Maré vermelha, saúde dos oceanos e nossa saúde

3
3616
views

Saúde dos oceanos, e a nossa, conheça as relações. São muitas, e a saúde dos oceanos vai mal…

A fonte básica, mas não única, deste artigo é o site www.huffingtonpost.com.”Nossa saúde depende da saúde dos oceanos – e eles estão doentes. As proliferações de algas, ou maré vermelha, estão causando um impacto global em nossa saúde e sinalizando mudanças ambientais mais amplas em todo o mundo.” Antes de alguns exemplos recentes de marés vermelhas, vamos entender o que é o fenômeno.

Maré Vermelha ou proliferação de algas nocivas: o fenômeno natural

Marés vermelhas são fenômenos naturais provocados por mudanças de temperatura nas águas dos mares,  alteração dos níveis de salinidade, e outros. Mas também estão associadas à ação humana…

Maré Vermelha associada à ação humana

Neste caso, elas são uma reação provocada por excesso de nutrientes, como esgotos não tratados, poluição urbana, fertilizantes, maricultura intensiva, e outros, que despejam  rejeitos no mar. Estes elementos, ricos em compostos de nitrogênio, carbono, ferro, fósforo, alteram a composição química dos oceanos, favorecendo a proliferação de algas e bactérias nocivas. Estas, muitas vezes tingem a água, tamanha sua quantidade, em tons próximos do vermelho (mas nem sempre), daí o nome.

imagem de Maré vermelha em praia do Japão
Maré vermelha em praia do Japão. (Foto:nikkeyweb.org.br)

Consequências da maré vermelha

O processo desencadeia efeito catastrófico na fauna aquática, liberando substâncias tóxicas em alta concentração. Elas são capazes de envenenar a água e os organismos vivos, provocando a morte em larga escala de peixes, mamíferos marinhos,  moluscos, etc. Os organismos filtrantes (ostras, mexilhões, mariscos…) são os mais atingidos. Às vezes a proliferação de algas é tão dramática que a ‘mancha’, por elas formada, diminui a incidência de luz. Isso impede o processo de fotossíntese o que, por sua vez, diminui o nível de oxigenação da água.

Outro motivo para a redução do oxigênio ocorre devido ao grande número de bactérias decompositoras que se alimentam e consomem todo o oxigênio.

Exemplos recentes de marés vermelhas

“Centenas de peixes-boi mortos foram parar nas praias da Flórida este ano. Estudos mostraram que a razão do morticínio foi a maré vermelha. Assim como as algas nocivas mataram peixes-boi,  algumas delas produzem toxinas que podem causar graves problemas respiratórios se as inalarmos – e problemas gastrointestinais e até mesmo neurológicos se comermos frutos do mar ou bebermos água contaminada.”

Saúde dos oceanos:por que a maré vermelha é preocupante

“Isso é preocupante, porque a extensão geográfica, a frequência e a duração das florescências parecem estar aumentando. Como a mudança climática faz com que as águas aqueçam, e o escoamento agrícola e a poluição causam o aumento dos níveis de nutrientes, os humanos criam condições para que algumas florescências se tornem enormes.”

Impactos econômicos da maré vermelha na Flórida

“A floração atual na costa oeste da Flórida é a mais longa registrada em uma década (10 meses). E é causada pela Karenia brevis, uma espécie de alga que produz a brevetoxina. Ela é insípida e inodora, mas pode causar tosse, espasmos brônquicos, dormência, vertigens e vômitos, entre outros sintomas. Para proteger o público, o governo do estado declarou estado de emergência, fechando praias e pescarias, causando transtornos ao turismo. As perdas econômicas foram significativas. Este não é o primeiro evento desse tipo  recentemente. Em 2015, algas Pseudo-nitzschia formaram uma floração de tamanho e duração sem precedentes, de Vancouver, na Colúmbia Britânica, até o sul da Califórnia. Como essa alga produz o potente ácido domoico da neurotoxina, a pesca de caranguejo teve que ser fechada por vários meses para proteger o público.”

No Chile

“No Chile, uma florada maciça de catenela Alexandrium em 2016 contaminou fazendas de salmão, matando 100.000 toneladas do peixe, ou mais de 11% da produção anual do país. Devastou a indústria de aquacultura do Chile e levou a agitação social. Uma nova rodada de florescências está varrendo as costas chilenas novamente este ano.”

No Caribe

“No Caribe, as algas Sargassum se tornaram tão massivas nos últimos anos que elas se acumulam nas praias com mais de um metro de espessura, liberando compostos de enxofre que irritam o sistema respiratório humano quando se decompõe. Dado que o turismo costeiro é a principal indústria do Caribe, as algas fedorentas que cobrem a areia têm um impacto econômico significativo.”

O que falta conhecer sobre o fenômeno?

“Para gerenciar melhor todas essas florações e seus riscos à saúde, precisamos aprender muito mais sobre as algas. Quais condições fazem elas crescerem? O que as empurra para produzir toxinas? Por que morrem? Para responder essas perguntas, devemos investir em pesquisa científica (Acorda, Brasil!). Precisamos expandir e inovar os sistemas de monitoramento e alerta e desenvolver uma capacidade mais forte de prever os florescimentos. Também precisamos entender mais sobre os efeitos dessas toxinas para a saúde. As toxinas que são alguns dos compostos naturais mais perigosos conhecidos pela humanidade.”

Saúde dos oceanos e a nossa saúde

Uma coisa é muito clara: nossa saúde depende da saúde do oceano. A conservação dos oceanos não é apenas salvar peixes-boi; é proteger a saúde humana. Essas florescências são mais um aviso de que os seres humanos precisam ter muito mais cuidado com a forma como impactamos o planeta. Caso contrário, os danos que infligimos aos oceanos continuarão voltando para nos atingir de novo e de novo.”

Artigo de…

Dr. Ayana Elizabeth Johnson, marine biologist and founder and CEO of Ocean Collectiv, a consulting firm for conservation solutions & Jennifer M. Panlilio is a developmental toxicologist and graduate student in the joint program between MIT and the Woods Hole Oceanographic Institution.

Observação do Mar Sem Fim

Os efeitos nefastos da maré vermelha por nós provocada, que se volta contra nossa saúde, não são exceções. Veja-se o caso do plástico. Por usarmos em demasia, e descartarmos sem antes reciclar, o microplástico é ingerido pela vida marinha, e volta pra nossa cadeia alimentar ao comermos peixes e frutos do mar. Até quando?

 Jogue lixo, no lixo. Economize água e luz. Peça, e dê carona. Ou vá de transporte público, se houver. E pressione sempre o poder público. Se lembrar que somos quase oito bilhões de terráqueos, verá que só há um modo de sair desta parada: cada um tem que fazer sua parte. Não tem outro jeito.

Videoclipe do Observatório Mundial dos Assuntos do Oceano que apresenta síntese do conceito “Oceanos e Saúde Humana”.


Fonte: https://www.huffingtonpost.com/entry/opinion-algal-blooms-health_us_5b802b9be4b0cd327dfc5b91.

Tráfico de animais silvestres, e o Facebook

Repórteres do Mar

O Mar Sem Fim quer a sua colaboração. Não é possível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, com a sua ajuda, podemos melhorar ainda mais o nosso conteúdo. Saiba como colaborar com o Mar Sem Fim.

Comentários Comentários do Facebook

3 COMENTÁRIOS

  1. Se aprendem pela sabedoria ou pela dor. A primeira opção está em extinção acelerada visto que povos dos maiores países americanos deram mostras de pouca ou nenhuma preocupação com o meio ambiente elegendo aliens alienados, então inexoravelmente a natureza que age fria e lentamente para corrigir as alterações irá criar panoramas nada agradáveis para nós nos âmbitos da alimentação e lazer. Finalmente até caberia uma frase afirmativa de Deus que nos deu o livre arbítrio e por ora tudo que nos interessa é que nada nos interessa sejam em água doce, ar que respiramos ou qualidade daquilo que nos alimenta. Se os gringos querem executar terraformação para que eles tenham para onde migrar, todos nós 7,8 bilhões de humanos desejamos marteformação aqui no planeta azul, não por muito tempo. Opinião de um brasileiro que aos 70 anos de idade vê que o ” Brasil o país do futuro” não passava nada mais que uma blague idiotizante.

  2. Bom dia! A preocupação maior é com a saúde do ser humano; Uma vez em condições ideais, este terá o conhecimento e percepção para preservação do meio ambiente!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here