Prefeito Antônio Colucci (PL), Ilhabela, e novo inquérito policial

9
1968
views

Prefeito Antônio Colucci (PL), Ilhabela, ganha novo inquérito policial

Ele é o colosso do litoral norte. Provavelmente, é o grande campeão dos inquéritos policiais em toda a orla nacional. O prefeito Antonio Colucci (PL) acaba de conquistar mais um, por determinação do Tribunal de Justiça, desta vez por insuflar a população de Ilhabela a praticar crime ambiental arrancando o jundu das praias do município. Colucci é viciado em ilícitos morais. Ainda em março de 2023, novamente ocupou as manchetes ao dispensar de licitação uma obra de desassoreamento do córrego da Água Branca com um custo superior a R$ 13 milhões de reais. Houve, igualmente, suspeita de superfaturamento. Os denunciantes sugeriram ao Ministério Público um pedido de inquérito civil público. Ele é mais um dos burgomestres do litoral a processarem o Mar Sem Fim. E, como é um loser, a Justiça nos deu ganho de causa. Outra boa novidade foi a cassação de Flávia Pascoal (PL) ex-prefeita de Ubatuba, por 7 votos a 3. Que sete seja o fim de Colucci em breve.

Prefeito Antônio Colucci (PL).
Prefeito Antônio Colucci (PL). Imagem, Youtube.

Delinquência demonstra ignorância e despreparo

A mais nova delinquência de Antonio Colucci (PL) demonstra como o litoral é maltratado por inúmeros prefeitos. A decadência da zona costeira muitas vezes tem como artífices seus gestores políticos em mais uma prova do despreparo da maioria para gerir municípios costeiros em época de acelerado aquecimento global.

O jundu é um tipo de vegetação de restinga,  essencial para preservar o que Ilhabela tem de melhor: suas lindas praias. Recorremos a André Mota, engenheiro agrônomo da Atlântica Consultoria Ambiental, para explicar sua função:

O jundu é uma vegetação nativa de grande importância para a preservação das praias, além de servir como abrigo e fonte de alimento para fauna nativa. Ele ainda protege e dificulta o avanço do mar em períodos de ressaca. Praias com a presença de jundu apresentam qualidade ambiental superior as que não possuem e sua preservação também influencia a formação das bancadas de areia e a qualidade das ondas.

Antes de mais nada, ele reconheceu  que a conduta de “retirar o jundu” é crime ambiental. De maneira idêntica, Colucci admitiu que já responde a um processo por ter mandado seus funcionários a arrancarem a vegetação de jundu da Praia do Perequê.

“Tira lá. Cada um vai lá e puxa um pezinho, puxa um pé, porque eu não posso fazer isso, você acredita que eu não posso?”, disse em audiência pública em 27 de abril.

PUBLICIDADE

E concluiu: “Eu já estou respondendo processo porque eu mandei tirar jundu na Praia do Perequê.” Pois agora o colecionador vai responder a mais um.

Processo 0019065-78.2023.8.26.0000

Assunto: Inquérito Policial – Crimes de Responsabilidade. Investigado: Antonio Luiz Colucci – Prefeito de Ilhabela. Relator, Desembargador Camargo Aranha Filho, em 20/05/2023.

Eis aí mais uma conquista do prefeito que sistematicamente investe contra os últimos caiçaras raiz que ainda sobrevivem em Ilhabela. É fácil para um poderoso prefeito maltratar os mais pobres de seu município, como fez com os caiçaras do Bonete, ou os da baía de Castelhanos.

Felizmente o Ministério Público tem agido à altura, impedindo as frequentes agressões do prefeito que não descansa enquanto não destruir o que resta de autêntico no município que deveria gerir com integridade.

Contudo, é lamentável que o sistema político brasileiro possibilite que celerados e amorais assumam postos de tamanha relevância. O Alcaide tem dois processos parados no STF. Ainda assim, conseguiu  eleger-se para ‘gerir’ o município campeão em recebimento de royalties do petróleo no Estado.

Só em 2022, Ilhabela recebeu R$ 336 milhões. Mas isso não é tudo, com as ‘participações especiais’, o valor dobra, nada mais, nada menos, que R$ 700 milhões de reais!

Muito disso deve-se à posição mesquinha das elites paulistas que lá têm suas casas de segunda residência. Em 2017 entrevistei o presidente da Sabesp, Jerson Kelman, para uma matéria sobre saneamento na baixada paulista.

Mil e seiscentas mansões que não fizerem o dever de casa

Falamos sobre Ilhabela. Um dos problemas, disse Kelman “é que existem 1.600 mansões dos bacanas de São paulo que não fazem a ligação de suas casas com a rede coletora que já existe.” E Insistiu: “não fazem porque não querem.”

Se as elites paulistas não fazem sua parte, por que um medíocre prefeito deveria fazê-lo? Enquanto isso, leitor, R$ 700 milhões de reais de nossos impostos ficam na mão de um um infrator contumaz.

PUBLICIDADE

Enquanto não houver uma reforma política que impeça absurdos como este o País haverá de amargar outros Antônios Coluccis. É uma lástima, um peso que os brasileiros honrados e honestos não podem aceitar.

Por último, uma boa notícia. Nesta segunda-feira, 29 de maio, Colucci foi assistir a audiência de cassação da prefeita de Ubatuba, e sua aliada, Flávia Pascoal (PL). Contudo, a população o expulsou da Câmara de Vereadores. Aos poucos a máscara vai caindo. Não falta muito para ele próprio ser cassado.

Assista ao vídeo da expulsão de Colucci durante audiência de cassação de Flávia Pascoal (PL), ex-prefeita de Ubatuba

Toninho Colucci é expulso da Câmara de Ubatuba por moradores

Mudança climática pode gerar tsunamis gigantescos na América do Sul

Comentários

9 COMENTÁRIOS

  1. Saneamento na praias de nosso litoral é uma vergonha. Já tem uns 30 anos que a prefeitura colocou tubulação de esgoto no bairro do Lázaro, em Ubatuba. Com certeza obra irregular, os tubos eram muito estreitos para dar a vazão e escoamento necessários. Foi tudo abandonado. A entidade de bairro até tentou, fizeram um bom projeto, incluindo a estação de tratamento, aos moldes do que foi feito na Riviera, em Bertioga. Iria custar uns 10mil Reais por casa, pagos em prestações. Sabe quantas casas se interessaram em não deixar seu esgoto ir pra praia, onde seus próprios filhos brincam ? Menos de 10%.Se a coisa não for obrigatória, com multas e punições, esqueça. Consciência ambiental é só pra tirar selfie…

  2. Simples. Para receber água limpa e tratada somente com a contra partida em ligar esgoto na rede pública. Aliás já está bem atrasada. Tive conjuntivite grave em contato com água na IlhaBela em um carnaval. Foram 6 meses de tratamento, afetou as córneas, pronto socorro 2x, ia no oftalmologista de manhã e a tarde o grau do óculos aumentava, tenho olho seco até hoje. Fiquei 10 dias sem poder ligar tv, computador e ver luz natural, muito desconforto…

  3. Dizer que os rios da Ilha Bela estão poluídos devido os paulistas milionários é uma boa desculpa para aliviar as autoridades responsáveis pela coleta e tratamento de esgoto. Os Veranistas pagam fortunas de IPTU, que engordam a receita do município para tratar esgoto. Uma casa não deveria ter seu projeto e nem habite-se aprovados sem estar conectada a rede da Sabesp. Qualquer residência que é servida pela rede da Sabesp pode ser multada e interditada por despejar esgoto no rio, pois isso é crime ambiental e contra a saúde pública. A arte de culpar e criar conflitos entre classes sociais sempre foi uma estratégia dos gestores e políticos que não querem resolver o problema. Uma lástima os
    moradores e turistas nadarem no esgoto e depois irem aos hospitais com cólicas gastrointestinais, conjuntivites, hepatites, infecções urinárias, micoses de pele, etc.
    Com os recursos disponíveis, bastaria vontade política para resolver esse problema !

    • Vontade que, entretanto, faltou a 1.600 milionários paulistas que têm mansões em Ilhabela e ignoraram sua obrigação de fazer a ligação de suas casas à rede coletora instalada. Não disse que os rios da ilha são poluídos por causa disso. Disse apenas que TODOS têm sua parcela de culpa. Uns por elegerem delinquentes, outros, parte significativa das elites esclerosaras, por se omitirem perante tantos absurdos. Outros ainda, por não fazerem sua obrigação: a ligação entre suas mansões e a rede coletora.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here