Sal de mesa e a contaminação por microplásticos

10
689
views

Sal de mesa, 90% das marcas mundiais estão contaminadas por microplásticos

Algumas pessoas não comem nenhum alimento que venha do mar, com isso evitam contaminação por plástico. Outras aboliram qualquer tipo de carne mas todos, indistintamente, usam sal de mesa. Agora, uma nova pesquisa mundial mostra que das 39 marcas de sal testadas, 36 tinham microplásticos. Neste caso, quase ninguém escapa da contaminação que nós mesmos provocamos ao descartar errado o plástico. A análise foi feita por pesquisadores na Coreia do Sul e do Greenpeace East Asia. Usando estudos anteriores de sal, este novo esforço é o primeiro de sua escala para observar a distribuição geográfica dos microplásticos no sal de mesa e sua correlação com a localização da poluição plástica no ambiente. Matéria do National Geographic.

imagem de sal de mesa
Foto: GETTY

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Análise utilizou sal de mesa de 21 países

Amostras de sal de 21 países da Europa, América do Norte e do Sul, África e Ásia foram analisadas. As três marcas que não continham microplásticos são de Taiwan (sal marinho refinado), China (sal refinado) e França (sal marinho não refinado produzido por evaporação solar). O estudo foi publicado este mês na revista Environmental Science & Technology.

Densidade de microplásticos encontrados

A densidade de microplásticos encontrados no sal de mesa variou dramaticamente entre diferentes marcas. Mas as marcas asiáticas foram especialmente altas, segundo o estudo. As maiores quantidades de microplásticos foram encontradas no sal vendido na Indonésia. A Ásia é um ponto quente para a poluição de plásticos, e a Indonésiacom 53.000 km de litoral – classificou-se em um estudo independente de 2015 como o segundo pior nível de poluição de plástico do mundo. O novo estudo é o quinto sobre o sal publicado nos últimos anos. Outros foram feitos na Espanha, na China, nos Estados Unidos e por um grupo da França, Grã-Bretanha e Malásia.

Saiba mais sobre o grande vilão, o microplástico

Microplásticos ingeridos por uma pulga d’água de três milímetros de comprimento brilham em verde. Em um laboratório, as pulgas foram expostas a contas redondas e fragmentos de formato irregular em quantidades maiores que na natureza.

imagem de pulga d'água e microplastico no estômago
Vejam a pulga d’água e, em seu estômago, as mínimas pontas verdes, ou o microplástico.

As peças irregulares representam uma ameaça maior porque podem se aglomerar e ficar presas no intestino. Os cientistas descobriram microplásticos em 114 espécies aquáticas, e mais da metade deles acabam em nossos pratos. Agora eles estão tentando determinar o que isso significa para a saúde humana.

Quanto microplástico nos mares?

Pesquisas já foram feitas para mostrar que o peixe e o marisco de que desfrutamos estão sofrendo com a onipresença desse plástico. Todos os anos, de 5 a 14 milhões de toneladas fluem para nossos oceanos a partir de áreas costeiras. A luz do sol, o vento, as ondas e o calor quebram esse material em pedaços menores que parecem – até plâncton, bivalves, peixes e até baleias – muito parecidos com comida.

imagem de carangueja enrolado em plástico
Um caranguejo-esponja usa uma folha de plástico transparente sobre o seu casco em Edithburgh, na Austrália. Historicamente, os caranguejos de esponja colocam esponjas sobre as suas conchas para se camuflarem dos predadores. Esta cobertura feita pelo homem não é uma proteção adequada.

A Science vai além: ” Calculamos que 275 milhões de toneladas de resíduos plásticos foram gerados em 192 países costeiros em 2010, com 4,8 a 12,7 milhões de toneladas entrando no oceano.”

imagem de plástico nos oceanos
O desperdício de plástico, por nossa culpa, está matando a vida marinha e entrando em nossa cadeia alimentar. Foto: National Geographic.

Consumo de plástico através do sal de mesa

O novo estudo estima que o adulto médio consome aproximadamente 2.000 microplásticos por ano através do sal. O que isso significa para a saúde permanece um mistério.

Faltam estudos sobre o problema

Um estudo separado da Universidade de York, na Grã-Bretanha, que buscou avaliar os riscos dos microplásticos para o meio ambiente, publicado na quarta-feira, concluiu que não se sabe o suficiente para determinar se os microplásticos causam danos. A revisão de 320 estudos existentes encontrou “grandes lacunas de conhecimento” na compreensão científica do impacto dos microplásticos. Os estudos examinaram diferentes tipos de microplásticos, incluindo microesferas, fragmentos e fibras, levando a uma “incompatibilidade” de dados que faz comparações semelhantes a “maçãs com peras,” disse Alistair Boxall, da Universidade de York professor de geografia e co-autor do estudo. “Com base em nossa análise, atualmente há evidências limitadas para sugerir que os microplásticos estão causando impactos adversos significativos”, disse ele. “Há uma necessidade urgente de estudos de monitoramento de qualidade e mais holísticos, além de estudos de efeitos ambientalmente mais realistas sobre o tamanho das partículas e tipos de materiais que estão realmente no meio ambiente.”

Problemas ainda piores

Esse novo estudo, financiado pelo Personal Care Products Council, um grupo de comércio da indústria, foi publicado na revista Environmental Toxicology and ChemistryBoxall acrescentou que o foco em microplásticos pode desviar a atenção de problemas ambientais piores (e mais facilmente identificáveis), como pequenas partículas liberadas por pneus de carros.

Apesar da falta de estudos conclusivos sobre os malefícios do plástico, pesquisadores continuam seus estudos para acharem uma fórmula capaz de minimizar o problema. Até mesmo bactérias estão sendo desenvolvidas para comerem plástico.

Fontes:  https://www.nationalgeographic.com/magazine/2018/06/plastic-planet-health-pollution-waste-microplastics/?user.testname=none; https://www.nationalgeographic.com/environment/2018/10/microplastics-found-90-percent-table-salt-sea-salt/?cjevent=fea8a927d64111e881ab000f0a24060e&user.testname=none; https://www.nationalgeographic.com/environment/2018/07/ocean-plastic-pollution-solutions/?user.testname=none.

Ostras, molusco é a nova vítima das mudanças climáticas

COMPARTILHAR

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

10 COMENTÁRIOS

  1. A Terra esta doente, esta febril, com uma virose chamada homem. Somos o câncer deste planeta, vamos mata-lo, estamos a caminho de uma grande exterminação. A Terra reage aos ataques do homem como qualquer criatura com virose, eleva sua temperatura e reforça seu sistema imunológico na tentativa de eliminar o mal. Muitos eventos climáticos catastróficos e muitos outros que jamais vimos virão em resposta como reação da Terra. O homem vão pagar muito caro pelas agressões a este belo planeta.

  2. Todos os dias quando saímos de casa em direção ao metrô, eu e meu marido vamos recolhendo o lixo que a população joga nas ruas e calçadas, principalmente descartes plásticos – garrafas pet, copos e todo tipo de embalagem – e desesperadamente levamos até as lixeiras que encontramos pelo caminho. É muita porcaria jogada nas ruas! Acredito que esse ato inconsciente muitas vezes de jogar algo no chão não teria aumentado (e como aumentou, como eu paulistana já com 60 anos posso observar!) se o poder público se empenhasse em campanhas permanentes e muito mais fiscalização do que se faz. Acredito que o assunto também saiu das salas de aula, só pode ser isso, porque vejo a meninada das escolas próximas deixando lixo por aí, na maior. Ao menos as crianças têm o direito de ser informadas que esse lixo todo, o papelzinho de bala, vai parar nos bueiros, dali para o Tietê, para outros rios, e dali para o mar, comprometer sua saúde.

    • As pessoas poderiam ter personalidades e não serem manipuladas por comerciais; eu continua preparando o café de coador. Detalhe o coador tem cerca de quatro anos e não é descartável e desafio qualquer um a avaliar o sabor, aroma e encorpamento do produto recém passado, mas há que cer um teste cego.

  3. Há tempos reciclo. Quando não havia no prédio onde moro, levava no Cj Nacional na Paulista, Depois fui síndica e passamos a reciclar. Agora os cafés em sachê tipo Nespresso…..que loucura o que utilizam de plástico…Grosso . Já estou deixando de utilizar.

  4. Há cerca de três décadas passei a fazer as separações dos lixos e tocante aos plásticos/agregados e latas eu costumo lavar para remoção de resíduos seco e depois descarto em sacos separados; se não reciclam é porque em pleno século XXI a Prefeitura de Belo Horizonte está pouco se lixando com o meio ambiente. Não faço do esgoto o destino de materiais de cozinha e tampouco descarto óleo seja no ralo da pia de cozinha ou no vaso sanitário, mas costumo agregar no óleo quente uma dose generosa de parafina (comestível) e deixo esfriar e “congelar” para então remover na forma de uma “torta” que embrulho em folha de jornal e descarto como lixo orgânico.
    Não sou e tampouco pretendo ser modelo para os outros e tudo que faço é porque de alguma forma estarei colaborando para as gerações vindouras e me faz sentir melhor.

    • Eu também faço tudo isto há muito tempo, com o máximo de cuidado, mas tenho muitas dúvidas se a minha Prefeitura faz a parte dela, talvez eu esteja apenas agrupando o plástico antes de ser jogado direto na natureza.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here