Botos cinza, símbolo do Rio, correm risco de extinção

4
2758
views

Botos cinza, símbolo do Rio, correm risco de extinção

Os botos cinza não estão ameaçado só no Rio de Janeiro. Na costa de Santa Catarina há outro grupo ameaçado. O que habita a baía da Babitonga que, pela riqueza em termos de biodiversidade, há muito merecia se transformar em área protegida.

Leia a íntegra da matéria do Estadão

Na Baía de Guanabara, existem apenas 40 animais; atividade industrial e portuária, dragagens e esgoto reduziram população

Thaise Constancio – O Estado de S.Paulo

Botos cinza  estão no brasão do Rio como símbolo da cidade

De tão presentes no litoral fluminense, eles estão no brasão do Rio como símbolo da cidade. Hoje, a população do boto cinza ou golfinho (Sotalia guianensis) está ameaçada de extinção local. O alerta é do  Centro de Mamíferos Aquáticos do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Por fotoidentificação, pesquisadores contam pouco mais de 2 mil animais em toda a costa. E afirmam que a degradação das baías do Estado tende a agravar ainda mais o quadro.

Botos cinza, imagem de diagrama mostrando características do boto cinza

PUBLICIDADE

Os botos cinza habitam as Baías de Sepetiba, na região metropolitana, onde há entre 1 mil e 1,2 mil animais, e da Ilha Grande, na Costa Verde, onde vivem entre 800 e 1 mil espécimes. Na Baía de Guanabara, também na região metropolitana, a intensidade das atividades industrial e portuária, dragagens, falta de saneamento e pesca predatória reduziram a população de botos cinza a, no máximo, 40 animais – contra cerca de 400 na década de 1980.

Leonardo Flach, coordenador da ONG Instituto Boto Cinza, declarou:

Se mantivermos os atuais níveis de poluição nas baías pelos próximos 10 a 20 anos, os golfinhos terão dificuldades de reprodução e podem desaparecer da costa fluminense em 50 ou 100 anos

A Baía de Guanabara tem intenso fluxo de embarcações que compromete o hábitat dos botos cinza. Grandes obras, como o Complexo Petroquímico do Rio (Comperj), em Itaboraí, contribuem para o aumento da poluição sonora, por causa do tráfego de barcos carregados com equipamentos.

O barulho atrapalha a comunicação entre os golfinhos. Eles deixam de se alimentar, reproduzir e conviver. A espécie se orienta por sons.

A poluição é outro fator importante para a diminuição de botos cinza

A poluição é outro fator importante para a diminuição expressiva da presença dos golfinhos na Guanabara. A baía  recebe cerca de 15 mil litros de esgoto por segundo. “Por estar no topo da cadeia alimentar, o boto cinza reflete o grau de degradação ambiental. Os animais da Guanabara estão contaminados por vários elementos químicos”, diz o oceanógrafo José Lailson, coordenador do Laboratório de Mamíferos Aquáticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Fiscalização é insuficiente

Para Lailson, a fiscalização é insuficiente e a concessão de licenciamentos deveria considerar toda a extensão da baía, e não cada empreendimento, o que reduziria os danos ao ecossistema dos botos cinza.

Vemos uma sobreposição entre áreas de atividade industrial, pesca e vivência dos botos. Perde o mais fraco. Com o início das atividades do pré-sal, o tráfego será intenso, a área industrial pode se expandir e esse quadro tende a se agravar.

Desde os anos 1990 há programas voltados à limpeza da baía

 O Programa de Despoluição da Baía de Guanabara, criado em 1995, foi o mais conhecido. Após sete prorrogações e péssima reputação, foi substituído pelo Programa de Saneamento dos Municípios do Entorno da baía (Psam). Financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), com apoio da Agência de Cooperação Internacional do Japão e do Estado. Os programas consumiram cerca de US$ 2 bilhões para coletar esgoto. Como medida paliativa, a Secretaria de Estado do Ambiente constrói unidades de tratamento na foz dos rios com grande carga poluidora, até que o Psam esteja completo. A expectativa é de que, até 2016, 60% do esgoto despejado na baía seja tratado. Pelo contrato, o índice deve chegar a 80% em 2018.

Recolhidas cinco carcaças de botos cinza na Baía de Guanabara

Somente neste ano, foram recolhidas cinco carcaças de golfinhos na Baía de Guanabara, o que representa 12% dos 45 animais mapeados em janeiro do ano passado. As carcaças apresentavam marcas de captura em redes de pesca.

Na Baía de Sepetiba, houve, ao menos, 40 mortes com carcaças apreendidas, mas há muitos casos em que os restos do animal não são localizados. Na Baía da Ilha Grande, especialistas recolheram sete carcaças.

O boto cinza não é a única espécie que frequenta a costa do Rio, mas é uma das mais vulneráveis. O boto-nariz-de-garrafa ou golfinho-flíper, por exemplo, habitual frequentador do Arquipélago das Cagarras, na zona sul carioca, área de cria de filhotes, não é avistado ali desde 2011. O golfinho-toninha está a um passo de desaparecer. Pelas pesquisas do ICMBio há apenas 20 animais na orla, concentrados em Sepetiba.

Fossa das Marianas, 11 mil metros: encontrada vida exuberante nas profundezas

Comentários

4 COMENTÁRIOS

  1. No último fim de semana fui convidado para pescar em uma das ilhas da Costa Verde. Infelizmente, mesmo viajando uns 40 minutos de lancha, chegamos a uma ilha com águas poluídas e muito lixo na praia. Cenário muito diferente de uns 25 anos atrás em que, quando jovem, costumava ir passear naqueles lugares e ter a certeza de não deixar “marcas” no lugar. Vi alguns boto-cinza que se aproximaram da lancha e tivemos que desligar o motor para não machucá-los. Parece que estão viciados em turistas! Vi também alguns deles caçando perto da ilha. A quantidade de peixe está muito reduzida. Não vi nenhuma tartaruga, o que era muito comum naquela região. A água está muito turva e a poluição é visível.
    Não há palavras para descrever o que está acontecendo. As pessoas perderam a consciência sobre o que estão fazendo. Não se importam com nada!

  2. Muito triste tudo isso, a rede deveria ser banida e com severas punições, esgotos todos tratados. Mas o pior é a falta de consciência e a ganância falando mais alto, o homem como sempre dando o passo maior que a perna ! Ainda bem que essa perna tb não é pra sempre…

    • É isto mesmo, Alex, cedo ou tarde vão pega-los no pulo. Fica aqui minha torcida. Obrigado pela visita ao site. Bem-vindo a bordo do Mar Sem Fim! abraços

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here