Litoral de Santa Catarina e erosão provocada por mau uso

4
437
views

O mau uso do litoral de Santa Catarina, e de quase todos estados costeiros, provoca grande destruição

As pessoas querem ‘vista para mar’ seja a qual for o custo. Está no imaginário do brasileiro. Aquele mesmo que deu acostas para o mar há gerações. Não se incomoda, não tem desconfiômetro; ignorantes, não sabem que 90% da cadeia de vida marinha começa justamente onde constróem: praias, dunas, restingas e até costões. Um dia a  fatura chega. É sempre assim. Mas ninguém aprende a lição. Continuam edificando onde não pode (por Lei), ou onde não se  deve (pelo simples bom senso). Por isso o litoral de Santa Catarina e erosão.

Com esse gosto perverso de parte dos ‘ricos’, a especulação imobiliária explode. Ciente disso, as incorporadoras põem seus tratores nas praias. E arrasam a linda paisagem secular para erguer em seu lugar condomínios gigantes, filas de ‘paliteiros de concreto armado’; ‘Resorts’, se possível com nome estrangeiro, e em estilo neo- clássico,  também. Eles pipocam nas praias nordestinas. Por que? Porque as pessoas compram. Já a paisagem? A vida marinha? E a total falta  de infraestrutra (leia-se coleta e tratamento de esgotos)? Ora, que se dane! O que importa é  ‘vista por mar.’ Disso, pouca gente abre mão…

Litoral de Santa Catarina e erosão: situação de emergência em seis municípios

“Desde o início do inverno, as águas avançaram com força sobre as praias catarinenses, arrancando estruturas de concreto, contorcendo vergalhões de ferro, derrubando construções de tijolos. Uma destruição implacável que já levou seis municípios do Estado a decretar situação de emergência.” Assim o dc.clicrbs.com.br, de novembro de 2017, abriu sua matéria.

O que aconteceu este ano?

Nada que não tenha acontecido antes, como uma combinação de fenômenos naturais que provocam ressacas, das bravas, em vários pontos do litoral de Santa Cataria, e consequente erosão, assustando pessoas desavisadas.

As praias de Santa Catarina e a ocupação desordenada

Algumas das mais afetadas foram  o Matadeiro, em Florianópolis, o Ervino, São Francisco do Sul, ou o Balneário Cambiju, em Itapoá e praia dos Ingleses, na Capital, onde 2/3 da areia foi-se. A praia do Caldeirão também sumiu… 

imagem da praia do Caldeirão e erosão, Litoral de Santa Catarina
Praia do Caldeirão, Outubro de 2017 (FOTO: Marco Favero, Diário Catarinense)

Hoje todas as citadas  têm poucos metros de areia. E, mais uma vez, ocupação desordenada não é exclusividade do litoral de Santa Catarina. Até que aconteça uma recomposição natural vai custar de dois a três anos, dizem especialistas.

imagem da praia dos Ingleses e erosão Litoral de santa catarina
Praia dos Ingleses, Out. 17 (FOTO: Marco Favero, Diário Catarinense)

Os prejuízos em Florianópolis: R$ 4 milhões, em Navegantes, R$ 1,4 mi

Florianópolis foi dos que decretou estado de emergência, ao lado de Navegantes (prejuízo de R$ 1,4 milhões, segundo G1). Já para o dc.clicrbs.com.br, “os prejuízos causados pela ressaca que atingiu praias de Florianópolis nas últimas semanas foram estimados em R$ 4 milhões. O levantamento feito pela Defesa Civil do município e pela Secretaria de Infraestrutura.” Em Itapoá, a ressaca do mar causou erosão em vários pontos da orla, acumulou lixo e inundou a via pública, disse a defesa civil.

imagem da Praia dos Morro e das Pedras com erosão Litoral de Santa Catarina
Praia dos Morro e das Pedras. Litoral de Santa Catarina e erosão. (Foto: Odemar Andrade/NSC TV)

Exemplos de ocupação desordenada em praias no Sul, Sudeste, Nordeste e região Norte

Guarujá, a ex- pérola do Atlântico, em São Paulo.

imagem de prédios no costão em Guarujá, SP
Querem vista pro mar? Bora lá, destruir a paisagem. Obra das incorporadoras, em Guarujá, SP.

Ou a aberração conhecida como Balneário Camboriú, no próprio estado de Santa Catarina.

imagem do Balneário do Camboriu, Litoral de Santa Catarina e erosão
Balneário do Camboriu, SC, onde os prédios ficaram tão altos que não bate mais a luz do sol na praia…(Foto: Curto e Curioso)

O Nordeste não fica de fora, o ‘exemplo’ de Pipa é só mais um.

imagem da praia de Pipa, RN
O cara- pálida faz a primeira merda: constrói onde não deve. Depois faz a segunda, joga pedras…

Assim como o Norte e ‘sua contribuição’, na praia do Atalaia, Salinópolis, PA.

imagem da praia de Atalaia, salinópolis
Não satisfeitos em destruir a paisagem, os nortistas ainda entram de carro nas praia (com o som na mais alta potência), esmagando a vida marinha.

Sabedoria popular

Aliás, nem todos são ignorantes. Os cara- pálidas, sim; nativos, nem tanto. ‘Valdir Mata-fome’, personagem de 61 anos, um dos moradores mais antigos foi ouvido pelo http://dc.clicrbs.com.br. Eis o que disse:

Toda vida essa maré existiu, só que em outros tempos não tinha bar e casa na beira da praia. As pessoas invadiram o mar. É uma revolta da natureza, porque hoje existe muito individualismo e muitos interesses. A Ilha está perdendo a alma, e as bruxas estão revoltadas

Aprenderam, cara- pálidas? Mas, antes de saíram entupindo a orla de pedras, ouçam o que diz um especialista.

Sabedoria dos experts

O http://dc.clicrbs.com.br cumpriu bem a sua função, e foi atrás de Carlos Eduardo Salles de Araújo, pesquisador da Epagri/Ciram do grupo de monitoramento costeiro, que ensinou:

A gente só não pode fazer mais besteira, como colocar pedra em tudo, porque isso pode contribuir ainda mais para a erosão no longo prazo

Sabedoria da Constituição Estadual da Paraíba

A Constituição do estado teve a sorte de ser feita na época da Rio- 92. Um grupo da sociedade, inclusos arquitetos, ambientalistas e organizações civis como a OAB, se uniram, escreveram e ofereceram  o capítulo de meio ambiente ao governador da época que topou a parada. É o único dos 17 estados costeiros que soube domar a especulação imobiliária, não permitindo a destruição da paisagem costeira por espigões e os ‘resorts’ monstrengos. Na primeira linha da praia só casas térreas; na segunda, os sobrados; na terceira, prédios baixos, e assim por diante. É um exemplo a ser seguido.

Não culpem as mudanças climáticas e subida do nível do mar: a culpa é de quem faz merda

…Se o nível do mar estivesse subindo, nós teríamos problemas em todas as praias. E não temos. O efeito é localizado, associado à orientação das praias e à maneira que elas interagem com ondulações e ventos atípicos…

Palavras do físico e oceanógrafo, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Felipe Pimenta, também ouvido pelo http://dc.clicrbs.com.br.

Litoral de Santa Catarina e erosão: culpa de quem constrói, ou compra

Assista o vídeo produzido pelo Diário Catarinense. E veja como foi.

Fontes: http://dc.clicrbs.com.br; G1; defesacivil.sc.gov.br.

Foto de abertura: praia do Caldeirão, Litoral de Santa Catarina e erosão, de Marco Favero, DC.

Conheça o litoral do Rio Grande do Sul

COMPARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Fazendo uma foto na maré baixa de sizígia e outra na alta de sizígia fica igual. há muita besteira no site. Meus antepassados vieram da Europa no seculo 19 desembarcando no porto de Una, BA. Faz quase 100 anos que o porto acabou porque p mar avançou. E não tinha nada a haver com a ação do homem, como foi no morro das pedras que não é resultado da ação do homem A causa do site é justa e correta mas não vale trapacear pra defende-la

    • Jorge, não ‘estamos trapaceando’. Por acaso vc leu as declarações dos dois especialistas citados? Um deles é Carlos Eduardo Salles de Araújo, pesquisador da Epagri/Ciram do grupo de monitoramento costeiro, que ensinou:

      “…A gente só não pode fazer mais besteira, como colocar pedra em tudo, porque isso pode contribuir ainda mais para a erosão no longo prazo…”
      Outro foi o físico e oceanógrafo, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Felipe Pimenta, que disse:
      “…Se o nível do mar estivesse subindo, nós teríamos problemas em todas as praias. E não temos. O efeito é localizado, associado à orientação das praias e à maneira que elas interagem com ondulações e ventos atípicos…”
      E ainda teve a declaração de ‘Valdir Mata-fome’, personagem de 61 anos, um dos moradores mais antigos, que ressaltou:
      “…Toda vida essa maré existiu, só que em outros tempos não tinha bar e casa na beira da praia. As pessoas invadiram o mar. É uma revolta da natureza, porque hoje existe muito individualismo e muitos interesses. A Ilha está perdendo a alma, e as bruxas estão revoltadas…”
      É isso, abraços

  2. Olá amigo sou Pedro Caetano de Caraguatatuba e sempre estou compartilhando suas reportagem em meu grupo SOS praia Mococa onde temos uma luta de Preservar está que é a última praia ainda com vegetação jundu eque não seja construído resorts pé na areia.contamos com. Sua visita qualquer dia . Conheça nosso trabalho no grupo Facebook SOS praia Mococa

    • Olá, Pedro, obrigado pela mensagem. Obrigado tb por compartilhar. É isso mesmo que é pra fazer: espalhar informação de boas fontes. Antes todos das redes sociais fizessem isso. E vou lá, no Face, ver vocês. Abraços, sucesso, e volte sempre!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here