Holanda, potência marítima no séc. 17, saiba por quê

5
1476
views

Holanda, potência marítima no séc 17, conheça a história

“Símbolo da exploração com naus a vela e das descobertas foi a revolucionária República Holandesa do século XVII. Tendo declarado sua independência do poderoso Império Espanhol, ela abraçou, mais completamente que qualquer outra nação desta época, o Iluminismo europeu.” Assim escreveu Carl Sagan, professor de astronomia e ciências espaciais da Universidade Cornell. Autor de dezenas de livros, entre os quais, “Cosmos” (ed. Cia das letras), Sagan, antes de tudo, era um humanista. Foi desta obra que tiramos a frase  sobre a Holanda, a grande potência marítima do séc. 17.

ilustração de mapa da Holanda
Ilustração: you tube

Atualizado

Holanda, seu povo marítimo, e a necessidade de navegar

Carl Sagan: “Era uma sociedade racional, ordenada, criativa. Mas os portos e navios espanhóis foram vedados à navegação holandesa. A sobrevivência da minúscula república dependia de sua capacidade para construir, tripular e acionar uma grande frota de navios comerciais.

desenho de nau da Holanda do século 17
Holandeses, povo marítimo: as naus

“A Companhia das Índias Orientais, empreendimento conjunto de governo e iniciativa privada, enviou navios para os cantos mais afastados do mundo para adquirir mercadorias raras e revendê-las com lucro na Europa.”

Saga marítima portuguesa: início e, sobretudo, o declínio que abre as portas para outros povos navegadores

Foi assim que começou a epopeia náutica da Holanda. Ela foi favorecida pelo imenso império marítimo português, e a dificuldade dos lusos estarem em todos os lugares para defender suas posses. A saga lusa começou em 1417, com a ‘descoberta’  da Ilha da Madeira, e teve seu ‘grand finale’ em 1522, com a circunavegação de Fernão de Magalhães.

desenho de naus portuguesas
Os lusos não conseguem segurar seu império marítimo

Depois de dominarem os mares, os lusos criaram um império tão vasto que sua pequena população (na época avaliada em um milhão de pessoas) não deu cabo de segurá-lo, abrindo espaço para outras nações. A Holanda e seu povo marítimo por excelência não perderam tempo.

Desenhos de naus da Holanda do atlas van der Hagen
Holandeses, povo marítimo, vencem os lusos em Cochin. Atlas van der Hagen

Erro de Cabral possibilita conhecimento náutico da Holanda

Pedro Quirino da Fonseca, um dos grandes historiadores portugueses diz em seu livro, As Origens da Caravela Portuguesa, que ” Pedro Álvares Cabral cometeu um grave erro ao embarcar em sua armada dois pseudo-comerciantes  holandeses, aos quais o governo de Goa facultou importantes cargos na Administração Pública Portuguesa, em Goa e na costa da Índia. Esses enigmáticos comerciantes ficaram conhecidos na história como sendo Dick Pomp e Jan Van Linschoten. Essa atitude de negligência por parte dos portugueses, em relação aos dois desconhecidos, permitiu aos holandeses informarem-se de tudo o que se passava na Índia e prepararem previamente, com toda a minudência, a vinda de seus compatriotas para o Oriente.”

Do mar de Barents, no Ártico, à Tasmânia, na Austrália

Carl Sagan: “De uma hora para outra os holandeses estavam presentes em todo o planeta. O mar de Barents, e a Tasmânia, devem seus nomes a capitães do mar holandeses. Em um ano típico, muitos navios percorriam metade do mundo. Descendo pela costa oeste da África, contornando o litoral sul, passando pelo estreito de Madagascar e atravessando o que chamavam de mar da Etiópia, e depois a ponta meridional da Índia, eles navegavam em direção ao maior foco de seu interesse, as ilhas das Especiarias, atual Indonésia. Algumas expedições saíram dali para uma terra com o nome de Nova Holanda, hoje chamada Austrália.”

E conclui Sagan: “Nunca antes nem depois, a Holanda foi a potência mundial que era então.”

Holanda do século XVII, o lar de grandes filósofos

Em seu livro, diz Sagan sobre esse aspecto: “País pequeno, obrigado a recorrer à sua sagacidade e inventividade, praticava uma política exterior de forte cunho pacifista. Devido a sua tolerância para com opiniões heterodoxas, era porto seguro para intelectuais que se refugiavam da censura e controle de opinião.”

A Holanda do século XVII tornou-se o lar do grande filósofo judeu Espinoza; que Eisntein admirava. De Descartes, figura axial da história da matemática e da filosofia; de John Locke, cientista político que influenciou um grupo de revolucionários de inclinação filosófica cujos nomes eram Paine, Adams, Franklin e Jefferson. Foi a época dos mestres da pintura de Rembrandt e Vermeer, e Frans Hals; de Leeuwenhoeck, inventor do microscópio; de Grotius, fundador do direito internacional; de Willebrord Snell, que descobriu a lei da refração da luz.”

imagem da tela Aula de anatomia, de Rembrandt na Holanda
O estudo sistemático…Aula de anatomia, de Rembrandt

“O microscópio e o telescópio foram desenvolvidos na Holanda, no início do século XVII.”

A luz: tema predominante naquela época

Sagan diz que ” a luz era tema predominante na época. A simbólica iluminação da liberdade de pensamento e de religião, da descoberta geográfica. A luz que permeava as pinturas da época, em especial a primorosa obra de Vermeer; e a luz como objeto de de investigação científica…”

Imagem da tela O astrônomo, de Veermeer
O astrônomo, de Veermeer

“Os interiores de Vermeer estão caracteristicamente cheios de artefatos náuticos e mapas de parede.”

imagem da tela Oficial e moça sorridente, de Vermeer
“Oficial e moça sorridente” (1657-58), a notar, o mapa de parede

“Um problema chave para a navegação na época era a determinação da longitude, que exigia uma medição precisa do tempo. Christian Huygens inventou o relógio de pêndulo que foi empregado, não com absoluto sucesso, para calcular posições no meio do oceano.”

Algumas descobertas da Holanda

Em Junho de 1594, o cartógrafo holandês Willem Barents partiu numa frota de três navios para o mar de Kara (parte do oceano Ártico, ao norte da Sibéria), na esperança de encontrar a passagem do Nordeste acima da Sibéria. Atingiram a costa oeste da Nova Zembla (arquipélago russo no oceano Ártico), e seguiram para norte, antes de serem forçados a voltar face aos grandes icebergs. Os holandeses colonizaram Java e, ao mesmo tempo, chegavam ao Nordeste do Brasil, denominado na época como Brasil neerlandês. O navegador   Willem Janszoon, foi o primeiro europeu a avistar as terras australianas (1616) e Nova Zelândia (1642). No ano de 1615, Jacob Le Maire e Willem Schouten navegaram contornando o Cabo Horn para provar que a Tierra del Fuego não era uma ilha tão grande. Abel Tasman, executou viagem de circunavegação à chamada Nova Holanda.  E Jacob Roggeeen avistou a ilha de Páscoa, no Domingo de Páscoa, 5 de abril de 1722, daí seu nome.

O império holandês incorporou regiões como a do Cabo, na África; o Ceilão, na Ásia; a Nova Amsterdã (atual Nova York); vários territórios no nordeste do Brasil e as ilhas Antilhas na América.”

“A Holanda tem uma ex-colônia no norte da América do Sul, no meio das duas Guianas: o Suriname.”

As Ilhas das Especiarias

A bbc.com publicou recente matéria onde diz que “ao lado de Portugal, Inglaterra e Espanha, a Holanda estava envolvida em uma corrida para encontrar as Ilhas das Especiarias, ganhando controle do comércio de produtos como cravo e canela. Havia o potencial de fazer fortunas e esses países queriam eliminar intermediários – comerciantes asiáticos e árabes que escondiam a localização do arquipélago.”

“Quando os holandeses encontraram as ilhas, decidiram proteger seu investimento com a criação da Companhia das Índias Orientais. Abusando da brutalidade contra a população, eles ganharam o controle das plantações de noz-moscada, usada não apenas como tempero, mas também como remédio contra uma série de doenças que incluía a peste bubônica, então ainda afetando a Europa.”

“Naquela época, apenas as ilhas de Banda produziam noz-moscada. O isolamento do arquipélago, somado ao cultivo problemático da especiaria, tornava seu preço astronômico.”

mapa das ilhas de Banda, possessão da Holanda
Em vermelho, as ilhas de Banda.

‘Havia uma pedra no caminho,  o primeiro passo para a formação do Império Britânico’

Foi o que disse a bbc, “mas havia no caminho uma pedra: em 1616, a Inglaterra conquistou Run, uma das ilhas de Banda, um pedacinho de terra, menos de 3 km de comprimento e menos de 800 de largura, que se tornou a primeira colônia inglesa e passou a ser administrada pela Companhia Inglesa das Índias Ocidentais. Foi o primeiro passo para a formação do Império Britânico.

O enclave inglês resistiu apenas por quatro anos. Mas em 1664, Londres deu o troco ao enviar quatro fragatas para cruzar o Atlântico e tomar uma possessão holandesa conhecida como Nova Amsterdã, o que foi feito rapidamente. Três anos depois, ingleses e holandeses chegaram a um acordo e simplesmente trocaram as ilhas.

Holanda troca Nova Amsterdã, atual Nova York, pela ilha de Run, arquipélago das ilhas de Banda

A Holanda ficou com Run. A Inglaterra, com Nova Amsterdã, logo rebatizada de Nova York. Hoje em dia, a Indonésia é quem controla Banda e a noz moscada.”

O final da era holandesa no mar

“No séc. XVII ocorreram três guerras anglo-holandesas: de 1652 a 1654; de 1665 a 1667; e de 1672 a 1674, ao final das quais ocorre a emergência da Inglaterra como potência mundial hegemônica.”

Por seus feitos no mar, a Holanda merece estar presente na ‘História Marítima”, do Mar Sem Fim. Carl Sagan encerra assim suas considerações sobre a o périplo náutico holandês: “as espaçonaves Voyager são descendentes lineares daquelas viagens de exploração dos veleiros, e da tradição científica especulativa de Christian Huygens. As Voaygers são caravelas direcionadas às estrelas, explorando no caminho esses mundos que Huygens  conhecia e tanto amava.”

Fontes: Cosmos, de Carl Sagan, Ed. Cia das Letras. As Origens da Caravela Portuguesa, Pedro Quirino da Fonseca, ed. Chaves- Ferreira – Publicações, S. A.

Fontes da net: https://www.infoescola.com/historia/descobrimentos-e-navegacoes-holandesas/;https://alunosonline.uol.com.br/historia/navegacoes-holandesas.html; https://www.ducsamsterdam.net/curiosidades-historia-holanda/; http://www.bbc.com/portuguese/vert-tra-42180918?ocid=socialflow_twitter.

Saiba por que o Brasil foi escala, e estaleiro, na era da vela

COMPARTILHAR

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

5 COMENTÁRIOS

  1. Faltou aqui, nem que fosse apenas um paragrafo, a questão das matanças e escravos de todo o tipo de pele, que os holandeses espalharam pelo planeta!!!! Claro que os protestantes vão negar, só os amigos do Vaticano é que eram uns sacanas!!!!!

  2. Excelente. A história marítima da Holanda é muitas vezes esquecida e este artigo põe luz tópica a muitos pontos, muito bom, parabéns.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here