o dinheiro o sustentáculo da guerra, o veleiro também será alugado para eventos de team building e empresas, e para viagens marítimas para turistas.

veleiro de Jacques Brel
Imagem, boatsnews.com.

Em 2023, não faltam ideias. Os irmãos Wittevrongel: “É uma ideia atraente levar o Askoy II para as Ilhas Marquesas, seguindo o mesmo caminho que Brel fez antigamente!”

PUBLICIDADE

Até lá, o evento a assinalar com uma cruz branca é o batizado do veleiro remodelado. Maddly, ex-namorada de Brel, e France, sua filha, devem comparecer.

Piet Wittevrongel : “Apesar de algumas divergências com a Fundação Brel, somos da nossa parte homens de boa vontade e esperamos sinceramente que aceitem o nosso convite…” . E Piet conclui com um sorriso malicioso: “Vou deixar você adivinhar a marca da garrafa de uísque que Brel amava e que vai estourar na proa do barco com iniciais famosas!”

A propósito, Ne me quitte pas significa em português, Não me deixe. Os irmãos Wittevrongel e o governo belga não deixaram o lindo veleiro encalhado e arrasado.

O barco de Jacques Brel será um patrimônio da Bélgica. Para o ministro flamengo Matthias Diependaele, “Ele tem valor histórico, industrial, arqueológico e sociocultural”, disse. O Askoy II foi o maior veleiro do país na década de 1960. E é mais conhecido como “Barco de Jacques Brel”.

Será que agora o IPHAN aprende?

Assista ao vídeo e saiba mais

Les sauveurs du voilier de Jacques Brel, rêvent des Marquises

"La cathédrale" - Jacques Brel

Imagem de abertura: www.boatsnews.com.

Fontes: https://voilesetvoiliers-ouest--france-fr.translate.goog/securite-en-mer/sauvetage/l-ancien-voilier-de-jacques-brel-l-askoy-ii-sera-remis-a-l-eau-le-8-avril-a-zeebruges-belgique-81881eec-a692-11ec-a080-31bcc9ed3b92?_x_tr_sl=fr&_x_tr_tl=pt&_x_tr_hl=pt-BR&_x_tr_pto=sc; https://www.bateaux.com/article/39321/askoy-ii-l-histoire-du-bateau-de-jacques-brel-sauve-des-sables-en-nouvelle-zelande; https://www.boatsnews.com/story/39321/askoy-ii-the-story-of-jacques-brels-boat-saved-from-the-sands-in-new-zealand.

Ilha Nula, no Atlântico Sul, você conhece?

Comentários

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here