São Pedro e São Paulo fascinam cientistas marinhos

6
1064
views

São Pedro e São Paulo: expedição internacional ganha apoio  das mais prestigiosas publicações científicas: a Scientific America

“Em nosso terceiro dia no mar, descobrimos uma dúzia de pilhas de rocha desnudas e irregulares cercadas pelo oceano. Era menor do que eu imaginava, diria que tem o dobro do tamanho de um campo de futebol. Não havia areia branca,  picos vulcânicos, ou palmeiras, nenhuma das atrações de outras cadeias tropicais naquela latitude, apenas picos de de pedra, de cor âmbar, gerados em mil anos de cocô  de aves marinhas – o conjunto lembrava ilha de seriado de TV.” Essa, a abertura da matéria que Scientific America acaba de publicar sobre a exploração que cientistas internacionais fizeram em São Pedro e São Paulo, antes ‘rochas’, depois penedos, hoje elevadas a arquipélago.

imagem submarina das ilha São Pedro e São Paulo
A beleza recém descoberta (Foto: Scientific America)

Como a vida na Terra começou pela primeira vez, e como a vida alienígena poderia evoluir em outros planetas

“Chegamos a explorar as águas profundamente abaixo da superfície iluminada pelo sol. Colecionamos pistas desse lugar, conhecido como São Pedro e São Paulo, sobre como a vida na Terra começou pela primeira vez e como a vida alienígena poderia evoluir em outros planetas no sistema solar. São grandes e sérias questões. Trouxemos uma vasta e séria equipe para investigar. Nossa tripulação é de mais de 40 geólogos, microbiologistas, geofísicos, biólogos, engenheiros, mergulhadores de águas profundas e submarinos e robôs de uma dúzia de nações. A equipe passará as próximas duas semanas a bordo do M / V Alucia – um navio de pesquisa de 56 metros (184 pés) operado através da iniciativa Dalio Ocean. Vamos escanear o fundo do oceano, procurando amostras de rochas. Vamos analisar amostras de água com mini-submarinos de pesquisa que mergulham a mil metros abaixo da superfície.”

“Ninguém jamais explorou essas águas profundas, e ninguém  sabe o que encontraremos”

“É uma área única e, portanto, pode hospedar sistemas de vida únicos”, diz Frieder Klein, um geólogo marinho, que lidera o time científico da Woods Hole Oceanographic Institution (WHOI). Klein está de pé com os pés descalços no deck superior de Alucia. Em calções de banho e uma camiseta MC5 desbotada, aperta os olhos no sol do meio-dia. A poucas centenas de metros ao norte, as ondas acenam e escapam nas margens dos 15 islotes de rocha a nossa volta.”

ilustração de mapa com posição de São Pedro e São paulo, arquipélago do Brasil
A localização de São Pedro e São Paulo (Ilustração: Scientific America)

A formação geológica encanta cientistas

“Klein diz que abaixo de nós, milhões de anos atrás, as placas tectônicas da Cadeia Mesoatlântica começaram a separar-se. Esta diferença aumentou em torno da largura a cada ano. É por isso que a Europa e a América do Norte estão agora separados por quase 7.000 quilômetros (4.300 milhas) de oceano. Ao longo desse lento processo, a rocha do manto terrestre, geralmente  escondida a 6 quilômetros abaixo da crosta, foi expelida à superfície.”

E a vida submarina faz pensar na evolução da Terra

A rocha aqui também poderia abrigar formas de vida inteiramente novas. Klein explica que uma reação química entre a água do mar e o ferro nos minerais do manto submarino cria moléculas de hidrogênio. Micróbios, microorganismos unicelulares ou multi-celulares, alimentam este hidrogênio. Esses organismos são semelhantes aos que existiram na Terra há bilhões de anos. Podem estar intimamente relacionados às primeiras formas de vida do planeta. Klein e sua equipe buscarão micróbios no fundo. Analisarão os processos químicos dentro das rochas do manto. Ao fazê-lo, esperam vislumbrar sistemas da vida adiantada – uma espécie de janela de volta no tempo para o nosso eu mais primitivo. E, talvez, para nossos homólogos estrangeiros.”

Lua de planetas e rochas de São Pedro e São Paulo

“As luas geladas de Saturno e Júpiter têm água abaixo das suas superfícies. Sabemos disso “, diz Klein. “E essas luas contêm as mesmas rochas que estão nessas ilhas. Se as luas distantes em nosso sistema solar têm a mesma rocha e a mesma água, eles poderiam ter os processos químicos que alimentam as mesmas formas básicas de vida aqui na Terra.”

História da surpreendente descoberta

“É difícil entender o conceito de que toda a vida que já existiu  veio de algumas reações químicas em  rochas feias há alguns bilhões de anos. Tudo mudou em 1977 quando um geólogo da Universidade do Oregon, Jack Corliss, fretou um navio  ao largo do Equador e navegou até Galápagos. Corliss suspeitava que um vulcão, o que os cientistas marinhos chamavam de respiradouro hidrotermal, entrava em erupção. Eles implantaram um veículo de operação remota equipado com câmera. Em um ponto particular, a uma profundidade de cerca de 2.500 metros (8.200 pés), o medidor de temperatura registrou um pico significativo. Depois de várias horas, a equipe abriu a câmera e revelou o filme.”

Criando vida onde a temperatura derrete chumbo

“As 13 fotografias mostraram algo extraordinário. Havia vida lá embaixocaranguejos, mexilhões, lagostas, vermes – todos florescendo em completa escuridão em torno de uma pluma tóxica de água do mar suficientemente quente na sua fonte para derreter chumbo. A incrível pressão, 250 vezes maior que a superfície, impediu a água se tornar vapor. Corliss encontrou uma panela de pressão da vida. E não só todos os animais desta panela eram novos para a ciência. Mas, até mesmo estranhos, eles sobreviveram em um sistema biológico completamente diferente”. Esse processo é chamado…

A quimiossíntese

“Nos anos que se seguiram, os pesquisadores encontrariam mais comunidades como aquela em fundos marinhos em todo o mundo. Descobriram que o oceano profundo era uma espécie de galáxia composta por biosferas independentes, cada uma orbitando em torno de seu próprio ‘sol’ químico que gerava vida. E os animais e os micróbios haviam florescido por bilhões de anos, talvez mais longos do que a vida no mundo terrestre.”

A vida marinha nas fossas Marianas, a 11 mil metros de profundidade

“Pesquisadores exploraram o fundo do mar do oceano mais profundo do mundo – quase 11 mil metros abaixo da superfície,  um dos ambientes mais inóspitos do planeta. Encontraram o dobro da quantidade de vida microbiana do que descobriram em profundidades menores.”

Não há limites para a vida?

“Acontece que, de muitas maneiras, as rochas no fundo do mar profundo, enterradas sob uma milha de crosta da Terra, no arquipélago de São Pedro e São Paulo, não são objetos inanimados. Eles são ondulantes, sistemas de ‘respiração’ repletos de organismos tão pequenos que se metabolizam tão devagar que ninguém nunca notou. Até que alguns cientistas começaram a procurar.”

Pesquisadores em São Pedro e São Paulo

“Diva Amon é uma bióloga do Museu de História Natural de Londres. Ela veio na expedição com a esperança de encontrar vida formada pela quimiossíntese em grande escala, como caranguejos, camarões ou qualquer outra coisa que possa estar embaixo.” Amon declarou:

Nós realmente não temos nem uma compreensão básica de muitos animais no oceano, especialmente a vida chemosintética – como eles vivem, onde eles moram e por que

imagem da pesquisadora Diva Amon em submarino no arquipélago de São Pedro e São Paulo
Diva Amon (Foto: Scientific America)

Menos de 1% dos oceanos profundos foram explorados

“Amon diz que menos de 1% foi explorado. As maiores comunidades de animais vivem lá. E as ameaças que enfrentam são muitas. A poluição, a pesca da rede de arrasto, a mineração e as mudanças climáticas colocam esse ambiente e as estimativas de 750 mil espécies não descobertas lá em risco.” Amon reitera que…

…podemos estar destruindo o habitat do oceano profundo e seus habitantes, antes mesmo de saber o que está la. Eu acho imperdível documentar tudo enquanto ainda podemos…

“Sentada ao lado de Amon está Florence “Flo” Schubotz, geoquimista do Center for Marine Environmental Sciences na Universidade de Bremen, na Alemanha. Ela veio aqui pelas mesmas razões, mas seus interesses são menores: a vida microscópica que vive dentro da rocha do manto. Ela diz que..”

…você pensa sobre isso, os organismos que vivem em respiradouros hidrotermais podem ser algumas das primeiras [formas de] vida no planeta – antes da vida em terra. Pois estes são sistemas antigos…

Escaneando o fundo do mar de São Pedro e São Paulo

“Nos próximos dois dias, o navio circundará o arquipélago, se afastando cada rodada. À medida que passamos pelo fundo do oceano, o Multibeam  (equipamento especial) digitalizará cada centímetro até uma resolução de cerca de 3 metros (9,8 pés) e até uma profundidade de 1.200 metros (4.000 pés). ‘Ninguém já viu nada disso antes’, diz Klein. ‘É tudo muito emocionante”.

imagem de caranguejo das profundezas do arquipélago São Pedro e São Paulo
O caranguejo foi coletado nas profundezas de São Pedro e São Paulo (Foto: Solvin Zankl)

“Ele está procurando anacronismos no penhasco subaquático. Se as aberturas hidrotermais ativas estiverem aqui, provavelmente serão marcadas por torres reveladoras de carbonato.”

Carbonato de cálcio, a ‘pele’ de muitos organismos marinhos

“O carbonato é uma substância comum que pode ser forjada em processos diferentes. O carbonato de cálcio, que compõe as conchas de organismos marinhos, cobre mais de metade do oceano. Os restos desses organismos mortos compõem as substâncias brancas da pasta de dente que você usou esta manhã.  Mas o carbonato que Klein está procurando provavelmente não é criado por atividades biológicas, mas de minerais que saem da solução quando os fluidos hidrotérmicos escaldantes encontram a água do mar fria. “Há algo promissor aqui”, diz Klein. Ele aponta para um afloramento peculiar no declive ocidental da cadeia da ilha.”

imagem de ouriço-do-mar do arquipélago de São Pedro e São Paulo
Um ouriço do mar das profundezas (Foto: Scientific America)

Assista um dos vídeos produzidos: o segredo das rochas

A expedição internacional ao arquipélago de São Pedro e São Paulo

Ela durou mais de 15 dias, e contou com todos os equipamentos de alta tecnologia. De submarinos a drones, passando por laboratórios os mais completos. São Pedro e São Paulo fascinaram os cientistas.

A Iniciativa da Dalio Ocean forneceu financiamento para o bioGraphic através da California Academy of Sciences’ Hope for Reefs. Este artigo é um resumo do original que você encontra aqui.  O artigo foi publicado pela primeira vez em 21 de novembro de 2017. Seu autor é James Nestor, escritor e autor independente de Deep: Freediving, Renegade Science (Houghton Mifflin Harcourt, 2014). Vídeos e fotografias da Novus Select e Solvin Zankl.

Conheça as riquezas submarinas de São Pedro e São Paulo

Este é mais um dos vídeos produzidos pela expedição internacional. Atenção ao recado da cientista: “temos obrigação de preservar essa riqueza para as futuras gerações.”

É essa São Pedro e São Paulo, e Trindade e Martim Vaz, por que lutam os ambientalistas brasileiros

O que excitou a equipe internacional, é o mesmo que move um grupo de ambientalistas brasileiros faz já um certo tempo; e também nossos cientistas. A imprensa ajudou pressionando o Governo Federal. A campanha cresceu. Hoje estamos na reta final para protegermos estas duas joias da coroa mar territorial brasileiro. Proteção integral, bien sur!

BBC, primor de programação em prol do meio ambiente marinho. Ninguém faz melhor!

COMPARTILHAR

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

6 COMENTÁRIOS

  1. Maravilhas das maravilhas! Tudo é gigantesco dentro do MAR. Que beleza de vida! Que geografia esplêndida! Os humanos são tão pequenos diante da grandeza que é a nossa terra, mas inteligentes o suficiente para as grandes descobertas e estudos. Vamos à frente que encantarão e enriquecerão o entendimento nosso. Somos parte dessa grandeza universal de milhões de vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here