A internet e a pegada de carbono, você sabe o tamanho?

0
1743
views

A internet e a pegada de carbono, você sabe qual o tamanho?

Nós também não sabíamos. Até a ideia da pesquisa. Então, uma dica: nos últimos 60 segundos, 350.000 tweets foram enviados. E a cada 60 minutos surgem 27.000 novos usuários na rede. Atualmente, existem cerca de 30 bilhões de dispositivos conectados à Internet no mundo. O que inclui computadores pessoais, smartphones, TVs e tablets, e uma infinidade de dispositivos que usam a Internet de maneiras mais sutis. Entre eles, veículos inteligentes, sistemas domésticos  e relógios – denominados Internet das Coisas.

internet e uso de energia
Imagem, You Tube.

(Este post foi baseado em matéria do site theconversation.com. Sua autora é Jo Adetunji.)

Um oceano Pacífico de emissões

Pobre Tim Berners-Lee, inventor do World Wide Web em 1989. Ele não fazia ideia do que estava por vir apenas 33 anos depois… Hoje, cerca de 4,6 bilhões de pessoas usam a internet todo dia. Quando se trata de energia real, a Internet é faminta. Uma rede de redes. E cada uma consiste em mais computadores. Isto custa muito, em consequência, produz enormes pegadas de carbono.

À medida que dependemos da Internet para processar, usar e armazenar cada vez mais dados, assim, a energia   aumenta na mesma proporção. Pesquisas estimam que até 2025, o setor de TI poderá usar 20% de toda a eletricidade produzida e lançar até 5,5% das emissões de carbono do mundo.

É mais do que as emissões totais da maioria dos países, exceto China, Índia e EUA.

PUBLICIDADE

Os ‘centros de dados’

Uma proporção crescente do consumo de energia de TI vem dos data centers, ou centros de dados. São prédios usados ​​para armazenar dados e hardwares de computadores, que quase sempre se conectam diretamente à rede elétrica. Entretanto, na maioria dos países significa que eles usam principalmente fontes não renováveis ​​de eletricidade.

centro de dados da Internet
Centro de dados da Internet. Imagem, David Levene/The Guardian.

James Glanz examinou, em artigo de 2012 no New York Times, como os centros de dados podem  desperdiçar e consumir muita energia. 

Para ter confiabilidade,  precisam armazenar as mesmas informações em várias máquinas para criar redundância. Por isso, estão ligadas e acessíveis o tempo todo. Além da necessidade de fluxo constante de energia para os servidores, os data centers exigem sistemas de resfriamento que usam ainda mais energia.

Entretanto, nove anos depois o mesmo New York Times publicou outra matéria, desta vez de A Internet consome menos energia do que você imagina).

A revista Nature também abordou o assunto

Até a hiper prestigiada revista Nature se manifestou em How to stop data centres from gobbling up the world’s electricity (Como impedir que os data centers consumam a eletricidade do mundo), quando fez projeções até 2030.

Gráfico da energia e custo da internet
Ilustração, Nature.

Outro veículo, o jornal  The Guardian, também abriu espaço para o tema em 2017, onde dizia que o setor de comunicações pode usar 20% de toda a eletricidade do mundo até 2025, o que dificulta as tentativas de atingir as metas de mudança climática e sobrecarrega as redes.

Veja o gráfico interativo do Our World in Data sobre o uso da Internet de 1990 até 2019

Cerca de 50% dos data centers são agora “hiperscale”,  contêm mais de 5.000 servidores e geralmente são maiores que 1.000m². E são usados ​ normalmente ​por grandes players do setor de dados, como Microsoft Azure, Google Cloud ou Amazon Web Services (AWS) – que sozinho hospeda 5,8% de todos os sites na Internet.

Tentativas e estimativas para baixar o consumo de energia

Não são poucas as empresas que tentam baixar a bola. O Google, por exemplo, anunciou a meta de atingir data centers movidos a energia renovável 24 horas por dia, 7 dias por semana até 2030.

Por isso, o primeiro centro da empresa  desse tipo  entrou em operação em 2020 perto de Las Vegas. Para operar  apenas com energia renovável, localizá-los em regiões com disponibilidade de energia eólica, solar, geotérmica ou hidrelétrica é vital.

Tendência

A última década viu surgir esta tendência: hospedagem na web movida a energia renovável. Na tentativa de diminuir o impacto ambiental, alguns optam por comprar compensações.

São pagamentos que teoricamente compensam as emissões de carbono ai apoiarem a geração de energia de baixo carbono – enquanto outros compram energia de fontes renováveis ​​para igualar seu consumo de energia.

Quais países têm mais pessoas on-line?

De acordo com o site energyhelpline.comEmbora a China e a Índia tenham respectivamente apenas 50 e 26% de sua população on-line, elas dominam os dois primeiros lugares globais.

PUBLICIDADE

Conheça abaixo os 10 principais países por número de usuários de internet em 2020:

  1. China 854 milhões
  2. Índia 560 milhões
  3. EUA 313 milhões
  4. Brasil 149 milhões
  5. Nigéria 126 milhões
  6. Japão 118 milhões
  7. Rússia 116 milhões
  8. Bangladesh 94 milhões
  9. México 88 milhões 
  10. Alemanha 79 milhões

O sol poderia alimentar a web?

Outra solução potencial para navegar de forma mais sustentável é oferecida por iniciativas como Solar Protocol Low Tech Magazine. Esses sites  são inteiramente alimentados por energia solar.

Ilustração de energia solar para a Internet
Ilustração, Solar Protocol .

O desafio que  enfrentam é dimensionar tecnologias de geração de energia limpa no local  para ajudar a administrar o enorme número de sites na web.

A maior fazenda solar do Reino Unido, em Flintshire, País de Gales, nasceu para gerar energia para uma fábrica de papel. Agora, o próximo passo de alimentar sites comerciais, e  servidores, movidos a energia renovável pode não ser algo tão radical.

Assista ao vídeo e saiba mais sobre a Internet e o uso de energia

How Much Energy Does the Internet Use? | Hot Mess 🌎

Imagem de abertura: You Tube.

Fontes: https://theconversation.com/the-internet-consumes-extraordinary-amounts-of-energy-heres-how-we-can-make-it-more-sustainable-160639; https://www.theguardian.com/environment/2017/dec/11/tsunami-of-data-could-consume-fifth-global-electricity-by-2025; https://www.energyhelpline.com/help/a-guide-to-global-internet-energy-usage; https://www.nytimes.com/2012/09/23/technology/data-centers-waste-vast-amounts-of-energy-belying-industry-image.html.

Maceió sofre avanço do mar, começam obras em Jatiúca

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here