O Farol de Alexandria, conheça a história

0
2595
views

O Farol de Alexandria

Os faróis sempre foram amigos dos navegantes especialmente antigamente quando não havia a tecnologia hoje disponível. Era através deles que os navegadores  confirmavam sua posição no mar. Até hoje  são indispensáveis à navegação. O mais icônico, e primeiro,  é o Farol de Alexandria, considerado uma das sete maravilhas do mundo antigo.

O Farol de Alexandria, imagem de ilustração do O Farol de Alexandria
O Farol de Alexandria (ilustração: revista galileu)

Segundo a wikipedia ” o Farol da Alexandria foi  construído pelo Reino Ptolomaico  entre 280 e 247 a.C. na cidade de Alexandria, pelo arquiteto grego Sóstrato de Cnido. Ele tinha entre 120 e 137 metros de altura e era uma das sete maravilhas do mundo antigo. Por muitos séculos foi uma das estruturas mais altas do mundo. Danificado por três terremotos  entre os anos de 956 e 1323, tornou-se uma ruína abandonada.

O Farol da Alexandria sobreviveu até a idade média

“Até 1480, era a terceira maravilha antiga sobrevivente (depois do Mausoléu de Helicarnasso e da Grande Pirâmide de Gizé, única que se mantém em pé até os dias de hoje), quando então a última de suas pedras remanescentes foi usada para construir a Cidadela de Qaitbay  no mesmo local. Em 1994,  arqueólogos franceses descobriram parte dos restos do farol no Porto Oriental de Alexandria. Em 2015, o Ministério de Estado das Antiguidades do Egito planejou transformar as ruínas submersas da antiga Alexandria, incluindo as de Faros, em um museu subaquático. Em maio do mesmo ano, o Comitê Permanente do Egito para Antiguidades anunciou planos de reconstruir o monumento.

Alexandre, O Grande, fundou Alexandria

Ainda segundo o wikipedia, “Faros  era uma pequena ilha localizada na margem ocidental do Delta do Nilo. Em 332 a.C., Alexandre fundou a cidade de Alexandria em um istmo oposto a Faros.

O Farol de Alexandria, imagem de mapa mostrando alexandria
Alexandria

Alexandria e Faros foram conectadas depois por um molhe que media mais de 1200 metros e era chamado de Heptastadion.

O Farol de Alexandria, ilustração do O Farol de Alexandria
O Farol de Alexandria (ilustração: pags em branco)

O Farol da Alexandria, fundado no séc. III a.C, tinha alcance de 47 Km!

Depois que Alexandre morreu de uma febre aos 32 anos, o primeiro Ptolomeu (um dos generais de Alexandre) anunciou-se rei em 305 a.C. e comissionou a sua construção pouco depois. O edifício foi terminado durante o reinado de seu filho, o segundo Ptolomeu. Levou doze anos para completar. Judith McKenzie escreve que

…as descrições árabes do farol são notavelmente consistentes, embora tenha sido reparado várias vezes, especialmente após danos causados ​​por terremotos. A altura que dão varia apenas 15%, de 103 a 118 metros, em uma base de cerca de 30 metros quadrados…

O Farol de Alexandria desapareceu 20 anos antes da ‘descoberta’ do Brasil

“O farol foi gravemente danificado por um terremoto de 956 e novamente em 1303 e 1323. Finalmente o restante da estrutura desapareceu em 1480, quando o então Sultão do Egito, Qaitbay , construiu uma fortaleza medieval na plataforma do local do farol usando algumas das pedras caídas”.

Navegadores que provavelmente usaram o Farol de Alexandria

Assírios, e depois os babilônios. Persas, gregos, egípcios e romanos.

O período de apogeu dos fenícios, povo descendente dos cananeus, foi entre 1.200 a.C. até 800 a C. . Localizados numa estreita faixa de terra, pobre, compreendida entre as montanhas do Líbano e o Mediterrâneo Oriental, a sua situação geográfica condicionou a sua principal atividade: o comércio marítimo. A madeira de cedro, existente em abundância nas florestas do Líbano, permitiu-lhes criar uma frota que dominava grande parte do comércio do Medi­terrâneo.

O Farol de Alexandria hoje

Em 1968 o farol foi redescoberto. A UNESCO patrocinou uma expedição para enviar uma equipe de arqueólogos marinhos, liderada por Honor Frost, para o local. Ela confirmou a existência das ruínas que representam parte do farol.

Conheça outra obra ‘faraônica’ mas moderna: o canal do Panamá.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here